Livro dos Espíritos Q.289 ESE cap24 item11

463 visualizações

Publicada em

Reunião Publica GECD - Dubai
www.livestream.com - transmissão
http://www.espacodespertar.blogspot.ae

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
463
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espíritos Q.289 ESE cap24 item11

  1. 1. O conhecimento espírita é, sem dúvida, a melhor oportunidade de conscientização para o homem que pretende libertar-se do cativeiro de milenar comodismo espiritual, afastando-se, em definitivo, das sinuosas estradas da ilusão, com, até então, diminuto aproveitamento das lições que lhe possibilitam o crescimento diante da Vida. (Bezerra de Menezes)
  2. 2. Dubai, 04/01/2015 L.E. – Parte 2ª. Cap. VI - As relações no além-túmulo Questão 289 e 290 ESE – CAP. XXIV – Não ponhais a candeia de baixo do alqueire Dubai, 15/02/2015
  3. 3. Resposta: “Sim, os Espíritos vão ao encontro da alma a quem são afeiçoados. Felicitam-na, como se regressasse de uma viagem, por haver escapado aos perigos da estrada, e ajudam na a desprender-se dos liames corporais. É uma graça concedida aos bons Espíritos o lhes virem ao encontro os que os amam, ao passo que aquele que se acha maculado permanece em insulamento, ou só tem a rodeá-lo os que lhe são semelhantes. É uma punição.” Questão – 289 e 290 289. Nossos parentes e amigos costumam vir-nos ao encontro quando deixamos a Terra?
  4. 4. Resposta: “Depende isso da elevação deles e do caminho que seguem, procurando progredir. Se um está mais adiantado e caminha mais depressa do que outro, não podem os dois conservar-se juntos. Ver-se-ão de tempos a tempos, mas não estarão reunidos para sempre, senão quando puderem caminhar lado a lado, ou quando se houverem igualado na perfeição. Acresce que a privação de ver os parentes e amigos é, às vezes, uma punição.” Questão – 290 290. Os parentes e amigos sempre se reúnem depois da morte?
  5. 5. Questão – 289 e 290 290. Os parentes e amigos sempre se reúnem depois da morte? Deus é o Pai magnânimo e justo. Um pai não distribui padecimento. Dá corrigendas e toda corrigenda aperfeiçoa. Emmanuel PUNIÇÃO Deus, porém, quer que todas as suas criaturas progridam e, portanto, não deixa impune qualquer desvio do caminho reto.. Kardec – Cap V ESE Confiante na impunidade, retardaria seu avanço e, conseqüentemente, a sua felicidade futura.
  6. 6. O Espírito superior, domina seu coração e se dispõe a favorecer aos seus irmãos na retaguarda, desce a planos mais inferiores; entretanto, os inferiores não podem subir para fazer o mesmo, por não terem aptidão para tal. Questão – 289 e 290 290. Os parentes e amigos sempre se reúnem depois da morte? A separação dos entes mais caros torna-se uma PUNIÇÃO, de modo que o inferior encontre nisso motivo para novas investidas na correção dos seus erros, ampliando todas as suas possibilidades de melhorar ante os convites da luz.
  7. 7. O Espírito puro traz em si próprio sua luz e sua felicidade, que o seguem por toda parte e lhe integram o ser. Assim também o Espírito culpado consigo arrasta a própria noite, seu castigo, seu opróbrio. (Léon Denis – Depois da Morte)
  8. 8. A carne só é fraca porque o Espírito é fraco… A carne, destituída de pensamento e vontade, não pode prevalecer jamais sobre o Espírito, que é o ser pensante e de vontade própria. O Espírito é quem dá à carne as qualidades correspondentes ao seu instinto, tal como o artista que imprime à obra material o cunho do seu gênio. Código penal da vida futura (25o.)
  9. 9. A viagem de despertamento é infinita. Se queremos ficar junto com aqueles que mais amamos, e se eles estão nos planos resplandecentes, trabalhemos em nós mesmos, com os recursos que o Evangelho nos aponta; instalemos a luz do Cristo em nosso coração, coloquemos as mãos na charrua sem olhar para trás, porque é somente com a caridade nos sentimentos e a vivência no amor que seremos salvos de todas as paixões que nos impedem de subir. Questão – 289 e 290 290. Os parentes e amigos sempre se reúnem depois da morte?
  10. 10. Sempre temos afeições em qualquer plano em que estagiemos, entretanto, é bom que compreendamos que o maior objetivo dos nossos destinos é o amor universal, aquele que abrange tudo e todos (…) Parentes e amigos de Espíritos Superiores, das almas puras, são todos os Espíritos, são todas as coisas criadas por Deus. Eis aí a felicidade. Miramez Todo apego a pessoas e coisas, a Espíritos e ambientes ainda é inferioridade. É algum resto de egoísmo e de orgulho que haverá de sair do nosso mundo interno.
  11. 11. Dubai, 04/01/2015 ESTUDO DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO ESE – CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE Dubai, 08/02/2015
  12. 12. CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE Não são os que gozam saúde que precisam de médico (S. MATEUS, cap. IX, vv. 10 a 12.) “Jesus se acercava, principalmente, dos pobres e dos deserdados, porque são os que mais necessitam de consolações; dos cegos dóceis e de boa fé, porque pedem se lhes dê a vista, e não dos orgulhosos que julgam possuirtoda a luz e de nada precisar”. Kardec
  13. 13. CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE PUBLICANOS Eram assim chamados, na antiga Roma, os cavalheiros arrendatários das taxas públicas, incumbidos da cobrança dos impostos e das rendas de toda espécie, quer em Roma mesma, quer nas outras partes do Império. De toda a dominação romana, o imposto foi o que os judeus mais dificilmente aceitaram e o que mais irritação causou entre eles. Impostos abusivos eram cobrados pelo império, trazendo muitas dificuldades à população e não trazendo benefícios ao povo;
  14. 14. CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE “Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais.” (Lucas 19.8) Não são os que gozam saúde que precisam de médico (S. MATEUS, cap. IX, vv. 10 a 12.)
  15. 15. CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE Não são os que gozam saúde que precisam de médico Porque mora em mim o sentimento Que perfuma o sândalo, que torna doce o mel Canto como quem abraça o vento Colho a flor do pântano para enfeitar o céu. O Cristo é meu par. E eu folgo ao sentir Que ganhando estradas Ultrapasso a vilania. Insisto em cantar. Teimo em sorrir. Pois, calço as pegadas Que o sol deixou no dia. Vou me encontrar onde andei. Na ofensa que esqueci, no pranto que enxuguei. Vou me encontrar onde andei. No amigo que acolhi, no filho que beijei. Em mim.
  16. 16. CAP. XXIV – NÃO PONHAIS A CANDEIA DEBAIXO DO ALQUEIRE Não são os que gozam saúde que precisam de médico Porque fala o amor quando calado. Sei que brota a vida do que a morte adubou. Porque todo anjo é ente alado Que hoje toca as nuvens porque um dia o chão pisou. Confiro que há mais Glória em servir. Água em pés cansados Pode mais que a dor do açoite. Sim, nossa paz Sabe aonde ir. Aos corações tombados Que tateiam o véu da noite. Vou me encontrar onde andei. Na ofensa que esqueci, no pranto que enxuguei. Vou me encontrar onde andei. No amigo que acolhi, no filho que beijei. Em mim.

×