Universidade Federal de Santa Catarina
Departamento de Microbiologia e Parasitologia
Universidade Federal de Santa Catarin...
Legislação MTE
EPI/EPC:
Todo dispositivo ou produto, de
uso individual/coletivo utilizado pelo
trabalhador, destinado à pr...
Legislação MTE
www.mte.gov.brwww.mte.gov.br
Equipamentos de Proteção Individual - EPI
EPI
Equipamento Conjugado de Proteção IndividualEquipamento Conjugado de Proteçã...
EPI & EPC
Necessidade:
Normas técnicas
X
Requerimentos específicos
X
“Achismo”
Necessidade:
Normas técnicas
X
Requerimento...
EPI
Comercialização de EPI (NR 6/MTE):
• Necessidade de Certificado de Aprovação (CA),
• Expedição/renovação/fiscalização ...
Requerimentos de cada unidade
Conhecimento do supervisor e do pessoal sobre as normas
• Conhecimento de perigos potenciais...
Normas Técnicas
Normalização no campo de equipamentos de
proteção individual compreendendo vestimentas e
equipamentos indi...
- Prevenção do escape de organismos
patogênicos e/ou exóticos, de substâncias
nocivas e de OGM.
- Prevenção à saúde do tra...
Conhecimento
Educação
Bom senso
Responsabilidade
Comprometimento
Cobrança
Conhecimento
Educação
Bom senso
Responsabilidade...
Minimização dos riscos
Práticas / Equipamentos / EPI / EPCPráticas / Equipamentos / EPI / EPC
Medidas de controleMedidas d...
Prevenção da saúde
• Comissões Internas de Biossegurança - CIBio
• Comissões de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH
• C...
Biossegurança:
• Hábito deve começar já na faculdade
• Ensinar e reforçar a importância da limpeza
dos aparelhos de uso co...
Avental ou roupas de proteçãoAvental ou roupas de proteAvental ou roupas de proteççãoão
Laboratórios biológicos:
Aventais ...
Avental ou roupas de proteçãoAvental ou roupas de proteAvental ou roupas de proteççãoão
Biossegurança
LuvasLuvasLuvas
Existem 04 parâmetros para medir a eficiência das luvas:
Bloqueio: capacidade de impedir o contato.
Permea...
LuvasLuvasLuvas
Materiais:
Nenhuma luva pode proteger de todos os produtos;
Luvas de látex são adequadas à proteção biológ...
LuvasLuvasLuvas
Bom para uma ampla variedade de solventesBom para uma ampla variedade de solventes
orgânicos,orgânicos, áá...
Luvas:
Manutenção e conservação
Luvas:Luvas:
ManutenManutençção e conservaão e conservaççãoão
Devem ser inspecionadas ante...
LuvasLuvasLuvas
Como selecionar:Como selecionar:
Considerar necessidade, adequaConsiderar necessidade, adequaçção,ão,
dese...
LuvasLuvasLuvas
LátexLLáátextex
NeopreneNeopreneNeoprene
NitrílicasNitrNitríílicaslicas
Biossegurança
Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular
Deve estar disponível para todos os que trabalhem
locai...
Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular
Tipos:
Óculos de segurança;
Protetor facial.
Caracterís...
OperaçãoOperaOperaççãoão Proteção requeridaProteProteçção requeridaão requerida
Entrada em local onde haja
razoável probab...
Conservação:
Manter os equipamentos limpos, não
utilizando para isso materiais abrasivos ou
solventes orgânicos;
Guardar o...
O uso de lentes de contato no laboratório:
Prós:
Melhor visão periférica;
mais confortáveis;
Pode funcionar como barreira ...
O uso de lentes de contato no laboratório:
Contras:
Partículas podem ficar retidas sob as lentes de
contato;
Podem descolo...
Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular
Biossegurança
Cabines
• Cabines de Segurança Biológica (CSB)
Níveis de biossegurança (NB)
• Capelas de Exaustão (gases)
• Capelas de Seg...
Cabines
CSBCSB
CSBs são divididas em:
• Classe I
• Classe II (A, B1, B2, B3)
• Classe III
São diferenciadas de acordo com:
• Tipo de exau...
Cabines
CSBCSB
Cabines
CSB – I
- painel frontal aberto ou fechado (uso de luvas de borracha)
- não protege o experimento (o ar penetra na...
Cabines
CSB – II (B2)
- protege ao operador, ao experimento e ao ambiente
- o ar não recircula (permite manipulação químic...
CSB III
- contenção máxima
- absolutamente hermética
- vidros blindados
- aço inoxidável
- uso de luvas de borracha
- temp...
Cabines
CSQCSQ
Cabines
CSQCSQ
Chuveiros e lava-olhosChuveiros e lavaChuveiros e lava--olhosolhos
Biossegurança
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biosseguranca em laboratorios__epi_epc

246 visualizações

Publicada em

biossegurança; epi; epc

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
246
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biosseguranca em laboratorios__epi_epc

  1. 1. Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia e Parasitologia Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia e Parasitologia BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina
  2. 2. Legislação MTE EPI/EPC: Todo dispositivo ou produto, de uso individual/coletivo utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. EPI/EPC: Todo dispositivo ou produto, de uso individual/coletivo utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. NR 6 - MTENR 6 - MTE
  3. 3. Legislação MTE www.mte.gov.brwww.mte.gov.br
  4. 4. Equipamentos de Proteção Individual - EPI EPI Equipamento Conjugado de Proteção IndividualEquipamento Conjugado de Proteção Individual
  5. 5. EPI & EPC Necessidade: Normas técnicas X Requerimentos específicos X “Achismo” Necessidade: Normas técnicas X Requerimentos específicos X “Achismo”
  6. 6. EPI Comercialização de EPI (NR 6/MTE): • Necessidade de Certificado de Aprovação (CA), • Expedição/renovação/fiscalização e definição de prazos de validade dos CA’s são competência do órgão competente em segurança e saúde no trabalho do MTE Comercialização de EPI (NR 6/MTE): • Necessidade de Certificado de Aprovação (CA), • Expedição/renovação/fiscalização e definição de prazos de validade dos CA’s são competência do órgão competente em segurança e saúde no trabalho do MTE Requerimentos ao fabricante: • Instruções em português, incluindo orientação de utilização, manutenção e restrições de uso, • Responsabilidade da qualidade dos EPI’s e requerer novo CA se houverem alterações nas especificações Requerimentos ao fabricante: • Instruções em português, incluindo orientação de utilização, manutenção e restrições de uso, • Responsabilidade da qualidade dos EPI’s e requerer novo CA se houverem alterações nas especificações
  7. 7. Requerimentos de cada unidade Conhecimento do supervisor e do pessoal sobre as normas • Conhecimento de perigos potenciais • Domínio das práticas e técnicas • Especificidade por unidade • Adequação da unidade • Treinamento continuado • Controle de qualidade Requerimentos de cada unidade Conhecimento do supervisor e do pessoal sobre as normas • Conhecimento de perigos potenciais • Domínio das práticas e técnicas • Especificidade por unidade • Adequação da unidade • Treinamento continuado • Controle de qualidade Literatura www.funasa.gov.brwww.funasa.gov.br
  8. 8. Normas Técnicas Normalização no campo de equipamentos de proteção individual compreendendo vestimentas e equipamentos individuais destinados a proteção de pessoas contra riscos, tais como: Normalização no campo de equipamentos de proteção individual compreendendo vestimentas e equipamentos individuais destinados a proteção de pessoas contra riscos, tais como: Comitês Técnicos de NormalizaçãoComitês Técnicos de Normalização ABNT/CB-32 COMITÊ BRASILEIRO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL ABNT/CB-32 COMITÊ BRASILEIRO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Radiação nuclear: Responsabilidade do ABNT/CB-20.Radiação nuclear: Responsabilidade do ABNT/CB-20. Proteção respiratória, proteção auditiva, capacete de segurança, luvas de segurança, óculos de segurança e cinturões de segurança, no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades. Proteção respiratória, proteção auditiva, capacete de segurança, luvas de segurança, óculos de segurança e cinturões de segurança, no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades.
  9. 9. - Prevenção do escape de organismos patogênicos e/ou exóticos, de substâncias nocivas e de OGM. - Prevenção à saúde do trabalhador (pesquisadores, professores, funcionários, estagiários, alunos, etc…) e ao meio ambiente - Prevenção do escape de organismos patogênicos e/ou exóticos, de substâncias nocivas e de OGM. - Prevenção à saúde do trabalhador (pesquisadores, professores, funcionários, estagiários, alunos, etc…) e ao meio ambiente Biossegurança em LaboratóriosBiossegurança em Laboratórios Biossegurança
  10. 10. Conhecimento Educação Bom senso Responsabilidade Comprometimento Cobrança Conhecimento Educação Bom senso Responsabilidade Comprometimento Cobrança Biossegurança
  11. 11. Minimização dos riscos Práticas / Equipamentos / EPI / EPCPráticas / Equipamentos / EPI / EPC Medidas de controleMedidas de controle VigilânciaVigilância CDC, 2001 - modificadoCDC, 2001 - modificado Organismos / SubstânciasOrganismos / Substâncias Escape / VazamentoEscape / Vazamento SusceptibilidadeSusceptibilidade Infecção / ContaminaçãoInfecção / Contaminação
  12. 12. Prevenção da saúde • Comissões Internas de Biossegurança - CIBio • Comissões de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH • Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPA • Comissões de Segurança no Trabalho – CST • Serviço de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT • Comissões Internas de Biossegurança - CIBio • Comissões de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH • Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPA • Comissões de Segurança no Trabalho – CST • Serviço de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT
  13. 13. Biossegurança: • Hábito deve começar já na faculdade • Ensinar e reforçar a importância da limpeza dos aparelhos de uso comum nos laboratórios Biossegurança: • Hábito deve começar já na faculdade • Ensinar e reforçar a importância da limpeza dos aparelhos de uso comum nos laboratórios Problema não é exclusivo do Brasil: EUA, França, Espanha, Índia Problema não é exclusivo do Brasil: EUA, França, Espanha, Índia Prevenção da saúde
  14. 14. Avental ou roupas de proteçãoAvental ou roupas de proteAvental ou roupas de proteççãoão Laboratórios biológicos: Aventais descartáveis não protegem contra substâncias químicas; são altamente inflamáveis; devem ser usados uma única vez; Os aventais devem ficar no ambiente do laboratório. Devem ser de algodão, de mangas longas, e na altura do joelho. Preferencialmente com ribana, de colarinho tipo “Padre” e de abertura lateral. Laboratórios biológicos: Aventais descartáveis não protegem contra substâncias químicas; são altamente inflamáveis; devem ser usados uma única vez; Os aventais devem ficar no ambiente do laboratório. Devem ser de algodão, de mangas longas, e na altura do joelho. Preferencialmente com ribana, de colarinho tipo “Padre” e de abertura lateral. Biossegurança
  15. 15. Avental ou roupas de proteçãoAvental ou roupas de proteAvental ou roupas de proteççãoão Biossegurança
  16. 16. LuvasLuvasLuvas Existem 04 parâmetros para medir a eficiência das luvas: Bloqueio: capacidade de impedir o contato. Permeação: velocidade com que um produto permeia através da mesma; Tempo de resistência: é o tempo decorrido entre o contato inicial com o lado externo da luva e a detecção do produto na parte interna da luva. Degradação: mudanças em quaisquer propriedades físicas da luva. Existem 04 parâmetros para medir a eficiência das luvas: Bloqueio: capacidade de impedir o contato. Permeação: velocidade com que um produto permeia através da mesma; Tempo de resistência: é o tempo decorrido entre o contato inicial com o lado externo da luva e a detecção do produto na parte interna da luva. Degradação: mudanças em quaisquer propriedades físicas da luva. Biossegurança
  17. 17. LuvasLuvasLuvas Materiais: Nenhuma luva pode proteger de todos os produtos; Luvas de látex são adequadas à proteção biológica. Luvas de látex descartáveis são permeáveis a todos os produtos químicos com maior ou menor grau de permeação; Para contato prolongado com produtos químicos, usar luvas nitrílicas descartáveis. Materiais: Nenhuma luva pode proteger de todos os produtos; Luvas de látex são adequadas à proteção biológica. Luvas de látex descartáveis são permeáveis a todos os produtos químicos com maior ou menor grau de permeação; Para contato prolongado com produtos químicos, usar luvas nitrílicas descartáveis. Biossegurança
  18. 18. LuvasLuvasLuvas Bom para uma ampla variedade de solventesBom para uma ampla variedade de solventes orgânicos,orgânicos, áácidos e bases.cidos e bases. NitrNitríílicalica Ruim para soluRuim para soluçções aquosas. Bom paraões aquosas. Bom para solventes aromsolventes aromááticos eticos e halogenadoshalogenados.. PVAPVA Bom paraBom para áácidos e bases, ruim para a maioriacidos e bases, ruim para a maioria dos solventes orgânicos.dos solventes orgânicos. PVCPVC Bom paraBom para áácidos e bases, percidos e bases, peróóxidos,xidos, hidrocarbonetos,hidrocarbonetos, áálccoislccois, fen, fenóóis. Ruim parais. Ruim para solventes aromsolventes aromááticos eticos e halogenadoshalogenados.. NeopreneNeoprene Bom paraBom para áácidos e bases dilucidos e bases diluíídos, pdos, pééssima parassima para solventes orgânicossolventes orgânicos LLáátextex UsosUsosTiposTipos Biossegurança
  19. 19. Luvas: Manutenção e conservação Luvas:Luvas: ManutenManutençção e conservaão e conservaççãoão Devem ser inspecionadas antes e depois do uso quanto a sinais de deterioração, pequenos orifícios, descoloração, ressecamento, etc; Luvas descartáveis não devem ser limpas ou reutilizadas; As luvas não descartáveis devem ser lavadas, secas e guardadas longe do local onde são manipulados produtos químicos; Lavar as mãos sempre que retirar as luvas. Devem ser inspecionadas antes e depois do uso quantoDevem ser inspecionadas antes e depois do uso quanto a sinais de deterioraa sinais de deterioraçção, pequenos orifão, pequenos orifíícios,cios, descoloradescoloraçção, ressecamento,ão, ressecamento, etcetc;; Luvas descartLuvas descartááveis não devem ser limpas ouveis não devem ser limpas ou reutilizadas;reutilizadas; As luvas não descartAs luvas não descartááveis devem ser lavadas, secas eveis devem ser lavadas, secas e guardadas longe do local onde são manipuladosguardadas longe do local onde são manipulados produtos quprodutos quíímicos;micos; Lavar as mãos sempre que retirar as luvas.Lavar as mãos sempre que retirar as luvas. Biossegurança
  20. 20. LuvasLuvasLuvas Como selecionar:Como selecionar: Considerar necessidade, adequaConsiderar necessidade, adequaçção,ão, desempenho, conforto para o usudesempenho, conforto para o usuáário e prerio e preççoo (alergia(alergia àà luva de lluva de láátex).tex). LinksLinks úúteis:teis: www.bestgloves.comwww.bestgloves.com www.mapaglove.comwww.mapaglove.com Biossegurança
  21. 21. LuvasLuvasLuvas LátexLLáátextex NeopreneNeopreneNeoprene NitrílicasNitrNitríílicaslicas Biossegurança
  22. 22. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Deve estar disponível para todos os que trabalhem locais onde haja manuseio ou armazenamento de substâncias químicas e/ou biológicas; Todos os visitantes deste local também deverão utilizar proteção facial / ocular; O uso é obrigatório em atividades onde houver probabilidade de respingos, de aerossóis, de evaporação ou de escape de produtos. Deve estar disponDeve estar disponíível para todos os que trabalhemvel para todos os que trabalhem locais onde haja manuseio ou armazenamento delocais onde haja manuseio ou armazenamento de substâncias qusubstâncias quíímicas e/ou biolmicas e/ou biolóógicas;gicas; Todos os visitantes deste local tambTodos os visitantes deste local tambéém deverãom deverão utilizar proteutilizar proteçção facial / ocular;ão facial / ocular; O usoO uso éé obrigatobrigatóório em atividades onde houverrio em atividades onde houver probabilidade de respingos, de aerossprobabilidade de respingos, de aerossóóis, deis, de evaporaevaporaçção ou de escape de produtos.ão ou de escape de produtos. Biossegurança
  23. 23. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Tipos: Óculos de segurança; Protetor facial. Características: Não deve distorcer imagens ou limitar o campo visual; Devem ser resistentes aos produtos que serão manuseados; Devem ser confortáveis e de fácil limpeza e conservação. Tipos: Óculos de segurança; Protetor facial. Características: Não deve distorcer imagens ou limitar o campo visual; Devem ser resistentes aos produtos que serão manuseados; Devem ser confortáveis e de fácil limpeza e conservação. Biossegurança
  24. 24. OperaçãoOperaOperaççãoão Proteção requeridaProteProteçção requeridaão requerida Entrada em local onde haja razoável probabilidade de respingos no rosto Entrada em local onde haja razoável probabilidade de respingos no rosto Óculos de segurançaÓculos de segurança Manuseio de produtos químico corrosivos Manuseio de produtos químico corrosivos Óculos de segurança com vedação Óculos de segurança com vedação Manuseio de produtos químicos perigosos Manuseio de produtos químicos perigosos Óculos de segurança com vedação Óculos de segurança com vedação Transferência de mais do que um litro de produtos químicos corrosivos ou perigosos Transferência de mais do que um litro de produtos químicos corrosivos ou perigosos Óculos de segurança com vedação e protetor facial Óculos de segurança com vedação e protetor facial Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Biossegurança
  25. 25. Conservação: Manter os equipamentos limpos, não utilizando para isso materiais abrasivos ou solventes orgânicos; Guardar os equipamentos de forma a prevenir avarias. Conservação: Manter os equipamentos limpos, não utilizando para isso materiais abrasivos ou solventes orgânicos; Guardar os equipamentos de forma a prevenir avarias. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Biossegurança
  26. 26. O uso de lentes de contato no laboratório: Prós: Melhor visão periférica; mais confortáveis; Pode funcionar como barreira a alguns gases e partículas; Melhor do que óculos em atmosferas úmidas; Melhor para trabalhar com instrumentos ópticos; Melhor para utilização de óculos de segurança; Não têm problemas de reflexo, como os óculos. O uso de lentes de contato no laboratório: Prós: Melhor visão periférica; mais confortáveis; Pode funcionar como barreira a alguns gases e partículas; Melhor do que óculos em atmosferas úmidas; Melhor para trabalhar com instrumentos ópticos; Melhor para utilização de óculos de segurança; Não têm problemas de reflexo, como os óculos. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Biossegurança
  27. 27. O uso de lentes de contato no laboratório: Contras: Partículas podem ficar retidas sob as lentes de contato; Podem descolorir ou tornar-se turvas em contato com alguns vapores químicos; Lentes gelatinosas podem secar em ambientes com pouca umidade; Alguns vapores e gases podem ser absorvidos nas lentes e causar irritação. O uso de lentes de contato no laboratório: Contras: Partículas podem ficar retidas sob as lentes de contato; Podem descolorir ou tornar-se turvas em contato com alguns vapores químicos; Lentes gelatinosas podem secar em ambientes com pouca umidade; Alguns vapores e gases podem ser absorvidos nas lentes e causar irritação. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Biossegurança
  28. 28. Proteção facial/ocularProteProteçção facial/ocularão facial/ocular Biossegurança
  29. 29. Cabines • Cabines de Segurança Biológica (CSB) Níveis de biossegurança (NB) • Capelas de Exaustão (gases) • Capelas de Segurança Química (CSQ) • Cabines de Segurança Biológica (CSB) Níveis de biossegurança (NB) • Capelas de Exaustão (gases) • Capelas de Segurança Química (CSQ)
  30. 30. Cabines CSBCSB
  31. 31. CSBs são divididas em: • Classe I • Classe II (A, B1, B2, B3) • Classe III São diferenciadas de acordo com: • Tipo de exaustão • Fluxo de ar • Equipamentos de filtração Quais agentes de risco a serem manipulados? CSB - Filtro HEPA (High Efficiency Particulated Air): • 100% de eficácia para partículas de 0,3mm. Cabines
  32. 32. Cabines CSBCSB
  33. 33. Cabines CSB – I - painel frontal aberto ou fechado (uso de luvas de borracha) - não protege o experimento (o ar penetra na cabine aberta) - protege o ambiente e o operador - recomendada para trabalho com agentes de RB1 (Risco Biológico 1) CSB – II (A) -protege o operador, o experimento e o ambiente - não podem ser utilizados produtos químicos (o ar recircula) - trabalho com agentes RB1 e RB2 CSB – II (B1) -- protege o operador, o experimento e o ambiente - não pode ser usada com produtos químicos (o ar recircula) - recomendada para agentes de RB1, RB2 e RB3
  34. 34. Cabines CSB – II (B2) - protege ao operador, ao experimento e ao ambiente - o ar não recircula (permite manipulação química) - para RB1, RB2 e RB3 CSB – II (B3) - o ar é totalmente mandado para for a - protege o operador, o experimento e o ambiente - serve para RB1, RB2 e RB3
  35. 35. CSB III - contenção máxima - absolutamente hermética - vidros blindados - aço inoxidável - uso de luvas de borracha - temperatura controlada - permite produtos químicos - usada para RB1, RB2, RB3 e RB4 - contém todos os serviços em seu interior (refrigerador, freezer, centrífuga, microscópio, sistema de manuseio de animais) Cabines
  36. 36. Cabines CSQCSQ
  37. 37. Cabines CSQCSQ
  38. 38. Chuveiros e lava-olhosChuveiros e lavaChuveiros e lava--olhosolhos Biossegurança

×