Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp

795 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
795
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
282
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Visita ao paciente terminal sobreotemordamorte veranog 010607.pp

  1. 1. Vivência de Morte e Luto no ambiente hospitalar Entre a vida e a morte
  2. 2. Motivos para se esquivar de enfrentar a finitude Hoje em dia morrer é:  TTristeriste;;  SSolitárioolitário;;  MMecânicoecânico;;  DDesumanoesumano;;  UUmm ato solitárioato solitário ee impessoalimpessoal – O paciente é removido– O paciente é removido de seu ambiente familiar e levado para uma UTI.de seu ambiente familiar e levado para uma UTI.  QQuando um paciente está gravemente enfermo, emuando um paciente está gravemente enfermo, em geral é tratado como alguémgeral é tratado como alguém sem direito a opinarsem direito a opinar ..
  3. 3. Atitudes diante da morte e do morrer 1.1. SociedadeSociedade ignoraignora ee evitaevita a morte;a morte; 2.2. Medicina: uma nova, masMedicina: uma nova, mas despersonalizadadespersonalizada ciência;ciência; 3.3. Prolongar a vidaProlongar a vida / Mitigar o sofrimento/ Mitigar o sofrimento humano;humano; 4.4. PsicologicamentePsicologicamente negação da mortenegação da morte;; 5.5. NãoNão concebemos (inconscientemente)concebemos (inconscientemente) nossa própria morte;nossa própria morte; 6.6. Acreditamos na nossaAcreditamos na nossa imortalidadeimortalidade:: “Ainda“Ainda bem que não fui eu”;bem que não fui eu”;
  4. 4. O suporte religioso nos momentos da finitude 1. O doente terminal no momento de extrema “dor”, necessita de companhia (Jó 2:11-13) 2. A maior dor sentida num hospital nem sempre é só a dor física, mas, é a dor da solidão, é a dor do abandono, é a dor da rejeição, é a dor de sentir-se inválido é a dor de depender de pessoas desconhecidas.
  5. 5. Lições dos amigos de JóLições dos amigos de Jó 1.1. Foram fazer companhiaForam fazer companhia 2.2. Foram objetivando dar-lhe consolo eForam objetivando dar-lhe consolo e animoanimo 3.3. Foram movidos de empatiaForam movidos de empatia 4.4. Sabedoria no calarSabedoria no calar 5.5. Solidários a reação de Jó (Cap.4)Solidários a reação de Jó (Cap.4) Verdadeiramente a opressão faz endoidecer até o sábio (Eclesiastes.7:7)
  6. 6. O suporte religioso nos momentos da finitude 1.1. O temor pelo futuro, quando solitário eO temor pelo futuro, quando solitário e sem solidariedade é angustiante.sem solidariedade é angustiante. 2.2. O ser humano, se torna humano pelaO ser humano, se torna humano pela presença do outro.presença do outro. 3.3. A fé do paciente não é subjetiva do seuA fé do paciente não é subjetiva do seu ponto de vista.ponto de vista. 4.4. Exemplos bíblicos: Elias, Jesus,Exemplos bíblicos: Elias, Jesus,
  7. 7. VISITA ÀS PESSOAS QUEVISITA ÀS PESSOAS QUE VÃO MORRERVÃO MORRER  Aprenda a ouvir, aprenda a receber em silêncio;Aprenda a ouvir, aprenda a receber em silêncio;  Você pode ser alvo de raiva e do desejo de pôr aVocê pode ser alvo de raiva e do desejo de pôr a culpa em alguém (transferência);culpa em alguém (transferência);  Não faça pregações. Ninguém deseja ser “salvo”Não faça pregações. Ninguém deseja ser “salvo” com as crenças dos outros;com as crenças dos outros;  Lembre-se de que a sua tarefa não é converterLembre-se de que a sua tarefa não é converter ninguém a nada;ninguém a nada;  Ajude a pessoa a fazer contato com a força de queAjude a pessoa a fazer contato com a força de que ela mesma dispõe, sua confiança, sua fé, suaela mesma dispõe, sua confiança, sua fé, sua espiritualidade;espiritualidade;  Não espere que a sua ajuda produza resultadosNão espere que a sua ajuda produza resultados milagrosos.milagrosos.
  8. 8. DAR AMORDAR AMOR INCONDICIONALINCONDICIONAL  Primeiro procedimento: olhe para a pessoaPrimeiro procedimento: olhe para a pessoa e pense que ela é um ser humanoe pense que ela é um ser humano exatamente como você (medo, solidão,exatamente como você (medo, solidão, tristeza, etc.)tristeza, etc.)  Segundo procedimento: colocar-se no lugarSegundo procedimento: colocar-se no lugar do quem vai morrer e se perguntar: O quedo quem vai morrer e se perguntar: O que mais você precisa no seu estado de morte?mais você precisa no seu estado de morte?  Tocar nas mãos do enfermo olhando nosTocar nas mãos do enfermo olhando nos olhos.olhos.
  9. 9. Não tenha medo do seu futuro,Não tenha medo do seu futuro, Deus porque Deus sempre esteveDeus porque Deus sempre esteve lálá. Na área da saúde a prioridade deve ser zelar pelo bem estar da Vida, e não lutar contra a Morte, pois está é uma batalha que não pode ser ganha. Transcrito
  10. 10. Reflexão final “Muito ajudaria se as pessoas conversassem sobre a morte e o morrer, como parte intrínseca da vida, do mesmo modo como não temem falar quando alguém espera um bebê. Se agissem assim com mais freqüência, nãoSe agissem assim com mais freqüência, não precisaríamos nos perguntar se devemos tocarprecisaríamos nos perguntar se devemos tocar nestes assuntos com o paciente, ou senestes assuntos com o paciente, ou se deveríamos esperar pela última internação”deveríamos esperar pela última internação” Transcrito

×