O bullying nas escolas! E na vida, Também eu fui vítima…
O bullying nas escolas para mim é uma coisa preocupante.
Nós como...
entendia porque me tratavam assim pois eu não me metia com ninguém nem fazia mal a
ninguém, mas era assim e eu defendia-me...
Dão-me tudo o que preciso e trabalhando com eles, terei tudo aquilo que quero, com
muito trabalho no princípio, é verdade,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Eu sempre fui uma pessoa diferente

110 visualizações

Publicada em

O bullying e a forma como marca as crianças, o mal que lhes faz.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
110
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eu sempre fui uma pessoa diferente

  1. 1. O bullying nas escolas! E na vida, Também eu fui vítima… O bullying nas escolas para mim é uma coisa preocupante. Nós como pais, educadores e professores devemos andar atentos e fazer os possíveis para evitar isto. É um assunto grave que não deve ser descurado. As crianças são por natureza más umas para as outras, não direi más, demasiado frontais e instintivas, agem por impulso, mas deixam marcas nos outros. O meu filho de seis anos já sofre disso. É muito alto para a idade que tem e também muito bem constituído e os miúdos gozam com ele e batem-lhe. Ele defende-se mas nem o bullying já é como antigamente que era taco a taco, um contra um. Ele conta-me que há sempre miúdos que o agarram para outros lhe baterem pois sabem que ele tem força. Eu pergunto-lhe onde estão as auxiliares e a professora e ele responde que não viram nada, os miúdos são espertos e não fazem estas coisas às clara. O meu filho não é nenhum santo, também faz asneiras mas foi ensinado que não há discriminações, não há gordos nem magros, nem pretos, brancos, amarelos ou ciganos, que os meninos são todos iguais. Ele diz que o que mais o revolta é falarem da família, que os pais são gordos e que não admite que falem mal da família dele! Quem é que pode contrariar esta ideia? Eu bem lhe vou dizendo que tenha calma, que não ligue, que chame a professora e ele encolhe os ombros. Ele tem que se defender e como o protejo eu disso? Não sei responder. Também eu sofri do mesmo e também eu tive que me defender… Eu sempre fui uma pessoa diferente. Apesar de ter muitos grupos e acompanhar até com vários ao mesmo tempo, nunca me senti aceite ou realmente integrada em nenhum. Sempre sofri de bullying na escola, porque era gorda, porque tinha uma cicatriz na cara, porque era de outra cidade, porque era filha de pais divorciados, até por causa do meu apelido me gozavam! Era a Estrugalena, a Navalhadas, eu sei lá que nomes me deram! Mas eu não me ficava! Partia para a porrada e ainda mandei alguns para o hospital! Era a forma que tinha para me defender quando não tinha professores ou auxiliares para me apoiar. Esses sim foram sempre os meus melhores amigos e recordo muitos com carinho e saudade, eles compreendiam-me, falavam comigo, chegávamos a passar intervalos inteiros a conversar ou até bebíamos café juntos na escola. Toda a vida escolar tive que me confrontar com os maus tratos psicológicos que sofria na escola. Graças a Deus sempre tive uma autoestima e individualidade muito bem definidas e nunca me deixei ir abaixo, às vezes ficava triste, chorava até mas de raiva porque não
  2. 2. entendia porque me tratavam assim pois eu não me metia com ninguém nem fazia mal a ninguém, mas era assim e eu defendia-me. Via outras crianças/ adolescentes que não lidavam com isso da mesma forma que eu, sofriam, psicológica e fisicamente com a maldade dos outros, uns, não sabiam como se defender e batiam-lhes, batiam-lhes a doer, principalmente aos rapazes e outros choravam, sofriam muito, alguns até passavam temporadas sem ir à escola devido aos problemas psicológicos que os outros lhes causavam, a baixa autoestima, o sentimento de inferioridade de incapacidade de defesa perante as provocações e maus tratos. Há também outra forma de bullying, que ninguém aborda. O bullying da vida, do dia a dia. Já repararam que há sempre alguém a tentar provocar-nos? Há sempre aquela ou aquelas pessoas estúpidas que nos estão sempre a querer deitar abaixo? Estás mais gorda! Eu trabalho mais que tu! Não percebo porque estás cansada! Eu fazia isso melhor que tu! Entre outras mil coisas que podia dizer… Há sempre gente que nos quer mal, há quem se expresse e quem só pense. As pessoas em vez de pensarem na vida deles, só estão bem a provocar os outros, a serem mesquinhas, invejosas, maldosas. Isso magoa-me e isolo-me. Prefiro ignorar (às vezes é impossível e lá vai uma resposta mais trota para os por no seu devido lugar!), fazer de conta que não é nada comigo e preocupar-me com a minha vida que já me dá muito trabalho. É um bullying disfarçado, sem violência física, mas muitas vezes afeta muito psicologicamente e faz-nos mal às entranhas. No trabalho então é mais que evidente, trabalhamos todos ali juntos dias inteiros e os colegas não perdem uma oportunidade para tecerem críticas uns aos outros. Isto cansa no dia-a-dia. Acabamos por chegar a casa mal dispostos por causa das farpas que nos vão lançando… Por isso resolvi mudar de vida! Fartei-me de tanta maldade, de ter que aturar coisas das quais não gosto, não aceito e não quero ficar indisposta com elas. Estou a mudar de profissão, com muito gosto pois estou a trabalhar com uma equipa que não aponta dedos, antes pelo contrário, dá apoio, ajuda no que é preciso, está lá sempre para mim com palavras de incentivo e não de crítica. Comecei a trabalhar com a Empower Network e com os Lazy Millionaires.
  3. 3. Dão-me tudo o que preciso e trabalhando com eles, terei tudo aquilo que quero, com muito trabalho no princípio, é verdade, mas com esforço e dedicação, conseguirei cumprir os meus sonhos. Ser independente do trabalho e financeiramente, não ter patrões, trabalhar ao meu ritmo, sem horários para cumprir pois trabalho às horas que quero, como o trabalho é feito na internet, não estou presa a lado nenhum, posso trabalhar onde quiser pois a internet é móvel, posso ter mais tempo para o meu filho, posso ganhar muito dinheiro, já estou até a começar a ter resultados, posso realizar os meus sonhos, posso viajar, posso ter tudo aquilo que quiser desde que trabalhe para isso pois nada é dado de mão beijada nem cai do Céu. Mas sei que com o meu trabalho, que faço com gosto, com entusiasmo, com amor, vou conseguir dar uma vida melhor ao meu filho e à minha família. Quero, posso e sou capaz! Todos são capazes, todos entram para o Internet marketing sem saberem fazer nada, vêm para uma escola onde aprendem tudo, sobretudo aprendem que todos temos capacidades infindáveis de sonhar e de cumprir com os nossos sonhos… Queres Ficar desse lado só a ler ou queres também tu fazer parte desta grande equipa e ousar cumprir com os teus sonhos? Queres dar uma vida melhor aos teus filhos? Queres ganhar dinheiro? Não percas tempo, subscreve a minha newsletter gratuitamente e terás todas as informações do que isto é, ficarás sem dúvidas nenhumas, te garanto! Fico à tua espera deste lado. http://patriciadeportugal.com/c/stopface

×