Continuação da apresentação biologia

881 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
881
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
332
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Continuação da apresentação biologia

  1. 1. Continuação da apresentação anterior <br />
  2. 2. A cor da alga é dada por pigmentos especiais. Exemplos <br />Clorofila= possui cor verde<br />Ficoeritrina= possui cor vermelha <br />Fucoxantina= possui cor marrom <br />De acordo coma predominância de um certo tipo de pigmento nas suas células, as algas podem ter várias cores. ssim, as algas pluricelulares compreendem as clorofíceas, rodofíceas e feofíceas.<br />As clorofíceas (algas verdes) são predominantes aquáticas podendo viver em água doce ou salgado. Um exemplo é a alga marinha chamada de Ulva que é comestíveis conhecida como alface-do-mar.<br />As rodofíceas (algas vermelhas) possuem bastante ficoeritrina mas também tem clorofila. São vermelhas geralmente macroscópicas marinhas que vivem em água doce. Um exemplo comestível é a Porphyra<br />Cor, fator de classificação <br />
  3. 3. As feofíceas (algas pardas ou marrons) possuem bastante fucoxantina geralmente macroscópicas e marinhas. Algumas espécies podem medir até mesmo 50 metros de comprimento <br />A alga parda Laminaria é um exemplo de alga comestível.<br />
  4. 4. Reprodução assexuada<br />A reprodução assexuada se dá, principalmente, através de esporos. Outra forma de reprodução assexuada ocorre com pedaços destacados da alga, que brotam originando novas algas.<br />Reprodução sexuada<br />A reprodução sexuada é feita através dos gametas, que são trocados pelas algas.<br />Reprodução das algas <br />
  5. 5. alga verde do gênero Ulothrix<br />Assexuada <br />
  6. 6. alga verde do gênero Chlamydomonas<br />Sexuada <br />
  7. 7. Legenda:<br />1. Cloroplastos com clorofila B; amido como principal matéria alimentícia2. Zigotos a partir da oogônia, com plasmodesmos e tecido parenquimal.3. Embrião no desenvolvimento do zigoto e presença de cutícula.l4. Presença de estômatos5. Formação de traqueídeos; presença de lignina6. Presença de sementes; organização do eustelo; formação do câmbio vascular7. Estames com dois pares de sacos polínicos; anteras com endotécio; microgametófito com três núcleos; megagametófito com oito núcleos<br />
  8. 8. Briófitas <br />Atualmente as briófitas são separadas por 3 classes:<br />Classe Hepaticae<br />Hepatos do grego fígado <br />É constituída por cerca de 300 gêneros e 10.000 espécies.<br />atos do grego fígado <br />Classe Anthocerotae<br />Anthos (grego)-flor<br />É constituída por apenas 4 gêneros e 300 espécies. <br />Classe Musci<br />Muscus (latim)-musgo<br />É constituída por cerca de 700 gêneros e 14.000 espécies. <br />
  9. 9. Classe Hepaticae <br />Classe Anthocerotae<br />Classe Musci <br />
  10. 10. 1. Fragmentação<br />Desenvolvimento de fragmentos do talo em outro indivíduo.<br />2. Gemas (ou propágulos)<br />Estruturas especialmente diferenciadas, com forma definida, que darão origem a um novo indivíduo. As gemas são produzidas dentro de estruturas em forma de taça denominadas conceptáculos.<br />3. Aposporia<br />Desenvolvimento do esporófito em gametófito sem que ocorra meiose. Normalmente ocorre a partir de um fragmento da seta cuja regeneração origina um gametófito. Pode resultar na formação de organismos poliplóides.<br />4. Apogamia<br />Desenvolvimento do gametófito em esporófito sem que haja fecundação. Pode ocorrer não apenas a partir de gametas, mas também de filídios ou do próprio protonema.<br />Formas de reprodução das briófitas <br />

×