Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos

1.194 visualizações

Publicada em

Dicas para apresentações orais e Normas básicas da ABNT para trabalhos acadêmicos

Publicada em: Educação
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos

  1. 1. Dicas para apresentações orais e Normas básicas da ABNT para trabalhos acadêmicos Professor Éderson Dias de Oliveira Jandaia do Sul, junho de 2015.
  2. 2. • JustificativaJustificativa – necessidade de reforçar nos acadêmicos as normas básicas de elaboração de trabalhos acadêmicos segundo a ABNT, bem como as apresentações em geral; • ProblemáticaProblemática – os estudantes têm se mostrado pouco atentos as normas científicas no seu cotidiano acadêmico. • ObjetivoObjetivo – compreender melhor as normas básicas de trabalhos acadêmicos e de apresentação em geral; Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina - Cora Coralina
  3. 3. Apresentação de Trabalho Acadêmico - Power Point O que é uma apresentação? é o complemento do apresentador enquanto unidade, devendo haver harmonia entre o raciocínio exposto e o palestrante - ferramenta auxiliar.
  4. 4. Existem regras/normas para uma boa apresentação? Não! Não existem normas regulamentadas pela ABNT para se confeccionar uma apresentação de slides para um trabalho acadêmico. O que se preza é o BOM SENSO!
  5. 5. O que se deve EVITAREVITAR numa apresentação: Ler loooooooooooongos textos projetados na tela, que cansam a audiência e pouco acrescenta, uma vez que todos estão vendo a mesma coisa... Iscrever erradu. Interrom per a apresentação. Usar uma fonte minúscula e difícil de ser lida. Deixar de conferir a ordem dos slides.
  6. 6. Priorize os conteúdos em tópicos que ajudam a estruturar sua fala, evitando ao máximo a leitura; Lembre-se que sua audiência lerá primeiro que você; Seja o mais conciso possível, não se preocupando com detalhes. É recomendável que ensaie a apresentação ou pelo menos veja com antecedência para evitar “micos”;
  7. 7. Breve prática de como procurar ser conciso Trecho da matéria: Deveria ser ilegal desperdiçar comida? da revista Superinteressante de 03/06/2015 Os brasileiros não ficam para trás em matéria de desperdício - por aqui, cerca de 26 milhões de toneladas são desperdiçadas todos os anos. É um dado alarmante, considerando que mais de 7 milhões de pessoas ainda passam fome no país. O desperdício está presente em todas as etapas da trajetória dos alimentos: desde a colheita até o prato do consumidor. O Chefe do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Celso Moretti, destacou os problemas que os produtos alimentícios sofrem no transporte. A falta de refrigeração dos alimentos, a colheita feita de modo errado e recipientes inadequados para transporte contribuem para que alimentos em perfeito estado sejam descartados. "Realizamos uma pesquisa que acompanhou o transporte de melões do Rio Grande do Norte até São Paulo. A temperatura no topo da carga chegou a 48ºC", diz.
  8. 8.  No Brasil desperdiça-se cerca de 26 milhões de toneladas de alimentos por ano, enquanto mais de 7 milhões de pessoas passam fome.  Há desperdício desde a etapa da colheita até o consumo, dado por vários fatores como: • Falta de refrigeração dos alimentos; • Colheita feita de modo errado e; • Recipientes/transporte inadequados;
  9. 9. 10 Dicas Para Não Errar!10 Dicas Para Não Errar!
  10. 10. 1. Dica 10 – 20 – 30: 10 slides para cerca de 20 minutos de tempo, utilizando fontes grandes; 30 pts é uma boa medida, podendo usar fontes um pouco menor também.
  11. 11. 2. Pouco Texto e Letras Grandes: reforçando a 1ª. Regra... Apresentação não é apostila! Fonte 40pts: Leia isso! Fonte 32pts: Leia isso! Fonte 28pts: Leia isso! Fonte 20: Leia Isso! Fonte 16: Leia Isso! Fonte 10: Leia Isso! Não uses tamanhos demasiado pequenos ou demasiado grandes ou difíceis de ler Usa MAIÚSCULAS só quando necessário;
  12. 12. Não empregue fundos muito “nervosos” Não uses fundos distrativos ou que dificultem a leitura O fundo não deve competir com o conteúdo
  13. 13. Slide - documento! Se um slide contem mais de 75 palavras, ele torna-se um documento. Cuidado! Impossível ler/comunicar!
  14. 14. O simples é o melhor! Evite exageros nos efeitos de transição; Use fundos claros e fontes escuras (letra legível e fundo discreto); O texto deve ser enxuto, direto.
  15. 15. 3. Utilize Fontes Padrões: (padronização da fonte em toda a apresentação) nem sempre uma fonte que existe em um computador existirá em outro.
  16. 16. Seja claro! Dê preferência para fontes sem sefira (sans-serif); Arial, Verdana,... Serifas são aqueles pequenos traços e prolongamentos nas hastes das letras. Fontes serif dificultam um pouco para se ler na tela;
  17. 17. •Você pode observar esses traços e prolongamentos na fonte Times New Roman. •Os pedaços rosas da imagem abaixo são as serifas. •Já as fontes Sans-Serif, do francês “sem serifa”,  não possuem prolongamentos e pequenos traços nas hastes das letras. Ex. fonte Verdana:
  18. 18. Evite o uso excessivo de Itálico, pois também pode complicar a leitura nas apresentações; Use negrito ou cores para realçar as ideias-chave; porém com moderação, para não parecer um carnaval; Prefira texto justificadojustificado, dada a harmonia do mesmo;
  19. 19. 4. Escolha as cores certas: sempre busque contraste, clareza e identificação com o tema. Não use cores de letra que tornem o texto ilegível
  20. 20. 5. Escolha o Design correto: o mesmo deve dar suporte ao tema, e não confundir ou distrair;
  21. 21. 6. Use Fotos e Imagens com moderação: são muito úteis quando bem utilizadas mas podem poluir e atrapalhar.
  22. 22. 7. Utilize Gráficos para demonstrar dados numéricos: facilita visualizar os resultados.
  23. 23. 8. Simule Animações e Transições: isso evita “sono” na platéia.
  24. 24. 9. Cuidado com Músicas e Efeitos Sonoros: podem ser úteis, mas também podem se tornar chatos.
  25. 25. 10. Insira Vídeos na Apresentação: procure NÃO utilizar DVDs e/ou arquivos separados.
  26. 26. Além do tradicional Power Point, há ainda inúmeros outros programas utilizados para elaboração de apresentação, veja abaixo alguns outros: •Prezi •Ashampoo Presentations •Acrobat Presentations •Google Docs •SlideRocket •280Slides •Zoho Work
  27. 27. NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS SEGUNDO A ABNT
  28. 28. POR QUE NORMALIZAR? As normas têm a finalidade de garantir que a comunicação se faça de forma o mais padronizado possível. Isso evita distorções advindas da subjetividade de cada autor. O trabalho científico pede um mínimo de rigor a fim de facilitar a exploração das suas produções.
  29. 29. O que é um trabalho acadêmico •Na universidade se produz conhecimento dentro de normas científicas, a fim de ter credibilidade na Comunidade Científica. •Assim, exige-se que as afirmações devem ser fundamentadas em textos aceitos dentro do âmbito acadêmico. •Deve-se priorizar a voz verbal impessoal, já que o trabalho integrará o acervo de conhecimentos produzidos na academia.
  30. 30. •O trabalho acadêmico atende as diversas solicitações na Graduação e Pós-Graduação (TCCs; Dissertações; Trabalhos; Artigos; Portfólios, Painéis e etc). •Enfim, para adentrar ao universo de conhecimento da universidade, é necessário atenção a regras que normatiza a vida acadêmica.
  31. 31. NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: •Projetos (NBR 15287/2011); •Monografias, Dissertações, Teses (NBR 14724/2011); •Artigos (NBR 6022/2003); •Pôsteres (NBR 15437/2006).
  32. 32. ELEMENTOS ESSENCIAIS: •Lombada (NBR 12225/2004) •Resumo (NBR 6028/2003) •Sumário (NBR 6027/2003) •Numeração Progressiva (NBR 6024/2003) •Ilustrações (NBR 14724/2011) •Tabelas (NBR 14724/2011) •Citações (NBR 10520/2002) •Notas de Rodapé (NBR 10520/2002) •Referências (NBR 6023/2002)
  33. 33. Estrutura do Trabalho Acadêmico ABNT 14724/2011 A estrutura de trabalhos acadêmicos compreende: parte externa e parte interna. Parte externa Parte interna CapaCapa LombadaLombada Elementos pré-textuaisElementos pré-textuais Elementos textuaisElementos textuais Elementos pós-textuaisElementos pós-textuais
  34. 34. ARTIGOS Pré-texto •Título/subtítulo na língua vernácula e estrangeira •Autor (es) •Resumo na língua vernácula e estrangeira •Palavras-chave na língua vernácula e estrangeira Texto •Introdução •Desenvolvimento •Conclusão Pós-texto •Nota (s) explicativa (s) •Referências •Glossário •Apêndices •Anexos
  35. 35. Elementos constitutivos de um PÔSTER TÉCNICO e CIENTÍFICO:
  36. 36. Apresentação de projetos, monografias, dissertações, teses (NBR 15287/2011 - NBR 14724/2011) •Papel: A4 (21cm x 29,7cm) branco ou reciclado; •Margens para o anverso: esquerda e superior 3 cm, direita e inferior 2 cm; •Fonte: cor preta, tamanho 12 para texto, e 11 para citações longas, notas de rodapé, paginação, legendas e fontes de ilustrações e tabelas. •Não há uma normatização de fonte a ser usada, porém as mais usuais são: Times New Roman e Arial.
  37. 37. CITAÇÃOCITAÇÃO (NBR 10520/2002) - Definições •Citação: menção de uma informação extraída de outra fonte; •Citação de citação: citação de um texto em que não se teve acesso ao original; (apud) •Citação direta: é a reprodução na íntegra das palavras do texto citado. •Citação indireta: texto redigido pelo autor do trabalho, mas que mantém fielmente a ideia do autor citado;
  38. 38. • Citação direta ou textual a)Citações curtas (até 3 linhas): devem ser inseridas no texto, entre aspas. Exemplo: b)Citações longas (mais de 3 linhas): deve constituir um parágrafo próprio com recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra fonte 10, espaço simples e sem as aspas. Ex: Em resumo, um trabalho científico, sendo um documento informativo, “não pode contentar-se com aproximações; requer precisão, evitando-se expressões ambíguas, e a impropriedade de termos”. (SALVADOR, 1997, p. 195). O Ipes constituiu o grupo de pressão, organizado por empresários de São Paulo e do Rio de Janeiro, que traçou um projeto educacional que daria suporte a seus interesses. A educação era vista como instrumentos dos setores dominantes. (FONSECA, 1992, p. 40).
  39. 39.  A fonte das citações devem ser indicadas ou por um sistema numérico ou pelo sistema autor-data.  Sistema numérico: a citação da fonte é feita por uma numeração consecutiva, remetendo à lista de referências. Ex: “Um país se faz com homens e livros.”(5)  Sistema autor-data: nesse indica-se a fonte pelo sobrenome do autor ou pela instituição ou pelo título de entrada, seguido da data. Ex (GOMES, 2010, p. 123).
  40. 40. Notas de rodapé: aparecem ao pé das páginas em que são mencionadas, abordando pontos que não devem ser incluídos no texto para não sobrecarregá-lo. Podem ser: a)De Referência: quando indicam a origem da sua citação. Ex; (no texto): Ex; (no rodapé): b)Explicativas: quando apresentam notas de observações. Ex; (no texto): Ex; (no rodapé): Segundo Rodrigues² (1999 apud FONSECA, 2005, p. 15), o sentido maior ... ²RODRIGUES, Carlos. Direito privado. Petrópolis: Vozes, 1990. O proletariado forma um contingente de 203.250 pessoas³... ³Na realidade, a cifra 203.250 inclui também...
  41. 41. • A nota de rodapé deve ser digitada dentro das margens, ficando separadas do texto por um espaço simples de entre as linhas e por filete de 5 cm, a partir da margem esquerda. EX: As pessoas bebem para relaxar ou até mesmo para ficarem mais felizes e não sabem quais são as reações1 do nosso organismo em relação ao álcool. Segundo Robaina2 , “todo este material à base de álcool utilizado diariamente, não nos adverte quanto ao uso deles”. ____________________________ 1 Como os álcoois são de caráter básico fraco, eles irão reagir ao entrar no estômago, pois este contém sucos gástricos ácidos. No caso do fígado, há uma intoxicação hepática. 2 ROBAINA, José Vicente Lima. Unidades experimentais de química. Canoas: Ed. ULBRA, 2003. p. 34.
  42. 42. Regras de trabalhos acadêmicos NBR 14724/2011
  43. 43. • Procure trabalhar com o ícone da aba página inicial mostrar tudo (¶) ativado, este mostra:  Linhas;  marcas de parágrafo;  espaços em branco e;  as quebras de seção próxima página.
  44. 44. • Títulos numéricos (pré-textual): alinhados à esquerda, o número precede ao título, separado por um espaço. • Títulos não numéricos (pós-texual): (errata, agradecimento, listas de ilustrações, listas de abreviaturas e siglas, listas de símbolos, resumo, sumário, referências, glossário, apêndices, anexos, índices) devem ser centralizados. • Espaçamento: todo o texto deve ser digitado em espaço 1,5, usando espaço simples nas:
  45. 45. a)a) Notas de rodapéNotas de rodapé: usa-se espaço 1,5 para separá- las entre si; b)b) Citações longasCitações longas: usa-se espaço 1,5 entre as citações e os parágrafos anterior e posterior; c)c) ReferênciasReferências: usa-se espaço 1,5 para separá-las entre si. • Entre o texto da seção anterior e o título da seção subsequente utiliza-se 1 espaço 1,5 e entre cada título e o texto que o segue, utiliza-se 1 espaço 1,5. • Entre os parágrafos não se deixa linha em branco.
  46. 46. Sumário (NBR 6027/2003): •Trata-se da enumeração das divisões numa publicação, na mesma ordem e grafia que aparecem no trabalho. •Usa-se letras maiúsculas para seções primárias e a inicial maiúscula para a divisão das demais seções. •A indicação das seções deve iniciar junto à margem esquerda, e a paginação a margem direita. •O espaço vago entre as seções e a paginação pode ser pontilhado para melhor visualização.
  47. 47. Enumeração das divisões do trabalho, na mesma ordem e grafia em que aparecem no documento SUMÁRIO Alinhamento à esquerda Sumário 1 INTRODUÇÃO ....................................................................... 8 2 SOB O SIGNO DO ............................................................... 11 2.1 A Sociedade da Informação ............................................... 13 2.2 Carreiras e profissões na Sociedade da Informação ..... 19 3 IDENTIDADES SOCIAIS DE QUE SE VE ............................ 22 3.1 A mundialização cultural .................................................... 27 3.2 Identidades profissionais: construção e auto-afirmação 31 3.2.1 O papel das entidades de classe na construção identidade profissional do bibliotecário ................................................. 41-45 4 O UNIVERSO DA PESQUISA .............................................. 57 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................. 62 REFERÊNCIAS ..................................................................... 75 APÊNDICE A – Questionário .............................................. 79 APÊNDICE B – Roteiro de entrevista ................................ 83 ANEXO A – Tabela do IBGE sobre população residente total por idade ...................................................................... 86 ANEXO B – Tabela do IBGE sobre população residente total por gênero .................................................................... 89 Elementos pré-textuais não devem constar no sumário Paginação: nº da primeira página OU nº das páginas inicial e final.
  48. 48. • Paginação: todas as folhas, a partir da folha de rosto, devem ser contadas, mas não numeradas. • A numeração é colocada, a partir da primeira folha da parte textual (Introdução) - veja abaixo.
  49. 49. 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento da fotografia como prática social é marcado, desde o princípio, por um contexto de forte apelo e estímulo aos avanços tecnológicos e industriais. Paginação 11 2 cm •Os números em algarismos arábicos deve ficar no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda superior e da direita. •Todos os títulos das seções primárias devem iniciar em folha distinta. 2 cm
  50. 50. • Ilustrações: existem vários tipos de ilustrações: fluxogramas, organogramas, plantas, quadros, gravuras, fotografias, retratos, mapas, esquemas, desenhos, gráficos e outros. • Devem ser inseridas em local tão próximo quanto possível do trecho onde são mencionadas. • Sua identificação aparece na parte superior e a fonte na inferior.
  51. 51. • CAPA: obrigatório, sendo as informações com texto tamanho 12 na seguinte ordem: a)nome da instituição; Maiúscula. b)nome do autor; Maiúscula. c)título/subtítulo: deve ser claro e preciso, sendo título em maiúsculo e subtítulo minúsculo. d)número do volume: se houver mais de um; e)Local (cidade) e ano de defesa; no caso de cidades homônimas acrescenta-se a sigla da UF.
  52. 52. Capa
  53. 53. Lombada Elemento opcional
  54. 54. OBRIGATÓRIOS Capa Folha de rosto Sumário OPCIONAIS •Lombada •Errata •Folha de aprovação •Dedicatória •Agradecimentos •Epígrafe •Resumo na língua vernácula •Resumo em língua estrangeira •Listas de ilustrações, tabelas, abreviaturas
  55. 55. •FOLHA DE ROSTO: obrigatório, com as informações em texto fonte 12 na seguinte ordem: a)nome da instituição; Maiúscula. b)nome do autor; Maiúscula. c)título/subtítulo: deve ser claro e preciso, sendo título em maiúsculo e subtítulo minúsculo. d)natureza do trabalho (tese, dissertação, TCC e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); instituição submetida. e)Local (cidade) e ano de defesa; no caso de cidades homônimas acrescenta-se a sigla da UF.
  56. 56. FACULDADE DE JANDAIA DO SUL NOME DO AUTOR TÍTULO DO TRABALHO subtítulo do trabalho Jandaia do Sul 2015 Trabalho apresentado ao curso de Geografia da FAFIJAN como requisito parcial de aprovação na disciplina de Hidrologia, ministrada pelo professor Me. Orlando Chagas. Folha de rosto
  57. 57. RESUMO EM PORTUGUÊS E EM LÍNGUA ESTRANGEIRA - OBRIGATÓRIO •Elemento obrigatório, constituído de uma sequência de frases concisas e objetivas, não ultrapassando 500 palavras, seguido, das palavras-chave. •Sugere-se ressaltar nesse os objetivos, métodos empregados, resultados e as principais conclusões. •O resumo em língua estrangeira deve ter as mesmas características vindo na página seguinte ao Resumo na língua vernácula.
  58. 58. Elementos textuaisElementos textuais É o trabalho propriamente dito, isto é, o desenvolvimento do tema abordado de forma lógica e de acordo com uma metodologia adotada. Deve conter: •Introdução •Desenvolvimento •Considerações finais
  59. 59. Indicativo numérico de seção precede seu título, alinhado à esquerda, separado por um espaço de caractere. 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento da fotografia como prática social é marcado, desde o princípio, por um contexto de forte apelo e estímulo aos avanços tecnológicos e industriais. Entretanto, a atividade também trouxe em sua essência uma acentuada característica de trabalho artesanal, oferecendo-se como campo propenso à experimentação e à inventividade. Introdução Espaçamento 1,5 Entre o título da seção e seu texto, um espaços de 1,5 Parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.
  60. 60. 2 SOB O SIGNO DO PARADIGMA O desenvolvimento da fotografia como prática social é marcado, desde o princípio, por um contexto de forte apelo e estímulo aos avanços tecnológicos e industriais. 2.1 A Sociedade da Informação e as modificações no mundo do trabalho Esta aparente contradição colocou a fotografia em uma área de fronteira. Forçava seus praticantes e consumidores a aderir a uma dinâmica globalizada de constante busca de atualização técnica e padrões visuais. Desenvolvimento Parte principal do texto, que contém a exposição ordenada do assunto. Divide-se em seções e subseções. Todas as seções devem conter um texto relacionado a elas. Alinhamento: justificado Um espaços de 1,5 Tamanho da fonte: 12
  61. 61. 3.3 As Escolas de Terminologia A Teoria Geral da Terminologia (TGT) separa a linguagem especializada do léxico comum; tem como princípios a univocidade e a monorreferencialidade. O objetivo da TGT é eliminar ambigüidades nas comunicações científicas e técnicas, por meio da normalização e da padronização do vocabulário técnico- científico. Siglas Quando aparece pela primeira vez no texto, a forma completa do nome precede a sigla, colocada entre parênteses.
  62. 62. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo desse trabalho foi o de compreender o funcionamento da categorização e verificar como a noção foi explorada na elaboração de linguagens documentárias em diversos momentos. É sensato afirmar que a complexidade da questão não permite, nos limites deste trabalho, uma avaliação conclusiva. Foi possível, porém, enumerar algumas referências para futuras pesquisas a partir da reunião de algumas reflexões sobre o tema. Conclusão – Considerações Finais ou Gerais Parte final do texto, na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos.
  63. 63. Elementos pós-textuais São elementos que complementam informações apresentadas no texto. OBRIGATÓRIO •Referências OPCIONAIS •Glossário •Apêndice(s) •Anexo(s) •Índice(s)
  64. 64. Referências (Obrigatório) •As referências são elaboradas de acordo com a NBR 6023:2002; •Cabe aqui distinguir referência de bibliografia.  Referência: material que foi utilizado no trabalho e obrigatoriamente é referenciado.  Bibliografia: material que não necessariamente foi utilizado, podendo ser apenas indicado para enriquecimento do leitor.
  65. 65. Elaboração de Referências •Entrada é a palavra que encabeça a referência, sendo indicada pelo último sobrenome do autor, em maiúsculas, seguido dos prenomes; •Quando há mais de um nome estes devem ser separados por ponto-e-vírgula, seguido de espaço. Ex; NUZZI, E. F.; BARROS FILHO, C. Globalização mídia e ética. São Paulo: Plêiade, 1998. 201 p. •Em trabalhos feito por mais de três autores, indica- se só o primeiro, junto a expressão et al. ( e outros); Ex; GAW, A. et al. Bioquímica clínica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. 165 p.
  66. 66. EXEMPLOS DE REFERÊNCIAS Livro Dissertação e tese Trabalho de evento SILVEIRA, José Luiz et al. Introdução à psicologia. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987. 160 p. (Coleção Psicologia Aplicada, 16). OLIVEIRA, Carla de. Docentes da UFRJ: análise sobre o ensino superior no Brasil. 1997. 124 f. Dissertação (Mestrado em educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997. CAMPOS, Joaquim. Pesquisa agrícola no estado de São Paulo. In: Simpósio sobre agrotóxicos na agricultura brasileira, 1, 1986, Campinas. Anais... Campinas: Agronômica, 1986. p. 56-84.
  67. 67. Artigo de periódico Documento eletrônico Online E-mail Videocassete e DVD ALVES, André. Saúde pública no Brasil. [S.l.]: Virtual Books, 2002. Disponível em: http://www.ufpe.anais.br. Acesso em: 04 set. 2006, 16:45:23. ROCHA, Carlos. Alteração de horário [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 15 fev. 2000. MENTES que brilham. Direção de Jodie Foster. Produção de Scott Rudin. Intérpretes: Jodie Foster. Los Angeles: Warner Brothers, 1990. 1 videocassete (115 min.), VHS, son., color. ROCHA, Ricardo. A violência nas favelas do Brasil. Sociologia urbana, Rio de Janeiro, v. 23, n. 13, p. 34-57, out. 1998.
  68. 68. REFERÊNCIAS BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de informação o uso consciente de tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, 2004. CAMPELLO, Bernadete. O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 32, n. 3, p. 28-37, set./dez.2003. DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. Elemento obrigatório, para elaboração das referências, utiliza-se a NBR 6023/2002. Separadas entre si por um espaços simples Referências Alinhamento à esquerda Espaço entrelinhas simples Recurso tipográfico que destaca o título deve ser uniforme
  69. 69. APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS (NBR 6022/2003) •Os artigos científicos se constituem de 3 partes; Pré-textual; Textual e Pós-textual; Pré-textual: a)Título/subtítulo: devem figurar na página de abertura do artigo, diferenciados tipograficamente e na língua do texto. b)Autor(es): nome completo do(s) autor(es), acompanhados de um breve currículo, constatado em nota de rodapé ou no final dos elementos pós- textuais.
  70. 70. c) Resumo na língua do texto: deve apresentar de forma concisa, os objetivos, a metodologia e os resultados alcançados, não ultrapassando 250 palavras. d) d) Palavras-chave na língua do texto: termos significantes da temática abordada. Textual: • Deve apresentar: introdução, desenvolvimento e conclusão. • Os elementos utilizados na elaboração do texto, seguem a NBR 14724/2011 (Ilustrações, Tabelas, Citações, Notas de rodapé, etc.).
  71. 71. Pós-textual: a)Título/subtítulo em língua estrangeira: devem figurar na página de abertura do artigo, diferenciado tipograficamente e na língua do texto. b)Resumo em língua estrangeira: deve apresentar de forma concisa, os objetivos, a metodologia e os resultados alcançados. c)Palavras-chave em língua estrangeira: termos significantes da temática abordada. d)Notas explicativas (conforme NBR 10520/2002).
  72. 72. e) Referências (conforme NBR 6023/2002). f) Glossário (conforme NBR 14724/2011). g) Apêndices (conforme NBR 14724/2011). h) Anexos (conforme NBR 14724/2011).
  73. 73. APRESENTAÇÃO DE PÔSTER (NBR 15437/2006) •Os pôster são instrumento de comunicação, exibido em diversos suportes, que sintetiza e divulga o conteúdo a ser apresentado. São constituídos por: a)Título/subtítulo: constam na parte superior do pôster. b)Autor(es): nome completo aparece abaixo do título. c)Informações complementares: instituição de origem, cidade, estado, endereço eletrônico, etc. d)Resumo na língua do texto: de forma concisa, apresenta os objetivos, a metodologia e os resultados, não ultrapassando 100 palavras.
  74. 74. e) Palavras-chave na língua do texto: palavras significantes da temática abordada. f) Conteúdo: ideias centrais em forma de texto, tabelas ou ilustrações. Deve-se evitar o uso de citações diretas e notas de rodapé. g) Referências (conforme NBR 6023/2002). APRESENTAÇÃO: • Suporte – pode ser apresentado impresso (papel, lona, plástico, acrílico, outros) ou em meio eletrônico. :
  75. 75. DIMENSÕES: •Largura – 0,60m até 0,90m •Altura – 0,90m até 1,20m •O pôster deve ser legível a uma distância de pelo menos 1 metro.

×