Fitch

464 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fitch

  1. 1. Bancos BrasilParaná Banco S.A.Relatório AnalíticoRatings Fundamentos dos RatingsNacional Experiência nos Segmentos de Atuação: Os ratings do Paraná Banco S.A. (Paraná) refletemRating de Longo Prazo A(bra) a opinião da Fitch de que o banco tem sido bem sucedido em sua estratégia de buscar maiorRating de Curto Prazo F1(bra) diversificação de operações de forma prudente, agregando resultados notoriamente operacionais.Suporte 5 O banco tem experiência e bom histórico no crédito consignado, seguro-garantia e em resseguro e está aumentando sua carteira de financiamento a pequenas e médias empresas (PMEs).Risco Soberano Conservadorismo no Desenvolvimento das Atividades: O Paraná opera de maneiraIDR de Longo Prazo emMoeda Estrangeira BBB prudente na condução de suas operações, dos adequados índices de liquidez e de qualidadeIDR de Longo Prazo em dos ativos de crédito, além da elevada base de capital.Moeda Local BBBPerspectiva Concentrações e Desafios: Os ratings retratam ainda o fato de o Paraná ser um banco comRating Nacional de Longo Prazo EstávelIDR Soberano em Moeda concentrações de ativos e passivos típicas de uma instituição de médio porte, mais suscetívelEstrangeira Estável a oscilações da economia.IDR Soberano em MoedaLocal Estável Fortalecimento da Área de Seguros: Em junho de 2011, o Paraná e a Travelers Companies,IDR – Issuer Default Rating – Rating Inc., IDR ‘A+’, fecharam acordo de investimento na J.Malucelli Participações em Seguros ede Probabilidade de Inadimplênciado Emissor Resseguros (JMPSR), holding então 100% controlada pelo Paraná e detentora de conglomerado de seguros formado por três companhias. A Travelers subscreveu ações ordináriasDados Financeiros representativas de 43,4% do capital da companhia, no valor de BRL657,1 mi, o que, segundo aEmissor Fitch, elevará o capital do Paraná para aproximadamente BRL1,04 bi. 31 Mar 31 Dez 2011 2010 Capitalização elevada: No 2T11, foram distribuídos BRL110 mi de dividendos da JMPSR ao banco.Total de Ativos O montante foi incorporado à sua base de capital, mas pela metodologia da Fitch, o patrimônio da(BRLmi) 31.188,5 3.073,9Patrimônio (BRLmi) 854,7 827,7 seguradora não integra o cálculo do índice núcleo de capital da Fitch, que ficou em 20% em março deLucro Líquido 2011. A Fitch considera o índice alto para o Paraná manter a expansão de sua carteira de crédito e(BRLmi) 33,5 117,4ROA (%) 4,34 3,98 adequar-se às normas prudenciais de alocação de capital adicional em operações de créditoROE (%) 16,15 14,53 direcionadas a pessoa física acima de 36 meses em vigor desde julho de 2011.Índice de CapitalRegulatório (%) 32,75 32,90 Boa Liquidez: O caixa livre é alto e correspondia a 43,5% dos depósitos a prazo em março deAnalistas 2011. O banco possui limite de captações via depósito a prazo com garantia especial (DPGEs)Luiz Claudio Vieira de BRL1,9 bi, tendo emitido apenas BRL92,7 mi, os quais podem ser utilizados em caso de+55 21 4503-2600luiz.vieira@fitchratings.com aperto da liquidez. A agência considera esta folga bastante prudente.Esin Celasun+55 21 4503-2600 Adequada Qualidade de Ativos: O Paraná tem desenvolvido conservadoramente suaesin.celasun@fitchratings.com carteira de crédito e a qualidade dela permanece boa e concentrada em crédito consignado (85% do total). Para 2011, estima-se que a carteira crescerá de forma moderada. Diversificação de resultados: Os bons lucros são composto pelas áreas de atuação: consignado, médias empresas e nas atividades de seguros e resseguros, que contribuíram, no resultado do banco, com 48,8% no 1T11 e 47,0% em 2010. Para 2011, a Fitch acredita que a rentabilidade fique próxima de 20%. Fatores que Podem Induzir uma Ação de Rating Este relatório, publicado originalmente em 3 de agosto Manutenção dos bons índices: A Fitch observa que o Paraná tem como maior desafio de 2011, está sendo republicado para refletir a reduzir a concentração e o alongamento da base da captação para melhorar o casamento inserção dos ratings entre ativos e passivos. A concretização ou melhora destes indicadores, aliada à boa soberanos. capitalização, à manutenção dos índices de qualidade de ativos e liquidez e à maior diversificação de negócios bancários, poderia beneficiar os ratings. Deterioração: Uma piora da qualidade da carteira e no desempenho poderia impactar seus ratings.www.fitchratings.com.br 4 de agosto de 2011
  2. 2. Bancos Perfil O Paraná é a principal empresa do Grupo Quadro 1: Capital Aberto – Controle J. Malucelli e foi o quinto banco a fechar Nacional Privado (1T11) convênio com o Instituto Nacional do Ações Ações Ord. Totais Seguro Social (INSS) em 2003, passando Através de: (%) (%) a oferecer crédito consignado a Joel Malucelli e Família * 72,4 54,5 Rosaldo Malucelli 9,7 7,7 aposentados e pensionistas. Além disso, JNF Participações 5,8 5,5 mantém convênios com vários estados e Mercado 12,1 32,3 prefeituras. * Controlada por Joel Malucelli e seis filhos; Agências: 01 / Funcionários: 693 Atualmente, as atividades do Paraná estão Fonte: Paraná Banco S.A. divididas em quatro áreas principais: consignado, seguro-garantia e resseguro, através das subsidiárias JM e JMRE, e middle market, criada no 3T07. Mesmo após a oferta pública inicial de ações (IPO), em junho de 2007, que resultou na venda de 40,61% de suas ações, o Paraná continua controlado majoritariamente por Joel Malucelli e outros membros de sua família, que também possuem empreendimentos diversificados, figurando entre os maiores grupos econômicos paranaenses. Fundado em 1966, o Grupo J. Malucelli atua nos setores de infraestrutura, finanças, de seguros, previdenciário, de energia, esportivo, de turismo, comunicação e agropecuária. Em dezembro de 2010, seus demonstrativos combinados apresentavam patrimônio líquido (PL) de BRL 1,367 bi, faturamento de BRL 1,170 bi e lucro líquido de BRL108,6 mi. Com intuito de manter custos competitivos, o banco compartilha serviços de recursos humanos, compras e de contabilidade com a Porto de Cima Administração Participação e Serviços S.A., a holding do grupo. Os acionistas participam diretamente da estratégia do banco e dos demais empreendimentos da família. Também contam com profissionais experientes, sob a supervisão do Comitê Executivo, para conduzir o dia-a-dia do banco. Joel Malucelli tem seis filhos, sendo um deles o diretor-executivo e profissional responsável pelas atividades financeiras do grupo. A partir de 2008, foi criada a holding de seguros J.Malucelli Participações em Seguros e Resseguros (JMPSR), detentora do conglomerado de seguros formado pela J.Malucelli Seguradora, J.Malucelli Resseguradora e a J.Malucelli Seguradora de Crédito. Em 17 de junho de 2011, após aprovação da Superintendência de Seguros Privados (Susep), o Paraná Banco e a Travelers Companies, Inc., uma das companhias americanas líder em seguros de ramos elementares, concluíram contrato para investimento na JMPSR. A parceria estratégica envolveu uma capitalização de BRL657,1mi deu à Travelers Brazil uma participação o controle de 43,4% do capital votante da holding de seguros. O acordo fortalece as operações de seguro-garantia no Brasil, possibilitando a exploração do mercado de resseguro-garantia na América Latina, bem como o ingresso das companhias J.Malucelli no segmento de ramos elementares. A estratégia é, no curto prazo, explorar as necessidades dos atuais clientes da JM para oferecer também produtos relacionados ao seguro-garantia, como riscos de engenharia, seguro patrimonial e seguro de responsabilidade civil, inclusive de administradores. O Paraná atua em crédito consignado, seu principal produto (85% de sua carteira de crédito em 1T11), em praticamente em todos os estados, mas com presença marcante nas regiões Sul e Sudeste, estando presente em 339 municípios, por intermédio de cerca de 133 convênios ativos, 11 regionais e 14 lojas próprias, além de 85 terceirizados com bandeira própria. No Metodologia Aplicada financiamento junto a Pequenas e Médias Empresas (PMEs), no qual o banco passou a atuar National Ratings Criteria, 19 de janeiro de 2011; em 2007, a atuação é tímida, porém crescente, junto a empresas do Paraná e de São Paulo. Short-Term Ratings Criteria for Corporate Finance, 2 de novembro Governança Corporativa de 2011; O Paraná ingressou no mercado brasileiro de ações – Bovespa Nível 1 - em junho de 2007 Global Financial Institutions Rating Criteria, 16 de agosto de 2010. através da colocação de ações preferenciais, sem direito a voto. A IPO do Paraná consistiu apenas de oferta primária, com o direito de 100% de tag along, assegurando que, no caso deParaná Banco S.A. 2Agosto de 2011
  3. 3. Bancos alienação, os acionistas minoritários terão direito de vender suas ações pelo mesmo valor pago pelas ações dos integrantes do bloco de controle. O conselho do banco é formado pelos acionistas Alexandre e Paola Malucelli e Jorge Nacli Neto e um membro independente, além de um diretor do próprio grupo. Desde março de 2008, o banco conta também com um conselho fiscal independente do conselho de administração e com três membros permanentes. O Paraná já concluiu oito programas de recompra de ações do banco, realizados desde o 3T08. Eles já retiraram de circulação 22,9mi de ações preferenciais (42,1% do total dessas ações) a um custo de BRL164mi. Como as ações em tesouraria têm sido canceladas, a capitalização do Paraná tem apresentado uma queda, ainda que modesta. O Paraná está próximo de atingir seu limite mínimo de 25% (25,7% em março de 2011) de seu capital listado na bolsa, o que limita o banco a fazer novas recompras de ações. Por se tratar de uma instituição financeira de capital aberto, o Paraná está obrigado a divulgar suas demonstrações financeiras em padrão internacional (IFRS). O Paraná ainda não apresentou suas demonstrações relativas a 2010 e 2009 com a adoção do IFRS, ocorrida no final de abril de 2011. Estratégia O Paraná tem procurado diversificar suas operações entre consignado (85% da carteira no 1T11), financiamento a PMEs (10,7% no 1T11) e, em menor proporção, CDC Lojista (2,1%), linha dedicada ao financiamento de compras de produtos e serviços, além da aquisição de carteira de outros bancos (2,2% no 1T11), mas mantendo sua elevada seletividade de operações, visando preservar sua rentabilidade e qualidade de ativos. Neste sentido, o banco tem buscado ampliar suas fontes de originação próprias de crédito Carteira de Crédito Consignado consignado, dada sua maior rentabilidade, com o aumento de correspondentes bancários exclusivos, que totalizaram 85 unidades e lojas próprias, 14. Ainda assim, a originação junto a Governos Prefeituras Estaduais 27,6% correspondentes manteve-se 51% no 1T11. O foco do banco está em convênios com órgãos 44,9% públicos (estados, municípos e INSS), que correspondem a 99,8% da originação de consignado no 1T11, conforme o gráfico ao lado. INSS 22,4% A carteira permanece adequada e o Paraná não faz cessões de carteira desde 2008, têm Outros saldo de apenas BRL18,7mi no 1T11, feito durante a crise para ampliar a liquidez. Por ter 0,2% Entidades Federais uma ampla base de capital, o banco está em posição vantajosa em comparaçao a seus pares 4,9% Fonte: Paraná Banco para enfrentar as regras macroprudenciais impostas pelo Banco Central (Bacen) para operações acima de 36 meses voltadas a pessoas físicas, que têm ponderação de 150%. A originação tem crescido e atingiu BRL302mi no 1T11 (BRL234mi 1T10). Os elevados volumes de refinanciamentos de crédito apresentados pelo banco (BRL809mi, ou 48,9% da carteira no 1T11) refletem sua estratégia focada no consignado, buscando refinanciar sua carteira de crédito para novos empréstimos a tomadores de crédito adimplentes, cuja margem máxima para consignação ainda não foi atingida. O Paraná iniciou operações junto a PMEs após sua IPO, com uma estratégia de usufruir da ampla base de dados e clientes já ativos nas seguradoras do grupo, e aproveitar as sinergias. Mesmo que ainda pouco representativa, essa carteira deve crescer em ritmo acelerado, masEvolução do Marketshare - Prêmios Emitidos mantendo a prudência do banco em suas aprovações de crédito, incluindo boa agregação de garantias reais, como imóveis. Neste segmento, o banco atua com produtos típicos do JM Mercado mercado, somente em moeda local e com prazos curtos. O alvo do banco é expandir essa120 (%)100 carteira a médio prazo. 80 60 A JM atua em seguro-garantia, que pode substitur as fianças bancárias tradicionais em 40 diversas situações e permanece bastante estratégica para o grupo, visto que a empresa 20 controla 34,1% do mercado brasileiro deste produto e apresenta resultados crescentes e 0 2005 2006 2007 2008 2009 2010 1T11 significativos para o banco.Fonte: Paraná Banco S.A. O bom desempenho operacional da seguradora, mesmo em períodos de menor volume de negócios, é beneficiado pela renovação da maior parte dos riscos subscritos de sua carteira de Paraná Banco S.A. 3 Agosto de 2011
  4. 4. Bancos seguro-garantia e pela manutenção dos custos operacionais. Além disso, a Fitch ressalta que a lucratividade dessa atividade pode continuar a ser beneficiada pela criação, em maio de 2008, da primeira resseguradora privada local, a JMRE (100% controlada pela JMPSR). Focada no resseguro local do mesmo segmento, a JMRE ainda opera em escala reduzida, uma vez que o mercado de resseguros no Brasil ainda é incipiente. Além disso, com Basiléia II, que obriga os bancos a alocar capital na emissão de fianças bancárias, a JM tem encontrado demanda de clientes novos, que nunca haviam usado seguro-garantia. Na opinião da Fitch, a expectativa de crescimento do crédito em 2011 é adequada, considerando o ambiente econômico favorável, mas tende a pressionar as margens do banco, tendo em vista a maior competição no consignado com a entrada dos grande bancos, a estabilidade dos spreads após as novas regras prudenciais e a maior retenção de carteira de crédito para adequação da apropriação da cessão de receitas ao longo do contrato a partir de 2012. No segmento de PMEs, o banco deve apresentar crescimento mais elevado. As captações do banco deve continuar concentrado e nos 20 maiores depositantes, representados por fundações, fundos de investimento e pessoas físicas, principalmente. Adicionalmente, o banco vem buscando alongamento de seu financiamento, visando ao melhor casamento de ativos e passivos. O Paraná tem conseguido alcançar esse objetivo sem utilizar largamente seu limite de emissão de DPGE, o que a Fitch considera positivo, na medida que não compromete esta fonte de captação, desenhada para uso em momentos de estresse. As mudanças nas regras de cessões previstas para 2012, quando não será mais permitido adiantar receitas de juros dos créditos cedidos com coobrigação, não devem afetar o Paraná, uma vez que o banco só utilizou esta fonte de financiamento em tempos de estresse (BRL340mi cedidos no 4T08). Perspectiva O Paraná deve continuar aumentando sua carteira de consignado e PMEs, dada sua estratégia de crescimento dos canais de distribuição de varejo e incremento da equipe comercial, além de controles no middle market. A Fitch espera que o banco mantenha seu conservadorismo na seleção e na precificação de operações de crédito, o que de certa forma limita a possibilidade de crescimento acima da média do mercado, mas resguarda a boa qualidade de ativos, forma pela qual o banco tem progredido nos últimos anos. A agência acredita que a queda de margens líquidas de intermediação financeira observada nos últimos anos deve continuar, de forma gradual, na medida que a competição aumente, mas o Paraná deve compensar parcialmente estas quedas com os crescentes resultados em seguros e resseguros. A melhora da inadimplência desde o 2009, aliada a uma perspectiva de aumento da carteira, deve melhorar a qualidade de ativos do banco. Conforme a carteira de PMEs ganha participação, o Paraná deve começar a ter risco de crédito menos pulverizado, mas também pode reduzir o prazo médio de seus ativos, tendo em vista a natureza de curto prazo das operações junto a PMEs quando comparada ao prazo médio de três anos do consignado. As operações de seguros do grupo devem continuar contribuindo com pelo menos 50% da lucratividade do banco (48,8% no 1T11 e 47,0% em 2010), uma vez que tanto a JM quanto a JMRE contam com amplo escopo de ampliação de suas operações, mesmo já possuindo ampla participação de mercado. A contribuição dos seguros levam em conta as perspectivas bastante favoráveis para o seguro-garantia, principal produto do setor, após as mudanças de alocação de capital determinadas para fianças bancárias de Basileia II, assim como o menor custo oferecido aos usuários. Performance Em 2011, o Brasil continua registrando aumento das taxas de emprego, juros relativamente baixas e forte aumento do PIB. Como resultado, a expansão do crédito gerou aumento da concorrência e as margens de vários segmentos já retornaram aos patamares observados antes da crise de 2008. A Fitch analisou o Paraná com base em números consolidados do banco, incluindo suasParaná Banco S.A. 4Agosto de 2011
  5. 5. Bancos subsidiárias, de acordo com as regras da CVM. Os números foram auditados, sem ressalvas, pela KPMG. Com a moderada evolução dos ativos de crédito, o Paraná apresentou uma boa rentabilidade sobre os ativos médios, em torno de 4,0%, acima da média dos pares, e sobre o patrimônio médio, de 16,2% no 1T11. A Fitch considera estes índices adequados ao seu volume de negócios e à postura conservadora nos períodos de crise. Uma queda relativa nos custos de crédito deverá se traduzir na manutenção ou até em melhora da rentabilidade histórica, apesar dos menores resultados durante o 1T11. Os resultados do 1T11 e de 2010 foram compostos predominantemente por atividades operacionais dos principais segmentos de atuação, o crédito e o seguro. Receitas Operacionais Os empréstimos consignados permanecem como uma das principais fontes de receita do Paraná, representando 78,4% das receitas de intermediação financeira no 1T11, frente a 76,5% em 2010. O restante é representado por receitas de juros com títulos e valores mobiliários, uma vez que a receita com operações de crédito junto a PMEs permanece pouco relevante. Desde 2009, a carteira de crédito tem aumentado numa relação inferior à mercado. O Paraná Participação no Resultado concentrou seu crescimento no segundo semestre de 2010, quando as margens do mercado Crédito Seguro vinham melhorando devido às turbulências do mercado local após os problemas no (%)120 Panamericano, em dezembro de 2010, e no Banco Morada, em abril de 2011. Seus100 concorrentes, que possuem maior alavancagem, cedem a carteira para outros grandes 80 60 bancos locais de varejo. Como estes bancos compravam carteira de ambos os bancos, 40 ficaram temporariamente sem adquirir novas cessões. Além disso, o Paraná, por ter uma 20 ampla base de capital, têm sido beneficiado pelas regras macroprudenciais impostas pelo 0 1 1 T1 2010 2009 2008 2007 Bacen nas operações acima de 36 meses de pessoas físicas, cuja ponderação é de 150%. AFo nte: P araná B anco S.A . originação tem sido crescente, atingindo BRL302mi no 1T11, e, por conta disso, o banco melhorou sua margem financeira líquida no mesmo período. O resultado do Paraná também tem sido beneficiado pelo expressivo aumento de 48% nas receitas das operações de seguros da JM e JMRE e pela crescente eficiência na redução de despesas administrativas, resultando em aumento da margem operacional. Desde 2009, a participação das operações de seguro tem crescido no resultado do Paraná. Este segmento é cada vez mais estratégico para o banco e lhe possibilitou, diferentemente da maioria dos pares, aumentar os lucros em 2010 e no 1T11, apresentando retorno sobre ativos estável (ROA de 4,34% NO 1T11, 3,98% em 2010, 4,06% em 2009), mas com ROE ascendente (16,15% no 1T11 e de 14,53% em 2010), principalmente por conta do aumento da alavancagem. Em 2011, o Paraná continua expandindo suas atividades de crédito, apesar da maior competição no consignado, devido a maior demanda por crédito no primeiro trimestre do ano. Provisão para Perdas e Outras Os convênios de consignado com órgãos públicos representam 85% da carteira de crédito, o que proporciona índices de qualidade de ativos superiores aos de seus pares, com exceção de 2009, quando houve encerramento pontual dos FICDs Paraná Banco I e FICDs Paraná Banco II, incorporados à carteira do banco. Esta tendência permaneceu até meados de 2009, quando o cenário econômico começou a melhorar e a inadimplência parou de crescer. Com isso, a carteira voltou a crescer, diluindo parte das despesas com provisões. Mesmo com ampla participação do segmento de consignado no total de provisões, com o aumento da carteira de PMEs, cujo tíquete médio é naturalmente maior (aproximadamente BRL1mi, mas inferior à média dos seus pares neste segmento), as perdas junto a esses clientes corporativos passaram a figurar entre os 10 maiores créditos classificados entre ‘D-H’. Mesmo assim, a carteira tem apresentado índices de qualidade de crédito melhores que a de seus pares.Paraná Banco S.A. 5Agosto de 2011
  6. 6. Bancos Despesas não financeiras O Paraná mantém uma estrutura enxuta e eficiente que tem lhe permitido maior controle sobre as despesas fixas e variáveis, mesmo considerando a expansão do crédito existente desde 2007. As despesas de comissão a originadores de consignado, que representavam 47% das despesas não financeiras no 1T11 e em 2010, permanecem adequadas, e o crescimento das despesas de pessoal e administrativas acompanha o maior desenvolvimento do banco. A relação Despesas não Financeiras/Receitas caiu sensivelmente de 2008 (59,7%) para o 1T11 (41,8%), quando ficou abaixo da média dos pares. Administração de Risco Risco de Crédito O crédito permanece como o principal risco das operações do Paraná. Ele respondia por 51% dos ativos em março de 2011. A estrutura de gestão de crédito do banco está centralizada no Comitê Sênior (CS), que se reúne semanalmente e é composto pelo presidente, pelo vice- presidente e quatro diretores. Todas as propostas de limite de crédito são submetidas ao CS e as que já possuem operação são reavaliadas a cada 180 dias. No crédito a empresas, as decisões ocorrem em duas alçadas, sendo a primeira de um executivo de crédito e a seguinte, de membros da diretoria e da superintendência (Comitê Pleno). O Paraná adota práticas de crédito comuns aos pares que atuam no consignado e conta com bons sistemas e controles automatizados, além de avaliar e monitorar de forma consistente a qualidade dos convênios e os riscos das fontes pagadoras públicas e privadas. O banco também não tem operado no consignado para entes públicos cujos sistemas operacionais sejam desfavoráveis. São exemplos de sistemas desfavoráveis aqueles nos quais não existe padrão de segurança entre bancos e pagadoras de salários. A Fitch considera essa atitude do Paraná positiva, pois alguns desses sistemas têm apresentado alto índice de inadimplência, devido à quebra de margem do servidor público, entre outros fatores. A carteira de crédito totalizou BRL1,65bi em março de 2011, incluindo fianças, com aumento de 84% (+19,6% em 2010), um pouco abaixo da média de seus pares. O maior crescimento no primeiro trimestre de 2011, que segundo expectativa deverá ser maior nos próximos trimestres. A carteira de crédito tem apresentado uma qualidade superior à média de seus pares, conforme tabela abaixo. Indicadores de Qualidade da Carteira de Crédito (%) Paraná Média dos Pares Mar./2011 2010 2009 2008 Mar./2011 2010 2009 2008 Provisões para Crédito/Crédito Bruto 3,38 3,51 5,22 4,44 3,43 3,42 4,98 5,3 Créditos Duvidosos/Crédito Bruto 4,02 4,21 6,72 6,38 4,67 4,55 5,95 6,54 Provisões para Créditos/Créditos Duvidosos 84,07 83,33 77,64 69,6 72,51 74,52 85,21 90,73 Provisões para Crédito/Média de Crédito 2,2 2,15 4,42 2,67 3,66 2,88 5,14 4,64 Bruto Baixas Líquidas/Média de Crédito Bruto 2,07 3,31 2,93 1,73 2,97 3,54 5,22 3,56 *Pares: Banco BMG S.A., Banco Cacique S.A., Banco Bonsucesso S.A., Banco Daycoval S.A., Banco Industrial do Brasil S.A., Banco Pine S.A. Fonte: Fitch O Paraná, assim como seus pares, tem como política o refinanciamento das operações de créditos de forma bastante ativa (historicamente cerca de 50% do total de sua carteira), à medida que os funcionários ou aposentados apresentam margem para uma nova consignação, na tentativa de fidelizar os clientes e evitar a aproximação dos concorrentes. Em 1T11, 70% da produção carteira correspondiam aos refinanciamentos, enquanto o 30% dos créditos eram para os novos clientes. O prazo das operações vinha sendo crescente desde 2007, acompanhando esses refinanciamentos e o maior desenvolvimento da carteira no consignado, mas estabilizou-se em 2009, tendo em vista o menor apetite do banco. DestaParaná Banco S.A. 6Agosto de 2011
  7. 7. Bancos forma, a carteira com prazo acima de 360 dias passou para 53,6% do total. Por outro lado, a carteira do Paraná permanece bastante pulverizada, com os cinquenta maiores devedores representando apenas 4,7% da carteira em março de 2011 (5,6% em 2010). Desta forma, seus créditos em atraso também são pulverizados, e em sua maioria compostos por créditos consignados de ticket baixo, apesar de os maiores devedores inadimplentes serem representados por empresas do segmento de PMEs. Risco de Mercado A tesouraria do Paraná tem uma atuação conservadora, com o foco voltado para gestão deVencimento Médio dos Ativos X Captações caixa, captação, descasamentos entre ativos e passivos e administração da liquidez. A administração da exposição ao risco é centralizada, transferindo todos os riscos e Captaçõ es A tivo s (%) descasamentos à tesouraria, cuja gestão é supervisionada pela diretoria financeira (DF) e 45 40 pelo CS. O banco utiliza medidas e ferramentas de controle tradicionais de gerenciamento de 35 30 risco de mercado, como o Valor em Risco (VaR), com intervalo de confiança de 99% (para 25 20 um dia), estresse determinístico, stop-loss e duration, precificando os ativos do banco a valor 15 de mercado. Historicamente, o consumo das posições da tesouraria tem sido baixo, mesmo 10 5 durante o período de maior volatilidade. 0 A té 3 meses 3–1 meses 2 1 ano s –3 A cima de 5 ano s Um dos principais riscos de exposição do Paraná está relacionado ao descasamento deFo nte: P araná B anco S.A . prazos e taxas entre a carteira e a captação. Para atenuar o efeito deste risco com o alongamento dos prazos da carteira, o Paraná vinha procurando manter maior equilíbrio entre ativos e passivos com a estruturação de dois FIDCs, que chegaram a BRL747mi de PL em 2007, mas foram integralmente amortizados em março de 2010, seguindo o cronograma natural de vencimento das operações de crédito contidas nos fundos. Historicamente, o descasamento da carteira de longo prazo tem sido compensado pelo PL, que representa uma vez essa exposição. Além disso, mesmo que a carteira de crédito de longo prazo (BRL871mi no 1T2011) ainda seja maior que os depósitos acima de um ano, o Paraná acessa o mercado de dívida internacional, no qual possui um programa de emissão de USD300mi de Eurobonds pelo qual já foram emitidos USD35mi com vencimento em agosto de 2011 e outros USD100mi com vencimento em dezembro de 2012. Captação e Capital Captação e Liquidez A participação de recursos do Grupo J. Malucelli na captação do Paraná tem sido pequena (10% no 1T11). Os esforços na busca de financiamento diversificado tem sido relevantes para a estratégia do bnaco, que tem conseguido aumentar o número de depositantes, apesar de a concentração de sua carteira ainda ser alta. Em março de 2011 os vinte maiores depositantes representavam altos 53,9% da captação. A Fitch observa que o Paraná tem como maior desafio reduzir a concentração e o alongamento da base da captação para melhorar o casamento entre ativos e passivos. Os recursos de cessões de crédito com coobrigação, realizadas somente uma vez no momento mais severo da crise ao final de 2008, não são considerados como fonte de captação primária, mas sim uma fonte de liquidez adicional em momentos de estresse. Os créditos cedidos com coobrigação somam somente BRL18,7mi, e devem ter participação declinante, já que novas cessões não são feitas desde então. Desta forma, o banco obteve sucesso em sua estratégia de substituir captação via FIDCs, cujo custo não era competitivo, por depósitos, utilizando timidamente seu limite de DPGE, o que o diferencia de seus pares no que tange a captação. Desde a crise de 2008 o Paraná melhorou bastante sua liquidez. Houve aumento da relação de Ativos Líquidos (basicamente títulos do governo brasileiro)/Total de Depósitos de baixos 11% em 2007 para 48,6% em 2010 e 43,5% em março de 2011. Neste sentido, como ele não baseia sua captação no uso de cessões, conta com amplo limite de crédito junto a outras instituições para explorar essas fontes em momentos de crise, diferentemente de alguns de seus pares menores. Paraná Banco S.A. 7 Agosto de 2011
  8. 8. Bancos Capital Após realizar IPO em 2007, o Paraná passou a contar com amplo espaço para aumentar sua alavancagem. O banco possui índice de capitalização elevado em relação ao pares. No 2T11, foram distribuídos BRL110mi de dividendos da JMPSR para o banco, que foi incorporado a base de capital do banco. Em junho de 2011, o Paraná e a Travelers Companies, Inc. acordaram investir na J.Malucelli Participações em Seguros e Resseguros (JMPSR), holding então 100% controlada pelo Paraná e detentora do conglomerado de seguros formado por três companhias. A Travelers subscreveu ações ordinárias representativas de 43,4% do capital da companhia, no valor de BRL657,1mi, o que segundo estimativas elevará o capital do Paraná para aproximadamente BRL1,04 bi. A agência deduziu o patrimônio da seguradora para o cálculo do núcleo de capital Fitch, que ficou em 20,0% em março de 2011. A Fitch considera o índice alto para o Paraná manter a expansão da carteira de crédito e adequação às normas prudenciais de alocação de capital adicional para operações acima de 36 meses a partir de julho de 2011 e da apropriação da receita ao longo do contrato a partir de 2012. Além disso, o Paraná só possui Nível I em sua base de capital regulatório, o que também é considerado positivo. A Fitch também espera que o banco mantenha uma proporção de pagamento de dividendos abaixo de 50% nos próximos anos, como tem feito desde 2007, reduzindo, desta forma, a velocidade do aumento de sua alavancagem. Indicadores de Capitalização (%) Paraná Média dos Pares* Mar./2011 2010 2009 2008 Mar./2011 2010 2009 2008 Núcleo de Capital/Ativos Ponderados pelo 20,01 20,9 26,36 41,9 15,88 16,08 19,36 22,51 Risco Índice de Capital Regulatório Nível 1 32,75 32,9 38,9 56,6 15,97 18,31 21,7 26,11 Provisões para Créditos/Créditos Duvidosos 84,07 83,33 77,64 69,6 72,51 74,52 85,21 90,73 Índice de Capital Regulatório 32,75 32,9 38,9 56,6 18,06 19,66 22,01 24,17 *Pares: Banco BMG S.A., Banco Cacique S.A., Banco Bonsucesso S.A., Banco Daycoval S.A., Banco Industrial do Brasil S.A., Banco Pine S.A. Fonte: FitchParaná Banco S.A. 8Agosto de 2011
  9. 9. BancosParana Banco S.A.Demonstração de Resultados 31 mar 2011 31 dez 2010 31 dez 2009 31 dez 2008 3 Meses 3 Meses % 12 Meses % 12 Meses % 12 Meses % USD mi BRL mi Ativos BRL mi Ativos BRL mi Ativos BRL mi Ativos Sem Ressalvas Sem Ressalvas Operacionais Sem Ressalvas Operacionais Sem Ressalvas Operacionais Sem Ressalvas Operacionais 1. Receita de Juros sobre Empréstimos 73,0 119,4 16,86 324,0 13,23 274,4 13,36 350,1 19,37 2. Outras Receitas de Juros -5,4 -8,8 -1,24 87,8 3,59 41,0 2,00 60,5 3,35 3. Receita de Dividendos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 4. Receita Bruta de Juros e Dividendos 67,6 110,6 15,62 411,8 16,82 315,4 15,36 410,6 22,72 5. Desp. de Juros sobre Depós. de Clientes 24,6 40,3 5,69 123,2 5,03 70,3 3,42 144,4 7,99 6. Outras Despesas de Intermediação Financeira 0,0 0,0 0,00 37,1 1,52 0,0 0,00 0,0 0,00 7. Despesa Total de Intermediação Financeira 24,6 40,3 5,69 160,3 6,55 70,3 3,42 144,4 7,99 8. Receita Financeira Líquida 43,0 70,3 9,93 251,5 10,27 245,1 11,93 266,2 14,73 9. Ganhos (Perdas) Líq. com Negoc. de Tít. e Derivativos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 10. Ganhos (Perdas) Líquidos com Outros Títulos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 11. Ganhos (Perdas) Líq. com Ativ. a Valor Justo(VJ) através da DRE 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 12. Resultado Líquido de Seguros 68,0 111,2 15,71 0,0 0,00 100,2 4,88 71,8 3,97 13. Rec. de Prestação de Serviços e Comissões Líquidas 1,4 2,3 0,32 4,5 0,18 4,5 0,22 7,7 0,43 14. Outras Receitas Operacionais -50,0 -81,7 -11,54 85,5 3,49 15,1 0,74 5,1 0,28 15. Total de Result. não Oriundos de Rec. de juros 19,4 31,8 4,49 90,0 3,68 119,8 5,83 84,6 4,68 16. Despesas de Pessoal 9,4 15,3 2,16 49,1 2,01 37,1 1,81 36,0 1,99 17. Outras Despesas Operacionais 16,8 27,4 3,87 106,4 4,35 129,6 6,31 173,5 9,60 18. Total de Despesas Administrativas 26,1 42,7 6,03 155,5 6,35 166,7 8,12 209,5 11,59 19. Lucro/Perda Valor Patrimonial - Operacional 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 20. Result. Oper. antes de Provisão para Créditos 36,3 59,4 8,39 186,0 7,60 198,2 9,65 141,3 7,82 21. Provisão para Créditos 5,3 8,6 1,21 30,6 1,25 53,2 2,59 30,9 1,71 22. Outras Provisões para Crédito 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 23. Lucro Operacional 31,1 50,8 7,18 155,4 6,35 145,0 7,06 110,4 6,11 24. Lucro/Perda Valor Patrimonial - Não Operacional 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 25. Receita Não-recorrente 0,1 0,2 0,03 0,5 0,02 1,2 0,06 0,0 0,00 26. Despesa Não-recorrente 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 16,4 0,80 8,6 0,48 27. Alteração no Valor Justo da Dívida Própria 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 28. Outras Receitas/Despesas Não-Operacionais 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 29. Lucro Antes dos Impostos 31,2 51,0 7,20 155,9 6,37 129,8 6,32 101,8 5,63 30. Impostos 10,7 17,5 2,47 38,5 1,57 25,5 1,24 17,7 0,98 31. Lucro/Perda com Operações Descontinuadas 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 32. Resultado Líquido 20,5 33,5 4,73 117,4 4,80 104,3 5,08 84,1 4,65 33. Variação de TVM Disponíveis para Venda (DPV) 0,0 0,0 0,00 -0,2 -0,01 0,0 0,00 -0,1 -0,01 34. Variação da Reavaliação dos Ativos Fixos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 35. Diferenças na Conversão de Moedas 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 36. Outros Ganhos e Perdas Reconhec. contra o Patrimônio 0,0 0,0 0,00 63,8 2,61 0,0 0,00 0,0 0,00 37. Resultado Abrangente Fitch 20,5 33,5 4,73 181,0 7,39 104,3 5,08 84,0 4,65 38. Memo: Participação de Não-controladores 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 39. Memo: Result. Líq. após Particip. de Não-controladores 20,5 33,5 4,73 117,4 4,80 104,3 5,08 84,1 4,65 40. Memo: Dividendos e JCP Pagos & Declar. no Período 3,8 6,2 0,88 46,1 1,88 47,9 2,33 41,4 2,29 41. Memo: Desp. de Juros sobre Ações Pref. Pagas e Declaradas 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00Taxa de Câmbio USD1 = BRL1.63520 USD1 = BRL1.68580 USD1 = BRL1.74040 USD1 = BRL2.33620 Paraná Banco S.A. 9 Agosto de 2011
  10. 10. Bancos Parana Banco S.A. Balanço Patrimonial 31 mar 2011 31 dez 2010 31 dez 2009 31 dez 2008 3 Meses 3 Meses % 12 Meses % 12 Meses % 12 Meses % USD mi BRL mi Ativo BRL mi Ativo BRL mi Ativo BRL mi Ativo Ativos A. CRÉDITOS 1. Crédito Imobiliário Residencial 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 2. Outros Créditos Imobiliários Residenciais 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 3. Outros Créditos ao Consumo/Varejo 900,9 1.473,2 43,69 1.365,4 44,42 1.175,5 41,60 988,2 42,53 4. Créditos Corporativos & Comerciais 93,4 152,7 4,53 186,5 6,07 121,6 4,30 122,3 5,26 5. Outros Créditos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 6. Menos: Provisões para Créditos 33,6 54,9 1,63 54,5 1,77 67,7 2,40 49,3 2,12 7. Total de Crédito Líquido 960,7 1.571,0 46,59 1.497,4 48,71 1.229,4 43,50 1.061,2 45,67 8. Memo: Créditos Brutos 994,3 1.625,9 48,22 1.551,9 50,49 1.297,1 45,90 1.110,5 47,79 9. Memo: Créditos Duvidosos Incluídos Acima 39,9 65,3 1,94 65,4 2,13 87,2 3,09 70,8 3,05 10. Memo: Créditos a Valor Justo Incluídos Acima 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 B. Outros Ativos Operacionais 1. Créditos e Adiantamentos a Bancos 5,3 8,6 0,26 7,3 0,24 3,9 0,14 14,4 0,62 2. Operações Compromissadas e em Garantia 6,1 10,0 0,30 46,6 1,52 46,8 1,66 78,2 3,37 3. Carteira de Títulos para Negociação 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 4. Derivativos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 5,1 0,22 5. Títulos Disponíveis para Venda 446,9 730,8 21,67 895,6 29,14 666,6 23,59 504,8 21,73 6. Títulos Mantidos até o Vencimento 155,9 255,0 7,56 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 7. Investimentos em Subsidiárias e Afiliadas 113,0 184,7 5,48 1,4 0,05 1,4 0,05 1,6 0,07 8. Outros Títulos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 9. Total da Carteira de TVM 721,9 1.180,5 35,01 943,6 30,70 714,8 25,29 589,7 25,38 10. Memo: Títulos Públicos incluídos Acima 330,8 540,9 16,04 517,3 16,83 662,2 23,43 332,7 14,32 11. Memo: Títulos Dados em Garantia 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 12. Investimentos em Imóveis 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 13. Ativos de Seguros 68,0 111,2 3,30 0,0 0,00 105,8 3,74 141,7 6,10 14. Outros Ativos Operacionais 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 15. Total de Ativos Operacionais 1.755,9 2.871,3 85,16 2.448,3 79,65 2.053,9 72,68 1.807,0 77,77 C. Ativos Não-Operacionais 1. Caixa/Disponibilidades 1,5 2,4 0,07 6,2 0,20 173,0 6,12 3,9 0,17 2. Memo: Reser. Mandatórias Incluídas Acima 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 3. Imóveis executados 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 4. Ativos Fixos 10,4 17,0 0,50 17,1 0,56 5,9 0,21 5,5 0,24 5. Ágio 54,3 88,8 2,63 91,3 2,97 59,5 2,11 64,1 2,76 6. Outros Intangíveis -16,5 -27,0 -0,80 -29,5 -0,96 -5,8 -0,21 -8,0 -0,34 7. Ativos Tributários Correntes 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 8. Créditos Tributários 11,0 18,0 0,53 32,9 1,07 16,5 0,58 16,3 0,70 9. Operações Descontinuadas 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 10. Outros Ativos 245,4 401,3 11,90 507,6 16,51 522,9 18,50 434,7 18,71 11. Total de Ativos 2.062,0 3.371,8 100,00 3.073,9 100,00 2.825,9 100,00 2.323,5 100,00 Passivos e Patrimônio D. Passivos com Encargo Financeiro 1. Depósitos de Clientes - À Vista 8,3 13,6 0,40 16,6 0,54 12,7 0,45 7,6 0,33 2. Depósitos de Clientes - Poupança 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 3. Depósitos de Clientes - A Prazo 764,0 1.249,3 37,05 1.068,0 34,74 847,0 29,97 696,4 29,97 4. Total de Depósitos de Clientes 772,3 1.262,9 37,45 1.084,6 35,28 859,7 30,42 704,0 30,30 5. Depósitos de Bancos 119,4 195,3 5,79 217,2 7,07 137,5 4,87 65,6 2,82 6. Operações Compromissadas em Garantia 0,0 0,0 0,00 46,3 1,51 2,8 0,10 5,6 0,24 7. Outros Dep. e Emprést. de Curto Prazo 37,2 60,9 1,81 59,8 1,95 2,8 0,10 19,3 0,83 8. Tot. Depós. e Captação de Curto Prazo 929,0 1.519,1 45,05 1.407,9 45,80 1.002,8 35,49 794,5 34,19 9. Empréstimos de Longo Prazo 99,6 162,8 4,83 166,5 5,42 235,4 8,33 84,4 3,63 10. Dívida Subordinada 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 11. Outras Captações 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 12. Total de Captações de Longo Prazo 99,6 162,8 4,83 166,5 5,42 235,4 8,33 84,4 3,63 13. Derivativos 8,1 13,3 0,39 7,0 0,23 0,0 0,00 0,0 0,00 14. Passivos de Negociação de Ativ. Financeiros 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 15. Total de Passivos com Encargo Financeiro 1.036,7 1.695,2 50,28 1.581,4 51,45 1.238,2 43,82 878,9 37,83 E. Passivos sem Encargo Financeiro 1. Parcela a Valor Justo da Dívida 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 2. Provisões para Créditos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 3. Provisão para Fundos de Pensão e Outros 234,7 383,8 11,38 367,5 11,96 642,0 22,72 70,7 3,04 4. Passivo Tributário Corrente 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 5. Impostos Diferidos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 6. Outros Passivos Diferidos 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 7. Operações Descontinuadas 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 8. Passivos de Seguros 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 9. Outros Passivos sem Encargo Financeiro 155,8 254,8 7,56 297,3 9,67 157,1 5,56 564,2 24,28 10. Total de Passivos 1.427,2 2.333,8 69,22 2.246,2 73,07 2.037,3 72,09 1.513,8 65,15 F. Capital Híbrido 1. Ações Prefer. Cumul. e Cap. Híbr. Contab. como Dívida 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 2. Ações Prefer. Cumul. e Cap. Híbr. Contab. como Patrimônio 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 G. Patrimônio 1. Capital/Reservas 635,2 1.038,6 30,80 764,1 24,86 788,7 27,91 809,8 34,85 2. Participação de Não-controladores 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 3. Reservas de Reavaliação para TVM -0,4 -0,6 -0,02 -0,3 -0,01 -0,1 0,00 -0,1 0,00 4. Reserva de Reavaliação em Moeda Estrangeira 0,0 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 0,0 0,00 5. Var. Reserv. de Reaval. e Outros Gan./Perd. contra Patrim. 0,0 0,0 0,00 63,9 2,08 0,0 0,00 0,0 0,00 6. Patrimônio Total 634,8 1.038,0 30,78 827,7 26,93 788,6 27,91 809,7 34,85 7. Total do Passivo + Patrimônio 2.062,0 3.371,8 100,00 3.073,9 100,00 2.825,9 100,00 2.323,5 100,00 8. Memo: Núcleo de Capital Fitch 306,8 501,7 14,88 511,6 16,64 534,3 18,91 596,3 25,66 9. Memo: Capital Elegível Fitch 306,8 501,7 14,88 511,6 16,64 534,3 18,91 596,3 25,66 Taxa de Câmbio USD1 = BRL1.63520 USD1 = BRL1.68580 USD1 = BRL1.74040 USD1 = BRL2.33620Paraná Banco S.A. 10Agosto de 2011
  11. 11. Bancos Parana Banco S.A. Resumo da Análise 31 mar 2011 31 dez 2010 31 dez 2009 31 dez 2008 3 Meses 12 Meses 12 Meses 12 Meses A. Índices de Intermediação Financeira 1. Rec. de Juros sobre Créd./Média de Créd. Bruta 30,06 22,74 22,80 30,17 2. Desp. de Juros sobre Dep. de Clientes*/Média de Dep. de Clientes 13,92 12,67 8,99 20,23 3. Rec. de Juros / Média de Ativos Operacionais 17,47 18,30 16,38 24,01 4. Desp. de Juros / Média de Passivos com Enc. Financeiros 9,98 11,38 6,67 16,71 5. Rec. Líq. de Interm. / Média de Ativos Oper. 11,10 11,18 12,73 15,56 6. Rec. Líq. de Interm. - Desp. de Prov. / Média de Ativos Oper. 9,74 9,82 9,96 13,76 7. Rec. Liq. de Interm. - Ações Preferenciais/Média de Ativos Oper. 11,10 11,18 12,73 15,56 B. Outros Índices de Rentabilidade Operacional 1. Receita Não-Financ. / Receita Bruta 31,15 26,35 32,83 24,12 2. Desp. Não-Financeira / Rec. Bruta 41,82 45,53 45,68 59,72 3. Desp. Não-Financeira/Média de Ativos 5,53 5,27 6,49 10,37 4. Result. Oper. Antes de Prov. para Créd. / Média do Patrimônio 28,64 23,02 24,80 18,15 5. Result. Oper. Antes de Prov. para Créd. /Média do Tot. Ativos 7,69 6,31 7,71 6,99 6. Desp. Prov. Para Créd. e Tít./Result Oper. Antes de Provisão 14,48 16,45 26,84 21,87 7. Result. Operacional / Média do Patrimônio 24,49 19,23 18,14 14,18 8. Result. Oper. / Média do Total de Ativos 6,58 5,27 5,64 5,46 9. Impostos / Lucro Antes de Impostos 34,31 24,70 19,65 17,39 10. Result. Oper. Antes de Prov. para Créd. / Ativo Ponderado Pelo Risco 9,23 7,60 9,78 9,93 11. Result. Operacional / Ativo Ponderado Pelo Risco 7,89 6,35 7,15 7,76 C. Outros Índices de Rentabilidade Operacional 1. Lucro Líq./Média do Patrimônio 16,15 14,53 13,05 10,80 2. Lucro Líq./Média do Total de Ativos 4,34 3,98 4,06 4,16 3. Result. Abrangente Fitch/ Média do Patrimônio 16,15 22,40 13,05 10,79 4. Result. Abrangente Fitch / Média do Total de Ativos 4,34 6,14 4,06 4,16 5. Lucro Líq./Média Total de Ativos + Média de Ativos Administrados 4,31 3,88 3,96 4,16 6. Lucro Líquido/Ativo Ponderado Pelo Risco 5,21 4,80 5,15 5,91 7. Result. Abrangente Fitch / Ativo Ponderado Pelo Risco 5,21 7,40 5,15 5,90 D. Capitalização 1. Núcleo de Capital/Ativos Ponderados pelo Risco 20,01 20,90 26,36 41,90 2. Capital Elegível Fitch/ Ativos Pond. pelo Risco 20,01 20,90 26,36 41,90 3. Patrim. Tangível/Ativos Tangíveis 25,36 25,43 26,51 33,24 4. Índice de Capital Regulatorio Nível 1 32,75 32,90 38,90 56,60 5. Índice de Capital Regulatório 32,75 32,90 38,90 56,60 6. Índice de Núcleo de Capital Regulatório Nivel 1 n.a. n.a. n.a. n.a. 7. Patrimônio/Total de Ativos 26,81 26,93 27,91 34,85 8. Dividendos Pag. e Declar. /Result. Líquido 18,51 39,27 45,93 49,23 9. Dividendos Pag. e Declar. /Result. Abrangente Fitch 18,51 25,47 45,93 49,29 10. Dividendos & Recompra de Ações / Result. Líquido 18,51 39,27 45,93 49,23 11. Result. Líq. de Dividendos/Patrimônio Total 12,95 8,61 7,15 5,27 E. Qualidade da Carteira de Crédito 1. Evolução do Total de Ativos 3,73 8,78 21,62 34,74 2. Evolução da Carteira de Créd. Bruta 4,77 19,64 16,80 -8,27 3. Créditos Duvidosos/Crédito Bruto 4,02 4,21 6,72 6,38 4. Provisões para Crédito/Crédito Bruto 3,38 3,51 5,22 4,44 5. Provisões para Créditos/Créditos Duvidosos 84,07 83,33 77,64 69,63 6. Créd. Duvid. - Prov. para Créd./Patrimônio 1,22 1,32 2,47 2,66 7. Despesas de Provisões para Crédito / Média de Crédito Bruto 2,20 2,15 4,42 2,66 8. Baixas Líquidas/Média de Crédito Bruto 2,07 3,31 2,93 1,73 9. Créd. Duvid. + Ativos Retomados/Créd. Bruto + Ativos Retomados 4,02 4,21 6,72 6,38 F. Captação 1. Empréstimos/Depósitos de Clientes 128,74 143,09 150,88 157,74 2. Ativos Interbancários/Passivos Interbancários 4,40 3,36 2,84 21,95 3. Depós. de Clientes/ Total Captações Excluindo Derivativos 75,09 68,89 69,43 80,10 (*) De acordo com o Cosif (Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional), do Banco Central do Brasil, o plano de contas brasileiro para bancos não permite a segregação apenas de “Despesas de Juros sobre Depósitos de Clientes”. Sendo assim, este indicador também inclui várias outras despesas de captação. Entretanto, esse índice é comparável para todos os bancos, podendo servir como um indicador relativo dos custos agregados da captação de um banco, no varejo e no atacado.Paraná Banco S.A. 11Agosto de 2011

×