livro dos Espiritos Q283 ESE cap 23 item 9

604 visualizações

Publicada em

Reuniao Publica GECD - Dubai

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

livro dos Espiritos Q283 ESE cap 23 item 9

  1. 1. Dubai, 04/01/2015 ESTUDO DE O LIVRO DOS ESPÍRITOS E DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO L.E. – Parte 2ª. Cap. VI - As relações no além-túmulo Questão 283 ESE – CAP. XXIII – Estranha Moral / Item 9 Dubai, 18/01/2015
  2. 2. Resposta: “Não; para os Espíritos, tudo é patente, sobretudo para os perfeitos. Podem afastar-se uns dos outros, mas sempre se vêem. Isto, porém, não constitui regra absoluta, porquanto certos Espíritos podem muito bem tornar-se invisíveis a outros Espíritos, se julgarem útil fazê-lo.” Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros?
  3. 3. “O pensamento, é força viva e atuante, cuja velocidade supera a da luz”. Livro Ação e Reação O pensamento do Espírito é como uma centelha que projeta longe a sua claridade e pode ser vista de todos os pontos do horizonte. Quanto mais puro é o Espírito tanto mais o seu pensamento se irradia e se estende, como a luz. Livro dos Mediuns “Para os Espíritos, o pensamento e a vontade são o que é a mão para o homem”. Livro Perispirito Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros?
  4. 4. Os Espíritos da mesma faixa NÃO podem ocultar seus pensamentos dos seus iguais, nem de Espíritos Superiores. Entretanto, para os de faixas mais baixas, eles podem perfeitamente ocultar seus pensamentos, bem como ficarem invisíveis a eles, se desejarem.. “Todos aqueles que emitem pensamentos que não sejam nobres, procuram escondê-los, entretanto a lei nos diz que nada fica oculto, que não venha a ser conhecido.” Pelo Espírito Miramez Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros?
  5. 5. "Os Espíritos podem ver tudo o que fazemos, pois que constantemente vos rodeiam. Cada um, porém, só vê aquilo a que dá atenção. Não se ocupam com o que lhes é indiferente… Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros? (…) podem conhecer os nossos mais secretos pensamentos. Muitas vezes chegam a conhecer o que desejaríeis ocultar de vós mesmos. Nem atos, nem pensamentos se lhes podem dissimular. Quando vos julgais muito ocultos, é comum terdes ao vosso lado uma multidão de Espíritos que vos observam”. Kardec – Livro dos Espíritos
  6. 6. Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros? 15 de março de 1854, artigo por Émile Deschamps “Se o homem só acreditasse no que compreende, não acreditaria em Deus, nem em si mesmo, nem nos astros que rolam sobre sua cabeça, nem na erva que cresce sob seus pés”. Kardec - “Medite-se bem o artigo precedente e reconhecer-se-á que esse elo não passa da radiação fluídica, que dá a visão espiritual, visão que não é barrada pelos corpos materiais”.
  7. 7. Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros? OBSERVAÇÃO: Não há uma só das faculdades concedidas ao homem da qual ele não possa abusar, em virtude de seu livro-arbítrio. Não é a faculdade que é má em si mesma, mas o uso que dela se faz. Se os homens fossem bons, nenhuma delas seria temível, porque ninguém as usaria para o mal. No estado de inferioridade em que ainda se acham os homens na Terra, a penetração do pensamento, se fosse geral, sem dúvida seria uma das mais perigosas, porque se tem muito a ocultar, e muitos podem abusar. Mas, sejam quais forem os inconvenientes, se ela existe, é um fato que deve ser aceito, de bom grado ou de mau grado, pois não se pode suprimir um efeito natural. Mas Deus, que é soberanamente bom, mede a extensão dessa faculdade pela nossa fraqueza. Ele no-la mostra de vez em quando, para melhor nos fazer compreender nossa essência espiritual, e nos advertir a trabalhar a nossa depuração para não termos que temê-la.
  8. 8. Nosso espírito residirá onde projetarmos nossos pensamentos, alicerces vivos do bem e do mal. Por isto mesmo, dizia Paulo, sabiamente: - "Pensai na coisas que são de cima." Questão – 283 Podem os Espíritos, reciprocamente, dissimular seus pensamentos? Podem ocultar-se uns dos outros?
  9. 9. Dubai, 04/01/2015 ESTUDO DO EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO ESE – CAP. XXIII – Estranha Moral / Item 9 Dubai, 18/01/2015
  10. 10. CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão 9- Não penseis que vim trazer paz sobre a terra; não vim trazer paz, mas a espada; - porquanto vim separar de seu pai o filho, de sua mãe a filha, de sua sogra a nora; - e o homem terá por inimigos os de sua própria casa. (S. MATEUS, cap. X, vv. 34 a 36.)
  11. 11. CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão 10. Vi lançar fogo sobre a Terra; e como desejo que já estivesse aceso. Devo ser batizado com um batismo e como estou angustiado até que esteja consumado. Supondes que vim para dar paz à terra? Não, eu vos digo; mas antes a divisão. Pois, a partir de agora, estarão cinco divididos em uma casa: três contra dois e dois contra três. – Estarão divididos pai contra filho e filho contra pai; a mãe contra a filha e filha contra mãe; sogra contra a sua nora e nora contra sogra. (S. LUCAS, cap. XII, vv. 49 a 53.)
  12. 12. Será mesmo possível que Jesus, a personificação da doçura e da bondade, Jesus, que não cessou de pregar o AMOR DO PRÓXIMO, haja dito: "Não vim trazer a paz, mas a espada?! CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão Toda IDÉIA NOVA forçosamente encontra oposição e nenhuma há que se implante sem lutas. Ora, nesses casos, a resistência é sempre proporcional à importância dos resultados previstos, porque, quanto maior ela é, tanto mais numerosos são os interesses que fere. (…) Assim, pois, a medida da importância e dos resultados de uma idéia nova se encontra na emoção que o seu aparecimento causa, na violência da oposição que provoca, bem como no grau e na persistência da ira de seus adversários.
  13. 13. 13. Jesus vinha proclamar uma doutrina que solaparia pela base os abusos de que viviam os fariseus, os escribas e os sacerdotes do seu tempo. Imolaram-no, portanto, certos de que, matando o homem, matariam a idéia. CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão Lutas das mais terríveis esperavam aí pelos seus APÓSTOLOS; foram inumeráveis as vítimas; a idéia, no entanto, avolumou-se sempre e triunfou, porque, como verdade, sobrelevava as que a precederam.
  14. 14. Infelizmente, os adeptos da nova doutrina não se entenderam quanto à interpretação das palavras do Mestre, veladas, as mais das vezes, pela alegoria e pelas figuras da linguagem. Daí o nascerem, sem demora, numerosas seitas, pretendendo todas possuir, exclusivamente, a verdade CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão
  15. 15. CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão
  16. 16. CAP. XXIII – ESTRANHA MORAL - Não vim trazer a paz, mas, a divisão

×