Pelo espírito André Luiz
Francisco Candido Xavier
Estudo por Bruna M. Beserra
Dubai, 22/10/2013
Capítulo 6
Advertências Profundas






8 Personagens (Telésforo, Aniceto, Vicente,
Duas senhoras, Otávio, Marina e And...
Causa dos Sofrimentos
Causa dos Sofrimentos
Telésforo 





“Fazem-se ouvir na Terra gritos comovedores
de sofrimento”
“Aqui estamos todos, c...
Causa dos sofrimentos
Obras Básicas:




“As aflições são oportunidades de reajuste
perante a Lei de Deus”
“As vicissitu...
Causa dos sofrimentos
[O sofrimento é] Consequência natural do caráter
e da conduta daqueles que os sofrem. Quantos
homens...
Causa dos sofrimentos
A quem, portanto, devem todas essas aflições,
senão a si mesmos? O homem é, assim, num
grande número...


Como trabalhar para o adiantamento moral e
intelectual?
LE- Capítulo II Encarnação dos Espíritos
Finalidade da Encarnação
132. Qual é a finalidade da encarnação dos Espíritos?
- ...
Telésforo



Provas e Expiações

“Centenas de companheiros partem daqui
anualmente, aliando necessidades de resgate
ao s...
Provas e Expiações
LE – VIII Esquecimento do Passado


Pergunta 393. Como pode o homem ser
responsável por atos e resgata...
Provas e Expiações
A cada nova existência o homem tem mais
inteligência e pode melhor distinguir o bem e o
mal. Onde estar...
Provas e Expiações
Bem como aquilo que poderia tê-lo impedido de
cometê-las; compreende a justiça da posição
que lhe é dad...
Provas e Expiações
Essa mesma intuição é o pensamento,o desejo
criminoso que frequentemente vos assalta e ao
qual resistis...
Provas e Expiações




Vale fazer uma prova com o caderno de
respostas ao lado?
Prova com consulta!

“Se não temos, dura...
Provas e Expiações


Destino da Terra e Causas das Misérias
Humanas – ESE Cap. III Há muitas moradas
na Casa de meu Pai

...
Provas e Expiações
Porque a espécie humana abrange todos os
seres dotados de razão, que povoam os
inumeráveis mundos do Un...
Provas e Expiações


7. Faríamos uma ideia muito falsa da
população de uma grande cidade, se a
julgássemos pelos moradore...
Provas e Expiações


Porque não se enviam aos hospitais as
pessoas sadias, nem às casas de correção os
que não praticaram...


Enfermidade moral citada no capítulo: A
ignorância
Ignorância
Telésforo

A ignorância domina a maioria das
consciências encarnadas. E a ignorância é
mãe das misérias, das f...


Como combater a ignorância?
Ignorância
Livro Estude e Viva, Emmanuel – Capítulo Na
escola da Alma


“Não alcançaremos a libertação verdadeira
sem abo...
Ignorância


Livro Evangelho em Casa, capítulo Terceira
reunião – Meimei e Francisco Candido Xavier
O sustento do corpo e...
Ignorância
- Impossível. Morreria torturado.
- Quando nu, abandonas a veste?
- De modo algum. Não dispenso o agasalho.
- E...


Combater a ignorância da alma → Estudar e
conhecer → Prática da Reforma Íntima
Reforma íntima
Telésforo

“...Espiritismo é a revelação divina para a
renovação fundamental dos homens. Não
atendamos, ai...
Reforma íntima
A Reforma Íntima é um processo contínuo de
autoconhecimento, de conhecimento de nossa
intimidade espiritual...
Reforma íntima
É o meio de nos libertarmos das imperfeições e
de fazermos objetivamente o trabalho de
burilamento dentro d...
Estudar e conhecer → Reforma Íntima (dentro de
si)
Prática (fora de si) → O aprimoramento do
espírito através do trabalho
Tempo de servir




“Jesus não esperou que os homens lhe
atingissem as glórias magnificentes e que, ao
invés, desceu até...
Tempo de servir


“O Senhor renova diariamente nossas benditas
oportunidades de trabalho, mas, para
atingirmos os resulta...
Tempo de servir


Livro dos Espíritos, capítulo III

I- Necessidade do Trabalho
675. Só devemos entender por trabalho sen...
Tempo de servir


Livro dos Espíritos, capítulo III

I- Necessidade do Trabalho
675. Só devemos entender por trabalho sen...
Tempo de servir
678. Nos mundos mais aperfeiçoados o homem é submetido à mesma
necessidade de trabalho?
A natureza do trab...
Tempo de servir






E se vós saudardes somente vossos irmãos,
que fazeis nisso de especial? Não fazem
também assim os...
Tempo de servir


Renunciação ao inferior: ESE capítulo XVII
Sede Perfeitos

Caracteres da perfeição:
1. Mas eu vos digo:...


Um dos exemplos que o capítulo traz de
trabalho edificante é o mediúnico
Mediunidade
Telésforo



A causa geral dos desastres mediúnicos é a
ausência da noção de responsabilidade e da
recordaçã...
Mediunidade


“Raríssimos conquistam algum êxito nos
delicados misteres da mediunidade e da
doutrinação”
Livro Missionários da Luz

Mediunidade

Se as máquinas mais simples da Terra pedem o curso
preparatório do operário, para ...
Mediunidade
Mediunidade não é disposição da carne transitória e sim expressão do espírito
imortal.
Naturalmente, o intercâ...
Mediunidade
Em vossas atividades espiritualistas, lembrai-vos de que não vos encontrais perante
uma doutrina sectária de h...
Mediunidade
Elevemo-nos, pois, no espírito do Senhor, que nos convidou ao banquete da
luz, desde hoje!
Levantemo-nos para ...
Mediunidade


O apostolado mediúnico não se constitui tãosomente da movimentação das energias
psíquicas em suas expressõe...
Mediunidade


O consolador:

387 –Qual a maior necessidade do médium?
A primeira necessidade do médium é
evangelizar-se a...


E qual é a missão do médium?
Missão do Espírita




“Grandes massas batem às fontes do
Espiritismo sagrado, tão só no propósito de lhe
mancharam as à...
Missão do Espírita
Espíritas!
Amai-vos, este o primeiro ensinamento;
Instrui-vos, este o segundo.
No Cristianismo encontra...
Missão do Espírita
Pergunta feita ao Médium Francisco Candido Xavier: E agora, como última
questão, poderá nos dizer qual ...
Fim!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06

1.673 visualizações

Publicada em

GECD - Grupo de Estudos das Obras de André Luíz

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
123
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06

  1. 1. Pelo espírito André Luiz Francisco Candido Xavier Estudo por Bruna M. Beserra Dubai, 22/10/2013
  2. 2. Capítulo 6 Advertências Profundas    8 Personagens (Telésforo, Aniceto, Vicente, Duas senhoras, Otávio, Marina e André Luiz) Local: Colônia Nosso Lar, Ministério da Comunicação Ensinamentos destacados: Causa dos sofrimentos Tempo de servir Provas e Expiações Missão do espírita Mediunidade Reforma Íntima Ignorância
  3. 3. Causa dos Sofrimentos
  4. 4. Causa dos Sofrimentos Telésforo    “Fazem-se ouvir na Terra gritos comovedores de sofrimento” “Aqui estamos todos, companheiros da Comunicação, endividados com o mundo” “Não ouvidemos, desse modo, o Calvário de Nosso Senhor, convictos de que toda saída dos planos mais baixos deve ser uma subida para a esfera superior. E ninguém espere subir, espiritualmente, sem esforço, sem suor e sem lágrimas!...”
  5. 5. Causa dos sofrimentos Obras Básicas:   “As aflições são oportunidades de reajuste perante a Lei de Deus” “As vicissitudes da Vida têm, pois, uma causa e, visto que Deus é justo, essa causa há de ser justa” ESE – Cap. 5 item 3 Causas atuais das aflições:  Duas espécies: vida presente e “fora desta vida”
  6. 6. Causa dos sofrimentos [O sofrimento é] Consequência natural do caráter e da conduta daqueles que os sofrem. Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! Quantas pessoas arruinadas por falta de ordem, de perseverança, por mau comportamento ou por não terem limitado os seus desejos. (…) Que todos os que têm o coração ferido pelas vicissitudes e as decepções da vida, interroguem friamente a própria consciência. (...)
  7. 7. Causa dos sofrimentos A quem, portanto, devem todas essas aflições, senão a si mesmos? O homem é, assim, num grande número de casos, o autor de seus próprios infortúnios. (…) O homem os evitará, quando trabalhar para o seu adiantamento moral e intelectual.
  8. 8.  Como trabalhar para o adiantamento moral e intelectual?
  9. 9. LE- Capítulo II Encarnação dos Espíritos Finalidade da Encarnação 132. Qual é a finalidade da encarnação dos Espíritos? - Deus a impõe com o fim de levá-los a perfeição: para uns, é uma expiação, para outros, uma missão. Mas para chegar a essa perfeição eles devem sofrer todas as vicissitudes da vida corpórea: nisto é que está a expiação. A encarnação tem ainda outra finalidade, que é a de pôr o Espírito em condições de enfrentar a sua parte na obra da Criação. É para executá-la que ele toma um aparelho em cada mundo, em harmonia com a matéria essencial do mesmo, a fim de nele cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. E dessa maneira, concorrendo para a obra geral, também progredir.
  10. 10. Telésforo  Provas e Expiações “Centenas de companheiros partem daqui anualmente, aliando necessidades de resgate ao serviço redentor” “Cesse, para nós outros, a concepção de que a Terra é o vale tenebroso, destinado a quedas lamentáveis, e agasalhemos a certeza de que a esfera carnal é uma grande oficina de trabalho redentor. Preparemo-nos para a cooperação eficiente e indispensável. Esqueçamos os erros do passado e lembremonos de nossas obrigações fundamentais.
  11. 11. Provas e Expiações LE – VIII Esquecimento do Passado  Pergunta 393. Como pode o homem ser responsável por atos e resgatar faltas dos quais não se recorda? Como pode aproveitarse da experiência adquirida em existências que caíram no esquecimento? Seria concebível que as tribulações da vida fossem para ele uma lição, se pudesse lembrar-se daquilo que as atraiu, mas desde que não se recorda, cada existência é para ele como se fosse a primeira, e é assim que ele está sempre a recomeçar. Como conciliar isso com a justiça de Deus?
  12. 12. Provas e Expiações A cada nova existência o homem tem mais inteligência e pode melhor distinguir o bem e o mal. Onde estaria o seu mérito se ele se recordasse de todo o passado? Quando o Espírito entra na sua vida de origem (a vida espírita) toda a sua vida passada se desenrola diante dele; vê as faltas cometidas e que são causa do seu sofrimento.
  13. 13. Provas e Expiações Bem como aquilo que poderia tê-lo impedido de cometê-las; compreende a justiça da posição que lhe é dada e procura então a existência necessária a reparar a que acaba de escoar-se. Procura provas semelhantes àquelas porque passou, ou as lutas que acredita apropriadas ao seu adiantamento e pede a Espíritos que lhe são superiores para o ajudarem na nova tarefa a empreender, porque sabe que o Espírito que lhe será dado por guia nessa nova existência procurará fazê-lo reparar suas faltas, dando-lhe uma espécie de intuição das que ele cometeu.
  14. 14. Provas e Expiações Essa mesma intuição é o pensamento,o desejo criminoso que frequentemente vos assalta e ao qual resistis instintivamente, atribuindo a vossa resistência, na maioria das vezes, aos princípios que recebestes de vossos pais enquanto é a voz da consciência que vos fala e essa voz é a recordação do passado, voz que adverte para não cairdes nas faltas anteriormente cometidas. Nessa nova existência, se o Espírito sofrer as suas provas com coragem e souber resistir, eleva-se a si próprio e ascenderá na hierarquia dos Espíritos, quando voltar para o meio deles.
  15. 15. Provas e Expiações   Vale fazer uma prova com o caderno de respostas ao lado? Prova com consulta! “Se não temos, durante a vida corpórea, uma lembrança precisa daquilo que fomos, e do que fizemos de bem ou de mal em nossas existências anteriores, temos, entretanto, a sua intuição. E as nossas tendências instintivas são uma reminiscência do passado, as quais a nossa consciência, - que representa o desejo por nós concebido de não mais cometer as mesmas faltas, adverte que devemos resistir.”  Sempre consulte a sua consciência
  16. 16. Provas e Expiações  Destino da Terra e Causas das Misérias Humanas – ESE Cap. III Há muitas moradas na Casa de meu Pai 6. Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-se que miserável coisa é a espécie humana. Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa ideia do conjunto. É desnecessário considerar que toda humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela.
  17. 17. Provas e Expiações Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo. Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos? Bem menos que a de um lugarejo em relação à de um grande império. A condição material e moral da humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população.
  18. 18. Provas e Expiações  7. Faríamos uma ideia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos. Num hospital, só vemos doentes e estropiados; numa galé, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e doentes. Pois bem: consideremos a Terra como um arrabalde, um hospital, uma penitenciária, um pantanal, porque ela é tudo isso a um só tempo, e compreenderemos porque as suas aflições sobrepujam os prazeres.
  19. 19. Provas e Expiações  Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticaram crimes, e nem os hospitais, nem as casas de correção, são lugares de delícias. Ora, da mesma maneira que, numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra. E como saìmos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais.
  20. 20.  Enfermidade moral citada no capítulo: A ignorância
  21. 21. Ignorância Telésforo A ignorância domina a maioria das consciências encarnadas. E a ignorância é mãe das misérias, das fraquezas, dos crimes.
  22. 22.  Como combater a ignorância?
  23. 23. Ignorância Livro Estude e Viva, Emmanuel – Capítulo Na escola da Alma  “Não alcançaremos a libertação verdadeira sem abolir o cativeiro da ignorância do reino do Espírito. Quem aspire a entesourar os valores da própria emancipação íntima, à frente do Universo e da Vida, deve e precisa estudar”
  24. 24. Ignorância  Livro Evangelho em Casa, capítulo Terceira reunião – Meimei e Francisco Candido Xavier O sustento do corpo e do Espírito “Certo aprendiz, em conversa com o professor, queixou-se de grande incapacidade para reter as lições. Sentia-se sonolento, desmemoriado... Ao cabo de alguns instantes de leitura, esquecia de todo os textos mais importantes, ainda mesmo os que se referissem às suas mais prementes necessidades. Que fazer para evitar a perturbação? Travou-se então entre os dois o seguinte diálogo: - Meu filho, quando tens sede, foges do copo d’água?
  25. 25. Ignorância - Impossível. Morreria torturado. - Quando nu, abandonas a veste? - De modo algum. Não dispenso o agasalho. - Esqueces de levar o alimento à boca, ao te apresentarem a refeição? - Nunca. Como poderia andar sem comer? - Pois também não podes viver sem educação – concluiu o orientador. - Lembra-te dessa verdade e estarás acordado para os ensinamentos de nossos mestres. O mentor do grupo esboçou silencioso gesto de bom humor e salientou: - Nossa alma precisa estudar e conhecer, tanto quanto nosso corpo necessita de respirar e nutrir-se”.
  26. 26.  Combater a ignorância da alma → Estudar e conhecer → Prática da Reforma Íntima
  27. 27. Reforma íntima Telésforo “...Espiritismo é a revelação divina para a renovação fundamental dos homens. Não atendamos, ainda, como se faz indispensável, à construção do “Reino de Deus” em nós.”
  28. 28. Reforma íntima A Reforma Íntima é um processo contínuo de autoconhecimento, de conhecimento de nossa intimidade espiritual,modelando-nos progressivamente na vivência evangélica,em todos os sentidos da nossa existência. É a transformação do homem velho,carregado de tendências e erros seculares,no homem novo, atuante na implantação dos ensinamentos do Divino Mestre, dentro e fora de si.
  29. 29. Reforma íntima É o meio de nos libertarmos das imperfeições e de fazermos objetivamente o trabalho de burilamento dentro de nós, conduzindo-nos compativelmente com as aspirações que nos levam ao aprimoramento do nosso espirito. Fonte: Rede amigo espírita
  30. 30. Estudar e conhecer → Reforma Íntima (dentro de si) Prática (fora de si) → O aprimoramento do espírito através do trabalho
  31. 31. Tempo de servir   “Jesus não esperou que os homens lhe atingissem as glórias magnificentes e que, ao invés, desceu até ao plano dos homens para amar, ensinar e servir. Não exigiu que as criaturas se fizessem imediatamente iguais a Ele, mas fez-se como os homens, para ajudálos na subida áspera.” “Necessitamos de servidores de boa vontade, leais ao espírito da fé”
  32. 32. Tempo de servir  “O Senhor renova diariamente nossas benditas oportunidades de trabalho, mas, para atingirmos os resultados precisos, é imprescindível sejamos seguidores da renunciação ao inferior”
  33. 33. Tempo de servir  Livro dos Espíritos, capítulo III I- Necessidade do Trabalho 675. Só devemos entender por trabalho senão as ocupações materiais? - Não; o Espírito também trabalha, como o corpo. Toda ocupação útil é trabalho. 676. Por que o trabalho é imposto ao homem? - É uma consequência de sua natureza corpórea. É uma expiação e ao mesmo tempo um meio de aperfeiçoar a sua inteligência. Sem o trabalho o homem permaneceria na infância intelectual; eis porque ele deve a sua alimentação, a sua segurança e o seu bem-estar ao seu trabalho e à sua atividade. Ao que é de físico franzino Deus concebeu a inteligência para o compensar; mas há sempre trabalho.
  34. 34. Tempo de servir  Livro dos Espíritos, capítulo III I- Necessidade do Trabalho 675. Só devemos entender por trabalho senão as ocupações materiais? - Não; o Espírito também trabalha, como o corpo. Toda ocupação útil é trabalho. 676. Por que o trabalho é imposto ao homem? - É uma consequência de sua natureza corpórea. É uma expiação e ao mesmo tempo um meio de aperfeiçoar a sua inteligência. Sem o trabalho o homem permaneceria na infância intelectual; eis porque ele deve a sua alimentação, a sua segurança e o seu bem-estar ao seu trabalho e à sua atividade. Ao que é de físico franzino Deus concebeu a inteligência para o compensar; mas há sempre trabalho.
  35. 35. Tempo de servir 678. Nos mundos mais aperfeiçoados o homem é submetido à mesma necessidade de trabalho? A natureza do trabalho é relativa à natureza das necessidades; quanto menos necessidades materiais, menos material é o trabalho. Mas não julgueis, por isso, que o homem permanece inativo e inútil; a ociosidade seria um suplício, em vez de ser um benefício.
  36. 36. Tempo de servir    E se vós saudardes somente vossos irmãos, que fazeis nisso de especial? Não fazem também assim os gentios? Sede vós logo perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito. (Mateus, V:44-48) A essência da perfeição é a CARIDADE, porque implica a prática de todas as outras virtudes. Orgulho e egoísmo = negação da caridade
  37. 37. Tempo de servir  Renunciação ao inferior: ESE capítulo XVII Sede Perfeitos Caracteres da perfeição: 1. Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam. Para serdes filhos de vosso Pai que está nos céus; o qual faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e vir chuva sobre justos e injustos. Por que se vós não amais senão os que vos amam, que recompensa haveis de ter? Não fazem os publicanos também o mesmo?
  38. 38.  Um dos exemplos que o capítulo traz de trabalho edificante é o mediúnico
  39. 39. Mediunidade Telésforo  A causa geral dos desastres mediúnicos é a ausência da noção de responsabilidade e da recordação do dever a cumprir. Destes-vos, na maioria, à palavra sem responsabilidade e à indagação sem discernimento, amontoando atividades inúteis. Como médiuns, muitos de vós preferíeis a inconsciência de vós mesmos; como doutrinadores, formuláveis conceitos para exportação, jamais para uso próprio.
  40. 40. Mediunidade  “Raríssimos conquistam algum êxito nos delicados misteres da mediunidade e da doutrinação”
  41. 41. Livro Missionários da Luz Mediunidade Se as máquinas mais simples da Terra pedem o curso preparatório do operário, para que o setor da produção não desmereça em qualidade e quantidade, como esperais que a mediunidade sublime se reduza a serviços automáticos, a puras manifestações de mecanismo fisiológico, indene de educação e responsabilidade ? Sempre será possível abrir meios de comunicação entre vós outros e os planos que vos são invisíveis, mas não esqueçais de que as afinidades são leis fatais de reunião e integrado nos reinos infinitos do Espírito! Sem os valores da preparação, encontrareis irremediavelmente a companhia dos que fogem aos processos educativos do Senhor; e sem as bênçãos da responsabilidade encontrareis logicamente os irresponsáveis.
  42. 42. Mediunidade Mediunidade não é disposição da carne transitória e sim expressão do espírito imortal. Naturalmente, o intercâmbio aprimorado, entre os dois planos, requere sadias condições do vaso sagrado de possibilidades fisiológicas que o Senhor vos confiou para santificação; todavia o corpo é instrumento elevado nas mãos do artista, que deve ser divino. Se aspirais ao desenvolvimento superior, abandonai os planos inferiores. Se pretendeis o intercâmbio com os sábios, crescei no conhecimento, valorizai as experiências, intensificai as luzes do raciocínio! Se aguardais a companhia sublime dos santos, santificai-vos na luta de cada dia, porque as entidades angélicas não se mantêm insuladas nos júbilos celestes e trabalham também pelo aperfeiçoamento do mundo, esperando a vossa angelização! Se desejais a presença dos bons, tornaivos bondosos por vossa vez! Sem afabilidade e doçura, sem compreensão fraternal e sem atitudes edificantes, não podereis entender os Espíritos afáveis e amigos, elevados e construtivos. Se não seria razoável encontrar Platão ensinando filosofia avançada a tribos selvagens e primitivas, nem Francisco de Assis operando com salteadores, não será admissível a integração dos Espíritos esclarecidos e santificados com as almas rigorosamente agarradas às manifestações mais baixas e grosseiras da existência carnal.
  43. 43. Mediunidade Em vossas atividades espiritualistas, lembrai-vos de que não vos encontrais perante uma doutrina sectária de homens em trânsito no planeta! Permaneceis num movimento divino e mundial, de libertação de consciências, numa revelação sublime de vida eterna e de valores imortais para todas as criaturas de boavontade! Acolhendo essa convicção, não vos detenhais na atitude exclusiva e presunçosa dos que supõem haver encontrado na mediunidade tão-somente um sexto sentido! O valor mediúnico não é um dom de privilegiados, é qualidade comum a todos os homens demandando a boa-vontade sincera no terreno da elevação. Por agora, é inegável que necessitamos das grandes tarefas estimuladoras, em que determinados companheiros encarnados são convocados aos grandes testemunhos nesse setor do esclarecimento coletivo, na disseminação da fé positiva e edificante; mas o futuro nos revelará que o serviço dessa natureza pertence a todas as criaturas, porque todos nós somos Espíritos imortais. Não alimenteis qualquer dúvida! não permitais que o padrão vibratório das forças físicas vos apague a luz gloriosa da divina certeza deste momento. porque todos nós nos encontramos diante da própria espiritualidade sem-fim, renovando energias viciadas de séculos consecutivos, a caminho de transformações que mal poderíeis imaginar, nos
  44. 44. Mediunidade Elevemo-nos, pois, no espírito do Senhor, que nos convidou ao banquete da luz, desde hoje! Levantemo-nos para o porvir, não no sentido de menosprezar a Terra, mas no propósito de aperfeiçoar as nossas qualidades individuais, para sermos verdadeiramente úteis às suas realizações que hão de vir! Entreamemo-nos intensamente, realizando os preceitos evangélicos e edifiquemo-nos, cada dia, erguendo-nos para a redenção final. Unamo-nos todos no compromisso sagrado de cooperação legítima com Jesus! Livro Missionário da Luz
  45. 45. Mediunidade  O apostolado mediúnico não se constitui tãosomente da movimentação das energias psíquicas em suas expressões fenomênicas e mecânicas, porque exige o trabalho e o sacrifício do coração, onde a luz da comprovação e da referência é a que nasce do entendimento e da aplicação com Jesus-Cristo. Livro O Consolador
  46. 46. Mediunidade  O consolador: 387 –Qual a maior necessidade do médium? A primeira necessidade do médium é evangelizar-se a si mesmo antes de se entregar às grandes tarefas doutrinárias, pois, de outro modo poderá esbarrar sempre com o fantasma do personalismo, em detrimento de sua missão.
  47. 47.  E qual é a missão do médium?
  48. 48. Missão do Espírita   “Grandes massas batem às fontes do Espiritismo sagrado, tão só no propósito de lhe mancharam as àguas” “...trabalho útil toda conversação sadia que nos enriqueça os conhecimentos e aptidões para o serviço.”
  49. 49. Missão do Espírita Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; Instrui-vos, este o segundo. No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram. Eis que do além-túmulo, que julgáveis o nada, vozes vos clamam: "Irmãos! nada perece. Jesus Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade." O Espírito de Verdade. (Paris, 1860) ESE Cap. VI
  50. 50. Missão do Espírita Pergunta feita ao Médium Francisco Candido Xavier: E agora, como última questão, poderá nos dizer qual a melhor maneira, segundo o seu ponto de vista, para que a criatura se torne um verdadeiro espírita? Resposta: Os Benfeitores Espirituais sempre me dizem que temos espíritas de variados matizes e acrescentam que o espírita ideal é sempre aquele que conjuga a sua fé com o trabalho ativo no bem incessante, tomando por base o próprio aperfeiçoamento. Emmanuel costuma afirmar que o espírita genuíno é sempre alguém que caminha no mundo aprendendo e servindo, porque aprendendo estaremos na educação, e servindo viveremos na caridade. Nesse sentido, nosso orientador sempre recorda a palavra de Allan Kardec quando assevera que o verdadeiro espírita é conhecido pelo esforço que realiza na própria sublimação de ordem moral. Assim, peçamos a Jesus que nos inspire e proteja, porque, segundo os nossos Orientadores da Vida Maior, estamos em nossas casas doutrinárias com o Espiritismo prático e que, fora delas, os nossos irmãos de Humanidade estão procurando em nós todos o Espiritismo praticado. Transcrita do jornal uberabense "A Flama Espírita", 20 de setembro de 1958, sob o título "Entrevista com Francisco Cândido Xavier".
  51. 51. Fim!

×