Livro dos Espiritos Q.178 Evangelho cap13 2.ppt

1.829 visualizações

Publicada em

Bibliografia: Livro Renuncia Emmanuel/ Chico Xavier

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.829
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espiritos Q.178 Evangelho cap13 2.ppt

  1. 1. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Estudo de O Livro dos Espíritose do Evangelho Segundo o Espiritismo Dubai, 17/02/2013
  2. 2. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências 178. Podem os Espíritos encarnar em um mundo relativamente inferior a outro onde já viveram? “Sim, quando em missão, com o objetivo de auxiliarem o progresso, caso em que aceitam alegres as tribulações de tal existência, por lhes proporcionar meio de se adiantarem.” a) - Mas, não pode dar-se também por expiação? Não pode Deus degredar para mundos inferiores Espíritos rebeldes? “Os Espíritos podem conservar-se estacionários, mas não retrogradam. Em caso de estacionamento, a punição deles consiste em não avançarem, em recomeçarem, no meio conveniente à sua natureza, as existências mal empregadas.” b) - Quais os que têm de recomeçar a mesma existência? “Os que faliram em suas missões ou em suas provas.” GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 2
  3. 3. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Neste romance, Emmanuel descreve a existência de Alcíone, Espírito que passa por uma encarnação de renúncias e dedicação a todos que a cercam, na frívola Paris do reinado de Luís XIV. Apresenta o sacrifício de amor desse abnegado Espírito que volta à luta terrestre para estar com aquele ser por quem havia intercedido no plano Espiritual, propondo-se ajudá-lo nas provas, expiações e reparações da nova existência na Terra. Emmanuel nos oferece, ainda, o relato de mais uma de suas encarnações, como Padre Damiano, vigário da igreja de São Vicente, em Ávila, Espanha, além de dados históricos sobre fatos que marcaram a vida humana no século XVII. Narrando a história de Alcíone e Carlos, o autor nos propõe farto material para reflexões, aplicável à nossa própria existência. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 3
  4. 4. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências A paisagem era formada de sombras, numa região indefinível na linguagem humana. Substâncias diferentes das que compõem o solo terrestre constituíam a sua crosta sulcada de caminhos tortuosos entre arbustos mirrados, à semelhança dos cactos próprios das zonas áridas. Fazia frio, agravado pelas rajadas fortes do vento úmido, que soprava rijo, deixando no espaço vaga expressão de doloroso lamento. O lugar dava a impressão de triste país de exílio, destinado a criminosos condenados a penas ingratas. Entretanto, ouviam-se vozes que a ventania quase abafava, como de prisioneiros cheios de expectação e de esperança. Em singular e sombrio recôncavo, pequeno grupo de espíritos culposos comentava largos projetos de atividades futuras. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 4
  5. 5. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Nesse instante, sucedeu qualquer coisa que o grupo de almas sofredoras e esperançosas não conseguiu perceber. Uma forma luminosa descia do plano constelado, semelhante a uma estrela desprendida do imenso colar dos astros da noite. Quase ao tocar no centro da paisagem escura, tomou a forma humana, embora não se lhe pudesse determinar os traços fisionômicos, tal a sua auréola de ofuscante esplendor. Menandro e Pólux, conversavam momentos antes do reencarne No entanto, como acontece no círculo das impressões humanas condicionadas às necessidades de cada criatura, nenhum dos circunstantes lhe registrou, de maneira absoluta, a presença generosa. Ninguém poderia definir o sentimento de bom ânimo que se estabelecera, de modo geral. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 5
  6. 6. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Naquele instante, Pólux sentia-se tocado por sentimentos intraduzíveis. Por que razão havia caído tantas vezes ao longo dos caminhos humanos? Numerosas lutas sustentara; Experiências laboriosas havia empreendido no Evangelho de Jesus, para servi-lo em espírito e verdade, e contudo, na luta consigo mesmo, as paixões subalternas sempre saíam vencedoras, em sinistros triunfos. Em que constelação permaneceria Alcione, a alma de sua alma, vida de sua vida? E recordava as renúncias e sacrifícios dela, em prol da sua redenção, lembrando que, se a sua alma de santa estava sempre repleta de abnegação, ele, por si, fora quase invariàvelmente frágil e vacilante, agravando os próprios fracassos., caíra miseràvelmente, como criminoso comum. Desesperara-se. Chafurdara-se no lodo cruel. A revolta, porém, agravara-lhe as penas íntimas, compelindo-o a ceder ante o cerco apertado de novas tentações. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 6
  7. 7. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências — Jesus, Mestre querido e generoso, concedei-me forças ao coração enfermo e perverso!... Dignai-vos cerrar os olhos para as minhas fraquezas e vede, Senhor, quanto sofro!... Fortalecei minha vontade vacilante e, se possível, meu Salvador, dai- me a graça de ouvir Alcione, antes de partir!. Mas, a essa evocação direta da bem- amada, o pranto lhe embargou a prece comovedora e dolorosa. Em atitude humilde, baixou os olhos nevoados de lágrimas e soluçou, discretamente, como se estivesse envergonhado da própria dor. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 7
  8. 8. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Gradualmente, extinguiram-Se os raios de luz que a envolviam em reflexos divinos. A sombra da paisagem cercou-a inteiramente, e uma jovem de singular beleza tocou o penitente nos ombros, num gesto de ternura encantadora. — Pólux..Pólux!! Levanta-te para o testemunho de amor ao Altíssimo — disse ela com angélica ternura —; não te julgues abandonado nos caminhos da regeneração. O Senhor está conosco, como estou sempre contigo. Anima-te para novas experiências! Jesus não desampara nossos propósitos elevados. Sofre e trabalha, Pólux, e, um dia, nos reuniremos para sempre na radiosa eternidade. Deus é a fonte da alegria imortal, e quando houvermos triunfado de toda a imperfeição, banhar-nos-emos nessa fonte de júbilos infinitos. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 8
  9. 9. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências — Ah! sinto que poderia atingir culminâncias nas necessárias reparações; entretanto, Alcione, precisava para isso da tua constante assistência. Sei que preciso recorrer a provas difíceis de abnegação e de ascetismo, mas... se pudesse, ao menos, ver-te na Terra... Serias, para a minha tarefa, a radiosa estrela d’Alva e, à noite, quando fluíssem do céu as bênçãos da paz, lembrar- me-ia de ti e encontraria nessa recordação o manancial da coragem e dos estímulos santos!. Ela pareceu meditar profundamente e redargüiu: — Implorarei a Jesus me conceda a alegria de voltar à Terra a fim de atender ao meu ideal, que se constitui, aos meus olhos, de sacrossantos deveres. — Tu! Voltares? — perguntou ébrio de esperança. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 9
  10. 10. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências — Por que não? — explicou Alcione com meiguice. — O planeta terrestre não será um local situado igualmente no Céu? Esqueceste o que a Terra nos tem ensinado qual mãe carinhosa, na grandeza de suas experiências? Muitas vezes, nós, na qualidade de filhos dela, manchamos-lhe a face generosa com delitos execráveis e, entretanto, foi em seu seio que o Mestre surgiu na manjedoura singela e levantou a cruz divina, encaminhando-nos ao serviço da remissão. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 10
  11. 11. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Percebendo a alegria incontrolável dele: - Antes da minha, precisarás ouvir a voz do Cristo, e se Ele com sua infinita bondade permitir minha volta à Terra, jamais olvidemos que vamos lá regressar, não para auferir gozos prematuros, mas para sofrer juntos no caminho redentor, até podermos desferir o vôo supremo de felicidade e união, em demanda de esferas mais altas. Na obra de Deus, a paz sem trabalho é ociosidade com usurpação. Não afastes os olhos do quadro de sacrifícios que nos compete fazer a favor de nós mesmos! — Sim, Alcione, tu és o meu anjo bom — murmurou ele entre lágrimas. — Ensina-me a percorrer as estradas depuradoras. Não me desampares. Dize-me como devo proceder na Terra. Repete que te não afastarás do meu caminho. Inspira-me o desejo santo de resgatar meus pesados débitos, até ao fim...(ler pag 22) GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 11
  12. 12. Cap. IV - Da Pluralidade das Existências Em seguida, tomou sua roupagem de luz e afastou-se da paisagem nevoenta, dando a impressão de uma estrela solitária que regressava ao paraíso. Pouco depois, ei-la que aporta em portentosa esfera, inconfundível em magnificência e grandeza. O espetáculo maravilhoso de suas perspectivas excedia aEstrela Sirius, uma tudo que pudesse caracterizar a beleza no sentido das mais humano. A sagrada visão do conjunto permanecia muito maravilhosas além da famosa cidade dos santos, idealizada pelos estrelas de nossofirmamento, está a pensadores do Cristianismo. Primorosas construções, somente 8,7 anos engalanadas de flores indescritíveis, tomavam a forma luz da Terra. Ela de castelos talhados em filigrana dourada, com emite 23 vezes irradiações de efeitos policromos. Seres alados iam e mais luz do que o vinham, obedecendo a objetivos santificados, num Sol e é 1,8 vezes trabalho de natureza superior, inacessível à maior do que ele. compreensão dos terrícolas. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 12
  13. 13. Cap. XIII - NÃO SAIBA A VOSSA MÃOESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA Dubai, 05/02/2013
  14. 14. Fazer o bem sem ostentação (Cap. XIII)2. Tendo Jesus descido do monte, grandemultidão o seguiu. - Ao mesmo tempo,um leproso veio ao seu encontro e oadorou, dizendo:- Senhor, se quiseres, poderás curar-me.- Jesus, estendendo a mão, o tocou edisse: - Quero-o, fica curado; no mesmoinstante desapareceu a lepra.- Disse-lhe então Jesus: abstém-te defalar disto a quem quer que seja; mas, vaimostrar-te aos sacerdotes e oferece odom prescrito por Moisés, a fim de quelhes sirva de prova. (S. MATEUS, cap. VIII, vv. 1 a 4.) GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 14
  15. 15. Fazer o bem sem ostentação (Cap. XIII)Jesus recompensou a fé que verificara existirnaquele pobre homem, cujo Espírito, por maneiratão dolorosa, expiava suas culpas de vidasanteriores. Mas, sabendo que ainda não era tempode dar publicidade ampla às graças que espalhava,recomendou ao homem que a ninguém referisse acura de que fora objeto.Os leprosos eram excluídos do convívio social. Para que aquele, a quem Ele curara,pudesse volver a esse convívio, foi que Jesus lhe mandou que se mostrasse aos príncipesdos sacerdotes e levasse, em testemunho da sua cura, a oferenda prescrita por Moisés.Pelo que respeita a essa oferenda, para se lhe compreender o significado, atenda-se aque tudo era emblemático na legislação moisaica. Assim como se sacrificavam asprimícias dos rebanhos, imitando-se a consagração dos primogênitos das famílias; assimcomo se degolava a vítima propiciatória, para redimir as faltas dos povos, assim tambémos leprosos eram obrigados a levar uma oferenda ao Senhor, a título de penhor dapurificação obtida e de gratidão pelo benefício recebido. GECD - Grupo Espírita Cristão Despertar 15
  16. 16. Agenda VI Ciclo de Palestras - UAE20:30 as 21:30

×