7º ano história

582 visualizações

Publicada em

Atividades de Historia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7º ano história

  1. 1. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 CONTRIBUIÇÃO DOS MAIAS, INCAS E ASTECAS PARA A DIVERSIDADE CULTURAL DOS POVOS DA AMÉRICA Páginas 3 - 9 1. NNoommee ddooss aattuuaaiiss ppaaíísseess aa qquuee eesstteess iimmppéérriiooss ccoorrrreessppoonnddiiaamm Incas Peru, Bolívia, Equador, partes do Chile, Argentina e Colômbia Astecas México Maias América Central em territórios que compreendem o sul do México, a Guatemala, Belize e Honduras 2. A sociedade é composta de diversos grupos humanos, com suas características e particularidades. As pessoas podem se agrupar por religião, sexualidade, nacionalidade, até mesmo por afinidades esportivas, como os times de futebol. Essas identidades sociais não são fixas, mudam com o tempo e com as situações. A diversidade cultural consiste nessa variação. Nos últimos anos, tanto a Unesco, em termos mundiais, como a legislação brasileira, têm reconhecido a importância da valorização do respeito à diversidade de modos de vida e de comportamento. A diversidade cultural da humanidade foi reconhecida por convenção internacional em 2005, com a participação de quase todos os países do mundo, entre eles o Brasil. 3. Professor, incentive os alunos a elaborarem títulos para os parágrafos. Sugestões: Texto A A capital do império asteca: Tenochtitlán. Astecas: agricultura e religião. A conquista dos astecas. A aliança de Cortez com os indígenas. Texto B Os incas e o sistema de alianças.
  2. 2. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 2 O Império Inca. Texto C Chichén Itzá: cidade-templo dos maias. A conquista espanhola e os maias. A cultura maia 4. AAssppeeccttooss ddaass ssoocciieeddaaddeess AAsstteeccaass IInnccaass MMaaiiaass CCaarraacctteerrííssttiiccaass ggeerraaiiss ddaa cciivviilliizzaaççããoo.. Poder centralizado; Possuíam uma religiosidade muito complexa; Cultivavam, em ilhas artificiais chamadas chinampas, uma grande variedade de vegetais e cereais, entre eles milho, feijão, abóbora, tomate, batata-doce, cenoura, pimenta e, ainda, o fumo e o agave Construíram inúmeras pontes; Sistema de escrita quipos; Cultivavam milho, vagem, batata, algodão e amendoim Os antepassados dos maias viveram na Costa do Pacífico; Desenvolveram um sistema de escrita em que usavam ideogramas e sinais silábicos para grafar e registrar os acontecimentos e cálculos astronômicos CCaappiittaall Tenochtitlán Cuzco Chichén Itzá FFoorrmmaa ddee ccoonnqquuiissttaa Foram conquistados pelos espanhóis, com a ajuda dos inimigos dos astecas Foram dominados pelos espanhóis Os maias começaram a abandonar as cidades, no século IX d.C., até se defrontarem com os conquistadores espanhóis, no século XVI
  3. 3. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 3 Página 9 A pesquisa sobre a contribuição dos maias, astecas e incas para a diversidade cultural dos povos da América é uma etapa muito importante para o estudo dos povos pré- colombianos. O objetivo central da pesquisa será aprofundar a ideia de diversidade cultural entre os povos da América no período estudado. A coleta de informações e a elaboração de um texto coletivo realizadas por grupo serão fundamentais para a sistematização do material pesquisado. Páginas 11 - 12 1. Vista das ruínas de Machu Picchu, no Peru. A imagem mostra uma cidade inca com longas escadarias e um conjunto de terraços que possibilitavam a organização de um sistema para a agricultura em terrenos íngremes. 2. Os incas ocupavam uma região de diferentes paisagens na costa da Cordilheira dos Andes. Inicialmente, a palavra “inca” referia-se ao imperador, passando, aos poucos, a designar toda a população que falava a língua quíchua. 3. Alternativa c. 4. Alternativa d. 5. Alternativa b.
  4. 4. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 TRABALHANDO COM VOCABULÁRIO: A CONQUISTA ESPANHOLA E O FIM DO IMPÉRIO INCA Página 13 1. Conquista: Submissão, subordinação (de um povo pelo outro) e/ou dominação (de um povo sobre o outro), no caso específico da conquista dos astecas pelos espanhóis. 2. No momento de orientar os alunos a grifar conceitos históricos e palavras desconhecidas por eles, que pertencem ao vocabulário, destaque as diferenças entre esses termos. Lembre-se que os conceitos são palavras ou expressões que sintetizam conteúdos que compõem, especificamente, a uma determinada área do conhecimento. Diga também que há palavras que eles podem desconhecer e que fazem parte do vocabulário em geral. Desafie-os a identificar essa diferença. Glossário Páginas 14 - 15 a) Andes: cadeia montanhosa da América do Sul, com altitudes de 1 mil a quase 7 mil metros, que se estende de Norte a Sul, na porção Oeste do continente. Área sujeita a terremotos, de clima frio, divide o continente e dificulta o contato entre suas margens atlântica e pacífica. b) Túpac Amaru: último rei inca que enfrentou os espanhóis. Foi morto em 1572, após fugir para a Selva Amazônica. c) Quíchua: denominação de um grupo de línguas faladas nos Andes, difundidas pelos incas, no século XIV. Também faladas no Império Inca, continuam em uso, sendo uma das línguas oficiais do Peru. Sua influência chegou aos povos vizinhos, nas terras baixas, como Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. d) Fausto: com luxo, ostentação e riqueza. e) Carreira das Índias ou Carrera de Indias: os portugueses e espanhóis usavam comboios de barcos para as travessias oceânicas e chamavam-nas de carreira (carrera, em castelhano). Chamavam-se “das Índias”, pois tanto a Índia como a
  5. 5. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 5 América eram denominadas Índias (Orientais e Ocidentais), para diferenciar o Velho Mundo do Novo Mundo. f) Quadriculadas: divididas em quadrículas; repartidas de forma a lembrar quadrados. Página 16 1. Sugestão: A busca do Eldorado. Página 16 Tratado de Tordesilhas: tratado estabelecido entre Portugal e Espanha – após a descoberta do “Novo Mundo”, na cidade de Tordesilhas, no Norte da Espanha, que estabelecia um meridiano que passava a 370 léguas a Oeste das ilhas de Cabo Verde. As terras a Oeste desta linha pertenceriam à Espanha, e as terras do Leste pertenceriam a Portugal. Páginas 17 - 19 1. Os espanhóis detinham superioridade tecnológica, com suas armas de fogo, a cavalaria e os carros de roda (os ameríndios ainda não conheciam o uso da roda). O fator decisivo para a vitória espanhola, contudo, parece ter sido o ódio que os povos dominados - principalmente pelos Astecas,- cultivavam em relação aos seus dominadores. Outro fator que pode ser mencionado são as doenças trazidas pelos europeus. 2. Nesta atividade o aluno deve elaborar o traçado de uma cidade, com base na instrução de 1513, do rei espanhol Fernando, o Católico, inspirado em modelo renascentista: cidades ortogonais, com quadras do mesmo tamanho, com canalização ou retificação dos rios. 3. Alternativa c. 4. Alternativa e. 5. Alternativa c.
  6. 6. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 6 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 DICIONÁRIO ILUSTRADO: PALAVRAS DE ORIGEM INDÍGENA Páginas 20 - 21 GGrruuppoo mmaaiiss nnuummeerroossoo Tupi-guaranis CCaarraacctteerrííssttiiccaass ccoommuunnss ddeesstteess ggrruuppooss Viviam da caça, da coleta e da agricultura e eram nômades PPrriinncciippaall ccaammiinnhhoo ee ccaarraacctteerrííssttiiccaass Peabiru, caminho que partia de São Vicente na costa atlântica, e chegava até o Peru, nos Andes. HHeerraannççaass hheerrddaaddaass ddooss ggrruuppooss iinnddííggeennaass Uso de redes de dormir, banhos frequentes; comidas feitas com milho e mandioca. Páginas 21 - 22 • Lugares: Goiás (da mesma raça; igual), Guarujá (viveiro de peixes guarus,), Bauru (cesta de frutas), Cambuci (pote, vaso de água), Itu (salto ou cascata) e seus derivados, como Itutinga, Itupeva, Ituporanga, Ita (pedra) e seus derivados, como Itaquaquecetuba, Itanhaém, Itapetininga, Itapoá, Itaipu, Itararé, Pira (peixe) e seus derivados, como Piracicaba, Piratininga, Pirapora, Piracaia. • Objetos: peteca (bater com a mão aberta), guaiaca (cinto de couro, dotado de bolsas externas, usado pelo boiadeiro). • Alimentos: macaxeira (mandioca), jerimum (abóbora), mingau (aquilo que empapa), abacaxi, cará, caju. • Rios: Pará (oceano), Paraná (rio que se parece com o mar), Paraguaçu. • Nomes: Maíra, Iara, Cauã, Juruena, Juruna. • Animais: gambá, paca, piranha, tamanduá, jaguatirica. • Comidas: canjica, pipoca. • Curiosidades: nhe-nhe-nhem (falar sem parar), estar jururu (estar triste), chorar pitangas (chorar lágrimas de sangue).
  7. 7. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 7 Páginas 23 - 24 1. O principal grupo indígena do Brasil foi denominado tupi-guarani. Essa designação é linguística e se refere a um conjunto de línguas aparentadas, faladas por uma grande quantidade de tribos indígenas. Não existia, propriamente, uma única língua, nem se compartilhava uma única cultura. Contudo, acredita-se que essas línguas tiveram origem comum e foram se diferenciando com o passar do tempo. Sua primeira proveniência teria sido do Baixo Amazonas, em cerca de 500 a.C., e logo ela se expandiria, em direção ao Sul, pelo Rio Tocantins e por outros que correm no Cerrado. Dali, teriam ido mais ao Sul, atingindo o atual Paraguai, seguindo, depois, para a costa e em direção ao Nordeste do Brasil. Acredita-se que, antes da chegada dos portugueses, já ocupavam quase todo o interior do Brasil. Os dois grandes grupos linguísticos corresponderiam ao guarani, a Oeste, e ao tupi, a Leste. Apesar de existirem muitos outros grupos indígenas que não falavam línguas do tronco tupi- guarani, sua prevalência explica a influência predominante que tiveram no Brasil. Por isso, as nossas heranças indígenas provêm, em sua maior parte, dos tupis e dos guaranis. Os povos brasileiros pré-cabralianos usavam a cerâmica e seus costumes influenciaram, de forma decisiva, a nossa cultura, como a rede de dormir, ainda hoje tão utilizada em muitos lugares do Brasil. As mulheres tinham posição social de destaque e as relações de parentesco estavam, em grande parte, centradas nelas. Além de dominarem a agricultura das plantas nativas, esses índios caracterizavam-se por sua preocupação com o asseio, banhando-se com frequência nas águas abundantes e ainda límpidas das terras onde seria construído o Brasil. E tudo isso passou, de diversas maneiras, para a sociedade brasileira. 2. A palavra “pará” significa “rio”, e nos diversos estados brasileiros, do Pará ao Paraná, existem nomes de rios como Paraopeba, Paranaguá, Pari, Paranapanema, Paranapitanga, Paraíba do Sul, Paraibuna, Parateí. 3. Alternativa c. 4. Alternativa e. 5. Alternativa d.
  8. 8. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 8 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 O ENCONTRO ENTRE CULTURAS NO BRASIL Página 25 1. A frase da arqueóloga Maria Cristina Mineiro Scatamacchia, do livro O encontro entre culturas, procura mostrar a importância de observarmos as diferenças entre os europeus e os povos indígenas. Essas identidades sociais não são fixas, mudam com o tempo e com as situações e nos mostram a importância de conhecermos e respeitarmos a diversidade cultural. Páginas 28 - 29 1. Caminha destaca na carta, além das características físicas, como os cabelos corredios e seu tipo de corte, aquelas que se referem aos adornos utilizados pelos indígenas, como penas e ossos perfurando partes do corpo. 2. O trecho do documento que melhor retrata o modo de viver dos indígenas é: “Eles não lavram nem criam. Nem há aqui boi ou vaca, cabra, ovelha ou galinha, ou qualquer outro animal que esteja acostumado ao viver do homem. E não comem senão deste inhame, de que aqui há muito, e dessas sementes e frutos que a terra e as árvores de si deitam. E com isto andam tais e tão rijos e tão nédios que o não somos nós tanto, com quanto trigo e legumes comemos. 3. A natureza é descrita como exuberante e generosa, demonstrando ser propícia para o cultivo: águas em abundância e clima temperado. 4. Um dos objetivos das expedições ultramarinas era a busca de outro e prata, de tal forma que uma das grandes preocupações de Caminha era identificar a existência destas e de outras riquezas e comunicar isto prontamente ao rei. 5. Caminha demonstra o estranhamento em relação às características físicas dos indígenas, como também em relação ao seu modo de vida. Ele não compreende as diferenças, interpretando-as como ingenuidade e falta de malícia por parte dos indígenas.
  9. 9. GABARITO Caderno do Aluno História – 6a série/7º ano – Volume 3 9 Um dos trechos em que percebemos a incompreensão, como também a crítica subliminar, é: “Andam nus, sem cobertura alguma. Nem fazem mais caso de encobrir ou deixar de encobrir suas vergonhas do que de mostrar a cara. Acerca disso são de grande inocência.” Página 29 Encaminhe a discussão para mostrar que tanto os portugueses como os povos indígenas acharam “estranho” os costumes culturais uns dos outros. Discuta a diversidade cultural ocorrida neste encontro. Páginas 30 - 31 1. Professor, oriente os alunos a utilizar o dicionário disponível em sua escola. Uma resposta possível é aquele que nasceu e viveu em determinado lugar. 2. Aquele que é originário de um grupo indígena e por este reconhecido como membro; o mesmo que indiano, referindo-se aos habitantes da Índia. 3. Alternativa c. 4. Alternativa b. 5. Alternativa d.

×