Poema Apontamento de Álvaro de Campos

14.320 visualizações

Publicada em

Análise do poema "Apontamento" de Álvaro de Campos

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poema Apontamento de Álvaro de Campos

  1. 1. Poema: “ApontAmento” de Álvaro de Campos
  2. 2. Índice Poema; Características estilísticas; Motivos temáticos; Sensações Representadas;Valor expressivo dA perguntA “o que erA um vAso vAzio?”; Expressividade da oposição estAbelecidA entre os “cAcos” e “um cAco”; O resultado da queda da alma.
  3. 3. Apontam ento A minha alma partiu-se como um vaso Não se zanguem com ela. vazio. São tolerantes com ela.Caiu pela escada excessivamente abaixo. O que eu era um vaso vazio? Caiu das mãos da criada descuidada. Caiu, fez-se em mais pedaços do que Olham os cacos absurdamente conscientes. havia loiça no vaso. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles. Asneira? Impossível? Sei lá! Olham e sorriem. Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu. Sorriem tolerantes à criada involuntária.Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir. Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas. Um caco brilha, virado do exterior lustroso,Fiz barulho na queda como um vaso que entre os astros. se partia. A minha obra? A minha alma principal? A Os deuses que há debruçam-se do minha vida? parapeito da escada. Um caco.E fitam os cacos que a criada deles fez de E os deuses olham-no, especialmente, pois mim. não sabem porque ficou ali.
  4. 4. Características estilísticas Verso longo e livre Irregularidade estrófica e métrica Pontuação emotiva Ausência da rima Riqueza estilística:*Comparação e Metáfora :” A minha alma partiu-se como um vaso vazio.”;*Anáfora: “Caiu pela escada excessivamente abaixo.Caiu das mãos da criada descuidada.Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.”*Metáfora: “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.”*Interrogação Retórica: “Asneira? Impossível? Sei lá! “
  5. 5. Motivos temáticos Fase abúlica e intimista*Sentimentos de frustração e desilusão: “Caiu pela escada excessivamente abaixo” / ; “Caiu das mãos da criada descuidada”;*Tom pessimista: “ Fiz barulho na queda como um vaso que se partia”/ ; “ E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.”;*Fragmentação do “eu”: “ Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso”/ ; “Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir”/; *Domínio do pensar e da consciência: “absurdamente conscientes. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.” *Sensação de estar perdido: “Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu”/; “ O que eu era um vaso vazio?”*Perda da unidade e identidade: “E fitam os cacos que a criada deles fez de mim”/; “Sou um espalhamento de cacos…” *Dúvida: “Asneira?, Impossível? Sei lá!”
  6. 6. Motivos temáticos Não se zanguem com ela. A minha alma partiu-se como um vaso vazio. São tolerantes com ela.Caiu pela escada excessivamente abaixo. O que eu era um vaso vazio? Caiu das mãos da criada descuidada. Caiu, fez-se em mais pedaços do que Olham os cacos absurdamente conscientes. havia loiça no vaso. Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles. Asneira? Impossível? Sei lá! Olham e sorriem. Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu. Sorriem tolerantes à criada involuntária.Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir. Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas.Fiz barulho na queda como um vaso que Um caco brilha, virado do exterior lustroso, se partia. entre os astros. A minha obra? A minha alma principal? A Os deuses que há debruçam-se do minha vida? parapeito da escada. Um caco.E fitam os cacos que a criada deles fez de mim. E os deuses olham-no, especialmente, pois não sabem porque ficou ali.
  7. 7. Sensações representadasSensação Auditiva: “Fiz barulho na queda”Sensação Táctil: “Caiu das mãos da criada”Sensações Visuais: “um vaso vazio” ;“caiu pela escada”; “Caiudas mãos da criada”; “espalhamento de cacos sobre um capachopor sacudir” e “ um caco que brilha virado do exterior lustroso”.
  8. 8. vAlor expressivo dA perguntA “o que eu erA um vAso vAzio?” “ O que eu era um vaso vazio?” - esta pergunta intensifica a dúvida, incerteza e desilusão do sujeito poético, já que só depoisde o vaso ter caído pelas escadas é que ele interroga-se quanto ao vazio da sua alma (vaso), vendo, assim, que existe uma enormepossibilidade de que a sua alma já estivesse vazia, antes sequer de esta ter caído pelas escadas, pois o seu estado de tristeza é tão intenso que o leva a duvidar de si próprio e da essência do seu ser, sendo que, quando o vaso já está partido, ele tem como que uma confirmação do estado da sua alma ( fruto do seu estado deespírito nesse instante), apesar de o núcleo da dúvida permanecer lá.
  9. 9. Expressividade da oposiçãoestAbelecidA entre os “cAcos” e “ um cAco”Cacos:*Fragmentação da alma: “Sou um espalhamento de cacos sobre umcapacho por sacudir.”*Sente-se sem existência: “Olham os cacos absurdamenteconscientes./Mas conscientes de si-mesmos, não conscientes deles.”Um Caco:*Um caco sobressai: “Um caco brilha, virado do exterior lustroso,entre os astros.”*Interrogação Retórica: “A minha obra? A minha alma principal? Aminha vida?”“Um caco.”
  10. 10. O resultado da queda da almaDepois da queda da alma, o sujeito poético sente-se inútil, sem valor, como se nunca mais pudesse restaurar a sua alma ( pelo menos nesse momento), não se sente ele mesmo, estranhando-se a si próprio (fragmentação do“eu”), tal é o seu estado emocional; ele também sente que a sua alma está excessivamente danificada devido a esta queda, sendo que ele utiliza o “barulho” da queda comomais uma forma de demonstrar a destruição da sua própria alma.

×