Fonologia 1º ano Ensino Médio

10.832 visualizações

Publicada em

Estudo dos fonemas

Publicada em: Educação
2 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.832
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
125
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
315
Comentários
2
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fonologia 1º ano Ensino Médio

  1. 1. ESTUDO DOS FONEMAS
  2. 2. • É o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Ao estudar a maneira como os fones (sons) se organizam dentro de uma língua, classifica-os em unidades capazes de distinguir significados, chamadas fonemas. FONOLOGIA
  3. 3. FONEMA Fonemas são as entidades capazes de estabelecer distinção entre as palavras. Exemplos: casa/capa, muro/mudo, dia/tia A troca de um único fonema determina o surgimento de outra palavra ou um som sem sentido. O fonema se manifesta no som produzido, sendo registrado pela letra e representado graficamente por ela. Atenção: Os fonemas são representados entre barras. Exemplos: /m/, /o/.
  4. 4. FONEMA E LETRA Às vezes, o mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra do alfabeto. É o caso do fonema /z/, que pode ser representado pelas letras z, s, x: Exemplos: zebra casamento exílio
  5. 5. FONEMA E LETRA Em alguns casos, a mesma letra pode representar mais de um fonema. A letra x, por exemplo, pode representar: o fonema sê: texto o fonema zê: exibir o fonema chê: enxame o grupo de sons ks: táxi
  6. 6. FONEMA E LETRA O número de letras nem sempre coincide com o número de fonemas. Exemplos: fonemas: /t/ó/k/s/i/c/o/ Tóxico 1 2 3 4 5 6 7 letras: t ó x i c o 12 34 5 6 fonemas: /g/a/l/h/o/ galho 1 2 3 4 5 letras: g a l h o 1 2 3 4 5
  7. 7. FONEMA E LETRA As letras m e n, em determinadas palavras, não representam fonemas. Observe os exemplos: compra conta Nessas palavras, m e n indicam a nasalização das vogais que as antecedem. Veja ainda: nave: o /n/ é um fonema; dança: o n não é um fonema; o fonema é /ã/, representado na escrita pelas letras a e n.
  8. 8. FONEMA E LETRA A letra h, ao iniciar uma palavra, não representa fonema. Exemplos: fonemas: / ho / j / e / hoje 1 2 3 letras: h o j e 1 2 3 4
  9. 9. CLASSIFICAÇÃO DOS FONEMAS Os fonemas da língua portuguesa são classificados em:
  10. 10. VOGAIS São os fonemas sonoros produzidos por uma corrente de ar que passa livremente pela boca. Em nossa língua, desempenham o papel de núcleo das sílabas. Isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal. Na produção de vogais, a boca fica aberta ou entreaberta.
  11. 11. As vogais podem ser: Orais: quando o ar sai apenas pela boca. Por Exemplo: /a/, /e/, /i/, /o/, /u/. Nasais: quando o ar sai pela boca e pelas fossas nasais. Por Exemplo: /ã/:fã, canto, tampa / /: dente, tempero / /: lindo, mim; /õ/: bonde, tombo / / nunca, algum
  12. 12. As vogais podem ser: Átonas: pronunciadas com menor intensidade. Por Exemplo: até, bola Tônicas: pronunciadas com maior intensidade. Por Exemplo: até, bola
  13. 13. SEMIVOGAIS Semivogais são fonemas que se apoiam em uma vogal para formar sílaba. Em síntese: a semivogal está sempre ao lado da vogal na mesma sílaba, formando ditongo ou tritongo. Na escrita, as semivogais são: e, i, o e u. Na pronúncia, as semivogais são: /y/ e /w/. a. Letra e = mãe (/mãy/), bem (/b y/), também (/tãb y/). b. Letra i = pai (/pay/), feito (/feytu/), peito (/peytu/). c. Letra o = nódoa (/nodwa/), mágoa (/magwa/). d. Letra u = pau (/paw/), mingau (/mgaw/).
  14. 14. CONSOANTES As consoantes são fonemas que não podem sozinhos formar sílabas, ou seja, eles são fonemas que não podem agir sozinhos, diferentemente das vogais, que podem formar sílabas. Exemplos: /b/, /t/, /d/, /v/, /l/, /m/, etc.
  15. 15. DÍGRAFOS
  16. 16. dígrafo É a união de duas letras representando um só fonema. Observe que no caso dos dígrafos não há correspondência direta entre o número de letras e o número de fonemas. Dígrafos que desempenham a função de consoantes: ch (chuva), lh (molho), nh (unha), rr (carro) e outros. Dígrafos que desempenham a função de vogais nasais: am (campo), en (bento), om (tombo) e outros.
  17. 17. ENCONTROS VOCÁLICOS E CONSONANTAIS
  18. 18. Encontros consonantais Quando existe uma sequência de duas ou mais consoantes em uma mesma palavra, denominamos essa sequência de encontro consonantal. O encontro pode ocorrer: - na mesma sílaba: cla-ri-da-de, fri-tu-ra, am-plo - em sílabas diferentes: af-ta, com-pul-só-rio
  19. 19. ENCONTROS VOCÁLICOS Há três tipos de encontros vocálicos: ditongo, hiato e tritongo. Ditongo: é a junção de uma vogal + uma semivogal (ditongo decrescente), ou vice-versa (ditongo crescente), na mesma sílaba. Ex.: noite (ditongo decrescente), quase (ditongo crescente). Hiato: é a junção de duas vogais pronunciadas separadamente, formando sílabas distintas. Ex.: saída, coelho Tritongo: é a junção de semivogal + vogal + semivogal, formando uma só sílaba. Ex.: Paraguai, arguiu. ATENÇÃO: Não se esqueça de que só as vogais /i/ e /u/ podem funcionar como semivogais. Quando semivogais, serão representadas por /y/ e /w/, respectivamente.

×