Livro dos Espiritos Q241 ESE - Cap18

459 visualizações

Publicada em

reuniao Publica GECD - Dubai

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espiritos Q241 ESE - Cap18

  1. 1. Dubai, 18/06/2014 Estudo de O Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo L.E. – Parte 2ª. Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA - Questão 241 ESE – Cap. XVIII MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS
  2. 2. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Percepções, Sensações e Sofrimentos dos Espíritos TEMPO é apenas uma medida relativa da successão das coisas transitórias; a eternidade não é suscetível de medida alguma do ponto de vista da duração; para ela, não há começo, nem fim: tudo lhe é PRESENTE. Se séculos de séculos são menos que um segundo, relativamente à eternidade, que vem a ser a duração da vida humana?! PRESENTE, PASSADO e FUTURO
  3. 3. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Percepções, Sensações e Sofrimentos dos Espíritos 241. Os Espíritos fazem do presente mais precisa e exata idéia do que nós? “Do mesmo modo que aquele, que vê bem, faz mais exata idéia das coisas do que o cego. Os Espíritos vêem o que não vedes. Tudo apreciam, pois, diversamente do modo por que o fazeis. Mas, também isso depende da elevação deles.”
  4. 4. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Percepções, Sensações e Sofrimentos dos Espíritos 242. Como é que os Espíritos têm conhecimento do passado? E esse conhecimento lhes é ilimitado? “O passado, quando com ele nos ocupamos, é presente. Verifica-se então, precisamente, o que se passa contigo quando recordas qualquer coisa que te impressionou no curso do teu exílio. Simplesmente, como já nenhum véu material nos tolda a inteligência, lembramo-nos mesmo daquilo que se te apagou da memória. Mas, nem tudo os Espíritos sabem, a começar pela própria criação.”
  5. 5. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Percepções, Sensações e Sofrimentos dos Espíritos Os Espíritos fora da carne têm uma visão mais acentuada do que os encarnados, por estarem mais livres as suas faculdades. Entretanto, é bom que se compreenda que tudo é relativo; o despertamento da alma obedece a uma lei que podemos denominar de merecimento, pelo tamanho espiritual de cada um. Determinadas entidades espirituais, cuja elevação se encontra nos primeiros degraus na escala de ascensão, por vezes não vêem mais que os homens, e muitos deles, nem igual a esses. Isso ocorre igualmente no que tange ao saber. “Amados, não deis crédito a qualquer Espírito: antes, provai os Espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora.” João, Epístola 1º
  6. 6. Parte 2ª. - Cap. VI - DA VIDA ESPÍRITA Percepções, Sensações e Sofrimentos dos Espíritos Não olvides, assim que além da morte, a vida nos aguarda em perpetuidade de grandeza e de luz, e que, nessas mesmas dimensões de glorificação e beleza, a memória imperecível é sempre o espelho que nos retrata O PASSADO, a fim de que a sombra, reinante em nós, se dissolva nas lições DO PRESENTE, impelindo-nos a seguir, desenleados da treva, no encalço da perfeição com que acena FUTURO. Emmanuel – Reunião de 16-01- 1959
  7. 7. Dubai, 05/02/2013 O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS
  8. 8. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS S. MATEUS, cap. XXII, vv. 1 a 14 LUCAS, cap XIV, vv 15 a 24
  9. 9. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS “As parábolas do Evangelho são como as sementes divinas que desabrochariam, mais tarde, em árvores de misericórdia e de sabedoria para a Humanidade”. Emmanuel – O Consolador
  10. 10. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS Por que comparar o reino de Deus a uma festa de casamento? E a quebra desta aliança é chamada PROSTITUIÇÃO. A cidade de Jerusalem e Samaria são duas mulheres que abandonaram seu marido e se prostituiram. Na simbologia profética, abandonar o Criador, é considerado um comportamento chamado prostituição.Toda vez que nos afastamos da lei Divina, que nos rebelamos contra contra Deus. Em todos os textos da tradição do povo hebreu, a união, a aliança do ser humano com Deus é simbolizado pela figura de um CASAMENTO. (Geremias, Isaías, Oseias..) Bíblia em Oséias 3 - 19 “Eu me casarei com você para sempre; eu me casarei com você com justiça e retidão, com amor e compaixão”.
  11. 11. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS Por que comparar o reino de Deus a uma festa de casamento? • A humanidade vive até hoje um período de noivado, não houve ainda a união definitiva; • Evangelho ainda não foi incorporado, ou seja ainda não teve o casamento; • Jesus falava para um povo muito simples, nomades, agricultores, onde a relação mais íntima só se dava pelo casamento • Deus espera que tenhamos essa relação com ele • A primeira aparição publica dos milagres de Jesus foi em um casamento. “Eu e meu Pai somos um”. O casamento perfeito a comunhão total!
  12. 12. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS OS CONVIDADOS 1º Recusaram-se Hebreus – (foi utilizado a partir do período romano para se referir aos judeus, Acredita-se que, originalmente, os hebreus chamavam a si mesmos de israelitas, embora esse termo tenha caído em desuso após a segunda metade do século X a.C.) 2º Estavam Ocupados, eram as pessoas Mundanas – absorvidas pela vida material. Indiferentes as coisas celestes. Injusto generalizar, e a responsabilidade recai sobre os Saduceu e Fariseus que sacrificaram a nação por orgulho e fanatismo. 3º TODOS os que estivessem por ali, bons e maus – A palavra seria pregada a todos os outros povos, pagãos e idólatras, e quem aceitasse o convite, viriam ao banquete, em lugar dos primeiros convidados. OS SERVOS, os enviados do Rei… são os profetas que os vinham convidar a seguir a trilha da verdadeira felicidade, mas suas palavras quase não eram escutadas; muitos foram massacrados O REI O CASAMENTO A VESTE NUPCIAL
  13. 13. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS A VESTE NUPCIAL Que vestes são essas? Como é preciso estar vestido no banquete das bodas com o REI? NESSE BANQUETE os convidados iriam tirar as vestes mortais e vestiriam as vestes imortais. Nos aprendemos com Kardec que o Espirito imortal tambem se veste..de um corpo físico, de uma profissão, de uma conta bancária, de uma fantasia..
  14. 14. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS A VESTE NUPCIAL “Permutar a roupagem física não decide o problema fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem que ver com as soluções profundas do destino e do ser. Oh! caminhos das almas, misteriosos caminhos do coração! É mister percorrer-vos, antes de tentar a suprema equação da Vida Eterna! É indispensável viver o vosso drama, conhecer-vos detalhe a detalhe, no longo processo do aperfeiçoamento espiritual!...”. Lembremos de André Luiz que chegou em Nosso Lar sem a veste Nupcial.
  15. 15. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS A VESTE NUPCIAL “Reconhecia, agora, a esfera diferente a erguer-se da poalha do mundo e, todavia, era tarde.(…) Verificava que alguma coisa permanece acima de toda cogitação meramente intelectual. Esse algo é a fé, manifestação divina ao homem. Semelhante análise surgia, contudo, tardiamente. De fato, conhecia as letras do Velho Testamento e muita vez folheara o Evangelho; entretanto, era forçoso reconhecer que nunca procurara as letras sagradas com a luz do coração”.
  16. 16. Cap. XVIII – MUITOS OS CHAMADOS, POUCOS OS ESCOLHIDOS www.quadrinhoalp.com

×