A Sociedade Senhorial

5.584 visualizações

Publicada em

2 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.584
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Sociedade Senhorial

  1. 1. A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII Doc. 1 – A divisão tripartida da sociedade medieval. (A – Clero / B – Aristocracia Guerreira / C – Povo)
  2. 2. A Sociedade Senhorial A insegurança que abalou a Europa durante o período das invasõescontribuiu para a organização de uma sociedade tripartida e hierarquizada emque cada grupo tinha uma determinada função a cumprir.Doc. 2 – A sociedade tripartida A família do Senhor, que parece una, está, portanto, dividida em três ordens. Unsrezam, outros combatem, os últimos trabalham. Estas três ordens formam um único todoe não poderiam ser separadas , o que faz a sua força, é que, se uma delas trabalha para asoutras duas, estas, por seu lado, fazem o mesmo por aquela; é assim que todas trêssatisfazem as necessidades umas das outras. Adalberon (finais do século X), Diálogo com o rei Roberto, in Les Mémoires de l’Europe (adaptado)
  3. 3. O nascimento e o exercício de determinados cargos é que determinavam a pertença a uma ou outra ordem social. As desigualdades sociais daí resultantes acentuaram a existência de dois grupos na sociedade medieval: •os privilegiados (uma minoria, cheia de regalias ao qual pertenciam o clero e a nobreza); • os não privilegiados (constituído pela maioria da população, e do qual fazemDoc. 3 – Distribuição populacional naIdade Média. parte os camponeses, os artificies e os pequenos comerciantes).
  4. 4. A Predominância do Clero Apesar da instabilidade provocada pelas invasões, a Igreja Católicacontinuou a manter as suas estruturas estáveis e bem organizadas. Os serviços que o clero prestava aos monarcas, o apoio que dava às populações e a religiosidade da época proporcionaram-lhe poder económico, prestígio social e privilégios. Doc. 4 – O clero era o grupo social mais instruído – O ensino e a cópia de manuscritos davam-lhe grande prestígio e poder.
  5. 5. Doc. 5 – Do batismo à extrema-unção. Doc. 6 – As esmolas.
  6. 6. Doc. 7 – O tratamento de doentes.
  7. 7. Privilégios do Clero• Recebia grandes doações em terras e outros bens;• Exercício de cargos administrativos importantes;• Estava isento do pagamento de impostos;• Cobrava rendas e outros benefícios aos camponeses que viviam nas suaspropriedades;• Tinham tribunais próprios;• Praticamente só o clero sabia ler e escrever na Idade Média;• Estava presente em todos os momentos importantes da vida daspopulações (no nascimento, no casamento e na morte;• Prestava assistência aos doentes e aos mais pobres e acolhia as pessoasnos mosteiros e nas igrejas nos períodos de guerra.
  8. 8. No entanto, existiam grandes diferenças entre o alto e o baixo clero:• Alto Clero – era composto porarcebispos, bispos e abades que dirigiama Igreja e administravam as suaspropriedades. Os abades estavam àfrente dos mosteiros;• Baixo Clero – formado por monges epárocos que viviam junto daspopulações, não usufruindo de grandesregalias ou privilégios.
  9. 9. A Aristocracia Guerreira A aristocracia guerreira possuía grandes propriedades (os domíniossenhoriais), o que a tornava num grupo social muito poderoso. A riqueza da nobreza podia ser herdada dos seus antepassados ou concedida como um benefício pelos serviços prestados ao rei, a quem estes nobres cavaleiros tinham obrigação de ajudar em caso de guerra. Doc. 8 – A Nobreza.
  10. 10. Alguns desempenhavam cargos importantes na administração centrale todos gozavam de inúmeros privilégios: • Não pagavam impostos: • Eram julgados em tribunais próprios; • Aplicavam a justiça e cobravam impostos às populações que viviam nos seus domínios; • Tinham o direito quase exclusivo de usar armas e possuir cavalos. Doc. 9 – O torneio.
  11. 11. À aristocracia guerreira e ao clero pertenciam extensas propriedadesrurais – senhorios ou feudos -, que estavam divididas em duas partes: • A Reserva – área explorada diretamente pelo senhor e onde se encontrava o castelo ou o mosteiro; • Os Mansos – pequenas parcelas de terra do domínio senhoria arrendadas aos camponeses livres a troca de géneros e serviços prestados ocasionalmente na reserva. Doc. 10 – O domínio senhorial.
  12. 12. O Povo A maioria da população da Idade Média era constituída porcamponeses. Estes viviam e trabalhavam nos domínios senhoriais e estavamdependentes dos grandes senhores nobres ou eclesiásticos. Doc. 11 – os camponeses.
  13. 13. Pela terra que exploravam pagavam diversas rendas e serviços (ascorveias) e pelo uso do moinho , do forno e do lagar entregavam ao senhor umaparte da produção (as banalidades). Doc. 12 – O capataz controlava os trabalhos agrícolas.
  14. 14. As relações feudo-vassálicas A sociedade medieval caracteriza-se pelo estabelecimento de umarede de relações e laços de dependência entre os vários estratos socias. Os reis ou suseranosdesejavam controlar e assegurar afidelidade dos senhores maispoderosos. As camadas sociais maisbaixas da população interessava-lhesa proteção que poderiam obter dos Doc. 13 – As relações desenhores. dependência na sociedade feudal.
  15. 15. Esta ligação era formalizada através do contrato de vassalagem entreum suserano (rei ou senhor feudal) e um vassalo que incluía obrigações edeveres mútuos e era realizado através de uma cerimónia, da qual faziam partetrês atos simbólicos:• A Homenagem – em que o vassalo se ajoelhava perante o suserano;• O Juramento de Fidelidade – em que o vassalo se comprometia a ser fiel;• A Investidura – que consistia na entrega ao vassalo de um objeto quesimbolizava o acordo efetuado e a entrega do feudo.

×