Dogmas marianos- documento

770 visualizações

Publicada em

Material da formação do EJD, do dia 23/11, ministrada por Phérikllys;

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
770
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dogmas marianos- documento

  1. 1. Os Dogmas Marianos - Et Verbum caro factum est. - E o Verbo se fez carne e habitou entre nós. (Jo 1, 14a) - DOGMA: Forma, proclamada pelo Magistério da Igreja, que obriga o povo cristão a uma adesão irrevogável de fé, propõe verdades contidas na Revelação divina ou verdades que com estas têm uma conexão necessária. Os dogmas são luzes no caminho de nossa fé. (CIC 88-89) - Os Dogmas marianos estão totalmente ligados a Cristo, foram proclamados em defesa das verdades sobre Cristo. Exemplo: defender a verdadeira divindade de Cristo (contra os arianos) e a verdadeira humanidade de Cristo (contra os docetistas). (Questão cristológica e trinitária) IMACULADA CONCEIÇÃO - Dogma da Imaculada Conceição: Proclamado em 8 de Dezembro de 1854 pelo papa Pio IX: A beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha do pecado original. (DS 2803) - o que a fé católica crê acerca de Maria funda-se no que ela crê acerca de Cristo e o que se fala de Maria ilumina sua fé em Cristo. - Maria foi predestinada: desde toda a eternidade, Deus escolheu, para ser Mãe de Seu Filho, uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi, e o nome da Virgem era Maria. (Lc 1, 26-27). - Quis o Pai das misericórdias que a Encarnação fosse precedida pela aceitação da mulher... assim como uma mulher contribuiu para a morte, uma mulher também contribuísse para a vida. LG 56. - Preparação: ao longo de toda a Antiga Aliança preparada pela missão de santas mulheres. Sara, Ana, Débora, Rute, Judite, Ester. Elas foram intercessoras, mães estéreis, líderes de um povo, etc. - Fundamentação Bíblica: os textos que afirmam a maternidade divina, que são exigência para a concepção imaculada; a saudação do Anjo: Cheia de Graça (Lc 1, 28): Kejaritomene: estavelmente possui a graça; compreende todo o arco da vida (influi na Assunção). Gn 3, 15, o protoevangelho: a inimizade desde o inicio entre ela e o diabo equivale à ausência do pecado original (o pecado é a amizade com satanás). - Graça especial: para ser mãe do Salvador, Maria foi enriquecida por Deus. No momento da Anunciação, o anjo Gabriel a saúda como cheia de Graça (Lc 1,28). Maria, cumulada de graça por Deus, foi redimida desde a concepção. - Esta santidade, resplandece, lhe vem inteiramente de Cristo: Em vista dos méritos de seu Filho, foi redimida de um modo mais sublime. (LG 53) - Pela graça de Deus, Maria permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de toda a sua vida.
  2. 2. MATERNIDADE DIVINA - Trindade e Cristologia - Dogma da Maternidade Divina: Concílio de Éfeso 431 e Concílio de Calcedônia 451: ... ensinamos que se confesse que um só e o mesmo Filho, o Senhor Nosso Jesus Cristo, perfeito na sua divindade e perfeito na sua humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem “composto” de alma racional e de corpo, consubstancial ao Pai segundo a divindade e consubstancial a nós segundo a humanidade, semelhante em tudo a nós menos no pecado, gerado do Pai antes dos séculos segundo a divindade e, nestes últimos dias, em prol de nós e de nossa salvação, gerado de Maria, a Virgem, a Deípara, segundo a humanidade. (DS 301) - As duas naturezas de Cristo supõem Nele duas gerações: a divina e a humana. Maria, mesmo que desenvolva sua maternidade na geração humana, não só é mãe da natureza humana do Verbo, mas também mãe do próprio Verbo, porque o fim de dita geração é a Pessoa gerada. - Denominada nos Evangelhos “a mãe de Jesus” (Jo 2,1; 19, 25), “a mãe de meu Senhor” (Lc 1, 43) Aquele que ela concebeu do Espírito Santo como homem e que se tornou verdadeiramente seu Filho segundo a carne não é outro que o Filho eterno do Pai, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade. A Igreja confessa que Maria é verdadeiramente Mãe de Deus (Theotókos) - O Verbo tomou carne, assumiu carne a partir de Maria. - Rm 9, 5: aqui se afirma que Cristo, Deus, procede dos israelitas (de Maria) segundo a carne. - Heréticos: Arianos, que negam a divindade de Cristo; Docetistas, que negam a verdadeira humanidade de Cristo, que não teria se encarnado; Nestorianos, que negam a união hipostática entre ambas as naturezas formando uma só pessoa. - Eu sou a Serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra (Lc 1, 37-38): Dando à Palavra de Deus seu consentimento, Maria concebeu a Palavra de Deus. (exemplo para nós) - O nó da desobediência de Eva foi desfeito pela obediência de Maria... Veio a morte por Eva e a vida por Maria. (LG 56) VIRGINDADE DE MARIA - Verdade de Fé: Sínodo de Latrão em 649, cânone 3: Se alguém não confessa, de acordo com os santos Padres... genitora de Deus a santa sempre virgem e imaculada Maria, já que ela, em sentido específico e verdadeiro, no fim dos séculos, sem sêmen, concebeu do Espírito Santo e sem corrupção gerou o próprio Deus Verbo,... e que Depois do parto permaneceu inviolada a sua virgindade, seja condenado. - Jesus foi concebido “do Espírito Santo, sem sêmen.” (Sínodo de Latrão em 649) - Mt 1, 20/ Is 7, 14 com tradução grega de Mt 1, 23. - A Igreja confessa a virgindade real (biológica) e perpétua de Maria, antes, durante e depois do parto do Filho de Deus feito homem.
  3. 3. - Se trata de virgindade corporal, física e perpetuada: Maria nem antes, nem depois de conceber Jesus, teve relações com José. - Antes do parto: Lc 1, 35: o anjo visita a uma virgem, que conceberá de modo virginal. Também Mt 1, 20 e Is 7, 14. - Depois do parto: Ideia de um voto de castidade em Lc 1, 34, a Tradição Apostólica vê como um propósito de virgindade. Também porque nela não há os desejos da carne, já que nela não há a concupiscência que é relíquia do pecado original, ausente em Maria; José é descrito na Biblia como homem justo. A palavra justo na Bíblia tem o significado de homem que teme a Deus, logo, um homem assim, não ousaria tomar para si maritalmente a mulher que Deus tomou para si. - Durante: Lc 2, 7: Maria logo após o parto já está trabalhando o que indica que ela não sofreu com o parto. Além disso, no Gênesis as dores e sofrimento do parto foram colocados como consequência do pecado cometido por Eva, logo, se Maria foi concebida sem pecado, nela têm que estar ausentes as dores do parto. - Ez 44, 1-3. - A questão dos irmãos: Mt 13, 55// Mt 27, 56// Mt 28, 1. - A virgindade de Maria manifesta a iniciativa absoluta de Deus na Encarnação. Jesus tem um só Pai: Deus. ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA - Dogma: Definido em 1950 pelo papa Pio XII:Proclamamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus, sempre Virgem Maria, tendo cumprido o curso de sua vida terrestre, foi elevada à glória celestial em corpo e alma. - Se entende como a glorificação corporal, antecipada de Maria, como se encontrarão no céu os justos depois da ressurreição final. Escatologia. - Dogma implícito nas outras verdade marianas: A maternidade divina de Maria e sua associação perfeita com seu Filho; a perfeita integridade virginal de Maria; na plenitude da graça; na Imaculada Conceição. (Imaculada Conceição Concepção virginal Maternidade Divina Assunção) - Salário do Pecado = morte. Se Maria não pecou, logo... - “cumpriu o curso de sua vida terrestre”: não define se Maria morreu ou não. - “foi elevada à gloria celestial em corpo e alma”: A assunção aconteceu imediatamente depois do fim de sua vida terrestre sem esperar a corrupção do sepulcro. Acontecimento completo, em corpo e alma, assim como Jesus, assim como será conosco na Ressurreição no fim dos tempos. - A assunção garante o poder da intercessão de Maria.

×