Da minha adolescência à idade
adulta (2/3)
Continuando a minha história de vida, na
escola profissional, continuava com os
problemas de bullying. Comecei a sentir-me...
Comecei a ganhar dinheiro e ela ficava-me
com ele para as despesas da casa…
Eu tinha ido trabalhar para juntar dinheiro pa...
E continuava a trabalhar nas limpezas à noite.
Para conseguir sair das limpezas, no último
mês em que lá estive, tive que ...
Acabou por ter que ser internada com anemia.
Esteve 3 ou 4 dias internada.
Nunca me perdoei, não me conformo, por no
dia a...
No dia anterior não a visitei. Tinha muito
trabalho, e por muito que tentasse, não
consegui arranjar tempo para a visitar....
Queres continuar a ler e a ouvir a história?
Queres ser internet marketer como eu?
Queres melhorar a tua vida?
Junta-te a ...
Da minha adolescência à idade adulta (2/3)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Da minha adolescência à idade adulta (2/3)

111 visualizações

Publicada em

Continuando a minha história de vida, na escola profissional, continuava com os problemas de bullying. Comecei a sentir-me mal com essa situação e comecei a sentir-me inferior aos outros, a sentir-me gorda, enfim, a sentir-me mal. Entrei em depressão pela primeira vez na minha vida, aos 16 anos. Custei a recuperar, quis inclusivamente sair da escola, queria desistir.
Com a ajuda dos professores, da médica e da minha avó e mãe, lá ultrapassei a situação e continuei a estudar.
Entretanto, tinha que comprar um computador para fazer o trabalho de fim de curso. Na época, em 1995, os computadores eram caríssimos! Mas eu precisava de um.

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
111
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da minha adolescência à idade adulta (2/3)

  1. 1. Da minha adolescência à idade adulta (2/3)
  2. 2. Continuando a minha história de vida, na escola profissional, continuava com os problemas de bullying. Comecei a sentir-me mal com essa situação e comecei a sentir-me inferior aos outros, a sentir-me gorda, enfim, a sentir-me mal. Entrei em depressão pela primeira vez na minha vida, aos 16 anos. Custei a recuperar, quis inclusivamente sair da escola, queria desistir. Com a ajuda dos professores, da médica e da minha avó e mãe, lá ultrapassei a situação e continuei a estudar. Entretanto, tinha que comprar um computador para fazer o trabalho de fim de curso. Na época, em 1995, os computadores eram caríssimos! Mas eu precisava de um. Surgiu a oportunidade de ir trabalhar à noite nas limpezas e apesar da minha mãe não concordar porque achava que não era trabalho para mim, não queria a filha a trabalhar nas limpezas, porque era a neta do Sr. Doutor, lá fui trabalhar..
  3. 3. Comecei a ganhar dinheiro e ela ficava-me com ele para as despesas da casa… Eu tinha ido trabalhar para juntar dinheiro para comprar um computador! Não para me ficarem com esse dinheiro! A sorte é que eu tinha um namorado na altura, foi o meu primeiro namorado, namoramos 7 anos e meio, que trabalhava com um rapaz que tinha computadores e lá arranjaram maneira de me arranjar um computador para fazer o trabalho para acabar o curso. Acabei o curso e através de um programa para desempregados o POC, entrei para a função pública onde estou até hoje.
  4. 4. E continuava a trabalhar nas limpezas à noite. Para conseguir sair das limpezas, no último mês em que lá estive, tive que ir de táxi todos os dias para lá e foi assim que consegui sair de lá, pois os horários da função pública e das limpezas eram incompatíveis e eu não era capaz de chegar ao trabalho a horas. A minha avó começou a ficar cada vez mais doente, ela já era doente, foi a vida toda. Tinha vários problemas que não vou enumerar pois eram mesmos muitos. Com a idade foi piorando até ficar acamada. A aterosclerose subiu-lhe à cabeça e ela enlouqueceu, passava dias e noites a chamar- nos e não nos deixava descansar. Para eu conseguir descansar, tinha que por auscultadores com música aos gritos para a deixar de ouvir e poder descansar.
  5. 5. Acabou por ter que ser internada com anemia. Esteve 3 ou 4 dias internada. Nunca me perdoei, não me conformo, por no dia anterior à morte dela, não a ter ido visitar. Nunca pensei que ela iria morrer, ela só estava com uma anemia e acabou por morrer com uma asfixia, uma sonda que lhe puseram no estômago que ficou mal metida e ela acabou por morrer num corredor do hospital em SO.
  6. 6. No dia anterior não a visitei. Tinha muito trabalho, e por muito que tentasse, não consegui arranjar tempo para a visitar. Achei que o trabalho era mais importante que a minha família! Trabalhava que nem uma louca para a nossa vida melhorar e para quê? Para não estar presente quando a minha avó mais precisava de mim! No dia seguinte de manhã, fui informada de que tinha que telefonar para o hospital porque ela tinha morrido. Eu não acreditei, telefonei logo e confirmaram isso mesmo. Fui a correr para o hospital para saber o que se passava e contaram-me o que tinha acontecido. O chão desapareceu! A minha avó era tudo para mim, eu fazia tudo por ela! Ela era o meu mundo, a minha luz, a minha mentora… O meu sofrimento foi atroz! Eu não aceitava!
  7. 7. Queres continuar a ler e a ouvir a história? Queres ser internet marketer como eu? Queres melhorar a tua vida? Junta-te a nós… Subscreve a newsletter e sabe tudo ao pormenor gratuitamente: http://patriciadeportugal.com/e/grupo-de-ajuda

×