Ministrando cura e_libertação

3.575 visualizações

Publicada em

batalha

Publicada em: Marketing
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
291
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ministrando cura e_libertação

  1. 1. MINISTRANDO CURA & LIBERTAÇÃO Curso de Treinamento de Líderes – CTL
  2. 2. Ministrando Cura Divina Parte I
  3. 3. Removendo o Bloqueio Teológico e Mental 3 Conhecer a base da Palavra Acolher a Palavra com o coração Renovar a mente com a Palavra
  4. 4. 4 O Que é Cura Divina? Ação do poder de Deus pelo Espírito Santo para ministrar a Restauração da Saúde causando o fim de uma enfermidade. Pode ser um Processo ou pode ocorrer instantaneamente.
  5. 5. 5 A Raiz da Enfermidade Uma Ação Direta de Demônios Conseqüência do pecado Resultado de maldições Dessarranjo natural do metabolismo causado pelo meio ambiente, pela alimentação e pela velhice
  6. 6. A Base Bíblica No ministério de Jesus - Lc. 7:21 – Nesta hora ele curou muitas pessoas de suas enfermidades, aflições e espíritos malígnos... Através dos doze: • Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas. • Então, saindo, percorriam todas as aldeias, anunciando o evangelho e efetuando curas por toda parte. Lc. 9:1 e 6 6 Mateus menciona o Profeta Isaías: • Chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados; e ele meramente com a palavra expeliu os espíritos e curou todos os que estavam doentes; • para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías: Ele mesmo tomou as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças. Mt. 8:16, 17
  7. 7. 7 A Base bíblica A cruz é a prova de que Deus quer curar a todos. • Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. • Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Is. 53:4 e 5
  8. 8. 8 O Ministério de Curas de Jesus a. Jesus deu sua vida e ministério para cumprir as escrituras. O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; Is. 61:1
  9. 9. 9 O Ministério de Curas de Jesus b.Jesus curava porque as pessoas pediam para serem curadas. Eis que se chegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o, prostrou-se a seus pés e insistentemente lhe suplicou: Minha filhinha está à morte; vem, impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá. Mc. 5:22, 23
  10. 10. 10 O Ministério de Curas de Jesus c. Jesus curou porque sempre fazia o que Seu Pai ordenava que fizesse. e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara. Êx. 15:26
  11. 11. 11 O Ministério de Curas de Jesus d. Jesus deu o seu poder para curar os enfermos como prova Que Ele era o Messias. As escrituras não somente mostram que a cura está na cruz, mas também foi usada pelo Senhor Jesus para provar que ele era o Messias. Já era esperado que o Messias tivesse um ministério de curas. “Depois de ler as escrituras em voz alta, Jesus disse, “Hoje se cumpriu a Escritura que vocês acabaram de ouvir”. (Lucas 4:18-21)
  12. 12. 12 O Ministério de Curas de Jesus e. Jesus curou os enfermos para provar Sua autoridade para perdoar pecados. “Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse: “Homem, os seus pecados estão ‘perdoados... Que é mais fácil dizer: Os seus pecados estão perdoados, ou: Levante-se e ande? Mas, para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecado, disse ao paralítico: Eu lhe digo: Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa “. (Lucas 5:20-26)
  13. 13. 13 O Ministério de Curas de Jesus f.Jesus curou os enfermos como prova que o reino dos céus estava próximo, na terra, entre os homens. Jesus acreditava que dois reinos estavam em guerra na terra - o reino de Deus, e o reino de Satanás. Ele se refere a Satanás como o inimigo. Na parábola do trigo e do joio, Ele disse a respeito daquele que plantou o joio na campo: Um inimigo fez isso “. (Mateus 13:28) Ele considerava doenças como sendo obras de Satanás. Quando criticado por curar uma mulher aleijada no sábado, Ele disse: “Então, esta mulher, uma filha de Abraão a quem Satanás mantinha presa por dezoito longos anos, não deveria no dia de sábado ser libertada daquilo que a prendia?”. (Lucas 13: 16)
  14. 14. 14 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? a.Jesus é o nosso modelo • Jesus disse, “Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado...” (João 14:12) b. Deus usa os homens para liberar as bêncãos da Reconciliacão na Cruz. • - Deus usa homens para pregar salvação. • - Deus usa homens para ensinar santificação. • - Deus usa homens para exercitar dons espirituais para edificar a Igreja. • - Deus usa homens para trazer libertação de opressão demoníaca. • - Deus usa homens para quebrar maldições de pobreza e falta de esperança. - Deus muitas vezes usa homens para curar os enfermos.
  15. 15. 15 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? c. Deus usa homens para liberar a benção da cura. No Velho Testamento, a maioria das curas registrada aconteceu por causa de uma ação física de um profeta ou líder. Moisés orou pela cura da lepra de Miriã. (Números 12:13) Eliseu orou para que o filho da viúva ressuscitasse. (2 Reis 4: 18-37) Eliseu envia Naamã para se banhar no rio Jordão para cura. (2 Reis 5:1-19) Isaías ordena que preparem um emplastro de figos para a cura de Ezequias. (2 Reis 20:1-11)
  16. 16. 16 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? No Novo Testamento encontram-se numerosos registros de curas feitas pelo Senhor através do agir de homens. Os evangelhos estão repletos de casos de cura realizadas pelo Senhor, geralmente com o toque de Sua mão ou outra ação física. Como notamos anteriormente, o Senhor também enviou Seus discípulos para pregar e curar. Mateus 10; Marcos 6; Lucas 9; Lucas 10;
  17. 17. 17 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? Algumas curas de crentes depois da ascensão do Senhor são: Filipe curou muitos em Samaria. (Atos 8:5- 7) Ananias curou os olhos de Paulo. (Atos 9:10-18) Pedro curou o paralítico no templo (Atos 3:1-8) Pedro curou Enéias em Lida. (Atos 9:32-35) Pedro ressuscitou Dorcas dos mortos em Jope. (Atos 9:36- 42) Paulo ressuscitou Êutico dos mortos. (Atos 20:12) Milagres extraordinários foram realizados por Paulo em Éfeso. (Atos 19:11-12)
  18. 18. 18 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? Existem poucos momentos registrados em que Deus cura através de Seu próprio poder soberano sem usar um agente humano. Paulo escreve que os dons do Espírito Santo, incluindo os dons de curar (v 9), são dados aos homens para a edificação da igreja. (1 Coríntios 12:1-11). Estes dons foram dados aos homens porque Deus espera que eles os usem! Portanto, se as bênçãos que foram providas pela morte na cruz sofrida por Jesus são liberadas sobre os filhos de Deus e os não-crentes, aqueles que crêem em Jesus devem se envolver e ministrar aos enfermos!
  19. 19. 19 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? d. Ministrar aos enfermos é uma demonstração do amor de Deus O coração de Deus quer curar. “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar as boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor. ...Hoje se cumpriu a Escritura que vocês acabaram de ouvir.
  20. 20. Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? e. Curar os enfermos é uma demonstração do poder de Deus. Jesus tinha autoridade, dada a Ele pelo seu Pai, sobre enfermidades e doenças e opressões demoníacas. De fato, Ele tinha e tem autoridade sobre toda a terra. As escrituras confirmam isso de várias formas. Dois exemplos são: “Foi me dada toda a autoridade nos céus e na terra”. (Mateus 28:18) 20
  21. 21. Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? f. Curar os enfermos é uma ferramenta para o evangelismo. No ministério de Jesus, muitos vieram até Ele, para ouvi-lo pregar e ensinar, por causa das curas. “Algum tempo depois, Jesus partiu para a outra margem do mar da Galiléia (ou seja, do mar de Tiberíades), e grande multidão continuava a segui-lo, porque viram os sinais miraculosos que ele tinha realizado nos doentes”. (João 6:1-2) 21
  22. 22. 22 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? f. Curar os enfermos é uma ferramenta para o evangelismo. Jesus disse que as pessoas deveriam crer Nele por causa dos sinais e maravilhas que acompanhavam Seu ministério. “ Se eu não realizo as obras do meu Pai, não creiam em mim. Mas se as realizo, mesmo que não creiam em mim, creiam nas obras, para que possam saber e entender que o Pai está em mim, e eu no Pai”. (João 10: 37-38)
  23. 23. 23 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? f. Curar os enfermos é uma ferramenta para o evangelismo. O efeito de curas num ministério evangelístico também achamos em Atos, depois que Jesus ascendeu. Em Atos 3 nós lemos do homem aleijado curado por Pedro na porta do templo chamada Formosa. “Apegando-se o mendigo a Pedro e João, todo o povo ficou maravilhado e correu até eles, ao lugar chamado Pórtico de Salomão”. (At 3:11)
  24. 24. Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? f. Curar os enfermos é uma ferramenta para o evangelismo. Atos 9:35 , nós lemos o resultado da cura de Enéias em Lida, que estava acamado fazia oito anos e estava paralítico. Todos os que viviam em Lida e Sarona o viram e se converteram ao Senhor. Em Jope, Pedro ressuscitou Dorcas dos mortos. “Este fato se tomou conhecido em toda a cidade de Jope, e muitos creram no Senhor”. (Atos 9:42) 24
  25. 25. 25 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? f. Curar os enfermos é uma ferramenta para o evangelismo. Depois de pregar sem sucesso para os intelectuais em Atenas, Paulo veio até Coríntios onde plantou uma igreja de importância vital. Ele escreveu aos Coríntios mais tarde: “Minha mensagem e minha pregação não consistiram de palavras persuasivas de sabedoria, mas consistiram de demonstração do poder do Espírito, para que a fé que vocês têm não sabe baseasse na sabedoria humana, mas no poder de Deus”. (I Coríntios 2:1-5)
  26. 26. 26 Por Que Devemos Orar Pelos Enfermos? g. Orar pelos enfermos é uma comissão do Senhor. Jesus ordenou a seus discípulos para fazerem as mesmas coisas que Ele fez: 1. pregar que o reino dos céus está próximo 2. provar a verdade de suas pregações curando os enfermos. “Reunindo os Doze, Jesus deu-lhes poder e autoridade para expulsar todos os demônios e curar doenças, e os envoiu a pregar o Reino de Deus e a curar os enfermos. ...Então, eles saíram e foram pelos povoados, pregando o evangelho e fazendo curas por toda parte”. (Lucas 9: 1-2,6)
  27. 27. 27 Alguns Cuidados a. Nunca Ministrar Sem a Direção do Espírito Santo. “Nem todo aquele que diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres ? Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, Que praticam o mal!”. (Mateus 7:21-23)
  28. 28. 28 Alguns Cuidados b. Nunca receber o mérito pelas curas. “Israelitas, por que isto os surpreende? Por que vocês estão olhando para nos, como se tivéssemos feito este homem andar por nosso próprio poder ou piedade? ... a fé que vem por meio dele (Jesus) lhe deu saúde perfeita, como todos podem ver”. (At 3: 1-16)
  29. 29. 29 Alguns Cuidados c. Nós não deveríamos ser desencorajados pelo fato de que nem todos aqueles a quem ministramos são curados.” Paulo escreveu a Timóteo: “...mas deixei Trófimo doente em Mileto. “ (2 Timóteo 4:20) Certamente Paulo e outros tinham orado por Trófimo, mas ele não fora curado.
  30. 30. 30 Alguns Cuidados d. Jamais ministrar sem amor e compaixão. • Coríntios 13 Paulo deixa claro que o elemento mais importante em qualquer ministério, incluindo o ministério de cura, é o amor. Curar pode parecer uma atividade de compaixão na sua essência, mas pode ser praticada com várias motivações diferentes. O crente que se envolve em qualquer ministério deveria orar por habilidade de receber o amor de Deus, e se tomar um canal do amor de Deus para aqueles a quem ele ministrar.
  31. 31. 31 SUA PREPARAÇÃO Você deve ser um canal limpo para Deus usar! • Deus aceita qualquer pessoa, mas não usa qualquer pessoa. • O principal critério para ser usado por Deus é cultivar uma vida cheia do Espírito Santo e de Fé. a. Ore bastante em línguas, antes e durante o tempo de ministração. b. Reserve um tempo para Perdão c. Elimine o Pecado não confessado. d. Exercite Amor e compaixão. e. Entenda a soberania de Deus no processo da Cura. f. Exercite a sua Fé para cura. g. Não existe regras rígidas
  32. 32. 32 Modelo De Cinco Passos Para a Cura Existem diferentes maneiras de orar pelos doentes. O seguinte modelo de cinco passos não é a única maneira. Se você já encontrou outra que funciona de forma efetiva para você, use-a em seu próprio ministério pessoal.
  33. 33. 33 Modelo De Cinco Passos Para a Cura Os cinco passos são: 1. Entrevista inicial – Criando um ambiente propício para cura .
  34. 34. 34 Modelo De Cinco Passos Para a Cura Os cinco passos são: 2. Diagnóstico – Identificando a causa, a raiz do problema.
  35. 35. 35 Modelo De Cinco Passos Para a Cura Os cinco passos são: 3. A escolha da Ministração - decidindo a forma apropriada de ministrar a. Ordens: b. Petições:
  36. 36. Modelo De Cinco Passos Para a Cura Antes de orar pela cura em si: 1. Facilite no processo de levar a pessoa enferma a Perdoar caso haja mágua e ressentimentos. 2. Arrependimento da própria conduta errada, e pedir perdão por isso. 3. Uma atitude receptiva – é hora de receber. 36
  37. 37. Modelo De Cinco Passos Para a Cura 4. Ministração . a. Peça que o Espírito Santo venha. b. Espere Nele por um ou dois minutos. c. Agradeça a Deus por aquilo que Ele fizer. d. Lide com as causas e não com as conseqüências 37
  38. 38. 38 Modelo De Cinco Passos Para a Cura 5. Orientações pós-ministração 1. Pare de orar quando: A pessoa estiver completamente curada. A pessoa quiser que você pare. Ela pode estar cansada ou simplesmente sentir que você deve parar . O Espírito Santo te disser que é hora de parar . Quando você não receber nenhuma outra direção para orar ou se sentir que não estivá ganhando território.
  39. 39. 39 Modelo De Cinco Passos Para a Cura 5. Orientações pós-ministração 2. Depois de orar, considere as seguintes sugestões : Encoraje a pessoa para caminhar com o Senhor. Compartilhar um versículo das escrituras. Se ela não for curada, ou não for completamente curada, não acuse-a de falta de fé para cura, ou de pecado em sua vida. Encoraje a pessoa para receber oração de outros se houver pouca ou nenhuma evidência de cura, ou se a sua cura não foi completa. Encoraje-a para voltar para receber mais oração depois da próxima reunião. Ame! Ame! Ame !
  40. 40. Ministrando Libertação Parte II
  41. 41. 41 Ministrando Libertação 1. O que é libertação? • “Libertação” é libertar uma pessoa da opressão de um espírito demoníaco. • Os demônios são espíritos malignos sem corpos, sob a autoridade de satanás, que procuram atormentar as pessoas e, se possível, entrar nelas. Eles ficam inquietos se não puderem entrar num ser humano. “Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não encontra. Por isso, diz: Voltarei para minha casa donde saí. E, tendo voltado, a encontra vazia, varrida e ornamentada. Então, vai e leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e o último estado daquele homem torna-se pior do que o primeiro. Assim também acontecerá a esta geração perversa.” (Mt. 12: 43-45)
  42. 42. 42 Ministrando Libertação 1. O que é libertação? • Um espírito demoníaco, quando lhe é dada uma oportunidade, atormenta ou manipula o anfitrião de várias maneiras. Para a igreja, uma compreensão sobre espíritos demoníacos e libertação é de extrema importância, por causa do efeito que tais espíritos podem ter sobre os crentes, na unidade da igreja, e no evangelismo.
  43. 43. 43 Ministrando Libertação 1. Terminologia • “Influências malígnas”, é a promoção de confusão, brigas, contendas, divisão por demônios a partir de brechas que lhes são dadas; • “Opressão” é quando o mesmo espaço físico é compartilhado com demônios; • “Possessão” implica ser dono e ter completo controle. Como o crente foi comprado pelo Senhor Jesus Cristo, não pode ser possuído por satanás ou por seu emissores. Porém, muitos crentes não se entregaram completamente a Jesus, e um espírito mau pode afligir ou oprimí-los nas áreas que não foram entregues a Jesus.
  44. 44. Ministrando Libertação O efeito da opressão demoníaca • Um demônio pode atormentar o anfitrião com problemas tais como insônias, pânicos, acusações generalizadas de invalidez ou culpa, dor, doenças, depressão, comportamento irritante, e coisas semelhantes. • Às vezes, pode fazer com que anfitrião tenha desejos, aparentemente indesejados e incontroláveis, de pecar numa maneira particular. 44
  45. 45. 45 Ministrando Libertação Veja Atos 5:3 onde Pedro pergunta a Ananias, um crente: “Porque você deixou satanás dominar o seu coração? Porque mentiu ao Espirito Santo...?" E Lucas relata um evento na Última Ceia: “Então Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, um dos Doze. Judas dirigiu-se aos chefes dos sacerdotes e aos oficiais da guarda do templo e tratou com eles como lhes poderia entregar Jesus. “ (Lucas 22: 3-4)
  46. 46. 46 Ministrando Libertação Um demônio pode forçar o anfitrião repetidamente aos pecados e hábitos que ele resiste e do qual deseja ser liberto, sendo esta uma das maiores causas das pessoas ficarem descontentes com a vida cristã e se desviarem. Depois de cometer um pecado em particular repetidamente em ciclos, arrependendo-se, sendo perdoado, resistindo, pecando novamente, arrependendo-se, sendo perdoado, resistindo, e pecando de novo, uma pessoa pode ficar encorajada e deixar a igreja, ou ela talvez viva uma vida de desespero dentro da igreja, não se dando conta que pode ser liberta de tal opressão.
  47. 47. 47 Ministrando Libertação Espíritos demoníacos podem causar doenças, e às vezes impedem ou previnem cura de feridas e doenças. Jesus expulsou os espíritos de surdez, mudez e epilepsia, entre outros. . . Espíritos demoníacos podem carregar um peso de opressão espiritual e emocional que . dificulta percepção espiritual e que, em casos severos, pode causar depressão. O remédio para opressão demoníaca é a libertação.
  48. 48. 48 Ministrando Libertação Libertação era parte do ministério de Jesus. Ao anoitecer, depois do pôr-do-sol, o povo levou a Jesus todos os doentes e os endemoninhados. Toda a cidade (Cafarnaum) se reuniu à porta da casa, e Jesus curou muitos que sofriam de várias doenças. Também expulsou muitos demônios,. ... (Marcos 1:32-24) Então ele percorreu toda a Galiléia, pregando nas sinagogas e expulsando os demônios. (Marcos 1:39)
  49. 49. 49 Ministrando Libertação Libertação também fazia parte das tarefas dadas por Jesus aos 12 e aos 70 que ele enviou. Em Mateus 10, falando aos doze, Jesus disse: “Por onde forem, preguem esta mensagem: O Reino dos céus está próximo. Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça, dêem também de graça". (Mateus 10:7-8)
  50. 50. 50 Ministrando Libertação Em Lucas 10, falando sobre os setenta, Lucas relata: Os setenta e dois voltaram alegres e disseram: "Senhor, até os demônios se submetem a nós, em teu nome". (Lucas 10: 17). Libertação faz parte da grande comissão designada agora a todos os que crêem: E disse-lhes: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios;... (Marcos 16: 15-17)
  51. 51. 51 Ministrando Libertação Ocasiões para ministrar libertação: Em Eventos Ponte; Durante o Louvor e Adoração Em Atendimento Particular Quando Ministrando a Enfermos
  52. 52. 52 Ministrando Libertação Diferenciando manifestações demoníacas de manifestações do Espírito Santo. Algumas dicas são: - Se a pessoa está ferindo a si mesma ou a outros, mordendo, arranhando, etc., é indicação de uma manifestação demoníaca. - A aparência física da pessoa recebendo oração pode indicar uma presença demoníaca. Estes sinais incluem contorções corporais, contorções faciais, mudança da voz repentina ou de forma estranha, a pessoa se recusa a olhar no olho, os olhos rodam pra trás deixando somente a parte branca aparecendo, gritos, conduta ou comportamento hostil.
  53. 53. 53 Ministrando Libertação Outras dicas que sugerem uma presença demoníaca são: Dores de cabeça repentina Náusea Ações violentas repentinas - Ações destrutivas, como chutar ou quebrar móveis - Assoviar, vaiar - Movimentos tentando arranhar ou rasgar algo - Linguagem obscena fora do comum
  54. 54. 54 Ministrando Libertação Sua preparação pessoal. 1. Sobretudo, este ministério devia ser de amor. 2. A chave para a libertação é o exercício da autoridade que existe no nome de Jesus. 3. Limitações de uma ministração de libertação. É inútil expulsar um demônio: Contra a vontade da pessoa oprimida; Se a pessoa não está disposta a mudar de estilo de vida que causa a opressão; Contrário a um acordo que a pessoa fez com Satanás, a não ser que ela renuncie o acordo especificamente e audivelmente.
  55. 55. 55 Ministrando Libertação O ministrador deve ter em mente que um demônio não pode oprimir uma pessoa a não ser que alguma forma de acesso tenha sido aberta para isso, como falta de perdão, ódio, abuso, pecado, sexo ilícito, doença, trauma, ou outro tipo de circunstância. Nós chamamos estes tipos de caminhos de acesso de “portas abertas”. O objetivo do ministério de libertação é duplo: Expulsar ou mandar embora qualquer demônio; e Fechar toda porta de legalidade a espírito malignos e capacita-lo a manter sua liberdade.
  56. 56. 56 Ministrando Libertação Quando começar a ministrar: Pedir ao Espírito Santo que esteja presente e te ajude, antes de começar a ministrar. Lembre-se que a pessoa recebendo oração provavelmente é uma pessoa ferida. Geralmente é mais efetivo trabalhar numa equipe de dois ou três, com uma pessoa tomando a liderança e os outros apoiando-a com oração, discernimento, fazendo anotações, etc. A precaução sobre mais de uma pessoa tocar àquela recebendo oração não se aplica durante os períodos de oração para cura de feridas interiores.
  57. 57. 57 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Introdução Em alguns cenários, alguns destes passos podem ser omitidos. Por exemplo, onde o ministro sabe que a pessoa recebendo oração é crente e realmente quer ser liberta, os passos 4 e 5 seriam omitidos. Se existe uma manifestação durante a ministração, o passo 2 e provavelmente o passo 3 seriam omitidos.
  58. 58. 58 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 05 Passos preparatórios 1. Dê prioridade ao indivíduo. A pessoa precisa se sentir amada e aceita. Enfatize para a pessoa que Jesus pode libertá-la. Não enfatize o poder do demônio; 2. Se um espírito estiver se manifestando, ordene que se cale e se submeta a você em nome de Jesus.
  59. 59. 59 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Passos preparatórios 3. Estabelecendo, e mantendo, comunicação com a pessoa recebendo ministração. Você deve ser capaz de falar com a pessoa recebendo ministração. 4. Pergunte para a pessoa do que ela quer ser liberta e tente ter certeza de que ela realmente quer ser liberta. Se a pessoa indicar que não quer ministração, atenha-se a decisão dela. 5. Tenha certeza que a pessoa já aceitou Jesus como seu Senhor e Salvador.
  60. 60. 60 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 05 Passos da ministração Agora os passos da libertação em si: passos 6 a 10. Continue nestes passos somente se sentir que a pessoa realmente quer ser liberta, ou se já for crente.
  61. 61. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação • Passos da ministração 6. Entreviste a pessoa para descobrir o evento ou eventos ou a situação relacionada que a levou a esta cadeia ou cadeias. “O propósito da entrevista é de expor as áreas onde perdão é necessário onde cura é necessária e onde arrependimento e quebra de cadeias é necessária. Estas áreas são portas abertas. Para explicação de como fechar estas portas, ver Passo 7.” 61
  62. 62. 62 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Passos da ministração Procure achar as “portas abertas”; Tente achar as causas. Comece com possíveis causas da cadeia em particular que a pessoa quer ser liberta. comece com o seu relacionamento com o seu pai e com sua mãe, e depois continue com outros relacionamentos e depois para outras áreas. Comece com possíveis causas da cadeia em particular que a pessoa quer ser liberta.
  63. 63. 63 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Passos da ministração Nas áreas de relacionamento, procure encontrar os lugares onde a pessoa tenha sido ferida por outros, e por maneiras que a própria pessoa tenha pecado ou recebido espíritos através de emoções que não são de Deus. ressentimento, raiva, medo, desespero, rejeição, auto-piedade e similares, pactos internos com relação a sua conduta no futuro, que a estejam mantendo presa.
  64. 64. 64 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Passos da ministração A pessoa precisa se arrepender disso, ser perdoada, os pactos serem quebrados, e as portas fechadas. Depois de lidar com relacionamentos com pessoas significativas na vida da pessoa, a ministração pode continuar em outras áreas como ocultismo, sexo fora do casamento, pecado persistente em alguma área, uma enfermidade longa, drogas, e similares;
  65. 65. 65 Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Passos da ministração  Consideramos como maldição dificuldade constante num aspecto de sua vida, como: 1. A incapacidade de manter um emprego; 2. A predisposição para acidentes; 3. Ser estéril; 4. Sentir-se sem valor; 5. Doenças repetidas; 6. Maldições podem vir ainda de práticas ocultas assim como rituais Satânicos ou pactos com Satanás, ser membro ou ter algum membro da família na maçonaria ou outra religiões falsas, palavras faladas por alguém de autoridade sobre ela ou por si mesma.
  66. 66. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Algumas dicas sobre entrevistar: • Quanto mais minucioso o processo de entrevista, e quanto mais detalhado a oração de perdão e arrependimento, melhor. - É mais provável refrescar a memória da pessoa perguntando a ela sobre suas feridas do que sobre a necessidade de perdão. É mais fácil receber alguma resposta significativa do que se você perguntar ; 66
  67. 67. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Algumas dicas sobre entrevistar: • Se existem vários espíritos, ajuda se um membro da equipe faz uma lista deles durante o processo de entrevista, assim a pessoa pode renunciar cada um deles pelo nome. • Não se preocupe. É melhor ter duas sessões do que uma sessão apressada. • Não tente atiçar os demônios, ou intimidá-los, ou atormentá-los, ou fazer com que digam seu nome. Estas ações podem machucar a pessoa e não te ajudar. Exceto para manter os demônios calados, ignore-os até que são renunciados e você os expulse. 67
  68. 68. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Algumas dicas sobre entrevistar: • Em alguns casos, a pessoa sendo ajudada não consegue se lembrar de algo que você considera importante. Por exemplo, ela pode ser incapaz de lembrar qualquer coisa sobre sua,vida entre as idades de 8 a 14. O Espírito Santo geralmente irá trazer a memória os itens significativos (neste caso, a razão da barreira em sua memória). 68
  69. 69. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 7. Guie a pessoa a "fechar" estas "portas" para a entrada de espíritos. • "Guiar", neste caso, geralmente significa fazer com que a pessoa repita algumas frases com você. Depois de algumas repetições, ela provavelmente pode dar os passos sozinha. a. Perdão àquele que causou danos ou o levou a uma conduta errada b. Arrependendo-se de cada pecado envolvido na situação, especificamente, pedindo o perdão de Deus por eles. 69
  70. 70. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação c. Renunciando o espírito envolvido. em nome de Jesus. • A renúncia deveria ser audível e firme. d. Quebrando a prisão causada pelo pecado, conduta, atitude, espírito, pacto, maldição em nome de Jesus. 70
  71. 71. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 8. Expulse o espírito imundo ou ( geralmente) espíritos em nome de Jesus. Simplesmente expulse-os. Não é necessário que você os mande a algum lugar. Se as portas estiverem efetivamente fechadas, os espíritos irão sair rapidamente e em silêncio. 71
  72. 72. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação Quando você achar que terminou o passo 8 ... • Peça que o Espírito Santo mostre a você ou a uma das três ou quatro pessoas. (você, um intercessor, a própria pessoa recebendo ministração, e qualquer amigo, esposo ou um dos pais que estiver presente) se existem espíritos adicionais para serem expostos e expulsos. • Espere alguns momentos para ver se o Espírito Santo mostra alguma coisa a alguém. Se Ele mostrar, pergunte à pessoa, gentilmente, se existe uma necessidade na área em que o Espírito Santo te mostrou. 72
  73. 73. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 9. Peça que a pessoa louve e agradeça a Jesus pela sua libertação. Se a pessoa não consegue agradecer a Jesus, ou se existir uma manifestação demoníaca : nessa hora, é um sinal que existem mais portas que precisam ser fechadas, e mais espíritos para serem expulsos. 73
  74. 74. Ministrando Libertação 10 passos para Libertação 10. Peça que a pessoa ore para que o Espírito Santo a preencha para que todos os lugares anteriormente ocupados pelos espíritos malignos sejam preenchidos. Se a pessoa não consegue fazer esta oração, ou se existirem manifestações demoníacas quando ela orar, isso também é um sinal que existem mais portas para serem fechadas, e mais espíritos para serem expulsos. 74
  75. 75. 75 Ministrando Libertação Libertação Parcial a. Tratando somente de uma ou duas áreas. • Às vezes, o tempo não permite uma limpeza completa, em casos onde você talvez trate somente das áreas que são indicadas por manifestações, ou que são indicadas pela pessoa. Nestes casos, a pessoa deveria ser avisada de que uma libertação mais completa seria algo a considerar.
  76. 76. 76 Ministrando Libertação Libertação Parcial b. Quando orando pelos enfermos. Freqüentemente uma pessoa doente tem um espírito de aflição, um espírito de dor, um espírito de enfermidade ou tensão, e similares. Estes espíritos podem geralmente ser expelidos com uma palavra. Se alguém estiver orando orações curtas com entrevistas freqüentes, ele poderá ver estes espíritos serem expulsos efetivamente com uma palavra.
  77. 77. 77 Ministrando Libertação Libertação Parcial c. O uso de um Roteiro de confissão e arrependimento. • Pode reduzir grandemente o tempo gasto entrevistando; • O roteiro pode ser tão minucioso quanto for desejado. • O roteiro deveria ser respondido pela pessoa e as respostas dadas a pessoa que ministrar antes da sessão de libertação, para que o ministro possa considerar a forma de ministração que ele deseja usar, e se precisa descobrir informações adicionais.
  78. 78. 78 Ministrando Libertação Ministração pós-libertação As correntes podem ter sido quebradas, mas ela pode precisar de cura de suas emoções, cura de relacionamentos, descanso, sugestões para continuar livre das prisões no futuro, aconselhamento, ou outro tipo de ajuda. Esta ajuda deveria sempre incluir oração. Avisar a pessoa que libertação não é algo permanente a menos que ela faça decisões para preservá-la. Ajude-a com sugestões para continuar liberta.
  79. 79. 79 Ministrando Libertação Ministração pós-libertação Encoraje a pessoa a executar regularmente as práticas normais de uma vida espiritual saudável: tempo de oração; leitura da Bíblia diariamente; envolvimento na Igreja; participação na célula. procurar seu líder e compartilhar o que aconteceu.
  80. 80. 80 Ministrando Libertação Roteiro de confissão e arrependimento • O principal elemento para uma vida livre do pecado é o genuíno arrependimento. É preciso sentir uma dor profunda pelo pecado, por causa das suas conseqüências para nós mesmos e porque magoa profundamente o coração de Deus. • O arrependimento é diferente de remorso. Quando sentimos remorso apenas lamentamos o pecado e voltamos a pecar novamente. O verdadeiro arrependimento produz genuína libertação.
  81. 81. 81 Ministrando Libertação Roteiro de confissão e arrependimento Procedimento Peça a Deus que revele a você a realidade do pecado diante dele. Renuncie a cada um dos pecados que você cometeu. Nós praticamos o pecado um a um e por isso precisamos reconhecê-lo e confessá-lo um a um. Arrepende-se do seu pecado. Proponha-se a fazer a restituição se for o caso. Disponha-se a pedir perdão se for o caso. Creia no poder do sangue de Jesus. Declare que seus pecados já foram destruídos. Rejeite toda acusação do inimigo.
  82. 82. Ministrando Libertação Relação de pecados a serem confessados 82 Aborto Covardia Abuso Crueldade Fumo Acusação Furto Advinhação Depressão Ganância Adultério Desalento Glutonaria Desânimo Grosseira Amargura Descontrole Hipocrisia Ambição Descuidado Homossexualismo Angústia Desejo de matar Idolatria Ansiedade Desejo de morrer Imoralidade Aproveitar das Pessoas Desobediência aos pais Impaciência
  83. 83. Ministrando Libertação Relação de pecados a serem confessados Arrogância Desonestidade Impositivo Aspereza Imprudência Assassinato Destruição Impureza Auto-rejeição Dissimulação Incesto Autoritarismo Dominação Inclemência Auto-suficiência Drogas Avareza Dureza do coração Inconstante Bestialidade Egoísmo Incredulidade Brigas Embriaguês Indecência Brutalidade Engano Indecoroso Causa de Escândalo Indiferença Caluniador Escárnio Infedelidade Exaltado Injuriador 83
  84. 84. Ministrando Libertação Relação de pecados a serem confessados Ciúme Criador de Facções Injustiça Cleptomania Falsidade Insegurança Cobiça Sem misericórdia Insensatês Cólera Feitiçaria Insensibilidade Comodismo Atitude Ferina Insolência Compulsividade Fingimento Intelectualismo Confusão Fraudulento Intempestivo Insubmissão Intolerância Inveja Negligente Murmuração Ira Religiosidade Atitude Irreconciliável Obssessivo Resmungão Irresponsável Ocultismo Ressentimento irreverência Ódio Retenção de dízimo Irritadiço Oportunismo Retenção de ofertas 84
  85. 85. Ministrando Libertação Relação de pecados a serem confessados Irresponsável Ocultismo Ressentimento irreverência Ódio Retenção de dízimo Irritação Oportunismo Retenção de ofertas Isolamento Atitude Opressiva Riso incontrolável Histeria Orgulho Roubo e furto Jactância Pacto satânico Sadismo Jogos de azar Parcialidade Sado-Masoquismo Ladrão Pensamentos impuros Sedução Lascívia Palavrões Sedução com poder Lesbianismo Pesadelos Falta de respeito Leviandade Pornografia Sexo anormal Loterias Preguiça Sexo lícito (Fornicação) Pressa excessiva Simpatias 85
  86. 86. 86 Ministrando Libertação Mantendo a Sua Liberdade É importante entender que permanecer livre de prisões satânicas não é algo automático. Isso requer vigilância e um comprometimento da sua parte. Aqui estão algumas coisas que você pode fazer para manter sua liberdade: 1. Conscientemente permita que Jesus seja Senhor (a quem você obedece!) em todas as áreas de sua vida. 2. Mantenha uma rotina para uma vida espiritual saudável. - Tenha um tempo silencioso diariamente. Manter um diário. - Leia sua Bíblia diariamente. - Se possível, envolva-se numa comunidade Cristã. - Esteja constantemente deixando-se encher pelo Espírito Santo. (Efésios 5: 18)
  87. 87. 87 Ministrando Libertação Mantendo a Sua Liberdade 3. Assuma a responsabilidade pela sua vida difícil. - Não espere que outros lutem as suas batalhas por você. - Não seja passivo. - Não volte aos velhos padrões que te causaram problemas anteriormente. 4. Viva em perdão, e faça disso o seu estilo de viva. - Lembre-se, perdoar é uma decisão que você faz, não um sentimento. - Perdoar rapidamente é importante. Não importa o quão ferido você se sinta. - Você talvez tenha que perdoar alguém várias vezes pela mesma coisa ou por coisas diferentes.
  88. 88. 88 Ministrando Libertação Mantendo a Sua Liberdade 5. Se você deve algo a alguém, esteja disposto a restituir. - Se você roubou de alguém, pague-o. - Se você deveria desculpar-se a alguém, faça-o. (É melhor fazer isso pessoalmente). - Se você precisa pedir perdão, peça! 6. Mude o seu estilo de vida, se você precisar. - Se a TV for um problema, pare de assistir. - Se um amigo estiver tentando te atrair para o pecado, pare de passar tempo com ele (ela). - Conscientemente mude maus hábitos que você possa ter. Fofoca; criticar; comer em excesso; ler literatura que não edifica; mentir; ...(Você pode completar a sua lista).
  89. 89. 89 Ministrando Libertação Mantendo a Sua Liberdade 7. Aprenda como combater a tentação. - Cante músicas de louvor, lendo Salmos. - Ore fervorosamente em línguas. - Tome autoridade sobre espíritos que estiverem importunando e mande-os embora. Em nome de Jesus. - Quando você se sentir vulnerável, peça que outros orem por você. 8. Se você cair, arrependa-se rapidamente e feche a porta novamente.
  90. 90. 90 Ministrando Libertação Mantendo a Sua Liberdade 9. Faça guerra contra o inimigo. “Se você sentir que está tento um problema novamente, ou está sendo atacado ou tentado, você pode fazer uma libertação consigo mesmo. Olhe para a porta que pode ter te guiado ao problema; feche-a (perdoe, arrependa-se, peça por perdão, renuncie firmemente a ação ou atitude ou espírito envolvido); quebre firmemente o poder de . qualquer espírito envolvido, em nome de Jesus; expulse ou mande embora qualquer espírito envolvido em nome de Jesus. “
  91. 91. Ministrando Libertação Algumas coisas que você poderia considerar para orar, como parte da sessão de ministração: Agradeça a Deus por ter libertado a pessoa por quem você orou, e ore . pelo seu caminhar continuo em arrependimento e em perdão; que ela terá sucesso em parar de praticar hábitos errados do passado; que aprenderá a permanecer liberto. 91
  92. 92. 92 Ministrando Libertação Considere manter contato com a pessoa, para ver como ela está e para oferecer oração e encorajamento. Considere dar à pessoa uma lista de sugestões por escrito sobre como manter a sua liberdade.
  93. 93. Ministrando Libertação Intercessor - Mantenha sua própria defesa: Cultive uma santa reverência a Deus ao exercer libertação. Ore em línguas. Caminhe em constante perdão. Como um estilo de vida! Caminhe em amor, paz e alegria! Sempre preste constas a Deus. Mantenha sempre prestando contas a seu esposo/esposa, líder, discipulador. 93
  94. 94. 94 Ministrando Libertação Considere cada ataque de Satanás como uma oportunidade de demonstrar o grande poder de Deus!  Veja Tiago 1:2 (Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações.) Descanse em Deus.  Tiago 1:5 (Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida.) Peça que Ele te mostre como reagir ao ataque.  Salmo 18:1,2,48.(Eu te amo, ó SENHOR, força minha. O SENHOR é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador; o meu Deus, o meu rochedo em que me refugio; o meu escudo, a força da minha salvação, o meu baluarte. o Deus que me livrou dos meus inimigos; sim, tu que me exaltaste acima dos meus adversários e me livraste do homem violento.) Peça que Ele derrote Satanás por você. Ele é a sua força e libertador!

×