Urbano Vagabundo

246 visualizações

Publicada em

Urbano Vagabundo (2000)

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
246
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Urbano Vagabundo

  1. 1. URBANO VAGABUNDO PAULO MAIA
  2. 2. UM ROSTO COLORIDO OFUSCADO VIDAS ATRAVESSADAS OLHOS NA CIDADE LABIRINTO O GRANDE VITRAL ROMÂNTICOS IMORAIS A CONSTRUÇÃO DRESSED ON NIGHT MEU MUNDOO GRITO ROUCO DO SILÊNCIO RASTROS E PISTAS ESPÍRITO EM SEGREDO O HOMEM ESCONDIDO
  3. 3. HÁ UMA SOMBRA QUE DESTACA O BRILHO DA TARDE... ...NO URBANO VAGABUNDO.
  4. 4. VEJO UM ROSTO DESASTRADO VEJO EM VOZES O QUE OUÇO QUASE NADA DESATENTO POR VEZES INDECENTE VIVER BURLANDO A PRÓPRIA MENTE DIZER QUE NÃO É NADA SIMPLESMENTE SE VOU DE LADO A LADO IMPACIENTE UM ROSTO VEJO UM ROSTO DESCOBERTO VEJO OLHOS QUE BUSCAM QUASE NADA SINTO AGORA O QUE VEJO NESSE OUTRO MINHA SORTE MUDANDO MAIS UM POUCO DIZER QUE NÃO SE TRATA O QUE NÃO SENTE SE VOLTO OU SIGO EM FRENTE CEGAMENTE VEJO UM ROSTO DESGRAÇADO 2000 © “URBANO VAGABUNDO” VEJO EM LUZ O QUE SINTO QUASE NADA UMA DOR QUE TE POSSUI FEITO UM AMANTE MINHA VIDA QUE PASSA NUM INSTANTE DIZER QUE TUDO É FARSA E SOMENTE O QUE SOBE CAI PRESO A UMA CORRENTE VEJO UM ROSTO CONDENADO VEJO EM FORMA O QUE SUSTENTA QUASE NADA UM DESERTO QUE ME ESPERA BEM À FRENTE UMA DROGA QUE ME DEIXA INCONSCIENTE DIZER QUE TANTO FAZ, QUE NÃO TEM PRESSA VEM FAZER FLUTUAR UMA PROMESSA DE UM ROSTOUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 4
  5. 5. FIZEMOS TUDO CERTO E NADA FUNCIONOU ESTÁVAMOS BEM PERTO COLORIDO OFUSCADO EM PÓ DESMORONOU O MUNDO DESCOBERTO UM SONHO ACORDOU UMA ESTRADA NO DESERTO A JANELA PARA O CÉU O FOGO DO INFERNO AQUECE O MEU 1998 © “LABIRINTO” A HISTÓRIA VEM SEM PRESSA ATRAÍ PODERES NATURAIS O MUNDO QUE NOS DESPERTA ACRESCENTA-NOS PLURAIS UM COLORIDO OFUSCADO VEM ÀS VEZES MERECER UM RETOQUE REBUSCADO ASAS PARA PODER VOAR O FRIO DO INVERNO CONGELA O MEUUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 5
  6. 6. SORRISO QUE ME VEM ENTRE O SOL E A LUA NO MESMO CAMINHO PELA MESMA RUA VIDAS ATRAVESSADAS SEMPRE A CHUVA A ME REFRESCAR BEIJO SOLITÁRIO NUM MOMENTO ESCONDIDO VIDAS ATRAVESSADAS NUM TREVO PERDIDO QUASE SEM O TEMPO A SE ENTREGAR COMO VEM, E É SÓ TAMANHA A VONTADE DE BRINCAR COM VOCÊ NÃO TEM, E É SÓ 1998 © “LABIRINTO” UM MUNDO ESPERANDO A NOSSA ESPERA SUSPIROS OFEGANTES EM ABRAÇOS ROUBADOS PERNAS EM CAMBALEIO NUM TREMOR SUFOCADO O QUE SE SENTE VEM ARREBATAR COMO VEM, E É ASSIM A SEDUÇÃO EM JOGO COM O ACASO VEM, E É ASSIM TEU SORRISO SEMPRE ACESO PARA MIMUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 6
  7. 7. COM OLHOS NA CIDADE NO ASFALTO ACENDO AS LUZES EM CARROS AUTOMÓVEIS EM TREVOS OU VIADUTOS ABUSOS EM PERIGO OLHOS NA CIDADE CALÇADAS E DEGETOS ENTRE BECOS E BOTECOS ESTAMOS SEM SAÍDA ACORDANDO UM POUCO MAL SEM NOTÍCIAS DO REAL ACORDO ASSUSTADO 1998 © “LABIRINTO” EM FAIXA DE PEDESTRE FARÓIS QUADRICULADOS É SIGNO QUE SE OBEDECE UM IGUAL BEM AO MEU LADO EMITE A SUA AGONIA SEM AR-CONDICIONADO REPETE O DIA A DIA UM ESTRONDO, UM TEMPORAL UMA TRAGÉDIA SEMANAL OLHOS NA CIDADE COM OS OLHOS NA CIDADEUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 7
  8. 8. SENTI SAUDADES LÁ DE FORA QUERIA IR, LEVAR-ME EMBORA AQUI NÃO HÁ MAIS TEMPO E HORA LABIRINTO EU TENHO A SOLIDÃO AGORA NESTE LABIRINTO DE CORREDORES TORTOS CIRCULAR EM FALSO E ERRADO GANHAR ESPAÇO RINDO À TOA NÃO FINJO ESTAR APAIXONADO ESCOLHO O TEMPO E NÃO ME ENCAIXO 1998 © “LABIRINTO” NESTE LABIRINTO DE ALTOS MUROS FORTES ENTÃO HAVIA SÓ O SILÊNCIO UM ALENTO NO CALOR E DOR UM NEVOEIRO MUITO DENSO EU CEGO SIGO NAVEGADOR NESTE LABIRINTO FECHADO NA SAÍDA NESTE LABIRINTO À SOMBRA DE UM TELHADOUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 8
  9. 9. A PAISAGEM DO GRANDE VITRAL NÃO É REAL É PEÇA DE UM SONHO MUSICAL O FATO VIVIDO TÃO DOCE E ESQUECIDO O GRANDE VITRAL PASSA O TEMPO TODO ASSIM E A MEMÓRIA QUE ESTEVE SEMPRE À MÃO NÃO POSSUI MAIS O FÔLEGO DA PAIXÃO A MÚSICA QUE ANTES EU ESCUTAVA DESAFINADA NÃO SIGNIFICA MAIS NADA VOCÊ ESTEVE LÁ E EU VI 1990 © “O INSTANTE DO SENTIDO” COMO ACORDEI ? JURO QUE NÃO SEI OS VENTOS CONTINUAM A MENTIR E A ALEGRIA DO NOSSO PASSADO FICOU ENTRE OS NOSSOS PASSOS E A PAISAGEM DO GRANDE VITRAL DE SONHO MUSICAL PASSOU À PEÇA DE UMA VIDA NORMAL VOCÊ ESTEVE LÁ E EU VI COMO ACORDEI ? JURO QUE NÃO SEIUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 9
  10. 10. AQUI TEMOS A INOCÊNCIA COMO DESCULPA DA DEFICIÊNCIA DE NOSSA COMPREENSÃO RESIDE NA INDECÊNCIA E NA POBREZA DA CONSCIÊNCIA A ESTUPIDEZ DE CADA AÇÃO MAS TÃO FÁCIL ESQUECERMOS ROMÂNTICOS IMORAIS DE ONDE NÓS VIEMOS CRIADOS ASSIM TÃO VIVOS IDOLATRANDO INIMIGOS JÁ NÃO TEMOS O PUDOR SOMENTE RESTA O NOSSO RANCOR SUPERFICIAL INVARIAVELMENTE ESTÚPIDOS TRANSFORMADOS EM MALUCOS 1993 © “CENÁRIO DAS PALAVRAS” E TUDO ISSO É TÃO REAL MAS TÃO FÁCIL ESQUECERMOS DO AMOR QUE NÓS QUEREMOS UM FATO OCASIONAL, ATITUDES SEM MORAL JÁ CHEGAMOS A UM CAMINHO AGORA É DESPERTAR DO NINHO E AVANÇAR O SINAL ESPERAR PELA INICIATIVA DE NOSSA MENTE TÃO CRIATIVA, TALVEZ É ESTAR ESTACIONADO MAS TÃO FÁCIL ESQUECERMOS O ABSURDO EM QUE VIVEMOS DE FORMAS ESPECIAIS SEMPRE QUERENDO MAISUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 10
  11. 11. A CONSTRUÇÃO TÃO BELA E ROBUSTA REALÇA A IMAGEM NO TERRENO MODERNO O SÓLIDO OBJETO RARO NA TERRA SOB O CÉU DILUI ESPERANÇAS NO HORIZONTE ETERNO TRANSCRITA A IDÉIA EM ENIGMAS EM CÓDIGO ESTÁ ENUNCIADA A CONSTRUÇÃO O PRÓSPERO DESPERTA NO SONHADOR A MÁGICA INSTRUMENTAL DO ACABADO E ENFIM DESCREVE-SE O PERVERSO A CONSTRUÇÃO EM MÁRMORE EM PROSA OU EM VERSO A CONSTRUÇÃO TÃO RUDE E MALICIOSA ENCONTRA-SE DE FRENTE AO MURO 1993 © “ CENÁRIO DAS PALAVRAS” AO LADO A VIA INFINITA RECORTA O ESPAÇO DESENHA OS TRAÇOS DO URBANO VAGABUNDO DESFRUTE O PASSEIO EM VOLTA DO CERCO DESMONTE O CENÁRIO E ACHE O MEDO ENCONTRE O TEU DESESPERO DO ALTO DO MONUMENTO A CONSTRUÇÃO ESPALHADA NO UNIVERSO TRADUZIDA NUM INQUIETO E INCONFUNDÍVEL INVERNO THE BUILDING IS WATCHING US SO UNREAL THE THINGS I’VE SAID IT’S NOT A BIG DEAL FROM NOW ON WE’RE SCREAMING AT THE WALL IN A WORD WRITTEN WE’LL RISE AND WE’LL FALLUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 11
  12. 12. DRESSED ON NIGHT DRESSED IN AN EMPTY LIFE LIVING IN A LIFE DRESSED ON NIGHT MAYBE SOMETIMES I COULD DIE THINKING ABOUT LIFE THINKING ABOUT OUR GOOD TIMES CAUGHT IN A LINE WONDER IF I COULD BE ALRIGHT 1997 © “QUADRO ÍNTIMO” YOU SHOULD STAY YOU COULD BE THERE EVERYDAY I’M ON MY WAY BUT YOU DON’T HAVE TO BE AFRAID DRESSED ON NIGHT I’LL BE ALRIGHT NAKED ON LIGHT COVER IT UP BEFORE I DIEUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 12
  13. 13. EU SEMPRE SONHEI QUE AQUI ESTIVESSE EU NUNCA PENSEI QUE VOCÊ VIESSE MEU MUNDO A ME TOCAR TÃO FUNDO NO MEU MUNDO EU NUNCA ACHEI QUE FOSSE TE ACHAR E SEMPRE PENSEI QUE NÃO EXISTIA NINGUÉM QUE TE QUERIA ME QUERIA ME ENTENDIA 1988 © “PASSAGEIRO DE UM FALSO LUGAR” E EU TE AMEI NUM MUNDO QUE ACHEI QUE ERA NORMAL E VI O QUE ERA ERA O MEU OLHAR PERDIDO NUMA ESFERA PERDIDO... EU SEMPRE TENTEI ME ESQUECER DE CHORAR MAS NUNCA DEIXEI DE ME APAIXONAR QUIS SEMPRE TOCAR TÃO FUNDO NO MEU MUNDOUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 13
  14. 14. SIGA TEU SONHO EM SEUS DOMÍNIOS VENÇA O ACASO, SE SIRVA DO VINHO SIGA TEUS PASSOS, NÃO OS PERCA DE VISTA O GRITO ROUCO DO SILÊNCIO AONDE QUER QUE VÁ DAR, PASSE EM REVISTA SEGUE TEU CAMINHO: O TEU DESTINO SE HÁ O QUE LHE AGRADA AFAGUE-O NO NINHO SIGA A CORAGEM, ESQUEÇA O NÃO PERCEBA O SIM QUE INVOCA A RAZÃO DÊ COR AOS OLHOS QUE A TUDO VÊ 1997 © “QUADRO ÍNTIMO” NÃO ESPERE O ESPELHO FALAR POR VOCÊ SIGA A MÚSICA. O TEU INSTINTO SIGA A LOUCURA E O SEU FASCÍNIO SIGA TEU MEDO, TEU DESESPERO LIBERTE OS ANSEIOS DO CATIVEIRO VOLTE AO PRINCÍPIO, ESQUEÇA O RESTO PERCEBA O ERRO ANTES DE SEU MANIFESTO DÊ ATENÇÃO AO GRITO ROUCO DO SILÊNCIO.Urbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 14
  15. 15. TEMPOS FELIZES, MUITOS FILHOS DE REPENTE POUCOS DESLIZES, MUITO RISO INOCENTE ESPERAM O SINAL À FRENTE MÍSTICA IMAGEM O TOM NUM CERTO TRANSPARENTE O SONHO VIVO DA CONQUISTA ADOLESCENTE A VIDA ESPERA PACIENTE MAS SE ENCONTRAM FÁCIL SE ENCAIXAM, RASTROS E PISTAS SE VEM PARA A HISTÓRIA POUCOS SÃO OS QUE RECORREM À MEMÓRIA POUCOS MUITO LOUCOS SEGUEM FIRME DOMANDO A NOITE RASTROS E PISTAS EM SEUS NOMES VELHOS MANUSCRITOS NUMA LÍNGUA DIFERENTE SUGEREM IMAGENS QUASE CÍNICAS RELUZENTES CEDEM AO CAOS EMINENTE DEDICAM AO ÍNTIMO A HONRA E A CONQUISTA SÃO CONHECIDOS PELO CALOR DA NOTÍCIA 1993 © “CENÁRIO DAS PALAVRAS” SOMENTE A SERIEDADE ARRISCA MAS SE ILUDEM FÁCIL, SE PERDEM ENTRAM PARA A HISTÓRIA POUCOS SÃO OS MERECEDORES DA VITÓRIA SÉRIOS POUCO LEVES SEGUEM CÉTICOS À LUZ DO DIA RASTROS E PISTAS NA AGONIA SENTIMENTOS VIVOS LEMBRANÇAS QUE RESPIRAM FERIMENTOS FRIOS E AMIZADES QUE IRRADIAM TODO O LOCAL PRESENTE SEGUEM A MISSÃO QUE ABRAÇARAM LENTAMENTE NÃO SE IMPORTAM COM O TEMPO QUE PASSA BREVEMENTE NUTREM O SINAL CARENTE MAS SE JOGAM FÁCIL, ENVELHECEM, ESCREVEM A HISTÓRIA POUCOS SÃO OS QUE SOBREVIVEM NA GLÓRIA VELHOS E ROMÂNTICOS SÃO VITAISUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. RELATAM A VIDA EM RASTROS E PISTAS NARRATIVAS 15
  16. 16. TODA A NOSSA LOUCURA ACESA PASSADA A LIMPA EM CIMA DA MESA O VENTO ÚMIDO GELA A ALMA A BRISA FRACA NOS TRAZ A CALMA EM TODOS OS NOSSOS CONFLITOS DO COTIDIANO A VOZ COMO FORÇA VEM PREGAR A ORDEM SENTIMOS TER DADO FIM ÀS CRISES ESPÍRITO EM SEGREDO QUANDO O DISCURSO NÃO MAIS EXISTE SERÁ A NOSSA ALEGRIA SEMPRE O REMÉDIO DO NOSSO GRANDE E LOUCO TÉDIO ESTÁ O CORPO ENCARANDO O MEDO OU É O ESPÍRITO EM SEGREDO EM NOSSO OBJETIVO FUNDAMENTAL SEMPRE ME RECORDO DE SER NORMAL 1993 © “CENÁRIO DAS PALAVRAS” O PENSAMENTO FIXO E ESPESSO ESTÁ EM RISTE E PELO AVESSO SERÁ O NOSSO PAPEL O DE UM ATOR SANGRANDO A TESTA, CONTROLANDO A DOR ESTÁ A ALMA FUGINDO TÃO CEDO LEVANDO O ESPÍRITO EM SEGREDO A VAIDADE CEDEU LUGAR AO PRANTO EM FRAGMENTOS PERDEU-SE O ENCANTO A ORDEM CEGA IMPEDE A LIBERDADE NÃO FAZ SENTIDO NOSSA VONTADE ESTARÁ O MUNDO SEGUINDO À TOA OU ENTÃO É O MEIO QUE DESTOA ESTARÁ O ESPÍRITO EM SEGREDO SEGUROUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. OU NOSSA OPINIÃO EM CIMA DO MURO 16
  17. 17. ÁGUA NOS OLHOS OS DEDOS DORMENTES O HOMEM ESCONDIDO NA BOCA PALAVRAS MASTINGAM OS DENTES CABELOS COMPRIDOS O ROSTO ESCONDIDO A PEDRA CINTILANTE BEM PERTO DO OUVIDO 1998 © “LABIRINTO” O PEITO DESCOBERTO ABAIXO UM UMBIGO AS PERNAS APRESENTAM JOELHOS TREMIDOS O COLO QUE ESQUENTA UM TATOO DESCOLORIDO E O CORPO APRESENTA O HOMEM ESCONDIDO O HOMEM ESCONDIDOUrbano Vagabundo 2000 © Paulo Maia. Todos os Direitos Reservados. 17
  18. 18. URBANO VAGABUNDO POR PAULO MAIA TODAS AS LETRAS SÃO DE AUTORIA DE PAULO MAIA,EXCETO MEU MUNDO, LETRA DE VANYA SANSIVIERI E PAULO MAIA SÃO PAULO, AGOSTO 2000 Este álbum é dedicado ao meu filho Guilherme

×