N u m d i a e m q u e a s d ú v i d a s e a s i n c e r t e z a s e r a m m u i -
t a s , o b r i l h o n o s o l h o s e ...
Um dia, vais sair da escola,
começar a tua vida longe do acon-
chego das salas de aula, das rui-
dosas brincadeiras do rec...
Por altura dos finados (1 e 2
de novembro) será realizado
o habitual peditório da Liga
Portuguesa contra o Cancro;
a Junta...
No cruzeiro, havia as carreiras dos
cavaleiros. Quem chegasse em primei-
ro, ganhava uma fogaça.
Muito antiga é também a t...
No dia 26 de Setembro celebrou-se
o dia Europeu das Línguas.
Projeto Comenius
De 2 a 8 de dezembro de 2012 um
grupo de alu...
O que gostaria de melhorar na
escola?
Ao longo do meu mandato,
tenho procurado melhorar as
condições da escola, mas o
obje...
Página 72 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2
Trabalhos dos alunos
do 1º ciclo de Eixo
PROJETO Newton gostava de ler...
C Á S E F A Z E M , C Á S E P U B L I C A M
Página 8T R E I X O
Fotografia: Ana Brinca, 7º A
Os alunos do 3º e 4º anos de ...
Quem dança seus males espanta
C Á S E F A Z E M , C Á S E P U B L I C A M
Página 92 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 ...
A Unidade Especializada de Apoio à Multideficiência integrada na Escola Básica Integrada de Eixo tem incluídos 8 alunos co...
O meu primeiro dia de aulas
Tudo começou no dia 17 de setembro de 2012. Eu
não estava muito nervosa com a nova escola, mas...
Uma das coisas importantes da não violência é que não procura destruir a
pessoa, mas transformá-la.
Martín Luther King
BUL...
Página 132 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2
Eu sou divertida, alegre, amiga simpática e por vezes
arrogante. Prec...
Á G U A S P A S S A D A S M O V E M M O I N H O S
Página 14T R E I X O
Pessoalmente adorei os anos vividos na
EBIE. Nesta ...
A nossa escola oferece aos alunos do 3º
ciclo a Oficina das Ciências. De frequência livre,
o objetivo é apoiar qualquer al...
Inês Moreira, 8ºC
POLÓNIA
Prof. Regina Gomes
Prof. Lúcia Iolanda Monteiro
Leonardo Madeira, 5º B
Pedro Gaspar, 5º C
Ana Br...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal treixo 1

330 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal treixo 1

  1. 1. N u m d i a e m q u e a s d ú v i d a s e a s i n c e r t e z a s e r a m m u i - t a s , o b r i l h o n o s o l h o s e o s s o r r i s o s d o s a l u n o s e d o s e n c a r r e g a d o s d e e d u c a ç ã o e n s o l e i r a v a m o ( r e ) e n c o n t r o c o m a e s c o l a . Cont. pág.3 AGRUPAMENTODE ESCOLASDEEIXO J O R N A L E S C O L A R — j o r n a l @ e b i e . p t — 1 5 0 e x e m p l a r e s — 1 , 5 0 l e t r a s 2 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 T R E I X O N Ã O P E R C A N E S T A E D I Ç Ã O : O S M E L H O R E S A L U N O S 2 0 1 1 - 2 0 1 2 2 N O T Í C I A S : N O V O A N O F R E G U E S I A D E E I X O 3 T R A D I Ç Õ E S E M E I X O 4 C L U B E E U R O P E U 5 E N T R E V I S T A 6 A N O S S A B I B L I O T E C A 7 A T I V I D A D E S / P R O J E T O S D A N O S S A E S C O - L A 8 - 9 E N S I N O E S P E - C I A L 1 0 B U L L Y I N G 1 2 D E S P O R T O E S C O L A R 1 5 A vida é a cores, imprime-a! O Clube Europeu da nossa escola participará no projeto multilateral euro- peu Comenius, “Discover, understand and appreciate—do teenagers and tradition go together?”, 2012-2014, que envolve a Polónia, República Checa, Roménia, Ale- manha e Portugal. Cont. pág. 5 PROJETO COMENIUS Os Jovens e as tradições Somos a sua melhor impressão!
  2. 2. Um dia, vais sair da escola, começar a tua vida longe do acon- chego das salas de aula, das rui- dosas brincadeiras do recreio, dos empurrões amistosos dos colegas. Um dia, crescerás demasiado e esquecerás a criança que foste. Um dia, todos os teus sonhos se transformarão em pássaros e uns pousarão nos teus ombros, enquanto outros se perderão nas nuvens da vida. Um dia, serás homem, serás mulher. Levarás contigo as palavras dos professo- res e dos teus pais , que serão um norte para te direcionar. Mas escolherás novos caminhos, erra- rás muitas vezes. Um dia, conhe- cer-te-ás. Nesse dia, talvez olhes para trás e encontres a saudade do passado, recordes com um sorriso as peripécias da escola e os verbos amigos dos professo- res. Nesse dia, quererás abraçar novamente a escola para dizer que podias ter sido mais. Todos nós podemos ser mais. Nesse dia, tudo terá passado. Agora, que ainda aqui estás, fica sempre com vontade de estar, estuda sempre com vonta- de de crescer, aprende sempre com vontade de saber, sonha sempre com vontade de concreti- zar. Um dia, olharás para a escola como o local onde construíste as tuas asas. O S M E L H O R E S A L U N O S 2 0 1 1 / 2 0 1 2 A N O S S A E S C O L A Página 2 T R E I X O O Agrupamento de Escolas de Eixo foi criado em 1999. Geograficamente abrange as freguesias de Eirol, Eixo e Requeixo. “Uma comunidade aberta aos desafios...”(RI) 2º e 3º Ciclos de Eixo 1º Ciclo de Eixo JI de Azurva JI de Requeixo 1º Ciclo de RequeixoJI de Eirol JI de Eixo 1º Ciclo de Azurva 1º ciclo - Escola de Azurva: Carolina Correia Fonseca, 4ºI - Escola de Eixo: Rui Gabriel Alves Campos, 4ºE - Escola de Requeixo: Ana Catarina Silva Freitas, 4ºM 2º e 3º ciclos - 2º ciclo: Ana Rita Pereira Gaspar, nº2, 6ºB - 3º ciclo: Rita Andreia Martins Silva, nº22, 9ºB A comissão propôs a atribuição de um outro prémio à aluna Joana Mafalda Graça Fernandes, do 9º A. Parabéns a mui- tos outros alunos que também se destacaram pela sua excelência!
  3. 3. Por altura dos finados (1 e 2 de novembro) será realizado o habitual peditório da Liga Portuguesa contra o Cancro; a Junta, que habitualmente colabora com esta institui- ção, solicita a boa colabo- ração da população. Página 3 No dia 14 de setembro, os alunos e encarregados de educação foram recebidos com alegria e esperança de sucesso escolar. Durante a manhã, foram recebidos os alunos do 5º e 6º ano de escolari- dade e, durante a tarde, as crianças do pré-escolar e os alunos do 1º ciclo e do 3º ciclo. Os alunos do 5º ano conheceram a nova escola, não tão nova assim, pois “já cá tínhamos vindo, só não conhecíamos as salas de aula”. Pre- parados para a nova etapa, ainda assim não escondiam o nervoso miu- dinho que os presenteou com uma noite mal dormida. Os alunos reali- zaram um peddypaper para conhe- cerem melhor a escola e os respeti- vos encarregados de educação foram recebidos na Biblioteca pelo Sr. Diretor do Agrupamento e pelos Diretores de Turma das tur- mas de 5º ano. M U D A O A N O L E T I V O , M A S N Ã O M U D A A V O N T A D E O I N Í C I O D E U M N O V O A N O E S C O L A R C Á E N T R E N Ó S — F R E G U E S I A D E E I X O 2 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 O Q U E M U D A No arranque de mais um ano letivo, as dúvidas são muitas: o horário do transporte escolar e respe- tivo passe, como tirar as senhas para a cantina, o material escolar a comprar. “Até parece mentira que nesta altura de crise o preço da refeição se mantenha”, expressou uma encarregada de educa- ção. Fazem-se votos de que este ano letivo seja de sucesso e de sã convivência. A exigência é a pala- vra de ordem desde sempre no processo educativo. Tem decorrido de forma expe- rimental, de quinze em quinze dias (em geral aos domingos), uma feira de artesanato em que artesãos da nossa região expõem e vendem as suas cria- ções. Para além deste espaço, recordamos a continuidade da Feira Mensal de Eixo, em regra no primeiro domingo de cada mês, de acordo com calendário que pode ser consultado no sítio da internet da Junta de Fregue- sia de Eixo (www.jf-eixo.net). A escolaridade obrigatória é agora entre os 6 e os 18 anos, tendo havido regulamentação com a publicação do Decreto-Lei nº176/2012 de 2 de agos- to. Os alunos do 4.º ano do ensino básico terão provas finais de português e de matemática, com os resultados a valerem 25 por cento da média final dos alunos. Estas provas também serão feitas pelos alunos do 6.º e 9.º anos, com o peso de 30 por cento na nota final. Deixa de existir Estudo Acompanhado , mas os alunos do 2º ciclo terão direito ao Apoio ao Estudo diariamente. Acaba Formação Cívica, mas a nossa escola tem como oferta para o 5º e para o 7º ano Desenvolvimento Pes- soal e Social. TIC passa a ser obrigatória a partir do 7º ano de escolaridade. No dia 1 de Julho passado, no decurso das Festas da Vila e do Padroeiro St.º Isidoro, a Junta de Freguesia de Eixo prestou uma homenagem à velha ponte de ferro que durante quase todo o século XX ligou Eixo (Concelho de Aveiro) a S. João de Loure (Concelho de Albergaria-a-Velha); esta ponte foi substituída em 2007, pela atual ponte em betão edificada no mesmo local. A homenagem – perante alguns convidados e população presente – constou da inauguração no Parque da Balsa de um tramo parcial da velha ponte de ferro que fica a perpetuar a memória daquele pedaço da nossa vida coletiva. Foi aprovada no dia 15 de outubro, uma proposta que visa agregar algu- mas freguesias do Concelho de Avei- ro, sendo que Eirol se reunirá a Eixo, em termos a acordar na Unida- de Técnica espe- cial izad a do Governo. Com a colabora- ção da Junta de Freguesia de Eixo
  4. 4. No cruzeiro, havia as carreiras dos cavaleiros. Quem chegasse em primei- ro, ganhava uma fogaça. Muito antiga é também a tradição da corrida do carneiro, que consistia na matança do mesmo, mas era um cos- tume muito bárbaro. Atualmente, há várias festividades: S. Sebastião, em janeiro; Senhor da Serra, em maio; festas da vila e do padroeiro St. Isidoro, 1º fim de sema- na de julho; Nª. Sª. Graça, 15 de agos- to; entre outras. Na tarde da festa, havia as tradi- cionais fogaças, bolos de farinha com desenhos de massa de pássaros, bichos e ramos pintados de amarelo. No centro, eram colocados ramos de flores artificiais e a circunferência do mesmo decorada com fitas. Eram levadas em tabuleiros com toalhas que cobriam os rostos das damas que os transportavam de suas casas até à igreja e as ofereciam à Senhora, seguindo para o cruzeiro da Balsa. Antigamente, por volta do dia 5 de agosto, havia a festividade de Nossa Senhora das Neves, onde tinham lugar as tradições das cava- lhadas ou encamisadas, fogaças e a matança do carneiro. Na véspera, junto ao adro da igreja, juntavam-se cavalheiros e damas ao som do tam- bor, do bombo, do pífaro e formavam -se pares, que percorriam as ruas da vila e paravam em casa de cada festeiro, que lhes dava o devido beberete. R E P O R T A G E M V I A G E N S N A M I N H A T E R R A Página 4T R E I X O Fotografia: Ana Brinca, 7º A As ruas de Eixo contam-nos as histórias do seu povo, cuja referência histórica remonta ao ano de 1050. Percorrendo esta freguesia, os nossos passos guiam-nos pelo passado, que se mistu- ra com a modernidade da agitação do dia-a-dia. Já há poucos a dedicarem-se a profissões tradicionais em Eixo. Mas é ainda possível encontrar artesãos que man- têm os ensinamentos que pas- saram de geração em geração. Foi com simpatia que o Senhor José, mais conhecido por Zé Moleiro, nos recebeu e explicou como é ainda possível manter os seus antigos moi- nhos de pedra a funcionar. “Antigamente, os três moinhos não paravam, ligavam-se de manhã e só paravam à noite. Agora só tenho dois moinhos a moer a farinha e há dias em que nem são ligados”, lamenta o Sr. José, acrescentando que já não é uma profissão rentá- vel, mas ainda vende, havendo a vantagem do cliente pedir exatamente o que quer e se quer a farinha muito moída ou não. Continuando pelas ruas da freguesia, deparamo-nos com casas de traça muito antiga, que nos fazem vislumbrar a importância da vila no passa- do, e monumentos de elevado interesse. Reportagem da equipa do jornal, com a colaboração da aluna Júlia Figueiredo, do 8º D. Bibliografia: “Memória sobre a Vila de Eixo”, de Venâncio Dias de Figueiredo Vieira; “Cagaréus e Ceboleiros”, de João Sarabando; “Eixo na História”, de Monsenhor João Gonçalves Gaspar. Lenda da Senhora das Neves Foi em agosto que espantosamente caiu neve e surgiu entre os seus alvos flocos a imagem da Virgem, no meio dos campos. Para homenagear o sucedido, ergueu-se no local uma capelinha em louvor da Senhora das Neves, entre Eixo e Angeja. As duas populações entraram em litígio acerca da pertença da escultura. Assim, decidiram carregá-la no dorso duma burra, ficando na posse da imagem a terra para onde o animal a levasse. Ora, a burra dirigiu-se para Angeja. Portanto, a Senhora das Neves ficou nessa vila e é aí festejada. Fotografia: Sara Pereira, 9º C Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Educação Visual Fotografia: Equipa do jornal Fotografia: Equipa do jornal
  5. 5. No dia 26 de Setembro celebrou-se o dia Europeu das Línguas. Projeto Comenius De 2 a 8 de dezembro de 2012 um grupo de alunos e professores viajarão até Cieszyn na Polónia. Esta será a primeira mobilidade prevista no Proje- to Comenius no âmbito do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida da Agência Nacional PROALV, à qual a nossa escola se candidatou tendo sido uma das selecionadas. Neste 1º encontro participarão os alunos: Catarina Lima (8ºB), Inês Tei- xeira (8ºB), Esteban Lourenço (9ºC), Inês Marques (9C), Rebeca Valente (9ºC) e Pedro Diogo. Estes serão acom- panhados pelos professores Isaura Tei- xeira e Lurdes Borges. A todos desejamos o melhor nesta nova aventura! Prof. Isaura Teixeira e Lurdes Borges C L U B E E U R O P E U Página 52 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 Na nossa escola, esta celebração foi concreti- zada com uma pequena exposição no hall da escola sobre a variedade linguística no mundo, os países europeus e as suas línguas, um con- curso com questões em diferentes línguas sobre a diversidade linguística e a projeção de um documentário sobre a pluralidade linguística e cultural “In Language we live - voices of the world” que decorreu na Biblioteca Escolar. Os alunos foram convidados a participar, respondendo a um Quiz e assistindo ao docu- mentário. Pretendeu-se, com esta ini- ciativa, cha- mar a atenção da comunida- de para a importância de aprender línguas estrangeiras, celebrar a sua diversidade e a das culturas existentes no espaço euro- peu, promover a tomada de consciência e o respeito por todas as línguas e ainda estimular a aprendizagem de línguas. Esta iniciativa parte do clube Europeu da escola. No sítio da Comissão europeia poderá encontrar algumas informações sobre as línguas na Europa: http://ec.europa.eu/ l a ngua ge s / l a ngua ge s - of - e ur ope/ index_pt.htm. DIA EUROPEU DAS LÍNGUAS Vencedores do Quiz:  Guilherme Mendonça, 7º B  Ricardo Alves, 8º C  Sónia Daniela Lopes, 9º B  Rebeca Valente, 9º C TRADIÇÕES IMPORTADAS O halloween é comemorado na noite de 31 de outubro e tenho notado uma adesão crescente a esta festividade. Mais um produto importado. Por favor! Não se trata de rejeitar o que é estrangeiro, de forma alguma, pois vivemos num mundo global. Mas imitar simplesmente um costume que nada tem a ver com as nossas raízes já é outra coisa. A começar pelo nome – Halloween. A nossa tradi- ção é a comemoração do dia de todos os Santos. Soa a algo conhe- cido, ou não? Mas o que é mais preocupante é que tenhamos de ir buscar ajuda estrangeira, para dar asas à imaginação e criar algu- mas brincadeiras e trajes, alguns dos quais ganhariam, se houvesse concurso, prémios de criatividade. E o mais engraçado é que a nos- sa cultura popular está cheia de histórias de bruxas, festas e magia. Pois é, vamos de mal a pior. Curiosamente as nossas tradições populares despertam mais a atenção de turistas do que do nosso povo! Temos de pedir aos especialistas em marketing que sejam mais criativos/inovadores e apresentem ideias novas, mas baseadas no que é nosso, popular, tradicional. Se importarmos tudo, o que será das nossas tradições? Joana, 8º B Dia Europeu das Línguas Bonjour, Ça va? I have an idea Heute ist der Europaische Tag der Sprachen Vamos comemorá-lo com muita alegria! Er zijn veel talen Ma l’inglese è la più abbondante Sed habemus ut noveritis Que la comunicación es muy importante. Gonçalo Andrade, 8º B
  6. 6. O que gostaria de melhorar na escola? Ao longo do meu mandato, tenho procurado melhorar as condições da escola, mas o objetivo principal são os resulta- dos dos alunos. Procuro que os alunos se sintam bem e que a nossa escola seja uma referên- cia de boas práticas e de resul- tados no distrito de Aveiro. Tam- bém dar continuidade ao reco- nhecimento dos bons alunos através da atribuição dos pré- mios de mérito. É minha inten- ção a constituição de uma asso- ciação de estudantes e um maior envolvimento dos encar- regados de educação. Gostaria de continuar a investir na modernização de todas as esco- las do agrupamento. De que forma a crise económi- ca, no nosso país, afeta a nossa escola? Afeta e de que maneira!... O Q U E M N Ã O E N T R E V I S T A N Ã O P E T I S C A Página 6T R E I X O Fotografia: Ana Brinca, 7º A Fale-nos um pouco do seu projeto para o nosso agrupamento. Passa por vários aspetos: o sucesso escolar dos alu- nos e a melhoria da sua aprendizagem; existência de diálogo na escola; articula- ção e trabalho de parceria; modernização e empreende- dorismo; e a abertura da escola à comunidade esco- lar. E acerca do projeto Fénix… A nossa escola foi convi- dada pela coordenadora do projeto “Mais sucesso escolar—Fénix” para integrar esse projeto, que veio ao encontro das preocupações do nos- so agrupamento relativas à diferen- ciação pedagógica, no sentido de responder com qualidade a todos os alunos. Vai desenvolver-se em algumas turmas do 1º ciclo, do 5º e do 9º ano. A ideia fundamental é os nossos alunos com dificuldades serem bons, os bons muito bons e os muito bons serem excelentes. DIRETOR TIAGO LOURENÇO EM O que queria ser quando era criança? Chefe de cozinha. Qual a sua maior qualidade e o seu maior defeito? Qualidade: ser amigo e confiar nas pessoas. Defeito: ser perfecionista. Qual a comida a que não consegue resistir? Gosta de cozinhar? Um bom bacalhau. Adoro cozinhar! Qual o seu lema de vida? Deixar o mundo melhor do que está, tal como diz Baden-Powell. Tiago Manuel Morais Lourenço, de 39 anos, é professor de Educa- ção Física há 14 anos, e encontra-se vinculado ao 1º ciclo. É o quar- to ano que exerce a função de Diretor da nossa escola. De signo leão e do Sporting, também a coragem e o verde da esperança se encontram nas suas palavras: “não podemos desistir de nenhum aluno”. ENTREVISTA A… TIAGO LOURENÇO, DIRETOR DO AGRUPA- MENTO DE ESCOLAS DE EIXO “Tentem deixar este mundo um pouco melhor do que o encontraram”, frase de Baden-Powell, é o lema de vida de Tiago Lourenço. que mais me preocupa são as carências financeiras das famí- lias. Enquanto diretor, tenho e estar atento e procurar dar uma resposta imediata. Ouvimos falar dos Mega agru- pamentos. Já tem perspetiva para a nossa escola? O processo está parado e, muito sinceramente, não con- cordo com o número excessivo de alunos, resultado dos mega agrupamentos. Também deve haver uma discussão e uma decisão conjunta entre todas as escolas de Aveiro e a autar- quia. O que mais gosta de fazer quando não está a trabalhar? Estar com a família e com os amigos. Acha que tem tempo suficiente para a família? Não o que eu desejava! Mas, quando tenho, é muito bem aproveitado! Entrevista de: Ana Brinca, Diogo Fernandes e Joana Figueiredo, 7º A
  7. 7. Página 72 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 Trabalhos dos alunos do 1º ciclo de Eixo PROJETO Newton gostava de ler O projeto "Newton gostava de ler" tem como princípio a leitura de livros de ciência, de caráter infanto-juvenil, com realização de peque- nas atividades experimentais, na biblioteca escolar, envolvendo materiais de baixo custo. Promover o gosto pela leitura de livros de ciência, promover a cultura científica e tecnológica e possibilitar momentos de experimentação são alguns dos objetivos do projeto. Em termos práticos, em cada sessão, o professor responsável pelo projeto irá dinamizar uma sessão de leitura de uma passagem de um livro de divulgação de ciência e posteriormente explorar o tópico discutido no texto, envolvendo uma pequena atividade prática no espaço da Biblioteca Escolar. Prof. Bibliotecária Lídia Proença e Prof. Dina Graça Outubro é “O Mês Internacional das Bibliotecas escolares”. O Mês Internacional das Bibliotecas escolares é uma iniciativa da Associação Internacional de Bibliotecas Escolares. As bibliotecas escolares irão desenvolver atividades que promovam a divulgação das bibliotecas e a sua utilização pela comunidade educa- tiva. O tema para este ano é Bibliotecas Escolares: Uma Chave para o Passado e o Futuro. Uma das atividades propostas é o intercâmbio de projetos com alunos e bibliotecas de outros países, nomeadamente o Projeto Marcadores (Bookmark project) - em http://www.iasl-online.org/events/islm/ Ao longo do mês a biblioteca será apresentada nas suas múltiplas facetas aos utilizadores de quinto ano da nossa escola; Outra atividade já a decorrer é "20 boas razões para ires à bibliote- ca"; E, para finalizar o mês será criado um “Estendal de leitura”. L I V R O A L I V R O E N C H E A B I B L I O T E C A O A R Q U I V O http://biblieixo.blogspot.pt/
  8. 8. C Á S E F A Z E M , C Á S E P U B L I C A M Página 8T R E I X O Fotografia: Ana Brinca, 7º A Os alunos do 3º e 4º anos de escolaridade de Requeixo apresentaram, em sala de aula, uma pequena dramatização do poema “A família pontua- ção” de António Monteiro, in Tagarela. Foi um momento em que puderam desenvolver a memorização e consolidar aprendizagens. Parlamento dos Jovens Mais uma vez, este ano letivo, a nossa escola vai participar no projeto nacional “Parlamento dos Jovens”, este ano com a temática, nada simples de trabalhar, “Superar a Crise”. Já com várias equipas inscritas e vontade de começar a labutar, aguardamos com espirito critico e de ini- ciativa o desenvolvimento do projeto. Manifestamos, no entanto, o nosso desagrado por, este ano, a vinda à escola de políticos ser dificultada em virtude da situação económica, política e financeira que o país e a Euro- pa atravessam, justificações apresentadas pelos organismos centrais que gerem o projeto. Mesmo assim, esperamos que com as nossas ideias e contributos, possamos ajudar a “Superar a Crise”. Vamos fazer o nos- so melhor. Mais uma vez o nosso objetivo é Lisboa… e chegarmos às finais nacionais. O trabalho apresenta-se árduo e as hipóteses a anunciar terão de ser bem elaboradas e pensadas, mas estamos cá para isso mesmo. Quem sabe se não seremos nós, alunos do Agrupamento de Escolas de Eixo, a encontrar a grande solução para a crise? Com dedicação, esforço e boa vontade pelo menos poderemos ten- tar… Contamos com a colaboração e o apoio de todo o Agrupamento. Alunos do 9º ano, Turmas B e C Neste ano letivo, à semelhança dos anteriores, a escola continua a desenvolver atividades no âmbito do projeto “Ciência em Ponto Pequeno.” Os alunos dos 3º e 4º anos do Agrupamento desenvolvem diversas atividades experimentais, que visam fomentar a curiosidade e desenvolver o espírito crítico. Compreender por que bate o coração mais rápido quando corremos, é um dos desafios colocados aos alunos. Nesta primeira sessão, foram distribuídos a grupos de alunos corações de porco, para que todos pudessem ver, tocar e explorar. Alguns, mais curiosos, queriam saber o que eram os “fios brancos” que estavam dentro do coração (referiam-se às válvulas, claro!), o que era aquela “coisa escura e mole” que estava lá den- tro (sangue coagulado!), ou se os vasos sanguíneos eram de cartilagem. A propósito, foram esclarecidos que todos temos vasos sanguíneos que são formados por músculos, sendo as arté- rias bastante elásticas e resistentes, pois transportam o sangue do cora- ção para todas as partes do corpo. De seguida, todos puderam observar e tocar num pulmão de porco. “Que fofinho!” diziam uns, “Parece feito de esponjinha” diziam outros, mas o que realmente os fascinou foi quando a professora encheu o pul- mão com ar e este aumentou imenso de volume e ficou rosado. Todos se mostraram bastante entusiasmados e esperemos com vontade de regressar. Certo?! Prof. Dina Graça e Rosa Ramos
  9. 9. Quem dança seus males espanta C Á S E F A Z E M , C Á S E P U B L I C A M Página 92 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 No âmbito da disciplina de Educação Musical, foi lançado aos alunos do 8º ano de escolaridade um desafio para a comemoração do Dia Mundial da Música. Os alunos aceitaram o repto e organiza- ram-se de forma a levar a cabo um Flash Mob na nossa escola, envolvendo todos os que se quiseram juntar a esta iniciativa. Um Flash Mob é uma mobilização instantânea e insólita de pessoas em determinado local, organizada através do correio eletrónico ou de outros meios de comunicação social. Surpreendente e envolvente! No JI de EIXO, realizou-se um trabalho de articulação entre as duas salas do pré-escolar: teatro de fantoches/história alusiva ao tema - a alimenta- ção. Cada sala explorou, desenvolveu o tema e elabo- rou cartazes a ele alusivos. Foi, ainda, distribuído aos encarregados de educação um panfleto de sensi- bilização e promo- ção de uma ali- mentação saudá- vel. A coord. Cristina Portugal Todos os JI do a g r u p a m e n t o realizaram carta- zes sobre a ali- mentação, que foram expostos Curiosidade: o grupo Black Eyed Peas bateu o recor- de do maior Flash Mob, juntando à volta de 21 mil fãs em Chicago, numa coreografia única, dançando de forma excecional o êxito Gotta Feeling. No Dia Mundial da Alimentação, houve oferta de iogur- tes líquidos, fruta e bolachas Maria para o pré-escolar, fruta e bolachas Maria para o 1º ciclo e para o 3º ciclo leite e uma variedade de frutas. Esta atividade foi organizada pelas docentes Elisabete Fernandes e Aida Figueiredo. O lema foi: “Preocupa-te em ter uma alimentação equili- brada, Variada e Completa. Guia-te pelos princípios da Roda dos Alimentos.” JI DE EIXO JI DE EIXO JI DE REQUEIXO JI DE AZURVA Trabalho de Paulo Branco, 6º A
  10. 10. A Unidade Especializada de Apoio à Multideficiência integrada na Escola Básica Integrada de Eixo tem incluídos 8 alunos com necessidades educativas especiais que frequentam variados níveis de escolaridade, desde o Jardim de Infância ao 3º ciclo. Os alu- nos frequentam algumas disciplinas das suas respetivas turmas e a restante carga horária é distribuída pelas áreas específicas de cada um, desde atividades de vida diária, áreas específicas funcionais (matemática funcional, conhecimento do mundo e portu- guês), de acordo com o seu programa educativo Individual. Atendendo às especificidades de cada aluno, pretende-se trabalhar conteúdos funcionais, úteis no seu dia-a-dia, desenvolver a autonomia e incutir-lhes regras básicas de cidadania. Neste sentido, são realizadas atividades práticas e motivadoras de forma a ir ao encontro dos seus interesses. T O D O S D I F E R E N T E S , T O D O S E S P E C I A I S Integração das Pessoas com Deficiências ou Inca- pacidades (2006-2009), publicado em Diário da República em 21 de Setembro de 2006, atra- vés da Resolução do Con- selho de Ministros Nº 120/2006. Página 10T R E I X O C R T I C O Centro de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC), sediado no Agrupamento de Esco- las de Eixo, é um dos 25 Centros de Recursos em Agrupamentos de Escolas de Referência previstos no I Plano de Acção para a Fotografia: Ana Brinca, 7º A Posteriormente foi realizada uma salada de fruta com esses mesmos frutos, o que permitiu t r a b a l h a r a c o m p o s i ç ã o / sabor/textura dos mesmos, bem c o m o a motricidade fina dos alunos. Foram atividades muito enriquecedoras, e os alunos mostraram-se muito recetivos e empenhados na realização das mesmas. A prof. Cristiana Gonçalves No âmbito do dia da alimentação (16 de outubro) realizaram-se algumas atividades, no sentido de promover hábitos alimentares saudáveis, como uma alimentação equilibrada e variada. Efetuou-se uma pequena simulação de compra/venda de alguns frutos trazidos pelos alunos. Esta atividade permitiu identificar e nomear os frutos associados às palavras, bem como utilizar a moeda € em situações reais de compra e venda.
  11. 11. O meu primeiro dia de aulas Tudo começou no dia 17 de setembro de 2012. Eu não estava muito nervosa com a nova escola, mas ainda tinha os meus medos. (…) Até foi fácil habituar-me, mas para entrar nas salas de aula… isso não foi tarefa fácil, uns empurram-nos para um lado, outros para outro, e nós ali no meio ficamos todos esmagados!... Agora, em termos de transportes, horários, peso de mochilas, cartão de entrada e de saída da escola, chave do cacifo, etc., são essas responsabilidades mais complicadas. (…) No fundo, a escola até é fixe! Também este ano o estatuto do aluno mudou e temos de ter mais atenção às faltas de material e outras coisas. (…) Para o primeiro dia até foi positivo e concluí que não havia razão para os medos que tinha. Joana Marques, 5º C (texto com supressões) No dia 17 de setembro, acordei ansioso, preparei- me e saí de casa. Estava tão curioso por conhecer os professores, que mal podia esperar por lá chegar! (…) No intervalo seguinte, fiquei espantado com a con- fusão e a barulheira, fui-me sentar num banco a comer o meu lanche até a campainha da escola se fazer ouvir em todos os recantos da mesma. Era a aula de Ciências da Natureza. Dirigimo-nos até à res- petiva sala atrás da professora e eu fiquei admirado com a sua simpatia e beleza. (…) Espero que seja um ano recheado de boas notas e com muito bom aproveitamento, depois de muito tra- balho que terei pela frente. Tiago Paço, 5º C (texto com supressões) O E S C R E V E R N Ã O O C U P A L U G A R Página 112 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 Uma aventura na Ucrânia Havia uma menina que se chamava Vlada, que vivia na Ucrânia. Ela gostava de passar os fins de semana na casa da sua avó, que era um bocado longe. Mas para Vlada o caminho não custava muito! Porque na casa da avó havia sempre bolinhos quentes. Ao sábado, logo de manhã, mal acordava, a Vlada abria a cortina para ver que tempo fazia lá fora. Nesse dia, ficou um bocado assus- tada, fechou a cortina e foi escolher a roupa. Na rua, havia muita neve e frio, e uma temperatura de –32Cº. A Vlada tinha que se vestir de maneira diferente: meias calças muito grossas e quentes, outras meias, calças, uma camisola de manga comprida, dois casacos quentes e mais um por cima. Com este clima, a Vlada normalmente não saía de casa, mas o cheiro dos bolinhos quentes da sua avó não saíam da sua cabeça. Quando ela se vestiu e se calçou, lembrou-se do gorro do seu pai, que era mui- to grosso e quente, próprio para aquele clima. Quando a Vlada saiu de casa, reparou que a neve transformara-se em gelo, o que dificultava a sua viagem. Pensando um pouco, ela desceu a escada que estava cheia de gelo, tal como a estrada. Até as árvores se partiam pelo peso, porque o gelo cobria tudo, até os carros no estacionamento. Mas era uma paisagem que Vlada gostava muito: o sol, o gelo, a neve. Tudo isto fazia-a sentir uma alma calma e de amor. Olhando para os lados, reparou que na rua não havia mesmo nin- guém! Porque não divertir-se um bocadinho? Por exemplo, patina- gem sem patins… é a melhor coisa que pode acontecer no inverno: não precisar de patins. Para quê? Se há botas que escorregam no gelo perfeitamente!... O tempo passou muito rápido, já era meio-dia, a Vlada tinha que se despachar, porque já sentia frio, as luvas e as botas estavam molhadas. Divertindo-se mais um bocadinho, ela começou a sua viagem para casa da avó. Alona Chaban, 9º A Trabalhos do 1º ciclo RETRATO CHINÊS Se eu fosse uma comida, seria uma massa, porque gosto de ser fina. Ana Miguel, 4º ano, Eixo Se eu fosse um rio, seria o rio Vouga, porque estou sempre a secar. João Pedro, 4º ano, Eixo Se eu fosse um animal, seria um pássaro, porque queria andar pelo ar. Mariana, 4º ano, Eixo Se eu fosse um animal, seria um panda, porque sou muito dorminhoca e estou sempre quieta. Dora, 4º ano, Eixo Se eu fosse uma planta, seria um cato, porque eu assim podia estar sempre ao calor e guardava água. Pedro, 4º ano, Eixo Se eu fosse uma flor, seria um cravo, porque gosto de ser livre. Gonçalo, 4º ano, Eixo Se eu fosse um animal, seria uma chita, porque eu corro muito. João Pedro, 4º ano, Azurva Se eu fosse um animal, seria um leão, porque eu sou corajoso. Mário, 4º ano, Azurva Se eu fosse um animal, seria um gato, porque gosto de dormir enroscadinha. Rute, 4º ano, Azurva Se eu fosse um animal, seria um gato, porque, quando alguma pessoa me chateia, eu mordo. Rita, 4º ano, Azurva Se eu fosse um meio de transporte, seria um avião, porque andaria por todo o país. Érica, 4º ano, Requeixo
  12. 12. Uma das coisas importantes da não violência é que não procura destruir a pessoa, mas transformá-la. Martín Luther King BULLYING Hoje em dia, há cada vez mais jovens víti- mas de bullying, quer seja pela sua aparência, quer pela situação financeira em que a sua família se encontra. As escolas são um dos locais onde aconte- cem frequentemente estas situa- ções. Os alunos encontram defei- tos em determinados colegas e criticam-nos. Muitas vezes, não se ficam por deitar a sua autoesti- ma abaixo e partem para a violên- cia. Nestes casos, há poucos aspetos positivos, mas negativos há muitos! Para além dos jovens se senti- rem mal consigo mesmos, por vezes não têm coragem para contar aos pais e mantêm tudo em segredo, sofrendo em silêncio. Ora, o sentimento de medo provoca isolamento por serem alvo de chacota. Estes jovens vivem sempre numa soli- dão até se sentirem à-vontade para contar a alguém. Por vezes, a solidão dura anos!... Inês Moreira, 8ºC M A I S V A L E P R E V E N I R Q U E R E M E D I A R O Q U E É O B U L L Y I N G ? tantes. A vítima é perseguida, humilhada e a sua imagem social é denegrida por colegas que se julgam com mais poder e que ameaçam para que não haja denúncia. É muito importante que os pais e a escola estejam aten- tos a mudanças de comporta- mento dos jovens, como o isolamento, a falta de amigos, fobia à escola e baixo rendi- mento escolar. O bullying é punido por lei. É considerado crime público desde janeiro de 2011. Os jovens dos 12 aos 16 anos podem ser penalizados com a aplicação de medidas tutela- res educativas e os mais velhos, em caso de morte da vítima, prisão até dez anos. Para saber mais: Www.portalbullying.com.pt NÓS DIZEMOS... Muitos jovens sofrem em silên- cio, lágrimas escondidas por medo das agressões dos cole- gas na escola. Esta violência pode adquirir diferentes formas, mas são sempre comportamentos repe- titivos e com intencionalidade. O bullying pode manifestar-se como um ataque psicológico, com palavras ameaçadoras, com o intuito de quebrar emo- cionalmente o colega e a sua autoestima; pode ter a forma de agressões físicas; pode ser feito através de telemóveis ou Internet, levando a vítima ao desespero e à angústia cons- O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer. Albert Einstein Página 12T R E I X O Fotografia : Ana Brinca, 7º A
  13. 13. Página 132 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 Eu sou divertida, alegre, amiga simpática e por vezes arrogante. Preciso da minha família, mas graças a Deus tenho tudo o que quero e mais alguma coisa. Se há uma coisa que não suporto são pessoas com mania que são alguém na vida e não têm onde cair mortas. Ando sempre a rir-me: é o meu bem essencial! Cada vez que me rio, tenho mais 1 ano de vida. Vou ser ETERNA ! Acredito na reencarnação, pois fui uma princesa na outra vida. Não gosto de pessoas falsas, nem que me olhem fixamente. Concluindo, sou muito fixe! Raquel, 8ºD Facebook : O facebook, é uma rede social, que foi lançada em 4 de fevereiro de 2004, foi criada por Mark Zuckerberg. Serve para comunicar entre pessoas . O que é um Like/Gosto: O botão de gosto é uma funcionalidade onde os usuários podem ‘ gostar ‘’ de certas atualizações de estado, comentários, fotos, links compartilhados por amigos, e propagandas. Todas as manhãs, ao acordar, faço alongamentos e, ao fim de semana, costumo treinar e fazer as lides da casa. Preciso de paciência e de saúde. Se há coisa que não supor- to é de mentiras e de perder. Ando sempre a correr de um lado para o outro. Acredito que vou cumprir os meus objeti- vos. Não gosto de pessoas falsas e com a mania que têm o rei na barriga. Mas acho que defeitos todos têm… Sara, 8º D Todas as manhãs levanto-me com vontade de ajudar e de aprender. Se há coisa que não suporto é mentiras, traições, guerras, infelicida- de, etc.. Ando sempre, ou tento, com sorriso na cara para que todos vejam que ainda não é o fim do mundo. Acredito que isto tudo pode mudar, mudar para melhor. Acho que tudo tem solução. Sou de poucas palavras, adoro ani- mais, sou estudante, gosto de fazer de tudo um pouco e tenho sorte na vida. Tenho sorte em ter uma família, amigas, etc.. A vida é mesmo assim: nunca corre como queremos. Júlia, 8º D Nome: Ana Paula Duarte Nabaes Função na escola: coordenadora dos assisten- tes operacionais Signo: escorpião Maior qualidade: honestidade e lealdade Maior defeito: teimosia Frase mais usada: Atenção, meninos! A maior alegria na vida: o nascimento dos filhos Twitter: Twitter é uma rede social que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contactos (textos de até 140 caracteres, chamados "tweets"), Myspace: MySpace é uma rede social que serve para a comunicação online através de uma rede interativa de fotos, blogs e perfis de usuário. Trabalho realizado por: Jéssica Menino, Ana Barros e Raquel Morgado, 8º A. Nome: Maria Teresa Duarte Gomes Função na escola: assistente ope- racional Signo: leão Maior qualidade: ser amiga Maior defeito: teimosia Frase mais usada: Falem baixo! A maior alegria na vida: ainda poder usufruir do colo da sua mãe
  14. 14. Á G U A S P A S S A D A S M O V E M M O I N H O S Página 14T R E I X O Pessoalmente adorei os anos vividos na EBIE. Nesta escola, completei os últimos anos na turma dos meus muitos amigos de infân- cia. Vivi muitos bons momentos de alegria com excelentes amigos e professores. Se pudesse, voltava a repetir tudo! Rita Teresa Sequeira, aluna do 9º B, 2010/2011 Durante cinco anos, partilhei em conjunto com os meus colegas, a experiência de ser aluna na Escola Básica Integrada de Eixo. Foi uma experiência que deixou marcas, muitas delas difíceis de apagar, de tão positivas que são. Ao longo dos anos, convivi com inúmeras pessoas. Pessoas das quais será difícil esquecer, todas elas foram um grande apoio para mim. Sempre fui atendida por professores pacientes, simpáti- cos e, é claro, exigentes. Algo que para os alunos é uma mais-valia. Estou contente com aquilo que vivi nesta escola, foram meses de gran- de conhecimento, não só interior como social, conhecimento de ambien- tes, gerações. Há memórias que nós guardamos cá dentro, memórias que nos deixam com um sorriso de orelha a orelha cada vez que nos lembramos. Tive direções de turma fantásticas, às quais agradeço muito daquilo que consegui. Mas, é claro, que os conselhos de turma que, ao longo dos anos, me lecionaram são também grandes fontes de aprendizagens, aos quais eu deixo também um agradecimento muito especial. Para mim, foi um orgulho ter estado presente em várias atividades da escola. E este último ano deixou-me muito confiante, algo que demorei a conseguir. Recebi muito carinho e apoio, e sem isso não tinha conquistado todas as vitórias para as quais trabalhei. Aprendi que somos capazes de ganhar não só uma batalha, mas também a guerra, somos capazes de superar os medos, conquistar as vitórias mais gratificantes. Esta esco- la deu-me aprendizagens não só para aplicar no mundo do trabalho, como para aplicar em toda a minha vida. Sinto-me orgulhosa de poder ter estudado estes cinco anos na Escola Básica Integrada de Eixo. E a todos aqueles que sempre me apoiaram eu deixo um obrigado muito especial e desejo muitas felicidades. Por vezes podemos não dar valor àquilo que nos dão, mas é nas despedidas que percebemos o quanto foi bom podermos viver aquilo que vivemos! Joana Fernandes, aluna do 9º A, 2011/2012 Enquanto pensava numa maneira de iniciar este texto, ocorreu-me que devia começá-lo por uma daquelas famosas “frases feitas”; a que escolhi diz que “a vida é, nada mais, do que um longo caminho a percorrer repleto das mais diversas paragens”. No fundo, foi isso mesmo que a escola de Eixo foi para nós - uma paragem. Apesar de algumas das normas deste estabeleci- mento de ensino não serem do total agrado da maior parte dos alunos, é impossível negar a importância que ele teve para nós. Deixámos para trás alegrias e tristezas, corações partidos, lágrimas derramadas, gargalhadas sonoras, gemidos baixinhos, amores perdidos, amizades de longa data e, acima de tudo, saudade. Saudade de todos aqueles funcionários que, para nós, foram mais do que simples empregados e de todos os professores que, em grande parte, foram mais do que educadores; foram pais, melhores amigos ou simples colegas. Foi aqui que crescemos, que fomos edu- cados para enfrentar, positivamente, o ensino secundário e superior, foi aqui que deixámos um bocadinho de nós e, por fim, foi ao sair da escola de eixo que cortámos algumas das nossas raízes. Olhando, brevemente, para trás apenas nos resta dizer um grande “OBRIGADO” a todos aqueles que nos apoiaram e desejar-lhes as maiores felicidades, tal como eles nos desejaram a nós. Ana Bastos, aluna do 9º A 2011/2012 Na escola, gostei mais dos funcionários, das atividades escola- res e dos meus colegas de turma. Os professores foram espetaculares comigo. Deixo-lhes um abraço e um beijinho. Miguel Quaresma,9º A, 2011/2012
  15. 15. A nossa escola oferece aos alunos do 3º ciclo a Oficina das Ciências. De frequência livre, o objetivo é apoiar qualquer aluno no âmbito das disciplinas de Físico- Química e/ou Ciências Naturais, ajudando-o, quer a ultrapassar dificulda- des, quer a aprofundar competências. Serão ainda reforçadas atividades de carácter experimental. Informa-te junto da tua professora! O grupo de Ciências Físico-Naturais Q U E M C O R R E P O R G O S T O N Ã O C A N S A A D I V U L G A R É Q U E A G E N T E S E E N T E N D E Página 152 ª E D I Ç Ã O , O U T U B R O D E 2 0 1 2 Teve início, no dia 19 de outu- bro, o torneio inter - turmas da nossa escola para as turmas do 3ºciclo. No primeiro jogo, o 8ºA ganhou ao 8ºB por 9 a 6. Jogo bastante equili- brado, mas a turma do 8ºA a mostrar mais conjunto e organização, por isso a m e l h o r e q u i p a . No segundo jogo, a turma do 8ºD levou a melhor sobre o 9ºB, ganhando por um expressivo resultado de 12 a 3. Neste jogo, há a destacar o número de golos marcados pelo aluno do 8ºD, Rafael Andrade, que só à sua conta marcou 8 golos, alguns d e g r a n d e r e c o r t e t é c n i c o . Pena estarem nas bancadas do pavilhão apenas 20 alunos a assistir, assim como a fraca adesão por parte das turmas inscritas neste torneio. O prof. Marcelino Carvalho Vai decorrer, na nossa escola, um concurso de escrita dedicado ao conto, cujo tema estará relacionado com a quadra natalícia. Podem concorrer a este concurso todos os alunos do 3º ciclo de escolaridade. Os prémios serão aliciantes! O 1º lugar receberá uma viagem totalmente gratuita a um dos países a visitar pelo Clube Euro- peu da nossa escola. QUE OPORTUNIDADE! Então, mãos ao trabalho e… vamos escrever um conto! Informa-te do regulamento junto da tua professora de Português. O grupo de Português Mariana Nunes, 8ºC Inês Moreira, 8ºC Tatiana Madeira, 8ºC Prof. Cristina Melo
  16. 16. Inês Moreira, 8ºC POLÓNIA Prof. Regina Gomes Prof. Lúcia Iolanda Monteiro Leonardo Madeira, 5º B Pedro Gaspar, 5º C Ana Brinca, 7º A Diogo Fernandes, 7º A Joana Figueiredo, 7º A Jéssica Menino, 8º A Raquel Morgado, 8º A Carla Ribeiro, 8º A Ana Barros, 8º A A EQUIPA DO JORNAL Na nossa escola: →Atribuição dos Prémios de Mérito 2011-2012: 2 de novem- bro, às 18h → Novembro: divulgação dos vencedores do concurso da Biblioteca “A minha bruxinha”. → 14 de novembro: jogos tradi- cionais. → Durante o mês de novembro: concurso literário “Um conto de Natal”. Em Eixo: → XII Festival de Teatro Veneza de Portugal, Cen- tro Cultural de Eixo. → Datas da feira de Eixo: 4 de novembro e 2 de dezem- bro A N Ã O P E R D E R . . . Cartoon Pág. 16 Os resultados dos alunos da nossa escola de 6º e 9º anos de escola- ridade situaram-se acima da média nacional. Congratulamo-nos com o esforço de todos e continuaremos a trabalhar para que sejam cada vez melhores. Os rankings são, pela primeira vez, trazidos à luz de dados socioeco- nómicos. O Ministério da Educação e da Ciência divulgou dados que permitem associar os resultados escolares à situação socioeconómica dos agregados familiares. Saliente-se que, tendo em conta a atribuição de indicadores de contexto socioeconómico de 1 (o mais desfavorecido) ao 4 (o mais favorecido), a nossa escola, no concelho de Aveiro, foi enquadrada no 2. A escola apresenta um projeto que não visa apenas o bom lugar no ranking, mas também a formação do aluno como um ser socialmente ativo e consciente. Queremos sucesso escolar, aprendizagens fortes, exigência e rigor! E também transmitir os valores que traçam um rumo certo para cada aluno na sua vida. Adriana, 8º C Os nossos agradecimentos a todos os que colaboraram no jornal. Continuaremos a contar com o vosso apoio! Um especial agradecimento ao Clube Europeu. Próximo número: dezembro. jornal@ebie.pt (Envio de trabalhos até dia 3 de dezembro.) No âmbi- to da promoção do empreendedorismo nas escolas do projeto Aveiro Empreendedor, à volta de 1200 alunos, 30 docentes e 25 estabelecimentos de ensino apresentaram os seus trabalhos de 1 a 6 de Junho de 2012. A nossa escola participou nesta iniciativa, tendo sido a ven- cedora na categoria da Curta-Metragem, com o vídeo Viagem ao Passado da turma 7º B, tendo-se destacado entre 28 outros tra- balhos. Também a EB1 de Azurva esteve presente na “Feira do Empreendedor Júnior”, no dia 6, no Mercado Municipal Manuel Firmino, com outras 7 escolas, tendo revelado inovação e capa- cidade de criar a partir de materiais comuns, dando-lhes originali- dade e novas formas. Desejamos uma excelente viagem ao grupo do Projeto Comenius!

×