2010 05-12 apresentação ao mercado-1_t2010(r)

647 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
647
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
353
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2010 05-12 apresentação ao mercado-1_t2010(r)

  1. 1. APRESENTAÇÃO AO MERCADO<br />Divulgação de resultado <br /> 1T10<br />12 de Maio de 2010<br />1<br />
  2. 2. Agenda<br />Pág.<br />Visão Geral do Grupo 03<br />Divisão Cobre 10<br />Divisão Fertilizantes 16<br />Dados Econômico-Financeiros 20<br />Política de Gestão de Riscos 29<br />Perspectivas 35<br />Reestruturações de 2008 e 2009 38<br />Reestruturação Tributária 44<br />2<br />
  3. 3. Visão Geral do Grupo<br />3<br />
  4. 4. Breve Histórico<br />4<br />
  5. 5. Eventos Subsequentes<br />5<br />
  6. 6. Estrutura Organizacional<br />Brands da Divisão Cobre<br />
  7. 7. 7<br />Ordinárias<br />319.176.942 <br />100,00%<br />Total<br />319.176.942<br />100,00%<br />Free Float<br />317.958.316<br />99,62%<br />Composição Acionária<br />Composição Acionária<br />Principais Acionistas<br />Mercado<br />EWZ LLC<br /> 23,96% 17,23% 11,81% 7,66% 39,34% <br />* Posição consolidada da Paranapanema S.A. em 30/04/2010.<br />* Posição em 30/04/2010.<br />
  8. 8. Divisões de Negócios<br />8<br />Contribuição de cadasubdivisãonareceitalíquidaconsolidada(1T10)<br />O MAIOR PRODUTOR DE COBRE REFINADO E SEMIMANUFATURADOS DE COBRE DO BRASIL<br />A Paranapanema iniciou suas atividades em 1961 e está listada na BM&F Bovespa desde 1971<br />Fundição e Refino de Cobre<br />Semi-manufaturados de Cobre <br />Divisão Fertilizantes<br /><ul><li>Atua na produção de semi-manufaturados de cobre e suas ligas (latão e bronze)
  9. 9. Possui duas plantas industrais em Santo André(SP) e uma em Serra(ES)
  10. 10. Maior produtora de semi-manufaturados de cobre e suas ligas do Brasil
  11. 11. Capacidade: 72 mil t / ano
  12. 12. Marketshare volume mercado interno: 36%
  13. 13. Produtos: laminados, barras, arames, tubos, conexões e ligas de cobre
  14. 14. Matéria-prima: catodo e sucata
  15. 15. Marca:
  16. 16. Atua na produção de fertilizantes integrada com a Caraíba Metais
  17. 17. Localizada no Complexo Industrial de Camaçari (BA)
  18. 18. Capacidade: 300 mil t / ano
  19. 19. Integração: ácidoduto que leva ácido sulfúrico direto da Caraíba para a Cibrafértil
  20. 20. Produtos: Superfosfato simples, fertilizantes complexos e NPK
  21. 21. Matéria-prima: ácido sulfúrico (Paranapanema Filial BA) e rocha fosfática importada
  22. 22. Marca:
  23. 23. Atua na fundição e refinamento de cobre com 99,99% de grau de pureza
  24. 24. Localizada no Complexo Industrial de Camaçari (BA)
  25. 25. Maior produtora de cobre refinado do Brasil
  26. 26. Capacidade: 240 mil t / ano
  27. 27. Marketshare volume mercado interno: 35%
  28. 28. Produtos: Catodo, vergalhão e fios trefilados.
  29. 29. Subprodutos: ácido sulfúrico, óleum e lama anôdica (metais preciosos)
  30. 30. Matéria-prima: concentrado de cobre importado do Chile e mercado interno
  31. 31. Marca:</li></ul>75%<br />23%<br />2%<br />PresençasignificantenaDivisãoCobre: 98% do total dareceita<br />Integraçãonafundição, refino e naprodução de semi-manufaturados de Cobre<br />Integração do negócio do cobre com o negócio de fertilizantes via subprodutos<br />
  32. 32. Governança Corporativa<br /><ul><li>Implementação do site de RI em 03/12/2007
  33. 33. Implantação da Política de Negociação de Ações
  34. 34. Políticas de Informação
  35. 35. Manual de Votação para os acionistas em Assembléias Gerais
  36. 36. Eleição do novo Conselho de Administração com 3 conselheiros independentes em 30/04/2010.
  37. 37. Comitês de Gestão:
  38. 38. Financeiro
  39. 39. Tributário
  40. 40. Risco
  41. 41. Remuneração
  42. 42. Orçamento
  43. 43. Política de Gestão de Risco Financeiro em 11/08/2009
  44. 44. 100% de TagAlong nas ações ordinárias
  45. 45. Adesão à câmara de Arbitragem prevista no Estatuto Societário
  46. 46. Dividendos de 25% do lucro liquido ajustado
  47. 47. Adesão da Companhia ao Novo Mercado da BM&FBovespa em 2010
  48. 48. Capital pulverizado e sem acordo de acionistas</li></ul>9<br />
  49. 49. Divisão Cobre<br />Paranapanema<br />10<br />
  50. 50. Consumo de Cobre<br /><ul><li>Setores que demandam cobre no mundo :</li></ul>Construção civil<br />  Transporte (aéreo, marítimo e terrestre)<br />  Automotivo (carros híbridos, caminhões) <br /> Infraestrutura (eletricidade e telecomunicações)<br />  Eletroeletrônico<br />  Refrigeração e aquecimento<br />  Energia limpa (solar, biodiesel, álcool)<br /> Vestuário<br /><ul><li>Setores que demandam cobre no Brasil: os mesmos, potencializados pelas medidas do Governo para incentivo da economia já aprovadas e outras ainda em tramitação que impulsionam o consumo e a demanda por cobre de várias indústrias como de: </li></ul> (i) consumo: programa de substituição de geladeiras populares; <br /> (ii) energia solar: nova legislação municipal determina uso de energia limpa (solar) e programa habitacional popular; <br /> (iii) energia elétrica: “Luz Para Todos” também deve incentivar o setor; <br /> (iv) construção civil: “Minha Casa Minha Vida” prevê a construção de 1 milhão de casas;<br /> (v) prorrogação do prazo de isenção ou de redução do IPI: <br /> eletroeletrônicos: prorrogação do IPI em alguns itens da linha branca até 31/10/09; <br /> automotivo: para automóveis foi prorrogado até 30/09/09; e <br />  para caminhões isenção até 31/12/09, com retorno gradual da taxação após esses prazos; <br /> (vi) Redução de IPI: <br /> bens de capital: setor de máquinas e equipamentos destinados à indústria e linhas especiais de financiamento para <br />pequenas e médias empresas via BNDES e Banco do Brasil; e<br /> alguns itens de construção civil; e<br /> (vii) Redução de PIS COFINS: motocicletas até 31/12/09, com acordo de manutenção dos empregos no setor.<br />11<br />
  51. 51. 12<br />Oferta e Demanda de CobreRefinado no Brasil<br />Ações estratégicas da Paranapanema:<br /><ul><li>Ampliar mercado doméstico, ocupando o espaço dos importados;
  52. 52. Ampliar a venda de produtos de maior valor agregado como vergalhões e fios trefilados;
  53. 53. Oferecer mais serviços de logística aos clientes, reduzindo prazos, quantidades e reduzindo risco no gerenciamento de transporte com a criação do CDPC.</li></li></ul><li>Cadeia de Produção do Cobre<br />Principais Players<br />13<br />
  54. 54. Processo de Produção e Direcionadores de Resultado<br />Paranapanema é umafundidora e refinadoracapaz de atuaremtoda a cadeia de produção de cobre a partir do concentrado de cobrevindo do Chile<br />14<br />
  55. 55. Eluma: Distribuição da Receita por Segmento<br /><ul><li> Diversificação setorial significativa nas diversas indústria de transformação
  56. 56. Vantagem competitiva e bom termômetro da atividade econômica
  57. 57. Entrada no segmentos de arames e barramentos de cobre com o projeto Bus Bar
  58. 58. Lançamento de novos produtos como cabos flexíveis (fios elétricos encapados)</li></ul>15<br />
  59. 59. Divisão Fertilizantes<br />Cibrafértil<br />16<br />
  60. 60. Divisão Fertilizantes<br />17<br />Papel estratégico na integração com a Paranapanema pelo aproveitamento do ácido sulfúrico gerado no processo metalúrgico<br />
  61. 61. 18<br />Produção de Superfosfato Simples no Brasil<br />
  62. 62. 19<br />Estimativa de Crescimento da Produção de SSP<br />
  63. 63. 20<br />Dados Econômico-Financeiro1T10<br />
  64. 64. Dados Econômico-FinanceirosConsolidados<br /><ul><li> Crescimento de receita e de volume no 1º trimestre de 2010</li></ul>21<br />
  65. 65. Volume porSubsidiáriaOperacional<br /><ul><li>Volume de vendas com crescimento sustentável nos últimos trimestres;
  66. 66. Volume no 1T10 vs 1T09 ficou 31,8% superior, mostrando retomada em toda a cadeia de produtos.</li></ul>22<br />
  67. 67. Contribuição de cadasubsidiária no trimestre… <br />Principais Indicadores Consolidados e das Subsidiárias Operacionais no 4T09 e 1T10<br />23<br />
  68. 68. Contribuição de cadasubsidiáriaem 2008 e 2009<br />Principais Indicadores Consolidados e das Subsidiárias Operacionais 2008 e 2009<br />24<br />
  69. 69. Retomada gradual e consistente no períodopós-crise …<br /><ul><li>Evolução positiva da receita bruta ao longo de 2009 e forte recuperação do 1T10 sobre 1T09
  70. 70. Receita bruta consolidada de R$849,4 milhões cresce 41,9% no 1T10 sobre o 1T09
  71. 71. Volume de vendas consolidado sobe 31,8% no 1T10 sobre o 1T09, atingindo 92,1 mil toneladas
  72. 72. Volume de vendas da Divisão Cobre no 1T10 foi 23,7% acima do 1T09 e 14,6% superior ao 4T09, totalizando 67,3 mil t
  73. 73. Aumento da participação do mercado interno face crescimento de 58,6% na receita bruta e 74,1% no volume de vendas doméstico
  74. 74. Exportações crescem 22% no 1T10 sobre o 1T09, passando a representar 39% da receita</li></ul>25<br />
  75. 75. LucroBruto<br /><ul><li> Lucro bruto de R$ 49 milhões e margem de 7% no 1T10 contra prejuízo de R$ 27 milhões no 1T09;
  76. 76. O lucro bruto no 1T10 ficou ainda 77,8% acima do 4T09, quando havia alcançado R$27,5 milhões, mostrando que a política de hedge corporativo vem funcionando satisfatoriamente</li></ul>26<br />
  77. 77. LucroLíquido<br /><ul><li> Lucro líquido ajustado de R$ 31 milhões e margem líquida de 4% no 1T10 contra prejuízo de R$ 83 milhões no 1T09;</li></ul>27<br />
  78. 78. EBITDA evoluçãotrimestre a trimestre<br /><ul><li> Ebitda ajustado de R$38 milhões e margem de 5% da receita líquida no 1T10, diminuindo a volatilidade no resultado após a conclusão das reestruturações</li></ul>28<br />
  79. 79. 29<br />Política de Gestãode Riscos<br />
  80. 80. Objetivos da Política de Gestão de Riscos<br />30<br />
  81. 81. Identificação das Exposições<br />31<br />
  82. 82. Modelo de Negócio...<br />32<br />
  83. 83. Neutralizando os riscos.... <br />33<br />
  84. 84. Neutralizando os riscos<br />34<br />
  85. 85. 35<br />Perspectivas<br />
  86. 86. Investimentos – CAPEX<br />Crescimento orgânico na Paranapanema<br />No 1T10 foram realizados investimentos consolidados, de R$9,6 <br />milhões na Paranapanema, distribuídos em: <br /><ul><li>Filial BA da Paranapanema (ex-Caraíba Metais) R$1,7 milhões em</li></ul> 1T10 , direcionados para (i) expansão da capacidade; (ii) reforma <br /> nas caldeiras; e, (iii) finalização da reativação da planta de produção<br />de vergalhão oxy-free, cujo principal cliente é a Eluma. <br /><ul><li>Eluma R$7,0 milhões no 1T10, direcionados para os seguintes programas: (i) finalização dos projetos de expansão; (ii) melhorias em distribuição e logística, qualidade, informática e outros; (iii) meio-ambiente, com a segregação de efluentes da lagoa de Utinga; e (iv) manutenção.
  87. 87. Investimentos (CAPEX) para o período de 2010-2013:</li></ul>Com a aprovação do projeto de expansão da capacidade instalada da filial Bahia da Paranapanema (ex-Caraíba) de 220 mil t /ano (atualmente 240 mil t/ano) para 276 mil t /ano, os investimentos para o período de 2010-2013 serão da ordem de R$329 milhões.<br /><ul><li> Recuperação gradual no volume de vendas e na receita permanece em 2010.
  88. 88. Ampliação das sinergias e da integração na cadeia do cobre dentre as filiais da BA e SP, após as incorporações da Caraíba e da Eluma
  89. 89. Programas do Governo como o PAC 1 e PAC 2, além de projetos voltados para infra-estrutura, habitação e consumo, e os eventos esportivos no Brasil em 2014 e 2016 devem movimentar a demanda por produtos de cobre.</li></ul>Eluma são estimados em R$175 milhões entre manutenção e ampliação futura de capacidade, tendo sido aprovado em RCA de 08/fev/10, crescimento orgânico, com expansão da seguinte capacidade instalada:<br /><ul><li> Tubos: 20 mil t/ano, passando de 16 mil t/ano para 36 mil t/ano;
  90. 90. Laminados: 40 mil t/ano passando de 26 mil t/ano para 66 mil t/ano;
  91. 91. Capacidade instalada total: 72 mil t/ano para cerca de 130 mil t/ano até 2013.</li></ul> Cibrafértil os investimentos nos 12M09 foram de R$1,4 milhão, voltados para melhorias e manutenção, com investimentos da ordem de R$2 milhões ao ano para o período de 2010 a 2012. <br />36<br />
  92. 92. <ul><li>Para 2010, com a conclusão das reestruturações financeiras, societária e tributária dos dois últimos anos, a administração passa a ter novos e interessantes desafios, porém em uma situação muito mais confortável pela estrutura de capital atual e pela melhor adequação do balanço às normas contábeis internacionais, que permitem estabelecer metas bem mais ambiciosas, tais como:</li></ul>(i) foco no crescimento orgânico pela expansão na capacidade instalada na Bahia e em São Paulo que implicará em investimentos de R$510 milhões de 2010 a 2013; <br /> (ii) análise de oportunidades de parcerias e alianças estratégicas, para maximizar a lucratividade da Companhia;<br /> (iii) medidas estratégicas para ganhar mercado local e internacional e maior agregação de valor aos produtos, melhorando as margens e a competitividade, com ganhos de escala e redução permanente de custos; <br />(v) diminuição da volatilidade das commodities e do câmbio no resultado da Companhia pela adoção de uma política de hedge corporativa (com reflexo em todo o exercício de 2010, uma vez que teve início em agosto/09; <br /> (vi) listagem da Companhia no Novo Mercado, migrando direto do Nível 1, para o mais alto nível de Governança Corporativa em 2010; e <br />(vii) adaptação da estrutura organizacional à nova estrutura operacional da cadeia de cobre em uma única empresa, a Paranapanema e criação de uma cultura corporativa visando maximizar o resultado para o acionista. <br />Perspectivaspara a Paranapanema<br />37<br />
  93. 93. Reestruturações de 2008 e 2009<br /><ul><li>Financeira
  94. 94. Societária
  95. 95. Tributária</li></ul>38<br />
  96. 96. ReestruturaçãoFinanceira<br /><ul><li>13/06 a 13/11/08: Equacionamento da dívida não operacional da Paranapanema com o pagamento de R$1,5 bilhão a credores/acionistas, com liquidação de 50% em dinheiro e 50% em conversão de dívida em ações ordinárias, em tempo recorde de apenas 5 meses.
  97. 97. Captação de recursos: </li></ul>  13/06/08: Aumento de capital privado de R$ 514 milhões<br />  20/08/08: 6ª Emissão de Debêntures Conversíveis em Ações de R$ 920 milhões de 30 meses 1ª série e de 11 anos a 2ª série<br />  22/08/08: 1ª conversãode Debêntures Ações, com a liquidação da 1ª série<br />  26/08/08: 2ª conversão de Debêntures Ações, com a liquidação parcial da 2ª série<br />28/08/08: 3ª conversão de Debêntures Conversíveis em Ações, com a liquidação parcial da 2ª série<br />13/11/08: 4ª e última conversão de Debêntures Conversíveis em Ações, com a liquidação total<br /> 13/11/08: alienação da Divisão Estanho, com a venda da Taboca/Mamoré para o grupo peruano Minsur, no montante contratado de R$850 milhões e líquido de R$415 milhões, deduzindo contingências e dívida <br />39<br />
  98. 98. Sólidasituaçãofinanceira e de liquidez …<br /><ul><li>Dívida restante apenas operacional nas subsidiárias (Adiantamento de contratos de câmbio - ACC e Pré-pagamento de exportação-PPE), apresentando queda de 5,7% no 1T10 comparado ao 4T09;
  99. 99. Redução de 22% na dívida de longo prazo no 1T10;
  100. 100. Caixa líquido consolidado de R$213 milhões no fechamento do trimestre.</li></ul>40<br />
  101. 101. ReestruturaçãoSocietária – Conversão de AçõesPreferenciaisemOrdinárias<br />41<br />
  102. 102. ReestruturaçãoSocietária – IncorporaçãodaCaraíbaMetais S.A. <br />42<br />
  103. 103. ReestruturaçãoSocietáriaIncorporaçõespelaParanapanema S.A.<br />•Justificativa da Incorporação da Caraíba Metais e da Eluma<br /><ul><li>simplificação da estrutura patrimonial das empresas controladas pela Paranapanema;
  104. 104. redução de custos administrativos;
  105. 105. ganhos substanciais de sinergias, face complementaridade existente entre as linhas de produtos ofertadas e localização das unidades produtivas;
  106. 106. aumento da capacidade de investimento em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos;
  107. 107. ganhos de produtividade proporcionados pelo aumento da escala na produção e distribuição dos produtos ofertados pelas empresas;
  108. 108. maior eficiência na estrutura corporativa;
  109. 109. mais agilidade na execução de decisões estratégicas, administrativas e comerciais;
  110. 110. acionistas da Caraíba manterão a condição de acionistas de uma companhia aberta; e
  111. 111. aumento de liquidez das ações de emissão da Paranapanema.</li></ul>43<br />
  112. 112. 44<br />Reestruturação Tributária<br />AdesãoaoParcelamento dos DébitosTributáriosLei 11.941/09 e MP 470/09<br />
  113. 113. ReestruturaçãoTributária<br /><ul><li>Busca de soluções para as contingências tributárias estimadas em cerca de R$1,58 bilhão para a Paranapanema e suas subsidiárias;
  114. 114. 28/10/09:RCA delibera a adesão ao programa de parcelamento e liquidação de débitos tributários em caráter irretratável para a Paranapanema S.A e Eluma S.A., concedidos pela Lei 11.941/09 e MP 470/09;
  115. 115. 30/09/09:tendo em vista esse evento subsequente, foi contabilizado o impacto da adesão já no 3º trimestre de 2009;
  116. 116. 30/11/09:data limite para as Companhias aderirem formalmente ao programa de parcelamento de débitos tributários;
  117. 117. O decisão sobre o parcelamento e a liquidação dos débitos tributários levou em conta a probabilidade de perda estimada pelos tributaristas:(i) o IPI - Crédito Presumido na Aquisição de Matéria-Prima não tributada ou tributada à aliquota zero na Eluma, considerado como perda provável; e (ii) o IOF da Paranapanema, como perda possível, mas sem jurisprudência na matéria. </li></ul>45<br />
  118. 118. Adesão ao Parcelamento de Débitos Tributários<br /><ul><li>O montante total de adesão demonstrado abaixo tem a seguinte distribuição:</li></ul> R$91,6 milhões serão pagos em dinheiro, sendo R$18,2 milhões em 12 parcelas e o restante à vista;<br /> O saldo remanescente será pago com prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social. <br /><ul><li> A reestruturação tributáriatrouxe uma nova e sólida situação para as demonstrações financeiras, reduzindo custos de gerenciamento desse passivo tributário, dando uma solução para todas as contingências fiscais, mudando radicalmente a percepção de risco consolidado da Paranapanema e o seu valor de mercado</li></ul>46<br />

×