De Tudo Que Eu Tive
PAULA BAGGIO
- “Filho, de baixo para cima parecia confuso e
desordenado porque você não viu que na parte de cima
havia um belo desenho....
De tudo que tive, pouco me sobra.
De todas as certezas, nenhuma,
De toda a verdade, alguma,
De tudo que tive, pouco me res...
Mas tive de tudo,
Amálgama do ser!
Tive primaveras magníficas,
Águas claras, pastos imensos,
Bois ruminando a paz,
Pássaros cantando o amor;
Azuis, de todas ...
Mudança...
Mudança é do que mais tive!
Mudança com tudo estático,
Mudança em mim,
Criança,
Projetos de papel,
Casas de areia.
De tudo que tive, pouco resta.
Resta um resto de areia:
Fina areia coada,
Escorrendo implacável as horas,
Restam as mãos q...
Resta essa cabeça que não pára,
Quando bem poderia ter parado...
Resta um corpo que sente,
Um coração que pulsa,
A repulsa...
Do muito que tive, me farto!
Do pouco que tenho, me
engasgo,
Travo na garganta,
Descompasso,
Grasno, gargalho...choro...
A...
Do sonho que tive, parto.
Sem dor, sem mágoas,
Sem choro,
Sem amanhã,
Sem nada!
19/08/2008
Poema e aquarela inicial:
Paula Baggio
∞∞
PPS: Kathleen Lessa
04/10/2008
música: “The Garden”
Todos os direitos reservados.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

De tudo que eu tive+música

136 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

De tudo que eu tive+música

  1. 1. De Tudo Que Eu Tive PAULA BAGGIO
  2. 2. - “Filho, de baixo para cima parecia confuso e desordenado porque você não viu que na parte de cima havia um belo desenho...
  3. 3. De tudo que tive, pouco me sobra. De todas as certezas, nenhuma, De toda a verdade, alguma, De tudo que tive, pouco me resta. Resta-me a fatalidade do tempo escasso, A vertiginosa aventura da vida, Escoando, Fina areia coada, Pelo gargalo do agora.
  4. 4. Mas tive de tudo, Amálgama do ser!
  5. 5. Tive primaveras magníficas, Águas claras, pastos imensos, Bois ruminando a paz, Pássaros cantando o amor; Azuis, de todas as gamas, Azuis profundamente azuis. Verdes luminosos, verde esperança...
  6. 6. Mudança...
  7. 7. Mudança é do que mais tive! Mudança com tudo estático, Mudança em mim, Criança, Projetos de papel, Casas de areia.
  8. 8. De tudo que tive, pouco resta. Resta um resto de areia: Fina areia coada, Escorrendo implacável as horas, Restam as mãos quase vazias de tempo, Restam pedaços, alguns, Do muito que perdi pela estrada...
  9. 9. Resta essa cabeça que não pára, Quando bem poderia ter parado... Resta um corpo que sente, Um coração que pulsa, A repulsa da vida vã. Resta o olhar que tortura, Resta o ouvido que não olvida, O vivido.
  10. 10. Do muito que tive, me farto! Do pouco que tenho, me engasgo, Travo na garganta, Descompasso, Grasno, gargalho...choro... Atalho O sal das lágrimas, Nem últimas nem primeiras...
  11. 11. Do sonho que tive, parto. Sem dor, sem mágoas, Sem choro, Sem amanhã, Sem nada! 19/08/2008
  12. 12. Poema e aquarela inicial: Paula Baggio ∞∞ PPS: Kathleen Lessa 04/10/2008 música: “The Garden” Todos os direitos reservados.

×