Artefatos em ultrassonografia

5.984 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.984
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
326
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
112
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artefatos em ultrassonografia

  1. 1.  Ultrassom é definido como a onda mecânica com vibração de frequência superior a 20kHz, inaudível para os humanos.  No exame ultrassonográfico utilizamos frequências de 2 a 18 MHz.
  2. 2.  As ondas de ultrassom são geradas por cristais piezoelétricos localizados no interior do transdutor, que possuem a característica de contrair-se e expandir-se ao receber um estímulo elétrico, causando a formação de ondas ultrassônicas; portanto, é capaz de transformar a energia elétrica em mecânica.  O oposto também é verdade, ou seja, ao receber um estímulo mecânico sua contração gera uma diferença de potencial elétrico em sua superfície, formando um sinal elétrico que é lido pelo aparelho. Desse modo, o mesmo transdutor é capaz de emitir e receber os sinais
  3. 3.  Como toda onda mecânica, o ultrassom necessita de um meio físico para se propagar. Ao longo de seu caminho, ao entrar em contato com a superfície entre dois meios de impedâncias acústicas distintas, a onda é refletida e retorna ao transdutor.
  4. 4.  Impedância acústica é a resistência do tecido ao movimento das partículas causado pelo ultrassom e é igual ao produto da densidade pela velocidade de propagação do ultrassom no meio; sendo assim, cada meio possuirá sua própria impedância. A intensidade do brilho no monitor é proporcional à intensidade do eco, sendo que este depende da diferença entre as impedâncias de dois meios. Quanto maior o eco, mais branca aparecerá a imagem.
  5. 5.  A ultrassonografia, portanto, é o resultado da leitura dos ecos gerados pelas reflexões do ultrassom nos diversos meios ao longo de seu caminho.  A localização de cada ponto corresponde à localização anatômica da estrutura que gerou o eco: a direção em que ela se encontra é a do feixe de ultrassom gerado pelo transdutor e sua profundidade é calculada por meio do tempo decorrido entre a emissão do pulso e a leitura de seu eco.
  6. 6.  A energia do ultrassom é modificada constantemente ao longo de seu trajeto.  Chamados de atenuação a diminuição da intensidade do utrassom por vários mecanismos, como absorção, dispersão, reflexão e divergência do feixe.  A absorção é o mecanismo mais importante e trata-se da transferência de energia do ultrassom para o tecido (resultando na produção de calor); é maior quanto maior for a frequência da onda.
  7. 7.  Quando uma estrutura absorve mais intensidade do que o tecido circunjacente, a porção distal da imagem aparece mais escura (porque sobrou menos intensidade para a formação de ecos), fenômeno chamado sombra acústica.  Se absorve menos do que os outros tecidos, ocorre o efeito inverso chamado de reforço acústico.  A resolução da imagem é diretamente proporcional à frequência; desse modo, altas frequências geram imagens com alta definição. No entanto, ao aumentarmos a frequência também aumentamos a atenuação do ultrassom pelos tecidos, ou seja, o campo de visibilização fica limitado a alguns centímetros de profundidade.
  8. 8.  Amplificação: os ecos que retornam de estruturas profundas não têm a mesma força que aqueles que chegam de tecidos vizinhos à superfície; eles devem, portando, ser amplificados na ultrassonografia pelo amplificador de compensação ganho-tempo (TGC). Em todos os aparelhos é possível variar o grau de amplificação para compensar a atenuação do ultrassom e melhorar a qualidade da imagem final.
  9. 9.  Erros na apresentação da imagem › Problemas no equipamento › Interação do som com os tecidos › Técnica utilizada •O som propaga-se em linha reta; •Os ecos que retornam ao aparelho são de esestruturas localizadas somente no eixo do transdutor. •A distancia é proporcional ao tempo de emissão e recepção do som; •A intensidade do eco está diretamente realcionada à força de reflexão da estrutura.
  10. 10.  Interação do som com os tecidos › 1. Resolução axial e lateral › 2. Interferência › 3. Espessura do feixe › 4. Reflexão  Reverberação  Trajetória múltipla  Imagem em espelho › 5. Refração › 6. Lobos laterais › 7. Atenuação  Sombra  Reforço
  11. 11.  Resolução axial e lateral: › A resolução axial é sempre melhor que a lateral. › Lateral depende da espessura do feixe. Melhor na zona focal.
  12. 12.  Interferência › A textura homogênea nas zonas próximas ao transdutor é irreal. › A textura na zona focal é a mais próxima da verdadeira.
  13. 13.  Espessura do feixe › Pode simular acúmulo de resíduo › Mudar a posição do transdutor › É suprimido pela diminuição do ganho › Acompanha o bordo da estrutura líquida › Não se altera com a mudança de dcúbito
  14. 14.  Reflexão › A amplitude da reflexão depende da intensidade do feixe incidente e da diferença de impedância acústica entre os dois meios que formam a interface. › Reverberação:
  15. 15.  Reflexão › Reverberação  Cauda de cometa: reverbera onde existe grande diferença de impedancia acústica.  Distais a estrutura cuja reflexão é intensa (tecido-alca, diafragma-pulmão, obj metálicos, colelitíase, colesterolose)
  16. 16.  Reflexão › Trajetória múltipla  Interface especular curva.  Como o tempo gasto é maior, os ecos podem ser registrados em profundidade irreal.
  17. 17.  Reflexão › Imagem em espelho  Em superficies grandes, , onde o feixe incide obliquamente (diafragma e pulmao adjacente)
  18. 18.  Refração › Mudança de direção do feixe ao atravessar uma interface entre dois meios, cujas velocidades são diferentes. › Ex: reto abdominais e gordura da linha média, fantasma ou imagem dupla.
  19. 19.  Sombra posterior: a áreas líquidas ou imagens esféricas.  Reflexão e refração
  20. 20.  Lobos laterais
  21. 21.  Atenuação

×