Definir um objetivo (1 de 2)

250 visualizações

Publicada em

Seja qual for a área da tua vida (trabalho, lazer, projeto de vida, etc…), assim que identificas que a tarefa a realizares é minimamente complexa, ou que o objectivo a longo prazo requer muita da tua energia, é necessário passar pela fase de clarificação do objetivo.
http://blog.oliviercorreia.com/definir-um-objetivo-12/

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
250
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Definir um objetivo (1 de 2)

  1. 1. Definir Um Objetivo (1/2)
  2. 2. • Seja qual for a área da tua vida (trabalho, lazer, projeto de vida, etc...), assim que identificas que a tarefa a realizares é minimamente complexa, ou que o objetivo a longo prazo requer muita da tua energia, é necessário passar pela fase de clarificação do objetivo. • A ideia aqui é tomar consciência dos diferentes elementos e/ou obstáculos que podem vir a surgir no caminho que se vai percorrer até se atingir esse mesmo objetivo. Não vamos ainda passar à real planificação desse objetivo, mas sim à clarificação do mesmo e a perceber o que a sua realização implica.
  3. 3. Como fazer?
  4. 4. • Vamos proceder em 5 etapas que vou desenvolver seguindo este registo: 1- Definir o objetivo • 2- Verificar a exequibilidade do objetivo • 3- Quais os resultados esperados ? • 4- A ecologia do objetivo • 5- Como medir os resultados ? Mesmo se representarmos as etapas de forma sequencial, na realidade vais provavelmente completá-las de forma simultânea. O ideal será seguir a sequência proposta voltando atrás à medida que forem surgindo elementos complementares, ou se surgirem elementos contraditórios (entre o objetivo e o seu aspeto realizável por exemplo).
  5. 5. 1. Definir o objetivo • Trata-se aqui simplesmente de formular o objetivo de forma clara e precisa. Mas atenção, mesmo que pareça simples, é sempre necessário um mínimo de reflexão. Esta vai ser a base sobre a qual vamos elaborar depois o plano de ação a seguir, que será objeto do próximo artigo. A questão a colocar é então a seguinte: «O que quero eu ?». O ideal deve ser preciso. Uma vaga ideia («quero ser feliz», «quero ser profissionalmente bem sucedido», etc.) terá que ser definida e subdividida em vários objetivos. É igualmente importante contextualizar o objetivo: qual a data para o cumprir? qual o contexto (onde, com quem, etc.)? Estas circunstâncias são importantes e vão ajudar nas próximas etapas. Por fim o objetivo deve ser formulado de forma positiva. Para dizer a verdade aqui devemos entrar num registo construtivo, não pode ser uma recusa ou a fuga a uma situação. Assim, um objetivo do género: «já não quero continuar a fazer este trabalho», não é construtivo nem positivo. A ideia aqui é questionar «o que poderei eu fazer em vez deste trabalho?», estudar o contexto necessário para a realização deste objetivo e datar a sua realização futura. Sem um objetivo bem definido irás verificar que é difícil trabalhar na etapas seguintes!
  6. 6. 2. Verificar a exequibilidade do objetivo Ter um objetivo é bom, mas se é apenas uma ilusão ou algo impossível de atingir tecnicamente ou materialmente, não irás longe como é óbvio! Por isso esta etapa é tão importante. No entanto não te desencorajes ao primeiro obstáculo! Retomemos o exemplo de alguém que quer mudar de profissão: esta pessoa pode dizer para si mesmo que é financeiramente impossível, sem mesmo explorar as suas circunstâncias, diferentes ajudas possíveis, etc. Este é o tipo de registo que pode retardar a data da realização do objetivo, mas isto não coloca em questão o facto deste ser exequível! É necessário verificar se o objetivo previamente definido, é realizável tendo em conta todas as circunstancias (ligadas à própria pessoa e ao exterior) e no contexto económico, familiar, etc. No entanto tomamos em conta nesta etapa apenas os aspetos técnicos, não os emocionais (que serão abordados no ponto nº4). Vamos então inicialmente nos debruçar sobre o facto do objetivo ser realista em primeiro lugar e depois realizável. Coloca-te esta questão: « Este objetivo depende de mim ? ». Se for verdade a 80%, continua interessante. Se no entanto este depende exclusivamente de uma decisão administrativa sob a qual não tens qualquer tipo de controlo, não será necessário elaborar mais acerca da questão.
  7. 7. 3. Quais são os resultados esperados ? • Convido-te nesta etapa a responderes às seguintes questões: • Qual o resultado da realização deste objetivo ? • O que eu persigo de mais importante através deste objetivo ? • O que me trará ? • Atingir este meu objetivo resulta em novos objetivos ? Para ficar simples, é necessário refletir às consequências da realização do objetivo (tanto sob o ponto de vista emocional, como acerca das consequências externas - sociais, materiais, organizacionais, familiares, etc.). Pode ser interessante fechares os olhos por alguns instantes e imaginares-te com o objetivo atingido. O que sentes ? O que te vem à mente ? Quais são então agora os teus novos objetivos, as tuas vontades ? A última parte deste artigo, muito em breve! :) Forte Abraço! RECEBE OS MEUS EMAILS

×