Revisão neuroanatomia

1.004 visualizações

Publicada em

1ª aula de neuroanatomia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.004
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
494
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão neuroanatomia

  1. 1. REVISÃO NEUROANATOMIA PROPEDÊUTICA NEUROLÓGICA
  2. 2. NERVO Filamentos radiculares (radículas) Raiz ventral Raiz dorsal + Gânglio sensitivo NERVOS ESPINHAIS
  3. 3. MEDULA ESPINHAL • 31 PARES DE NERVOS ESPINHAIS:  8 CERVICAIS  12 TORÁCICOS  5 LOMBARES  5 SACRAIS  1 COCCÍGEO
  4. 4. MEDULA ESPINHAL  MEDIDA  45cm NO ADULTO • LIMITES : 1. CRANIAL  BULBO (FORAME MAGNO) 2. CAUDAL  2a. VÉRTEBRA LOMBAR (L2)
  5. 5. MEDULA ESPINHAL • CONE MEDULAR  forma conica na extremidade caudal • FILAMENTO TERMINAL meníngeo (PIA- MÁTER), perfura aracnóide e dura-máter e fixa-se ao ligamento coccígeo • CAUDA EQUINA conjunto de raízes nervosas anteriores e posteriores + filamento terminal
  6. 6. MEDULA ESPINHAL • SUBSTÂNCIA CINZENTA POR DENTRO DA BRANCA • FORMA DE UM “H “. • CONSTITUÍDA DE UM AGLOMERADO DE NÚCLEOS (corpos celulares, células gliais e vasos sanguíneos)
  7. 7. Substância cinzenta da medula • Coluna dorsalprocessamento sensorial, • Coluna lateralcorpos celulares pré- ganglionares simpáticos (toraco-lombares) e parassimpáticos (sacrais) • Coluna ventrallocal dos neurônios motores inferiores
  8. 8. MEDULA ESPINHAL
  9. 9. MEDULA ESPINHAL • SUBSTÂNCIA BRANCA: • FIBRAS MIELÍNICAS , AGRUPADAS EM 3 FUNÍCULOS ( CORDÕES ), SOBEM E DESCEM PELA MEDULA.
  10. 10. MEDULA ESPINHAL
  11. 11. TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL Vias de Dor e Temperatura Fibras cruzam a linha média pela comissura branca, Seguem pelo funículo lateral da medula do lado oposto, Na ponte une-se ao espinotalâmico anterior para formar o lemnisco espinhal, termina no tálamo.
  12. 12. TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL Chegam à área somestésica do córtex cerebral situada no giro pós-central sensibilidade térmica e dolorosa do lado oposto do corpo
  13. 13. Lesão do trato espinotalâmico lateral Anestesia térmica e dolorosa da região do corpo abaixo e contra lateralmente à lesão
  14. 14. TRATO ESPINOTALÂMICO ANTERIOR Via de pressão e tato protopático  Fibras cruzam a linha média pela comissura branca, Seguem pelo funículo anteriorda medula do lado oposto, Na ponte une-se ao espinotalâmico lateral para formar o lemnisco espinhal, Termina no tálamo.
  15. 15. Fascículo Grácil e cuneiforme Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória
  16. 16. FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória • Neurônios I=>situam-se nos fascículos grácil e cuneiforme, terminam no bulbo, • Neurônios II => nos núcleos grácil e cuneiforme (no bulbo), as fibras cruzam o plano mediano para formar o lemnisco medial (tálamo), • Neurônios III => no núcleo ventral postero – lateral do tálamo, radiações talâmicas chegam à area somestésica passando pela cápsula interna e coroa radiada.
  17. 17. FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória • Tato epicrítico discriminação de 2 pontos • Propriocepção consciente • Sensibilidade vibratória
  18. 18. SOMATOTOPIA: representação no SNC da superfície cutânea ou do interior do corpo. Fascículo grácil (membros inferiores) Fascículo cuneiforme (membros superiores, ombro e pescoço)
  19. 19. ANTERO – LATERAL (Espino-talamico) Tato protopático Dor e Temperatura Fasciculo grácil e cuneiforme Tato epicrítico, Proprioceçâo, Vibração Cruzamento na MEDULA Cruzamento no BULBO Vias somestésicas
  20. 20. • Secção medular=> anestesia para todas as formas de sensibilidade abaixo da lesão • Hemisecção da medula abaixo da lesão abolição da sensibilidade profunda do mesmo lado da, anestesia térmica e dolorosa do lado oposto da lesão.
  21. 21. Sistema Piramidal Motricidade • 1º neurônio motor –Via piramidal • 2º neurônio motor –Via periférica
  22. 22. Neurônios motores superiores • Encontrados no encéfalo • O neurônio motor superior tem seu corpo celular no córtex motor primário, mais precisamente no giro pré-central do lobo frontal (área 4 de Brodmann), • NMSs corticais provenientes do trato corticospinal e corticobulbar regulam os movimentos conscientemente direcionados ou voluntários
  23. 23. Neurônios motores inferiores • Encontrados no corno anterior da medula espinal ou em núcleos de nervos cranianos motores do tronco encefálico, • Axônios saem pelas raízes ventrais ou pelos nervos cranianos para suprir músculos esqueléticos, • Sinapses NMI com fibras musculares formam junções neuromusculares e liberam o neurotransmissor acetilcolina, que age nos receptores dos músculos esqueléticos.
  24. 24. Trato corticospinal Cortex motor primário Células piramidais Controle dos olhos, mandíbula, faringe
  25. 25. Tratos corticospinal e corticobulbar Cápsula interna
  26. 26. Piramidal • Homúnculo motor de Penfield  disposição somatotópica representação da face inferiormente, junto ao sulco lateral, superiormente os MMSS, tronco e MMII na face medial do hemisfério
  27. 27. Copyright © 2009 Allyn & Bacon Homúnculo motor
  28. 28. “Homúnculo” Motor 8.42
  29. 29. Vias descendentes • Trato piramidal ou córtico-espinhal – destino  núcleos motores espinhais (une o córtex aos neurônios motores) • Trato córtico-bulbar ou córtico-nuclear : destino  núcleos motores do tronco.
  30. 30. Piramidal • As fibras do trato corticoespinhal surgem como axônios das células piramidais, • 1/3 das fibras origem do córtex motor primário (área 4), • 1/3 da área motora secundária, • 1/3 do lobo parietal.
  31. 31. Piramidal • Após sairem do córtex (área 4 ) : os axônios do trato piramidal descem pela corona radiada, para atingir a perna posterior da cápsula interna,  base do pedúnculo cerebral,  base da ponte e pirâmide bulbar.
  32. 32. Piramidal • Ao nível do bulbo forma um só feixe , a pirâmide bulbar (piramidal), • No 1/3 caudal as fibras cruzam pela decussação piramidal, • 90% das fibras passam dorsolateralmente para formar o trato córtico-espinhal lateral (mais importante), • Ocupa funículo lateral.
  33. 33. Piramidal • Trato cortico-espinhal ventral (anterior): • fibras não cruzadas. • Fibras ocupam o funículo anterior, • Terminam com relação aos neurônios motores contralaterais, cruzam comissura branca • Inervam os músculos paraxiais
  34. 34. Piramidal • Principal função  motora somática • Responsável pela motricidade voluntária (via que confere velocidade e agilidade aos movimentos voluntários, usados para realização de movimentos rápidos dependentes de habilidade), • Controle da musculatura axial e apendicular
  35. 35. Piramidal • Lesão  incapacidade de realizar movimentos independentes de grupos musculares isolados
  36. 36. Trato córtico - nuclear • Transmite impulsos aos neurônios motores do tronco encefálico.
  37. 37. Sistema Piramidal • Trato córtico-nuclear (cortico-bulbar) – Do córtex aos núcleos dos nervos cranianos • Mesencéfalo – III e IV pares cranianos • Ponte – V, VI e VII pares cranianos • Bulbo – IX, X, XI e XII pares cranianos
  38. 38. Lesões do neurônio motor

×