Carlos Henrique Dos Santos

1.990 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.990
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos Henrique Dos Santos

  1. 1. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS A MEMÓRIA: LUGAR DE PARTILHAMENTOS, CONFLITOS E DIALÓGOS INTERGERACIONAIS. Carlos Henrique dos Santos Martins ∗ Resumo Neste trabalho, parto da compreensão de que existe forte relação entre memória, geração e sociabilidade e que estas parecem ser determinantes para a compreensão da juventude como categoria sociológica composta de sujeitos dotados de memória que se constrói nas relações sociais e intergeracionais. Essas relações parecem ser importantes para que o jovem elabore sua identidade e servem para orientar a construção de seus projetos pessoais, ao seu futuro. A identificação de pontos de interseção e de afastamento entre a memória dos adultos e as memórias juvenis, marcados, principalmente, pela experiência vivenciada em diferentes intensidades, tempos e espaços comuns ou diferenciados pelas questões geracionais, poderá indicar possíveis relações entre memória individual e coletiva, e entre memória de jovens e de adultos. Palavras-chaves: Juventude, memória, intergeracionalidade Abstract In this paper, I understand that there is a strong relationship between memory, generation and sociability and that they seem to be determined by the understanding of youth as a sociological category consisting of characters endowed with memory which is built in social and intergenerational relationships. These lived relationships seem to be important to have the youngster elaborate his identity and also to orient the construction of his/ her personal projects to a future. Therefore, the identification of convergent and divergent characteristics between the adults’ and the youngsters’ memories, marked, mainly, by lived experiences in different intensities, times and spaces that can be shared or made different by generational matters, may indicate possible relationships between individual and collective memory and between adults’ and youngsters’ memories. Key words: youth, memory, intergenerational realtionships 1 – Apresentação Há forte relação entre memória, geração e sociabilidade e esta parece ser determinante para a compreensão da juventude como categoria sociológica composta de sujeitos dotados de memória que se constrói nas relações sociais e intergeracionais. Essas relações vivenciadas no contexto familiar são importantes para que o jovem elabore sua identidade e servem para orientar a construção de seus projetos pessoais relacionados a um futuro que é delineado no presente e que tem a memória de experiência feita como referência e ponto de partida em direção ao desconhecido, lugares repletos de incertezas e riscos. Procuro entender como se estabelecem as relações intergeracionais através da memória coletiva e, a partir dessas relações, como se efetiva a construção da memória de jovem. A identificação de pontos de interseção e de afastamento entre a memória dos adultos e a memória de jovens, marcados, ∗ Doutorando em educação pela UFF e professor do CEFET-RJ/UnED Nova Iguaçu
  2. 2. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 2 principalmente, pela experiência vivenciada em diferentes intensidades, tempos e espaços comuns ou diferenciados pelas questões geracionais, aponta para relações entre memória individual e coletiva, e entre memória de jovens e de adultos. Considero um desafio falar de memória e geração em uma sociedade em que os suportes materiais da memória são paulatinamente apagados ou destruídos, dentre eles os “objetos biográficos” que, segundo Bosi (1994), são substituídos pelos “objetos de consumo” (pág. 19). Essa nova relação pode proporcionar certa fugacidade à memória moderna, pois podemos lembrar o tempo necessário da duração desses mesmos objetos que são rapidamente substituídos. 2 – Juventude: universos plurais e sujeitos singulares Compreender os diferentes modos de ser jovem frente a um mundo construído pelos adultos e que está geralmente fundado por uma visão distorcida ou congelada a partir de parâmetros cientificistas e generalizantes a respeito do universo juvenil é uma questão central para todos os pesquisadores do campo da juventude. Certamente, não é possível abranger as adversidades presentes nesse universo se não levarmos em conta não só as alterações biológicas, mas também as diferentes maneiras de cada um relacionar-se com as “mudanças dos afetos, das referências sociais e relacionais” a que estão sujeitos (Carrano, Dayrell, 2002, pág. 2). Superar as dificuldades para estar presente em um mundo com poucas alternativas para os jovens como atores sociais pode lhes permitir a busca de diferentes opções que serão influenciadas, entre outros fatores, pelas condições sociais e pelo contexto histórico em que cada um esteja inserido. As diversas realidades permitirão, desse modo, a apropriação de capitais (sociais e culturais) e moratórias (social e vital) de forma desigual. Para além de sua complexidade como categoria sociológica, podemos entender a juventude “como parte de um processo mais amplo de constituição de sujeitos, mas que tem suas especificidades que marcam a vida de cada um. A juventude constitui um momento determinado, mas que não se reduz a passagem, assumindo uma importância em si mesma” (Carrano, 2002, pág. 3). O desafio fica por conta de proporcionar os modos e condições de os jovens se reconhecem e serem reconhecidos como sujeitos de direitos. Trata-se, ainda, de permitir a construção de suas trajetórias de vida a partir de valores que também reconheçam como seus a partir de mudanças nas relações intergeracionais efetivadas em espaços de companheirismo e/ou a partir do fortalecimento dessas mesmas relações. Alguns autores apontam que os jovens buscam manifestar-se de variadas formas e muitos têm grande interesse nas diversas práticas culturais que servem de marca identitária. Há grupos juvenis, ligados às diversas expressões, que têm a música e a dança como possibilidades de indicar linguagens culturais específicas e
  3. 3. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 3 que para alguns grupos juvenis servem de contraposição à existência de culturas não juvenis. As culturas juvenis produzem visibilidade aos jovens na sociedade, uma vez que “a gente vê o que a cultura e a sociedade permitem que se veja” (Soares, 2005, pág. 164). São as relações que influenciam o modo de ver o outro. Assim, a visibilidade dos grupos juvenis pode aumentar à medida que os adultos venham a estabelecer relações valorativas e que proponham as condições subjetivas para a participação juvenil nos espaços sociais. As sociabilidades parentais – família nuclear, família estendida, comunidades de afeto – possibilitam ao jovem construir seu próprio universo a partir da memória presentificada (Bosi, 2004), a qual, ao ser manifestada pela música, pela dança, pelos relatos, acredito, torna-se parte da memória juvenil e permite conhecer e estreitar laços de identificação e afetividade. Podem ainda, construir seu universo a partir das experiências vivenciadas nesses mesmos espaços. São experiências individuais ou em conjunto com seus pares e que nem sempre solicitam a participação dos adultos. As expectativas das gerações atuais são constituídas dos elementos e referências dessa experiência. É nesse jogo de encadeamento que podemos pensar as relações intergeracionais e, com isso, a própria cultura como processo de continuação/transformação em constante reatualização e que pode comportar tradição e modernidade. Por outro lado, observa-se uma crescente “recusa não só à tradição acumulada pelas gerações do passado”, mas “também de sua experiência vivida e, mais ainda, de suas expectativas deixadas-de viver como um valor para o futuro” (Brandão, 1998, pág. 30). Individual na forma de vivenciá-la, a experiência social é também coletiva e comporta diversos indivíduos, no que diz respeito principalmente a estar no grupo como sujeito de suas ações. Para além da unidade relativa que a idéia de grupo possa conter, é a diversidade – e, muitas vezes, o conflito – que pode apresentar-se como uma característica marcante. Embora diversos nas combinações individuais de suas lógicas de ação, os jovens parecem encontrar pontos de contato que permitem a re-união em torno de interesses comuns, sem com isso, unificar a experiência social. A cultura é um dos pontos de interesse comum em torno dos quais os jovens se articulam para vivenciar novas experiências. Como ela é tecida nas relações sociais coletivas, parece-me um campo fértil para analisar o papel das novas gerações na manutenção renovada ou na reconstrução da memória a partir de novas experiências. A cultura como processo dinâmico, sócio-histórico, “atualiza-se na cotidiana experiência da vida social”. À incorporação de elementos culturais do passado soma-se o “nosso tempo de desejo e de trabalho da inovação. Ao nosso fecundo anseio do novo, do sempre novo”. Nesse processo, tradição e inovação tornam-se elementos que se fundem no presente, “em nossa própria experiência atual em direção ao futuro”. Mais do que um jogo de “oposição de contrários”
  4. 4. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 4 transforma-se em articulação indistinguível que relaciona futuro e passado, uma geração cujo passado está presente e, a partir dela, outra geração cujo futuro e expectativas se relacionam com a experiência nesse mesmo tempo presente (Idem, idem). Os bens culturais transmitidos de uma geração à outra podem servir de elementos de constituição do futuro. Diferentemente da tradição que traz consigo a idéia de “um legado de experiências acabadas no seu tempo” (Ibid, pág. 30) há elementos culturais que carregam consigo experiências não realizadas. Estas é que dão sentido a uma espécie de “compromisso entre as gerações através do fio condutor da história”. Este fio liga as gerações e deve ter sua tensão não naquilo que foi deixado como legado presente na tradição completada, mas “naquilo não realizado” e que, “deixado a nós” estabelece um compromisso de continuidade, de incorporação do não realizado a um projeto. Mais do que as experiências acabadas (tradição, legado) são as “expectativas não realizadas” que podem dar suporte à memória no presente (Ibidem, pág. 31). Assim como a experiência, a memória é individual e se constrói através da relação com o coletivo, que é também um espaço de exercício da memória social. Desse modo, a questão da intergeracionalidade parece ser importante para servir de elo entre experiência e memória, entre passado e futuro. Experiência e expectativa produzem pontos de contato na relação intergeracional, pois, de acordo com Brandão De um ponto de vista de atualidade inovadora, o olhar dirigido ao futuro aponta para um passado. Aponta para substratos de experiência realizada e representada por uma geração de passado em seu tempo, e por nós a partir deles, no nosso tempo[...]Não estamos diante de uma história dos acontecimentos na e como uma história que a todos envolve. Ela abarca não apenas os sujeitos de cada geração e nos termos e desafios de cada geração, mas o intervalo dos enlaces entre gerações. No ponto sem ruptura, onde cada geração presente torna-se responsável por si mesma, pelas gerações vindouras e pelo destino não realizado das gerações do passado (pág. 30/31). 3 – Juventude e Memória A memória de jovem e suas articulações com a memória dos adultos parecem determinar as escolhas pessoais juvenis não só no que diz respeito às expressões culturais, como também à elaboração de seus projetos de vida. A memória também é coletiva, pois é social, guarda relação com o meio social, o grupo, a família. Sendo assim, envolve relações de sociabilidade. Estas são estabelecidas nas relações intergeracionais que se configuram em diversos espaços de convívio. Através dela podem surgir os elementos fundamentais para a elaboração de identidades juvenis. Uma sociabilidade rica de elementos significativos guardados na memória dos adultos e que possam povoar o cotidiano das relações sociais. E, desse modo, transformar-se em elementos constitutivos da memória de jovem, estabelecendo assim
  5. 5. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 5 importantes relações intermnemônicas que vêm influenciar a sociabilidade, a identidade e a intergeracionalidade. Halbwachs (2004) afirma que a memória individual “são lembranças organizadas e agrupadas em torno de uma pessoa definida, sob seu próprio ponto de vista”, Já a memória coletiva, é entendida como “lembranças distribuídas no interior de uma sociedade grande ou pequena de que elas são tantas outras imagens parciais” (pág.50). Esse exercício de reconstrução das lembranças parece contribuir para a definição dos gostos dos jovens participantes da comunidade afetiva 1 . A memória do jovem está relacionada com as sociabilidades costumeiras (Martins, 2000) que ocorrem na convivência com as gerações que o antecedem e que são estabelecidas principalmente no ambiente familiar. Ao se relacionar com o universo dos adultos, os jovens relatam acontecimentos “vividos por tabela”, uma vez que nas suas lembranças surgem elementos ou eventos que certamente foram relatados e/ou vivenciados pelos adultos participantes de seu espaço de socialização cultural. Entretanto, em função da relevância desses eventos, os jovens fazem referência aos mesmos sem necessariamente terem deles participado. Pollak (1992) sugere a possibilidade de ocorrer um fenômeno de identificação com o passado que é projetado no presente através dos processos de socialização política e histórica. Esse fenômeno de projeção e identificação com o passado pode ocorrer também por meio da socialização cultural. Desse modo, “a memória quase herdada” pelos jovens se expressa como resultado das relações estabelecidas com os adultos nos espaços de elaboração de suas identidades. A identidade juvenil é elaborada em parte pela memória herdada – esta compreendida como um fenômeno construído social e individualmente. A herança é transmitida pelas lembranças que são compartilhadas nas relações sociais, na sociabilidade manifestada em espaços como a casa, a rua e a festa. Mas é também no apagamento da memória (como construção social) como o pré-construído que o sujeito se funda como indivíduo, sabendo-se senhor da própria história. Sendo assim, podemos pensar em outra dimensão da memória como valor de disputa – é o adulto que detém a memória – e que, ao ser confrontada com a memória coletiva, pode gerar conflitos intergeracionais. A existência da comunidade afetiva potencializa a reconstituição de lembranças compartilhadas, mas que não são produzidas necessariamente de forma igual. A continuidade de pertencimento ao grupo permite lembranças individuais e coletivas que são ativadas pelos aspectos comuns a este e vividos de diferentes maneiras e intensidades. Permite ainda que os sentimentos em comum constantemente experimentados no grupo e pelo grupo fortaleçam a existência da memória coletiva. É ela – a memória coletiva – que serve de apoio para a memória individual manifestada nas lembranças particulares, pessoais. No que diz respeito à memória de jovem, esta pode ser construída por lembranças emprestadas que nada
  6. 6. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 6 mais são do que a reconstituição de materiais emprestados. Não são lembranças diretas, mas resultado de imagens formadas a partir das narrativas dos adultos participantes de sua comunidade afetiva. Ser social, suas experiências e vivências no interior do grupo são importantes para a elaboração de sua identidade a partir das lembranças manifestadas no universo da memória coletiva. Para Giddens (2001), “a identidade é a criação de constância através do tempo, a verdadeira união do passado com um futuro antecipado” (pág. 56). O sentido de pertencimento ao grupo através da identificação com o coletivo é o que garante a manutenção da identidade individual. Do mesmo modo, fazer parte, cultivar uma tradição, estabelece fortes laços entre o eu e o grupo. Ameaçar “a integridade das tradições é colocar em risco a própria integridade do eu e, por conseguinte as identidades coletivas e individuais conectadas pelas tradições” (Idem, idem). As sociedades modernas, ainda que destradicionalizadas, não perderam vínculos com a tradição. Embora esta não possua mais um papel preponderante na modernidade, muitos de seus elementos estão preservados, mesmo que transformados, o que parece conferir importância à memória como possibilidade de presentificar o passado. É através dela que a tradição pode ser trazida e reinterpretada constantemente como construção coletiva que organiza e dá significado ao presente. Todo grupo social possui uma história que é contada pelos elementos presentes na memória de cada um de seus indivíduos. Esse contar, segundo Bolle (2000), é importante para cada integrante, pois “num tempo de destruição, o sujeito consegue, pelo trabalho da memória, encontrar nas camadas mais profundas: uma imagem da sua identidade. Indestrutível. Isso não é pouco em termos de perspectiva de futuro” (pág. 351). Os relatos, as lembranças são potencializadas e ganham vida através da troca possível na arte de contar. A história de um grupo, de uma comunidade afetiva passa pela tradição da oralidade e ainda é estendida de uma geração à outra; está repleta de vida, do social que conforma esse grupo, pois “a história da família pode dar ao indivíduo um forte sentimento de uma duração muito maior da vida pessoal” (Thompson, 1992, pág. 20). Embora modernizadas, as tradições mantêm algumas de suas matrizes constitutivas: meio de identidade individual e coletiva e relacionada ao ritual. Creio que existem rituais reinventados por grupos juvenis e que podem significar a presença de modernas tradições uma vez que “o advento da modernidade certamente não significa o desaparecimento do ritual coletivo” (Idem, pág. 89). Podem estar presentes em diversas manifestações da vida cotidiana, mas, principalmente nas manifestações culturais marcadamente juvenis. 5 – Família e intergeracionalidade: lugares de (des)encontros entre jovens e adultos
  7. 7. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 7 As relações intergeracionais parecem comportar pontos tangenciais entre a memória dos adultos e a memória de jovens, marcados, principalmente, por experiências compartilhadas em momentos análogos da vida pessoal peculiar a cada geração. São vivenciadas em diferentes intensidades, tempos e espaços comuns ou diferenciados. Comportam ainda, a possibilidade de construção de projetos juvenis tendo as trocas de experiências como importante referencial que poderá orientar as escolhas dos jovens nas suas trajetórias de vida. Podem, desse modo, recriar/ reconstruir experiências coletivas no mesmo tempo e espaço tendo como referenciais a memória e o projeto. Espaço de relações e de trocas de experiências, onde se re-unem diferentes identidades, a família – seja ela nuclear ou estendida -, ainda que caracterizada pela sua potencialidade inclusiva, aglutinadora, está repleta de “interações sociais associadas a experiências, combinações e identidades particulares, individualizadas” (Velho, 2003, pág.21). Ainda que a experiência juvenil possa ser vivida e/ou construída no interior dos grupos de afeto, esta se dá de forma pessoal, em função das diferentes interações experimentadas pelos jovens em diversos contextos sociais que contribuem para a particularidade de suas experiências. São contextos marcados pelo jogo de intercâmbio das diferenças, não só de idade como também de visão de mundo, onde é possível estabelecerem-se trocas de experiências. O que está em jogo é a reciprocidade com que essas relações são estabelecidas e as diferentes alternativas interacionais daí decorrentes, principalmente no interior da família. Cabe ressaltar que a fragmentação da sociedade moderna possibilita a multiplicidade de referências que colocam em questão a família como unidade, como conjunto. Se ela está relacionada a formas tradicionais de vínculo e à condição de instituição preexistente há alteração no seu caráter e significado na medida em que o indivíduo se destaca e é cada vez mais sujeito. Além da família, que perde o seu caráter de sociabilidade absoluta ou exclusiva, novas formas de sociabilidade vão surgindo e com elas, outras configurações de valores. Se a família perde a sua dominância absoluta, isso não quer dizer que essas relações desapareçam. Apenas passam a ser mais uma dentre outras tantas formas de sociabilidades que vão surgindo em decorrência de novos paradigmas. Nesse sentido, as relações intergeracionais, independente dos espaços em que se estabeleçam “implica(m) o reconhecimento da diferença como elemento constitutivo da sociedade”. Podem ser constituídas através do jogo de destino no qual as expectativas do adulto em relação ao futuro do jovem levem em consideração interesses pessoais. Nesse jogo, as regras devem ser discutidas e construídas no diálogo aproximativo de distintos interesses e visões de mundo e de projetos muitas vezes opostos. Em um contexto de negociação, “não só o conflito, mas a troca, a aliança e a interação em geral, constituem a própria vida social através da
  8. 8. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 8 experiência, da produção e do reconhecimento explícito ou implícito de interesses e valores diferentes” (idem, pág. 22). São diferentes universos que se comunicam através de relações dinâmicas que, além de envolverem jovens e adultos, são estabelecidas no interior da família como grupo social específico e que podem fundar determinados acordos e/ou ajustamentos, ainda que exista a dificuldade de consenso em função de distintos fluxos comunicacionais. Esses fluxos estão marcados principalmente pela dimensão de conflito expressa em atitudes de oposição e recusa e que pode ser própria do compartilhamento de gerações. Sendo assim, diferentes linguagens e códigos podem encontrar – ainda que de maneiras nem sempre harmoniosas – uma linguagem básica comum que permita a troca de experiências entre jovens e adultos. A coexistência dessas diferenças parece ser uma das características dinâmicas da sociedade complexa. Desse relacionamento, ainda que muitas vezes contraditório e conflituoso, dependem a continuidade e as transformações da vida social. Nas sociedades tradicionais o papel da memória coletiva é fundamental para a elaboração das identidades marcadas pelo pertencimento ao grupo – seja ele a família nuclear, estendida ou mesmo a comunidade de afeto. Nesse caso, o grupo compreendido como unidade englobante possui maior significado do que o próprio indivíduo. Isso não quer dizer que os processos de individuação desapareçam ou simplesmente não existam. Apenas que as biografias individuais têm pouca ênfase e o que ganha força é o sentido de pertencimento. Por outro lado, o individualismo, as biografias e trajetórias individuais ganham destaque nas sociedades complexas, no interior das quais a fragmentação surge como um dos indicativos da chamada modernidade. Apesar da configuração de contextos sociais nos quais esses elementos sejam supervalorizados – e, com eles, a memória individual ganhe importância e destaque, seja socialmente mais relevante, continuamente descoletivizada –, é possível encontrar indivíduos que estejam fortemente vinculados ao grupo. 5 – Considerações Finais Os jovens formam o segmento social capaz de apagar os traços de uma possível ruptura nas relações sociais com os grupos que os antecedem, ou seja, os adultos e os mais velhos. São eles capazes de reatar os fios que possibilitam tecer uma rede de sociabilidades que envolvem gerações aparentemente extremas, tornando possível, desse modo, a continuidade dos movimentos culturais. As relações intergeracionais podem permitir um exercício de aprendizagem que, se para os adultos significa ao mesmo tempo, memória e lembrança, para os jovens pode representar aprendizagem dialógica que se encontra no ato de recordar: para aqueles, recordar de si; para estes, recordar para si, aprender com eles. Nesse sentido, os
  9. 9. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 9 jovens são a garantia de vida e futuro para a sociedade, para o grupo – ainda que estes transformados e aqueles transformadores – e essa continuidade tem a sua força, seu núcleo gerador, na memória coletiva. Responsáveis que somos pelas gerações seguintes, creio haver um compromisso com a convivencialidade intergeracional em que o jovem seja reconhecido como sujeito em exercício, em constante aprendizagem, mas com amplas possibilidades de ação, de interação. Para que possa realizar o “presente do futuro” precisa chegar lá tendo experimentado, vivenciado experiências que acumulem conhecimentos necessários à concretização de um futuro que por ora se apresenta utópico. Para além da promessa de um futuro melhor e que, na maioria das vezes não se concretiza, a participação juvenil no processo de efetivação desse mesmo futuro exige uma construção coletiva – através de relações entre as gerações, ainda que conflituosas, mas abertas ao constante diálogo – das condições materiais que apontem para mudanças que superem as condições que ora se apresentam. Estas são reguladas e reafirmadas pelas desigualdades sociais, nas formas precárias de vida e devem servir de orientação para uma pauta de diálogos intergeracionais, onde o jovem seja instigado a pensar junto as alternativas para a elaboração de um outro projeto de sociedade. Através da participação juvenil este poderá ser delineado em um campo de possibilidades concretas e no qual enxergo a estreita relação entre experiência e projeto e sua articulação no presente. O desafio está em encontrar possibilidades de espaços/tempos interacionais nos quais as relações se efetivem. A cultura, em suas dimensões educacionais, coletivas e subjetivas, ainda que em constante transformação, parece ser um desses espaços, mesmo que em diferentes tempos, mas que tem no presente um encontro marcado. Referências Bibliográficas BOLLE, Willi. Fisiognomia da metrópole moderna. São Paulo: EDUSP, 2000. BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 10ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. BRANDÃO, Carlos R., Memória sertão: cenários, cenas, pessoas e gestos nos sertões de João Guimarães Rosa e de Manuelzão. São Paulo: Ed. UNIUBE, 1998. CARRANO, Paulo. C. R., Os Jovens e a cidade: identidades e práticas culturais em Angra de tantos reis e rainhas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. CARRANO, Paulo C. R., DAYRELL, Juarez. Jóvenes de Brasil. Dificultades de finales del siglo y promesas de un mundo diferente. México, DF: Instituto Mexicano de la Juventud. In: JOVENes, nº 17, 2002.
  10. 10. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS 10 GIDDENS, Anthony. Em defesa da sociologia: ensaios, interpretações e tréplicas. São Paulo: UNESP, 2001. HALBWACHS, Maurice. A Memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004. MARTINS, José de Souza. A Sociabilidade do homem simples. São Paulo: Hucitec, 2000. POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, 1992. SOARES, Luis Eduardo; Athayde, Celso; MV Bill. Cabeça de porco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. THOMPSON, Paul. A Voz do passado: história oral. São Paulo: Paz e Terra, 1992. VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: Antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Zahar editores, 2003. 1 Para que a memória seja compartilhada é necessário que a lembrança seja reconhecida e reconstruída “a partir de dados ou de noções comuns que se encontram tanto no nosso espírito como no dos outros, porque elas passam incessantemente desses para aquele e reciprocamente, o que só é possível se fizeram e continuam a fazer parte de uma mesma sociedade” (Halbwachs, 2004, pág. 39).

×