Livro dos Espiritos Q183 Evangelho -13- 9

250 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
250
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espiritos Q183 Evangelho -13- 9

  1. 1. Estudo de O Livro dos Espíritose do Evangelho Segundo o EspiritismoDubai, 07/04/2013Cap. IV - Da Pluralidade das ExistênciasEncarnação nos Diferentes Mundos
  2. 2. Cap. IV – Da pluralidade das Existências.Encarnação nos Diferentes MundosGECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 2Q. 183 – Indo de um mundo para o outro, o Espírito passa pornova infância?“Em toda parte a infância é uma transição necessária, mas não éem toda parte, tão *obtusa como no vosso mundo.”*Linguagem Fig. Que compreende lentamente; rude, estúpido: espírito obtuso.
  3. 3. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 3Segundo André Luiz, o estado do encarnanteassemelha-se ao do Espírito encarnado durante osono. Os Espíritos mais evoluídos gozam de maiorliberdade, mas desde o momento da concepção oEspírito sente as consequências de sua nova condiçãoe começa a sentir-se perturbado.Uma espécie de torpor, agonia eabatimento o envolvegradualmente, intensificando-se até otérmino da vida intrauterina. Suasfaculdades vão-se velando uma após aoutra, a memória desaparece, aconsciência fica adormecida, e oEspírito como que é sepultado emopressiva crisálida.Esse fenômeno se deve à constrição doperispírito e à sua limitação pelo corpo, quefazem com que a existência no Plano Espirituale a consciência das vidas pregressas volvam aoinconsciente, perdendo o Espírito, nos últimosmomentos, toda a consciência de si próprio, demodo que jamais presencia o seu nascimento.Quando a criança respira, ele começa a recobrar as faculdades, que sedesenvolvem à proporção que se formam e consolidam os órgãos que hão deservir-lhe às manifestações.
  4. 4. Cap. IV – Da pluralidade das Existências.Encarnação nos Diferentes Mundos4A infância começa com o nascimento![…]corresponde a uma necessidade...que está na ordem danatureza e de acordo com as vistas da Providência. É um períodode repouso do Espírito.[…]Encarnando com o objetivo de se aperfeiçoar, oEspírito, durante esse período é mais acessível `as impressões querecebe, capazes de lhe auxiliarem o adiantamento, para o quedevem contribuir os incumbidos de educá-los.
  5. 5. Cap. IV – Da pluralidade das Existências.Encarnação nos Diferentes MundosGECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 5Como criança, o Espírito enverga temporariamente a túnica dainocência, um fato que atesta a bondade e a sabedoria deDeus, porque sua aparente inocência e fragilidade desperta ocarinho e a simpatia dos adultos que o cercam, facilitandoassim o processo de sua reeducação.Esse estado de pureza e simplicidade é tãoimportante que o próprio Mestre o destacounuma conhecida passagem evangélica emque, aludindo a uma criança que dele seaproximara, declarou:“Em verdade vos digo que, se não vosconverterdes e não vos tornardes comocrianças, de modo algum entrareis no reinodos Céus”.
  6. 6. Cap. IV – Da pluralidade das Existências.Encarnação nos Diferentes MundosGECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 6Comenta kardec (...) As condições de longevidade não são, por todaparte, as mesmas da Terra, não sendo possível a comparação de idades.Uma pessoa, falecida há alguns anos, quando evocada, disse haverencarnado, seis meses antes, num mundo cujo nome é desconhecido.Interpelada sobre a idade que tinha nesse mundo, respondeu:“Não posso calcular, porque não contamos o tempo como vós; alémdisso, o nosso meio de vida não é o mesmo; desenvolvemo-nos muitomais rapidamente; tanto assim que há apenas seis dos vossos meses neleme encontro, e posso dizer que, quando à inteligência, tenho trinta anosde idade terrena.”
  7. 7. Dubai, 05/02/2013Cap. XIII - NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDAO QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITAINSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOSA CARIDADE MATERIAL E A CARIDADE MORAL
  8. 8. 8IRMÃ ROSÁLIA - Paris, 18609 – “Amemo-nos uns aos outros e façamos aos outros o que quereríamosque nos fosse feito”. Toda a religião, toda a moral, se encerram nestes doispreceitos. Se eles fossem seguidos no mundo, todos seriam perfeitos. Nãohaveria ódios, nem ressentimentos. Direi mais ainda: não haveriapobreza, porque, do supérfluo da mesa de cada rico, quantos pobres seriamalimentados! E assim não mais se veriam, nos bairros sombrios em quevivi, na minha última encarnação, pobres mulheres arrastando consigomiseráveis crianças necessitadas de tudo.Ricos! Pensai um pouco em tudo isso. Ajudai o mais possível aos infelizes;daí, para que Deus vos retribua um dia o bem que houverdes feito: paraencontrardes, ao sair de vosso invólucro terrestre, um cortejo de Espíritosreconhecidos, que vos receberão no limitar de um mundo mais feliz.Se pudésseis saber a alegria que provei, ao encontrar no além aqueles aquem beneficiei, na minha última vida terrena!INSTRUÇÃO DOS ESPÍRITOS – CARIDADE MORAL EMATERIAL
  9. 9. INSTRUÇÃO DOS ESPÍRITOS – CARIDADE MORAL EMATERIAL9Amai, pois, ao vosso próximo; amai-o como a vós mesmos, pois jásabeis, agora, que o desgraçado que repelis talvez seja um irmão, umpai, um amigo que afastais para longe. E então, qual não será o vossodesespero, ao reconhecê-lo depois no Mundo dos Espíritos!Quero que compreendais bem o que deve ser a caridade moral, que todospodem praticar, que materialmente nada custa, e que não obstante é a maisdifícil de se por em prática.A caridade moral consiste em vos suportardes uns aos outros, o que menosfazeis nesse mundo inferior, em que estais momentaneamente encarnados.Há um grande mérito, acreditai, em saber calar para que outro mais tolopossa falar: isso é também uma forma de caridade. Saber fazer-se desurdo, quando uma palavra irônica escapa de uma boca habituada a caçoar;não ver o sorriso desdenhoso com que vos recebem pessoas que, muitasvezes erradamente, se julgam superiores a vós, quando na vida espírita, aúnica verdadeira, está às vezes muito abaixo: eis um merecimento que nãoé de humildade, mas de caridade, pois não se incomodar com as faltasalheias é caridade moral.
  10. 10. INSTRUÇÃO DOS ESPÍRITOS – CARIDADE MORAL EMATERIAL10Essa caridade, entretanto, não deve impedir que se pratique a outra. Pelocontrário: pensai, sobretudo, que não deveis desprezar o vosso semelhante;lembrai-vos de tudo o que vos tenho dito; é necessáriolembrar, incessantemente, que o pobre repelido talvez seja um Espírito quevos foi caro, e que momentaneamente se encontra numa posição inferior àvossa. Reencontrei um dos pobres do vosso mundo a quem pude, porfelicidade, beneficiar algumas vezes, e ao qual tenho agora de pedir, porminha vez.Recordai-vos de que Jesus disse que somos todos irmãos, e pensaisempre nisso, antes de repelirdes o leproso ou o mendigo.Adeus! Pensai naqueles que sofrem, e orai.
  11. 11. Cap. XIII – Não Saiba a vossa mão esquerda o quedê a vossa mão direita.GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 11A CARIDADE MATERIAL E A CARIDADE MORAL

×