Noção Esquerda/Direita - Ensino Infantil

661 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
661
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Noção Esquerda/Direita - Ensino Infantil

  1. 1. 1 2 Trabalhando a noção de direita/esquerda: o mapa corporal como instrumento de alfabetização cartográfica Acsa Mendes Instituto de Ensino Superior do Amapá - IESAP acsamendes@bol.com.br Luã Rodrigues Brazão Instituto de Ensino Superior do Amapá - IESAP luabrazao@hotmail.com Olavo Fagundes da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amapá - IFAP Instituto de Ensino Superior do Amapá - IESAP Grupo de Pesquisas Percepções do Amapá olavofagundes@ig.com.br Resumo: Este trabalho procurou discutir e avaliar a prática mapa corporal como instrumento auxiliarnoaprendizadodanoçãodedireitaeesquerdanoprocessodealfabetizaçãocartográ- fica. Foram aplicados dois formulários de avaliação simplificados, contendo comandos para serem executados objetivando mensurar o número de discentes que dominava a noção de direita e esquerda em duas turmas do primeiro ano das séries iniciais. Os instrumentos foram aplicados em dois momentos, o primeiro para controlar o nível de aprendizado antes dos exercícios de lateralidade e da aplicação da prática mapa corporal, e no segundo momento para mensurar o aprendizado após sua aplicação. A pesquisa ocorreu entre os dias 04 de outubro e 09 de novembro de 2010 nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental Josafá Ayres e Antônio Barbosa, ambas localizadas em bairros periféricos da cidade de Macapá. Os resultados indicaram que os exercícios de lateralidade e da prática de confecção do mapa corporal são instrumentos que podem auxiliar de forma eficaz no processo de alfabetização cartográfica,melhorandoodesempenhogeraldasturmaspesquisadaselevandoosdiscentes a um envolvimento maior no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Séries iniciais. Aprendizado. Práticas educativas. Geografia. Introdução O processo de alfabetização é traduzido na vida do discente iniciante de forma bastante complexa e abrangente. Esse processo envolve os conhecimentos adquiridos no contexto escolar, mas também aqueles oriundos do seu contexto familiar e social imediato. Na atualidade, também se deve considerar que as tecnologias disponíveis, embora possam não estar presentes na vida de todos, acabam influenciando o processo de ensino e apren- dizagem dos discentes das séries iniciais. Desta forma, esses discentes estão envolvidos num processo de ensino e aprendizagem que transcende a sala de aula e até seu contexto familiar e social imediato, abarcando conhecimentos de realidades distantes, através das informações provenientes dos diversos meios de comunicação. De um modo geral o sistema de ensino brasileiro na atualidade minimizou o ensino das ciências humanas, dentre as quais a Geografia, em seu detrimento e a favor de uma suposta revolução educacional cuja base seria a chamada educação profissionalizante, como bem coloca a professora Maria Encanação Spósito (2004, p.302). Acontece que essa tendência no Brasil se mostra claramente contrária ao que vem sendo adotado mundialmen- te, e é de se constatar que a base para uma educação de qualidade, passa necessariamente pela percepção e conhecimento da realidade social, dos conflitos e de toda a dinâmica que envolve os pares dialéticos inseridos dentro dos contextos social e ambiental. A percepção e estudo desses fenômenos são função e finalidade das ciências humanas. O processo ensino-aprendizagem nas séries iniciais apresenta peculiaridades relativas aos “períodos” de desenvolvimento intelectual de cada faixa etária. Em sua obra, Piaget (1964) afirma que esses períodos refletem a capacidade da criança de compreender e se relacionar com sua realidade imediata, traduzindo assim, o seu consequente nível de desenvolvimento intelectual. Confrontando esses indicativos do renomado estudioso da psicologia infantil com a realidade das salas de aula do sistema de ensino brasileiro, reitera- se a ideia de que as crianças do primeiro ano (antigo terceiro período) estariam inseridas na faixa etária de desenvolvimento pré-operatório quando as práticas educativas exercem grande importância para o desenvolvimento do seu intelecto. Considerando essas observações iniciais com base nos estudos de Piaget sobre a psicologia infantil, uma questão que ainda é central e precisa ser discutida e respondida em relação ao processo de ensino-aprendizagem no primeiro ano das séries iniciais no Brasil diz respeito a real eficácia dos métodos adotados para prover a troca de conhecimentos. A busca por métodos que procurem aliar os conteúdos às práticas deve ser uma alternativa sempre presente no processo de ensino e aprendizagem na Geografia. O tratamento peda- gógico dos conteúdos pode ser o caminho mais curto e prazeroso para levar os discentes a relacionar os conteúdos imprescindíveis na disciplina e a percepção do meio em que vive (SILVA, 2004, p.320). Entre os dois e os sete ou oito anos de idade o período de desenvolvimento inte- lectual corresponde àquele em que Vygotsky (2002) considera que “as crianças respondem às ações representadas graficamente antes de conseguirem responder à representação de um objeto, mas que tomam plena consciência do objeto antes da ação”. De igual forma, os estudos de Piaget (2003) reiteram a importância do aprendizado com base nos elementos que evocam a inteligência sensoriomotora:
  2. 2. 3 4 Aos dois anos, começa um segundo período que dura até os sete ou oito anos e cuja aparição é assinalada pela formação da função simbólica e semiótica, esta permite representar ob- jetos ou acontecimentos não perceptíveis evocando-los por meio de símbolos ou signos diferenciados: o jogo simbólico, a imitação diferenciada, a imagem mental, o desenho, etc e, sobretudo a linguagem. Desta maneira a função simbólica permite à inteligência senso- riomotora prolongar-se no pensamento, mas há circunstâncias que retardam a formação de operações propriamente ditas, de tal modo que durante todo este segundo período o pensamento inteligente segue sendo pré-operatório. (PIAGET, 2003) É considerando esse período de desenvolvimento intelectual, onde a ação, a prá- tica se sobressai no aprendizado da criança que Borges (2002) salienta que a base para relação ensino-aprendizado no infante de até 11 anos é o espaço topológico. O espaço topológico é aquele que compreende as relações de vizinhança, dentro e fora, perto e longe e todas as demais que estão no nível do concreto, do palpável ou do visível. Sobre esse comportamento que privilegia o aprendizado a partir da percepção, das relações de distâncias e posições relativas e também da construção ou reconstrução dos objetos Piaget destaca que: Conhecer um objeto, conhecer um acontecimento não é simplesmente olhar e fazer uma cópia mental, ou imagem, do mesmo. Para conhecer um objeto é necessário agir sobre ele. Conhecer é modificar, transformar o objeto, e compreender o processo dessa transformação e, conseqüentemente, compreender o modo como o objeto é construído. (PIAGET, 1964) Esse trabalho foi realizado considerando o período de desenvolvimento inte- lectual dos discentes do primeiro ano e a função da inteligência sensoriomotora para o processo ensino-aprendizagem. Utilizando instrumentos de avaliação simplificados se procurou mensurar e demonstrar a importância da prática mapa corporal no processo ensino-aprendizado relacionado às noções de direita e esquerda, imprescindíveis para a alfabetização cartográfica. Objetivos • Mensurar o nível de aprendizado dos discentes antes da aplicação das práticas sugeridas; • Mensurar o impacto de aprendizado entre os discentes após a aplicação das práticas sugeridas; • Avaliar a eficácia da prática mapa corporal para a melhoria da qualidade do aprendizado da noção de direita e esquerda no primeiro ano das séries iniciais do ensino fundamental. • Contribuir com a melhoria do processo de ensino e aprendizado através da inclusão de uma metodologia alternativa de ensino. Metodologia A pesquisa foi realizada entre os dias 04 de outubro e 09 de novembro de 2010 nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental Josafá Ayres e Antônio Barbosa, ambas localizadas em bairros periféricos da cidade de Macapá. Para avaliar o nível geral de domínio da noção de direita e esquerda foram aplica- dos dois formulários simplificados de avaliação. Esses formulários continham comandos que foram solicitados a serem executados pelos alunos por um pesquisador orientador de forma lúdica incentivando a participação dos discentes. A execução desses exercícios objetivou mensurar o número de discentes que dominava a noção de direita e esquerda nas turmas do primeiro ano das séries iniciais pesquisadas. O processo de mensuração do número de discentes que dominavam ou não a noção de direita e esquerda foi realizado por uma equipe de quatro pesquisadores auxiliares durante a execução dos comandos solicitados pelo orientador. Os instrumentos foram aplicados em dois momentos, o primeiro para controlar o nível de aprendizado antes dos exercícios de lateralidade e da aplicação da prática mapa corporal, e no segundo momento para mensurar o aprendizado após sua aplicação. Procedimentos de execução dos comandos para avaliação do nível de domínio da noção de direita e esquerda na EMEF Josafá Ayres. O trabalho iniciou da seguinte forma: um dos pesquisadores do grupo ficou orientando a turma de como seria executado a atividade na sala de aula, concomitante a professora Nívea Mendes da Silva, responsável pela turma, intervia para possibilitar o entrosamento e cooperação dos discentes. Figura 1: Discentes da EMEF Josafá Ayres durante a execução dos comandos para avaliar o domínio da noção de direita e esquerda. Fonte: Acsa Mendes.
  3. 3. 5 6 A princípio, com a orientação dos professores/pesquisadores quase a totalidade das crianças envolveu-se na prática. Entretanto, algumas crianças não levantaram a mão, ou ficavam em dúvidas e se retraiam, visto que durante o primeiro momento de avaliação ainda não dominavam a noção de esquerda e direita. Depois de avaliadas as noções de direita e esquerda as crianças foram incentivadas a formarem duplas. Nessas duplas as crianças eram dispostas uma em frente à outra para o exercício de espelhamento. Figura 2: Discentes da educação infantil brincando e exercitando o espelhamento (foto alterada digitalmente). Fonte: Olavo Fagundes. Esse exercício consistiu no toque declamado e alternado entre a mão esquerda e direita de ambos os participantes, assim a crianças foram levadas a perceber que quando de frente para a outra, a sua mão direita correspondia à esquerda do coleguinha e a esquerda do coleguinha a sua direita. Ao ser constatado que alguns alunos ainda se confundiam, a prática foi repetida e através do diálogo foi-se explicando este processo. Posteriormente foi solicitado que os alunos abrissem espaço para a execução da prática do mapa corporal. Essa prática consistiu no desenho e legendamento do corpo de um dos discentes pelos demais. Voluntariamente uma das crianças foi solicitada a servir de modelo, em seguida, os colegas fizeram o contorno da forma corporal e pintaram os deta- lhes como roupas e acessórios bem como as vestimentas. No último momento as crianças fizeram a representação das cores correspondentes das partes do corpo e das vestimentas em quadrículas identificadas com o respectivo nome. Figura 3: Discentes da EMEF Josafá Ayres na atividade de pintura para legendamento do mapa corporal. Fonte: Acsa Mendes. Resultados e discussão O ensino das noções de lateralidade utilizando o mapa corporal e os exercícios de espelhamento preliminares mostram-se bastante eficazes para as turmas das duas escolas onde as práticas foram aplicadas. Depois da primeira etapa da prática quase o total da turma levantou a mão corretamente compreendendo a noção de direita e esquerda. Entre os resultados apresentados (Gráfico 1) pode-se inferir que embora a noção de direita/esquerda estivesse bem consolidada nas turmas das escolas pesquisadas, a aplicação dos exercícios práticos auxiliou a melhorar o nível de aprendizado das turmas. Na turma da Escola EMEF Antonio Barbosa, 14 dos 22 alunos já tinham relativo domínio da noção de direita/esquerda, entretanto com a prática esse número subiu para 19, indicando um aumento de aprendizado proporcional de aproximadamente 35%.
  4. 4. 7 8 Gráfico 1: nível de aprendizado das turmas pesquisadas antes e após a aplicação dos exercícios de lateralidade e da prática mapa corporal. As linhas de tendência para as turmas estudadas apresentam indicativo de redução das deficiências no aprendizado e a introjeção dos conhecimentos por um maior número de discentes após a aplicação das práticas de ensino. A disposição dessas linhas leva a ideia de que se mais turmas tivessem sido estudadas o aumento nos números de alunos que introjetariam os conhecimentos provavelmente se repetiria com a aplicação das práticas nessas turmas. Nas duas turmas pesquisadas, todos os discentes participaram voluntariamente e foi gratificante e principalmente divertido em desenhar os colegas e perceber o resultado do mapa corporal. O comportamento geral dos discentes confirma o fato de que os exer- cícios para avaliar o domínio da noção de direita e esquerda somados à atividade prática de confecção do mapa corporal tornaram-se positivos para os grupos, pois conseguiram envolvê-los de forma lúdica e prazerosa. Considerações finais O processo de ensino e aprendizagem na rede pública municipal de Macapá ainda esbarra num sistema pedagógico institucionalizado que privilegia os conteúdos em detri- mento do aprendizado efetivo. No caso da aplicação da prática proposta, essa constatação se tornou perceptível dado ao fato de que para viabilizá-la foi necessário abrir uma lacuna no programa das turmas, uma vez que não se tinha espaço para aulas voltadas para as prá- ticas enquanto recursos didáticos inerentes ao processo de ensino e aprendizagem regular. O caráter de inovação atribuído pelas professoras responsáveis das turmas pes- quisadas à realização das práticas realizadas durante a pesquisa evidencia que o projeto político-pedagógico das escolas, no geral, não as comporta ou não as estimula. Em con- sequência disso, é razoável afirmar que os educadores não tem o hábito de inovar sua metodologia de ensino. Tempo e recursos materiais são elementos da prática pedagógica do cotidiano que parecem ainda estar distante das realidades pesquisadas. Essas circunstâncias para a execução e confecção de materiais alternativos ao derrame rotineiro de conteúdos causa estranheza e até dispersão entre os discentes, habituados ao consagrado modelo onde o quadro e o giz, ou pincel, são quase sempre os únicos recursos didáticos disponíveis. A educação bancária e militar ainda pôde ser claramente identificada tanto nos derrames de conteúdo no quadro quanto no enfileiramento permanente das cadeiras. Essa, talvez seja a maneira encontrada pela grande maioria dos professores da rede pública de ensino em Macapá, para manter o controle de suas ações pedagógicas diante da deficiência dos projetos político-pedagógicos. Esse fato ainda é agravado pela ausência de condições técnicas e estruturais adequadas, claramente visíveis nas escolas pesquisadas. Experiências práticas como as executadas durante esta pesquisa devem ser incen- tivadas, pois possibilitam uma formação que alia conteúdo, prática e vivências. Ademais suscitam um repensar dos aspectos pedagógicos do contexto educacional, e principalmente, como praticas simples e conhecimentos utilizados em nosso dia a dia, podem ser eficazes para contribuir como mediadores e facilitadores dos conhecimentos dos educandos, que passam a aprender e trocar conhecimentos de maneira lúdica e prazerosa. REFERÊNCIAS BORGES Carloman Carlos A topologia: considerações teóricas em implicações para o ensino da matemática. Caderno de Física da UEFS, 03 (02): 15-35, 2005. PIAGET Jean.Desenvolvimento e aprendizagem texto traduzido por Paulo Francisco Slomp do original incluído no livro de: LAVATTELLY, C. S. e STENDLER, F. Reading in child behavior and development. New York: Hartcourt Brace Janovich, 1972.Que, por sua vez, é a reimpressão das páginas 7-19 de: RIPPLE R. e ROCKCASTLE, V. Piaget redisco- vered. Cornell University, 1964
  5. 5. 9 PIAGET Jean. Psicología y pedagogia. 2003 - books. google.com. Disponível em: http:// www.elenamerayo.com/bib/Piaget,%20Jean%20%20Psicologia%20y%20pedagogia.pdf. Acesso em 05/10/2010. SILVA Jorge Luiz Barcellos da. O que está acontecendo com o ensino da Geografia? – Pri- meiras impressões. In: PONTUSCHKA, Nídia Nacib e OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (organizadores), Geografia em perspectiva, 2a ed.- São Paulo: Contexto, 2004. SPÓSITO Maria Encarnação. As diferentes propostas curriculares e o livro didático. In: PONTUSCHKA, Nídia Nacib e OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (organizadores), Ge- ografia em perspectiva, 2a ed.- São Paulo: Contexto, 2004. VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e linguagem. Edição eletrônica: Ed Ridendo Castigat Mores (1 of 112). 2002. Disponível em: www.jahr.org/ file:///C|/site/livros_gratis/ pensamento_linguagem.htm. Acesso em 20/10/2010.

×