AfroPoemas, CEU 3 Pontes, nov 2015

225 visualizações

Publicada em

Coletânea de textos realizada a partir de um concurso cultural solidário. Atividade atrelada ao Sarau AfroBiblioBrasileiro, criado pelo Projeto OFICINATIVA e pela BiblioEquipe do CEU 3 Pontes (Claudia e Madeline). Essa edição foi realizada na Biblioteca do CEU 3 Pontes, Jardim Romano, São Paulo, em parceria com o CCA Vila Itaim.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AfroPoemas, CEU 3 Pontes, nov 2015

  1. 1. CEU 3 Pontes, Jardim Romano, São Paulo POEMAS nov 2015 AFRO ________
  2. 2. iniciativa, organização: - Odé Amorim (AfroEscola, OFICINATIVA), projetooficinativa@hotmail.com, 11 4425 4458 - Claudia Silva (coordenadora de projetos Biblioteca do CEU 3 Pontes), claudiaceu3pontes@gmail.com, 11 3397 6432 - Madeline Cecim (Bibliotecária do CEU 3 Pontes, madelinececim@gmail.com) AfroEscola Laboratório Urbano Avenida Atlântica, 904 Valparaíso, Santo André, SP CEP 09060 001 www.oficinativa.org Todos e todas como artistas potenciais das reflexões, das falas, dos empoderamentos, que às vezes tardam perdidos nas infindáveis tramas das manipulações articuladas. Tardam mas quando a comunidade entende nossa comum unidade, não falham. AfroAbraços Odé Amorim Texto da primeira publicação AfroPoemas, em novembro de 2011 (ainda atual): “É crescente a necessidade de falar sobre temáticas sociais que ainda hoje são nós pessoais e coletivos na constituição psicológica de nossa nação. E se conseguimos fazê-lo por caminhos artísticos / poéticos, acreditamos que tais debates e reflexões podem experimentar processos e resultados impressionantes. Essa foi justamente a proposta do concurso solidário AfroPoemas e agora apresentamos a publicação que nos dá muito orgulho. E certamente vontade de fazer outras...” Agradecimentos especiais pela participação nesta edição ao CCA Vila Itaim!!! ficha de inscrição para o ano de 2015
  3. 3. Consciência Negra Antigamente os negros eram escravos Hoje em dia são trabalhadores E são muitos esforçados Carregavam muito barro Também eram engraçados Eles ajudavam o próximo E também eram ajudados Eles comiam comidas Que um dia desanimaram AfroPoemas 2015 # 3 O negro, a maioria das pessoas tem preconceito pelos negros porque será que estas pessoas tem preconceito? E se os filhos dessa pessoa nascer negro que será que esta pessoa iria fazer? Wendel “Não se julga um livro pela capa” Nunca você pode julgar uma pessoa pela cor dela, mas julgar o caráter, as atitudes porque por dentro somos todos iguais, e não importa a cor somos todos filhos de Deus. Sarah Temos muito AXÉ em nosso ilê tocamos berimbau enquanto sentimos o perfume do dendê na batea não nos falta omi tuntun o pilão é o meu sustento, o obé minha defesa criação coletiva no Festival HADITHI NJOO, AfroEscola Laboratório Urbano, dia 1 de novembro de 2015 Daniel Martins Gonçalves
  4. 4. Consciência Negra Vamos acabar com o preconceito Rafaela AfroPoemas 2015 # 4 Não tenha preconceito racial porque ele não é animal Não tenha preconceito, isso não é legal para humanidade e para o amigo que não é animal Vitória Silva Chô Preconceito Racismo na cadeia, e nós só levamos na brincadeira. Isso não se faz, causa sofrimento que não acaba mais. É essa a questão, aonde irá esse mundão, onde irá o mundo desse jeito Pois eu digo Chô preconceito Aniany Dandara O que falar de bonecas são tantas de PVC, porcelana bonecas de pano, de culturas diferentes Ah, mas existe uma boneca que é feita só de NÓS tranças tradições africanas boneca cheia de histórias acalenta crianças na viagem que durou dias meses tem significados tão especiais só podia ter mesmo vindo de África sua força, sua energia que preenche de tanta alegria Abayomi, encontro precioso de pura felicidade assim, feito som de tambor convidando a ouvir corações e dançar próprias canções... Maria Dias
  5. 5. Negritude Negritude é uma palavra muito falada, que tem a ver com cultura, candomblé e até com feijoada, pra muitos é uma simples palavra, mas certamente não sabem porque ela foi inventada, sabem que tem a ver com os negro e sua cor, muitos não se interessam pela sua cultura e guardam rancor, e mal sabem que muitas vezes as comidas que comem e as músicas que ouvem tem algo a ver com essa palavra, palavra que por muito tempo foi desprezada, queremos mostrar que a negritude não é uma simples palavra, mas sim uma forma de ser feliz com sua cor e por sua raça. AfroPoemas 2015 # 5 O sangue é o mesmo Temos só um sangue não importa se a gente é preto ou branco, é perfeito nós somos irmão de coração Michel Barbosa dos Santos Nesse mundo onde a negritude É tratada como sem atitude Aonde houve preconceito verbal Não haverá tolerância racial O homem faz racismo Achando que é machismo A luz da manhã o negro lutará Por tudo que ele amará Ao olhar o homem, seu irmão e seu mano Ao olhar o preconceito, negro é malandro De Deus a humanidade Do homem a comunidade. Ray Hugo
  6. 6. Negros Os negros inventaram a feijoada, a capoeira e muito mais. Eles já foram escravos E hoje lutam para que não haja preconceito Mas quem sabe um dia esse racismo acabe. Isabelly C.D.S AfroPoemas 2015 # 6 O preconceito que segue o negro Por sua cor é olhado com desrespeito O ser humano é falho, mas o erro não está na cor e sim no preconceito que os mudou. Quando fala de preto eles ligam ao crime, mas branco também tem seus defeitos. Anônimo Essa tal negritude, bastão Maculelê Candomblé gingado, Capoeira da Lelê já não tem escravos mas ainda nascem abismos festeja Feijoada, adormece o Racismo Odé
  7. 7. Negritude O negro claro da pele escura Da cor da lua no meio da rua A formatura da criatura sem rumo querendo ir além sozinho, sem ninguém Sentado olhando para o além. Rafael Silva AfroPoemas 2015 # 7 Chega de Racismo! Racismo não é brincadeira Isso tem que parar na cadeia Nós somos todos iguais Nós temos o mesmo sangue Mas isso não vai mudar Esse mesmo romance Chega de racismo. Francisca Somos todos iguais Chega de tanto racismo Porque não acaba o preconceito? Porque nós pretos Somos todos iguais Vamos ser todos racionais Com tanta discriminação Devem aprender uma lição. Lucas Alves da Rocha
  8. 8. Hoje eu vou falar de preconceito Hoje nesse mundo tem muita pessoa preconceituosa até quando isso vai parar, não sei porque é essa pessoa tem preconceito pelas pessoas porque e se o mundo continua com preconceito só Deus sabe. Igor AfroPoemas 2015 # 8 Racismo é Burrice Por que todos criticam da pele dos negros mas é igual todo mundo não tem diferença nem uma você é igual a todos porque todos são filhos de Deus Racismo é Burrice eu não vou nem me meter nisso eu gosto dos negros porque eu sou uma morena mas meu coração é igual a todos. Suelen Quem não tem problema ao preconceito? Preconceito: tem muitas meninas que se acha mas quando vê que ninguém tá ligando mas faz uma coisa errada e os outros fica ZUANDO ela e ela só chora . Antes ela zuava as pessoas mas agora essas pessoas ajudam ela. Preconceito e racismo não faz ninguém feliz faz as pessoas ficar triste. Karlaine
  9. 9. Já chegou os Negros Com seu grupo Maculelê O pessoal da Capoeira Com toda sua ginga e estratégia Lá vem a Negra com a sua feijoada ALIMENTANDO TODA GAROTADA. Lucas AfroPoemas 2015 # 9 Os Negros não são diferentes Então que morra o preconceito e viva a união racial. Os negros e os brancos são todos iguais, só muda a cor mais também isso é um detalhe, então para de preconceito não faça com eles, se você não quer que façam com você, é isso Preconceito Racial Nesse mundo onde a negritude aonde houve o preconceito racial é o preconceito verbal. A luz da manhã o negro lutará por tudo que ele amará. Ao olhar de deus a humanidade ao olhar o homem a comunidade. Joyce Sousa A ALMA DA RAÇA HUMANA Assim como eu, você nasceu do ventre da patroa não é tramóia é paranóia do pensamento do negro Assim como o negro precisa nanar o branco precisa ninir, despertar para a vida é como nascer da noite Claudia Pererê Anônimo
  10. 10. AfroPoemas 2015 # 10 Os negros precisam de você Os negros são discriminados pela cor Mas não pelo jeito de ser? Tem negros que matam Tem negros que são bons Não sabemos ao certo de negros tem a nossa características igualmente Mas todos nós sabemos que eles tem vida e sentimento também. Anônimo Racismo da cadeia Racismo é uma coisa que você Nunca pode fazer com ninguém Porque você pode ser negro Ou branco o sangue é da mesma cor da pele Eu só sei que o racismo é crime tá Porque se você for branco e zuar um negro você pode ser preso tá Igual tipo se você tiver um irmão negro E a outra pessoa ser branca seu irmão vai ser zuado pro resto da vida Igual você zuava os negros Aí você não vai gostar e vai querer bater no branco né Então você para de zuar os negros é crime e da cadeia tá. Anônimo Somos todos 1 só Era uma multidão Com um negro então Sentado no chão olhando a multidão Eles olhava pra ele como se fosse um espelho Oh homem negro sentado naquele desespero Mais uma coisa ele tinha e felicidade que era uma raridade Mais ele queria ter o que aquele negro tinha a alegria Somos todos 1 só Não importa a cor Vamos viver com amor. Beatriz Alves
  11. 11. AfroPoemas 2015 # 11 Sou Bizoro Sou uma capoeirista Luto contra escravidão E o preconceito. Me chama de preto Negro, tudo Por qual da minha cor. Não tenho medo Eu sou valente como O meu mestre Quando eu danço. Capoeira sinto que estou voando Na arte da capoeira Já defendi muitos negros. Não tenho vergonha De ser negro pois os Melhores capoeiras Foram negros Somos todos iguais Negro ou preto, Não devemos ter preconceito Todos temos direito Para dizer não ao preconceito Diga chega ao preconceito Ninguém tem o direito de praticar o preconceito Letícia Oliveira Os negros Racismo é burrice! Não seja burro o suficiente de xingar um negro macaco ou etc... não xingue o negro só porque seu amigo xinga. Não seja burro, combata o RACISMO! Thalya Negra Virtuosa, seu coração é de ouro seu amor é do tamanho do universo falo para você, tu és guerreira tu és princesa vencendo batalhas tu és negra, na luta pela liberdade e na escravidão não se calou És filha da África – tens seus valores com sabedoria venceu Negra que não fugiu da luta com atitude lutou venceu e salvou Viva Zacimba Gaba! Fábio Pererê Vitoria Gabrielle Rodrigues Matos da Silva
  12. 12. AfroPoemas 2015 # 12 A beleza dos negros A beleza dos negros E a coisa mais linda do mundo e não Coisa assim por que Eles se amam e ninguém tem nada a ver com isso Anônimo Racismo um novo jeito de superar? Negro homem forte homem valente Homem do bem Que sempre lutou com a gente Sempre bom sem ruindade Homem que é adorado pela humanidade Neylon Diga não ao preconceito Mas isso é um compromisso totalmente seu. E ele e nem ela irão se meter Quem vai lavar sua mente não sou eu é claro que é você. Pois o preconceito é uma coisa ruim e nem um de nós devemos influir Jefferson
  13. 13. AfroPoemas 2015 # 13 365 dias de consciência negra 365 dias de consciência negra ou seja 1 ano sou preta, sou guerreira e tenho mais que orgulho de mim e da minha cor, o sangue que corre nas minhas veias é sinal que sou batalhadora, sou linda e inteligente tenho cabelos enrolados, do mesmo jeito que tenho você também pode ter alguns criticam mas nós resistimos!!! Lutando contra dificuldade e preconceito Surgiu os negros da escravidão Muitos negros nasceu lutando Capoeira muitos negros Reuniam seus grupos para fazer criatividade Com suas estratégias Também muitos negros morriam Assim também quando morriam Não tinha nada pra comer Eles faziam no certo dia uma feijoada gostosa com confeito e tudo Essa feijoada passava de vila em vila, casa em casa Para alimentar as pessoas da comunidade Bom, mas vamos falar De preconceito e agressão Com os negros Muitos negros lutavam Contra a dificuldade O preconceito Muitos não colaboravam Jogavam na cara Queria que se lascasse na escravidão Até que um dia os negros conseguiram a liberdade E muitos negros se arrependeram Do que falaram. Linda Gabriel Santos Freitas de Sousa

×