Livro dos Espíritos Q.367 ESE cap.28 item 28

544 visualizações

Publicada em

reuniao Publica GECD - Dubai
livestream.com
espacodespertar.blogspot.com

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
544
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espíritos Q.367 ESE cap.28 item 28

  1. 1. “VÓS SOIS DEUSES.” (JO. 10: 34) “Em todo homem repousa a partícula da divindade do Criador, com a qual pode a criatura terrestre participar dos poderes sagrados da Criação. Emmanuel
  2. 2. S 1- Estudo do Livro dos Espíritos - Parte II Cap 7 - Da Volta Do Espírito À Vida Corporal 2- Estudo do Evangelho Segundo o Espitismo Cap 28 – Coletânea de Preces Espíritas Dubai, 07-02-2016 Por Patrícia Farias http://www.livestream.com http://www.espacodespertar.blogspot.com
  3. 3. 367. Unindo-se ao corpo, o Espírito se identifica com a matéria? “A matéria é apenas o envoltório do Espírito, como o vestuário o é do corpo. Unindo-se a este, o Espírito conserva os atributos da natureza espiritual.” Influência do organismo “O Espírito não herda da matéria; ele se aconchega a ela para manifestar seus atributos de Espírito”. Miramez – Filosofia Espírita
  4. 4. Influência do organismo Para o Espiritismo há dois elementos distintos e gerais do Universo, ambos criados por Deus: Espírito e matéria. O ESPÍRITO é revestido de matéria semimaterial, o PERISPÍRITO, que serve de molde à formação do CORPO que será utilizado durante a reencarnação. Alma
  5. 5. Influência do organismo O Espírito [...] é o ser que pensa e sobrevive [à morte]. O corpo não passa de um acessório do Espírito, de um envoltório, de uma veste, que ele deixa quando está usada. Além desse envoltório material, o Espírito tem um segundo, semimaterial, que o liga ao primeiro. Por ocasião da morte, despoja-se deste, porém não do outro, a que damos o nome de perispírito. Esse envoltório semimaterial, que tem a forma humana, constitui para o Espírito um corpo fluídico, vaporoso, mas que, pelo fato de nos ser invisível no seu estado normal, não deixa de ter algumas das propriedades da matéria. (Allan Kardec - Livro dos Médiuns) Alma
  6. 6. Influência do organismo O estado natural do Espírito é de ser livre, de viver no plano espiritual, no qual o Espírito mantém sua personalidade e suas características individuais. Assim, as reencarnações, por mais numerosas que sejam, são sempre temporárias. EAD Portanto, a cada morte física, retornamos ao mundo espiritual, permanecendo “em casa”, até que uma nova oportunidade nos faça renascer para um novo estágio de aprendizagem e treinamento, em um novo CORPO FÍSICO – o corpo é o uniforme de que necessita o espírito, para freqüentar a Escola Terrena. Reencarnação – Roque Jacintho
  7. 7. Influência do organismo “O corpo espiritual é que modela o corpo físico e o corpo físico que representa o corpo espiritual constituem a obra de séculos numerosos, pacientemente elaborada em duas esferas diferentes da vida, a se retomarem no berço e no túmulo com a orientação dos Instrutores Divinos que supervisionam a evolução terrestre”. André Luiz . Evolução em Dois Mundo
  8. 8. A saga evolutiva do ser humano, analisada à luz do Espiritismo, é grandiosa e fascinante, desvendando os sagrados arcanos do espírito e, ao mesmo tempo, dando-nos uma ideia, ainda que limitada à nossa condição espiritual, dos magnificentes mecanismos da Justiça Divina a reger todo o universo. Suely Caldas Shubert
  9. 9. Cap. 28 - Coletânea de Preces Espíritas II - PRECES POR AQUELE MESMO QUE ORA 28. Ação de graças por um favor obtido
  10. 10. Ação de graças por um favor obtido 28. PREFÁCIO. Não se devem considerar como sucessos ditosos apenas o que seja de grande importância. Muitas vezes, coisas aparentemente insignificantes são as que mais influem em nosso destino. O homem facilmente esquece o bem, para, de preferência, lembrar-se do que o aflige. Se registrássemos, dia a dia, os benéficos de que somos objeto, sem os havermos pedido, ficaríamos, com frequência, espantados de termos recebido tantos e tantos que se nos varreram da memória, e nos sentiríamos humilhados com a nossa ingratidão.
  11. 11. Todas as noites, ao elevarmos a Deus a nossa alma, devemos recordar em nosso íntimo os favores que Ele nos fez durante o dia e agradecer-lhos. Sobretudo no momento mesmo em que experimentamos o efeito da sua bondade e da sua proteção, é que nos cumpre, por um movimento espontâneo, testemunhar-lhe a nossa gratidão. Basta, para isso, que lhe dirijamos um pensamento, atribuindo-lhe o benefício, sem que se faça mister interrompamos o nosso trabalho. Não consistem os benefícios de Deus unicamente em coisas materiais. Devemos também agradecer-lhe as boas idéias, as felizes inspirações que recebemos. Ao passo que o egoísta atribui tudo isso aos seus méritos pessoais e o incrédulo ao acaso, aquele que tem fé rende graças a Deus e aos bons Espíritos. São desnecessárias, para esse efeito, longas frases. "Obrigado, meu Deus, pelo bom pensamento que me foi inspirado”, diz mais do que multas palavras. O impulso espontâneo, que nos faz atribuir a Deus o que de bom nos sucede, dá testemunho de um ato de reconhecimento e de humildade, que nos granjeia a simpatia dos bons Espíritos. (Cap. XXVII, nº 7 e nº 8.) Ação de graças por um favor obtido
  12. 12. Deus infinitamente bom, que o teu nome seja bendito pelos benéficos que me hás concedido. Indigno eu seria, se os atribuísse ao acaso dos acontecimentos, ou ao meu próprio mérito. Bons Espíritos, que fostes os executores das vontades de Deus, agradeço-vos e especialmente a ti, meu Anjo Guardião. Afastai de mim a idéia de orgulhar-me do que recebi e de não o aproveitar somente para o bem. Agradeço-vos, em particular,...

×