1



           BARREIRAS, TRANSGRESSÕES E INVENÇÕES DE MERCADO: A
                  INSERÇÃO ECONÔMICA DE JOVENS POBRES1
...
2



        Como figuras emblemáticas, Orfeu e Lucinho se incorporam à realidade e ao
imaginário social de jovens pobres,...
3



entre 1998 e 1999, em 35 favelas cariocas. Além dessas fontes básicas de informação,
utilizo-me também de notícias e ...
4



deixa, por outro lado, de refletir uma certa consciência de seu próprio campo de
possibilidades. Jovens pobres conhec...
5


                        O tênis é responsa, é só andar muda de cor
                        Existem várias marcas, você...
6



1/3. A situação se diferencia, ainda mais, no caso das mulheres. Já na faixa dos 15 aos
17 anos, a proporção de joven...
7



        A situação do Rio de Janeiro não escapa a essa regra geral que faz do
desemprego a primeira barreira com que ...
8


                       do próprio Jacaré ou nos bairros da periferia. Então havia um caminho. E o
                    ...
9



por não vislumbrarem chances de colocação no mercado, ou seja, por já estarem
desalentados?
        A interpretação d...
10



         Das jovens mulheres, por sua vez, exigem-se, fundamentalmente, habilidades
que marcam e se confundem com su...
11


Operadoras de máquina                       4,0     Secretárias e datilógrafas       3,7
Coordenadoras               ...
12



Transgressões


        A economia da droga aumentou significativamente nas duas últimas décadas, a
partir sobretudo...
13



       O quadro delineado nessas favelas é radicalmente diverso do que se apresenta na
de Jacarezinho. Nessa, uma pa...
14



em grande parte, o exército ativo ou de reserva do narcotráfico em favelas e periferias.
São eles, também, suas prin...
15



dos moradores tendem a naturalizar o crime-negócio como negócio. No mesmo sentido,
operariam também os diferentes gr...
16



Invenções de mercado


       O que são “as invenções de mercado”? São profissões e carreiras que oferecem a
jovens ...
17



trabalho com a condição operária. Ser artista seria, portanto, particularmente difícil no
Jacarezinho:

            ...
18


                          “Os terrenos baldios que antes eram usados como área de lazer, hoje são
                   ...
Na mesma sintonia, operam o teatro, a dança e o cinema12. Músicos,
compositores, dançarinos e atores são o elo mais visíve...
20

       Por todas as razões já discutidas antes, são esses que enfrentam maiores
dificuldades de superar o funil educac...
21

cursos de Pré-vestibular dirigidos a jovens negros e carentes (Novaes e Mafra,1998;
Mariz et al. 1998).
        O terc...
22

IV. Conclusão


       Ao longo deste trabalho mostrei que jovens pobres detêm hoje, no Rio de
Janeiro, como no Brasil...
23

CAMARANO, Ana Amélia. Fecundidade e anticoncepção da população jovem. In
       Jovens acontecendo na trilha das polít...
24

TAVARES, Maria da Conceição. Destruição não criadora: memórias de um mandato
      popular contra a recessão, o desemp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Barreiras, transgressões e invenções de mercado

1.652 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barreiras, transgressões e invenções de mercado

  1. 1. 1 BARREIRAS, TRANSGRESSÕES E INVENÇÕES DE MERCADO: A INSERÇÃO ECONÔMICA DE JOVENS POBRES1 Jane Souto de Oliveira I. Introdução No filme Orfeu2, dois jovens moradores de um morro carioca personificam distintas esferas de poder e reconhecimento social na favela. Nascidos e criados na favela, ambos seguiram trilhas inconciliáveis. Orfeu é músico e compositor inspirado, a alma, sem a qual “a escola de samba não sai”. Integrado à cultura de seu tempo, maneja computadores e instrumentos musicais com idêntica habilidade. Seu nome transpôs as fronteiras da favela para ecoar pela cidade que canta suas músicas, aplaude sua passagem nos desfiles de Carnaval e contempla sua imagem na telinha da TV. Apesar do sucesso, permanece morando com os pais no morro, onde é reconhecido por todos. Sua força emana de seu talento e prestígio profissional. É a força integradora. Lucinho é o “dono da boca”, o líder do “movimento” que incrementa os negócios da favela, “movimentando” ali o dinheiro da droga. Sabe que vida de bandido é vida breve, mas alega ser melhor viver pouco como “bandido” do que muito como “otário”. É o chefe que se impõe pelo temor. Fere, mata, barbariza, mas também sacia a “fome de justiça”, fazendo-a com as próprias mãos. Sua força é a força das armas, da grana, do poder de fogo. É a força desintegradora3. 1 O presente trabalho resume um dos capítulos da tese de doutorado Juventude pobre: o desafio da integração, que apresentei, em outubro de 1999, ao Instituto de Medicina Social da UERJ, sob a orientação da Prof. Alba Zaluar. 2 O filme, uma adaptação da peça Orfeu da Conceicão de Vinicius de Moraes, foi dirigido por Cacá Diegues e estreou em circuito nacional em abril de 1999. De seu roteiro participaram, além do próprio diretor, o antropólogo Hermano Vianna, o dramaturgo Hamilton Vaz Pereira, o roteirista João Emanuel Carneiro (Central do Brasil) e o escritor Paulo Lins, autor de Cidade de Deus. 3 Ao contrário do que sugere o filme, Orfeus tendem a se afastar de seus locais de origem, enquanto Lucinhos ali permanecem até serem presos, expulsos por gangues rivais ou mortos. Orfeus são ex- moradores, Lucinhos, moradores presentes. Se a força integradora dos primeiros se dá no plano simbólico, a força desintegradora dos segundos opera no dia-a-dia, pelo duplo efeito - de atração e de repulsão - que provoca sobre moradores de morros e periferias.
  2. 2. 2 Como figuras emblemáticas, Orfeu e Lucinho se incorporam à realidade e ao imaginário social de jovens pobres, moradores de favelas, tanto quanto suas trajetórias de vida se inscrevem no campo de possibilidades (Velho,1994) abertas para esses jovens. As carreiras por eles trilhadas lhes asseguram posições de liderança. Ambas propiciam acesso a bens simbólicos e materiais altamente valorizados: grana, poder, prestígio junto às “minas”. Ambas se contrapõem de um trabalho monótono, desgastante, mal pago. Ambas estabelecem contraste com o anonimato, o marasmo existencial, a mesmice de uma vida imóvel. As semelhanças, no entanto, param por aí. Orfeu é o que soma, o mito, a lenda viva, enquanto Lucinho é o que divide, o que desperta reações antagônicas, o que vira lenda e notícia de jornal, depois de morto. Se a trajetória de Orfeu é a de quem superou as barreiras de mercado, se projetou, dentro e fora da favela, e obteve uma inscrição social valorizada, a de Lucinho é a de quem transgrediu aquelas barreiras. Embora com sinais distintos, uma e outra carreira não deixam, contudo, de ser impulsionadas pela lógica do mercado. Ao mesmo tempo, uma e outra se insurgem contra as barreiras desse mercado: a primeira, por meio de invenções, a segunda, por meio de transgressões. É a partir destes três elementos - barreiras, transgressões e invenções de mercado - que me proponho a analisar a inserção econômica de jovens pobres, combinando o uso de dados estatísticos com um estudo de caráter antropológico4. Os dados etnográficos são oriundos de entrevistas e contatos que, ao longo dos últimos anos, venho realizando em favelas do município do Rio de Janeiro, especialmente Jacarezinho, Serrinha (Zona Norte) e Chapéu Mangueira (Zona Sul). Os dados estatísticos, por sua vez, provêm basicamente de duas fontes: (I) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – 1997, para a Região Metropolitana do Rio de Janeiro e (II) Pesquisa Socioeconômica em Comunidades de Baixa Renda(PCBR)5, aplicada, 4 Ao definir o trabalho de campo e centrar a análise na favela, o faço não por pensar a favela como um espaço ou território social homogêneo, mas como uma alegoria da pobreza urbana. Sobre as razões que me levaram a adotar tal procedimento, ver Souto de Oliveira,1999. 5 A pesquisa, patrocinada pela Secretaria Municipal do Trabalho da Prefeitura do Rio de Janeiro, vem sendo aplicada pela Sociedade Científica da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Science), sob a coordenação do professor José Matias de Lima. As favelas que integraram a pesquisa e cujos dados estavam disponíveis no momento de realização de minha tese foram: Parque Royal, Grotão, Serrinha, Ladeira dos Funcionários, Morro do Escondidinho, Cerro Corá (Vila Cândido), Caminho do Job, Mata Machado, Morro da Fé, Morro dos Prazeres, Três Pontes, Canal das Tachas, Del Castilho, Andaraí,
  3. 3. 3 entre 1998 e 1999, em 35 favelas cariocas. Além dessas fontes básicas de informação, utilizo-me também de notícias e reportagens divulgadas pela mídia e da produção intelectual que, em período recente, vem abordando a problemática da juventude no Brasil. Antes, porém, de empreender a análise da inserção de jovens pobres, particularizados por moradores de favelas, parecem-me necessários alguns comentários sobre suas aspirações de carreira e sobre as pressões que os levam a ingressar e a permanecer no mercado de trabalho. Eles ajudam a entender o descompasso entre os sonhos de futuro desses jovens e suas possibilidades objetivas de realizá-los. Se o desejo de ser reconhecido, de ser famoso, de ombrear com os ídolos não é apanágio dos jovens, certamente é entre esses que ele pulsa mais forte. Não é demais lembrar aqui a exaltação à juventude na programação da mídia, nas estratégias de marketing, no mundo da moda, na cobertura de esportes, música, dança e artes. Tampouco é demais lembrar o poder de influência do rádio e sobretudo da televisão - o primeiro presente em 97,4% e o segundo em 98,1% dos domicílios da RMRJ (PNAD- 1997) - na construção e na propagação de uma gramática do ser e do ter jovem. Esse poder tende a ser tanto maior sobre os jovens, quanto menores forem os espaços de circulação, as redes de sociabilidade, as alternativas de lazer, ocupação e informação que se abrem para eles. Não por acaso as carreiras de sucesso disseminadas pela mídia predominam nos sonhos e aspirações de futuro de grande parte de adolescentes e jovens pobres. “Quero ser que nem a Xuxa, rica, independente, fazer só o que eu gosto.” “Meu sonho é ser jogador de futebol, ganhar muita grana.” “E adiantou minha mãe estudar tanto, pra ganhar essa mixaria? Bom mesmo é ser modelo, poder viajar.” “Quero ser disc-jockey. Faturar me divertindo, só indo nos bailes.” Essa linha de desejo, marcada por dois atributos - reconhecimento social e compensação financeira6 - e extremamente influenciada pela exposição à mídia, não Morro União, Fernão Cardim, Telégrafos, Vidigal, Morro do Sossego, Floresta da Barra da Tijuca, Parque Candelária, Buriti-Congonhas, Tuiuti, Mato Alto, Vila Sapê, Borel, Salgueiro, Formiga, Nova Aliança, Parque Boa Esperança, Morro do Urubu, Caracol/Morro do Sereno/Caixa D’Água, Quinta do Caju e Parque Vitória, Morro da Bacia Encontro e Jacarezinho. 6 Na mesma direção apontariam os resultados de pesquisas como as de Zaluar e Leal (1997) e Minayo et al. (1999).
  4. 4. 4 deixa, por outro lado, de refletir uma certa consciência de seu próprio campo de possibilidades. Jovens pobres conhecem as histórias de vida dos que, como eles, foram criados nos morros e periferias das cidades, mas lograram se projetar nacional e internacionalmente. Sabem que as carreiras bem-sucedidas da maioria desses - Romário, Ronaldinho, Zeca Pagodinho, Claudinho e Buchecha entre tantos outros - dependeram menos da competição escolar e da educação formal e mais de seu talento, de sua garra individual no esporte ou nas artes. E, ao aludirem aos fatores que garantiram a seus ídolos o sucesso, acrescentam, como que invariavelmente, o componente sorte: a sorte de terem sido escolhidos por um agente, por um olheiro ou treinador esportivo, por um produtor de TV ou de bailes. Ora, jogar futebol ou vôlei, fazer música ou dançar são atividades que desde sempre estiveram integradas à socialização e à cultura de jovens pobres. Isso os aproxima de seus ídolos e realimenta a idéia de que o sonho é possível, passando a depender apenas da sorte. Também por isso sonham com aquelas carreiras e apostam na sorte de serem descobertos. O repertório das carreiras almejadas não se esgota, contudo, nessas de maior visibilidade. Ele passa, ainda, pelo diploma da faculdade (prosseguir os estudos e se formar), pelo desejo de estabilidade (ingressar na carreira militar), pelo fascínio da microeletrônica (quot;mexerquot; com computadores). Na gramática do ser, as aspirações de jovens pobres combinam prestígio social e financeiro, distanciam-se das posições ocupadas por seus pais e estão perfeitamente afinadas com seu próprio tempo. A esse propósito, assinalam Soares e Ventura que “à disciplina da revolução industrial, eles preferem a sedução da revolução pós-moderna. Os caminhos que os atraem são os caminhos estéticos, esportivos, da alta tecnologia, da informática, da televisão e do show business” (in Ventura:1994:217). Na gramática do ter, as aspirações de jovens pobres se mostram igualmente afinadas com seu tempo, respondendo a uma ideologia de consumo que se propaga em escala mundial e faz da juventude seu alvo principal. É o que, de maneira emblemática, demonstra uma letra de funk produzida por compositores de uma das favelas do Rio de Janeiro: “A onda do funkeiro meu amigo agora é De Nike, ou Reebock ou Puma estão no pé De bermuda da Cyclone ou então da TCK Boné da Hang-Loose, da Chicago ou Quebra-mar Outra novidade é o mizuno que abalou
  5. 5. 5 O tênis é responsa, é só andar muda de cor Existem várias marcas, você vai se amarrar By Toko, Alternativa, Arte Local ou TCK Anonimato amigo abala de montão KK é super shock, mas me amarro na Toulon Inventaram o Le Cheval, que atrás tem uma luzinha Chinelo trançado da Reedley, Toper, Rainha Sou o Mc Rogério, Marcelo sangue bom Moramos em Manguinhos E cantamos com emoção”. (Rap das marcas - MC Marcelo e MC Rogério) Num contexto em que os apelos da moda se multiplicam e se transformam com uma velocidade sem precedentes, em que a lógica do mercado converte o objeto do desejo de hoje no descartável de amanhã, em que o delete substitui o deleite, o acesso aos bens e serviços que compõem a pauta de consumo juvenil torna-se um dos estímulos decisivos para a entrada os jovens no mercado de trabalho. A esse estímulo se somam outros: garantir maior autonomia e liberdade; dar prosseguimento a seus estudos, custeando-os ou, inversamente, abandoná-los sem gerar conflitos no quadro familiar de origem); ganhar “moral” perante a família e prestígio pessoal, sobretudo pela possibilidade de gastar e exibir ícones de consumo, perante seus pares. Se essas são razões freqüentemente levantadas, há uma outra, entretanto, que é pouco discutida pelos analistas. De fato, na bibliografia que aborda o trabalho de jovens, são eles usualmente pensados na condição de filho ou filha e sua atividade econômica é vista como um esforço complementar ao trabalho dos adultos. Embora essa seja, efetivamente, a situação majoritária entre os jovens, não se pode esquecer, contudo, a parcela dos que já constituíram uma nova unidade doméstica, tornando-se responsáveis por seu próprio sustento e, em alguns casos, o de seus filhos. Aqui se patenteiam, claramente, as diferenças entre as juventudes: a responsabilidade com o casamento e com a família de procriação chega quase que invariavelmente mais cedo para jovens pobres. É o que atesta o confronto entre os dados da PNAD e os da PCBR. Em todas as faixas juvenis de sexo masculino, a proporção de chefes é sempre mais elevada para os jovens oriundos de favelas do que para o conjunto de jovens da RMRJ. Enquanto no total da RMRJ, aproximadamente 1/5 dos rapazes na faixa de 20 a 24 anos assume a condição de chefe de família, entre os moradores de favelas, a proporção se eleva para
  6. 6. 6 1/3. A situação se diferencia, ainda mais, no caso das mulheres. Já na faixa dos 15 aos 17 anos, a proporção de jovens moradoras de favelas que se vêem incumbidas da responsabilidade doméstica, como chefes ou cônjuges - 15,4% - é mais do que o dobro - da proporção para as jovens da RMRJ como um todo - 6,9%. Na de 20 a 24 anos, as jovens moradoras de favelas que deixaram a família de origem para formar uma nova já são majoritárias (56,0%), o que não verifica para o conjunto das jovens da RMRJ, que permanecem, predominantemente, na condição de filhas (48,3%). A assunção de uma identidade social como a de chefe, cônjuge, pai ou mãe de família, pai ou mãe solteiros leva jovens a se confrontarem com desafios, situações e escolhas que podem, muitas vezes, ser difíceis e danosos7. O certo, porém, é que mudanças dessa natureza aumentam os encargos econômicos e, em associação com os fatores já mencionados, ajudariam a explicar a pressão mais forte de jovens pobres sobre o mercado de trabalho. Diante destes constrangimentos, que até certo ponto lhes são comuns, jovens pobres responderão, entretanto, de modo diverso, submetendo-se às barreiras estabelecidas pelo mercado, superando-as, por meio de invenções, ou transgredindo-as. Vários deles, ainda, recorrerão a arranjos múltiplos, combinando estas distintas formas de inserção ou alternando-as em suas trajetórias econômicas. É o que exploro, a seguir. II. Barreiras, transgressões e invenções de mercado: a inserção econômica de jovens pobres Barreiras de mercado Ao tratar das mudanças que se vêm processando nos mercados de trabalho no Brasil e no exterior, a bibliografia especializada aponta para o fato de serem jovens e, em especial, jovens pobres os mais afetados pela novas e mais complexas exigências que acompanham a oferta de empregos, chamando a atenção para a alta taxa de desemprego que incide sobre eles. 7 Face, por exemplo, a uma gravidez na adolescência – que a literatura descreve como fenômeno que se vincula principalmente a meninas oriundas de estratos sociais de baixa renda (Camarano, 1998) - relações podem ser desfeitas, conflitos familiares exacerbados, projetos de estudos abandonados, vindo a acentuar o grau de vulnerabilidade dos jovens (Berquó, 1998).
  7. 7. 7 A situação do Rio de Janeiro não escapa a essa regra geral que faz do desemprego a primeira barreira com que se defrontam os jovens. Na RMRJ, a taxa média anual de desemprego, em 1998, foi de 5,4% para o conjunto da População Economicamente Ativa (PEA), mas entre os jovens ela atingiu 13,2% na faixa de 15 a 17 anos e 11,4% na de 18 a 24 anos8. A tendência se acentua entre os moradores de favelas. De acordo com os dados da PCBR, coletados no período 1998-9, a proporção de desempregados correspondeu a 12,3% do total da PEA, mas alcançou 16,5% na faixa etária de 15 a 17 anos, 24,2% na de 18 e 19 anos e 18,0% na de 20 a 24 anos. Que as taxas de desemprego sejam mais altas para os jovens do que para a PEA como um todo não é nenhuma novidade, mesmo porque sempre o foram. Se algo mudou foi a magnitude das taxas de desemprego, esse sim, o fenômeno novo e dramático trazido sobretudo pelos anos de 1990. Para explicar a mudança haveria que remeter, no plano macroeconômico, aos efeitos da abertura do mercado e da política de ajuste recessivo que, pontuando toda a década de 1990 no Brasil, gerariam um processo de substituição de produção nacional por produção importada e provocariam o desmantelamento de numerosos segmentos produtivos (Tavares, 1999:248). Haveria que lembrar, também, terem sido os anos de 1990 especialmente duros para o Rio de Janeiro. Como assinala Salm, “o Estado perdeu espaço no total do emprego formal do país, diminuindo não só em termos relativos mas também em termos absolutos, com subtração de quase 180 mil postos de trabalho formais entre 1991 e 1996” (Salm, 1998:174). No plano micro, é o que se explicita no discurso de lideranças da favela de Jacarezinho ao descreverem a crise de emprego para a população ali residente: “A gente vê: o Jacarezinho era o primeiro parque industrial, se transformou em segundo e agora acho que não é nem mais o quinto... A juventude antigamente tinha perspectiva. A juventude no Jacarezinho tinha um objetivo e tinha uma resposta. Ele [o jovem] sabia que ele ia estudar, não estudava muito, concluía o primário ou o ginásio, mas ele sabia: se fizesse um curso profissionalizante tinha trabalho. Mesmo as mulheres que não tinham essa oportunidade de um curso profissionalizante, mas elas também tinham trabalho. Então sabia: acabava o primário ou o ginásio, tinha o pai ou a mãe, o vizinho, o irmão [na fábrica]. Ou ia sozinho. Entrava em qualquer fábrica aqui em volta. Não tinha essa dificuldade de emprego. Ou dentro das fábricas 8 Sendo a taxa de desemprego bastante sensível a variações sazonais, utilizo aqui o valor médio anual da taxa de desemprego para 1998, extraído da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE e reproduzido in Síntese de Indicadores Sociais,1999.
  8. 8. 8 do próprio Jacaré ou nos bairros da periferia. Então havia um caminho. E o que que você tem hoje? Hoje a juventude não tem escola, não tem objetivo...” A par desse declínio nos postos formais de trabalho – elemento chave para a compreensão do desemprego, quer de jovens, quer de adultos – algumas hipóteses poderiam ser levantadas para dar conta do desemprego juvenil, propriamente dito. A primeira é, sem dúvida, a falta de experiência profissional que atinge os jovens como um todo, independentemente de sua origem social. É possível também que, em suas primeiras investidas no mercado, tentem encontrar algo mais próximo de suas aspirações e do perfil econômico que almejam para si próprios, o que contribuiria para dilatar seu tempo de procura de trabalho ou os faria flutuar entre situações de desemprego, ocupações intermitentes e inatividade. Tampouco se pode descartar a hipótese de que a procura de trabalho esteja servindo, de fato, para eufemizar, sobretudo no discurso de pais e mães de família, que são geralmente os informantes de pesquisas domiciliares, como a PCBR, a condição de inatividade de jovens ou seu envolvimento com atividades ilícitas. No que diz respeito especificamente a jovens pobres, haveria que acrescentar o baixo nível de escolarização formal que apresentam frente aos novos e maiores requerimentos educacionais das empresas. Enquanto grande parte destas passa a exigir uma escolaridade mínima de 8 anos como condição de admissão do trabalhador, jovens moradores de favela teriam apenas 6,0 anos médios de estudo na faixa de 15 a 17 anos, 6,6 na de 18 e 19 anos e 6,5 na de 20 a 24 anos. Por último e tomando por base o depoimento de vários informantes da pesquisa, caberia lembrar que a própria condição de moradores de favela pode dificultar-lhes o acesso ao emprego ou torná-los mais vulneráveis a demissões. Em poucas palavras, o estigma que associa a favela à delinqüência e em particular à delinqüência juvenil faria com que, pelas regras de admissão e demissão de determinadas firmas ou unidades familiares, jovens moradores de favela fossem quot;os últimos a entrarquot; e os quot;primeiros a sairquot; do emprego. Até agora, tratei apenas do desemprego aberto ou visível, que, no entanto, não parece ser a única manifestação do fenômeno. Os dados estatísticos demonstram ser alta na RMRJ e principalmente entre as favelas selecionadas a proporção de jovens apartados da escola e do mercado de trabalho, o que levanta a hipótese de ocorrência de desemprego oculto entre eles. Não teriam vários deles desistido de procurar trabalho,
  9. 9. 9 por não vislumbrarem chances de colocação no mercado, ou seja, por já estarem desalentados? A interpretação dos dados deve, contudo, ser feita com cautela de vez que aí se cruzam experiências e momentos de vida diferenciados. No caso de jovens de sexo feminino, é preciso considerar que, além dos afazeres domésticos, o casamento e a gravidez podem postergar seu ingresso ou interromper sua permanência no mercado de trabalho. Assim, o dado realmente alarmante é o que concerne a jovens de sexo masculino: na RMRJ, 8,3% de rapazes na faixa de 15 a 17 anos; 10,7% na de 18 e 19 anos e 6,8% na de 20 a 24 anos estavam fora da escola e da PEA (PNAD-1997), proporções que para o conjunto de favelas alcançavam, respectivamente, 14,8%, 18,3% e 8,8% (PCBR-1998/9), configurando o que se poderia chamar de juventude do nada faz9. Mesmo sendo numerosa essa juventude do nada faz, as evidências estatísticas demonstram que o peso dos jovens de 15 a 24 anos na População Economicamente Ativa (20,4% para a RMRJ e 22,7% para o conjunto de favelas) é maior do que seu peso demográfico (17,5% para a RMRJ e 19,8% para o conjunto de favelas), o que comprova a pressão, por eles exercida, sobre o mercado de trabalho. Que lugar reserva esse mercado para jovens pobres? Que carreiras e formas de ocupação econômica lhes são abertas? Buscando responder a estas questões, analiso, com base nos dados da PCBR, o elenco de ocupações juvenis mais representativas nas favelas (Tabela 1). Observadas em conjunto, as principais ocupações de jovens do sexo masculino sugerem que seus requisitos básicos são a força, o preparo físico e a destreza: braços fortes para as lides na construção civil, para o trabalho militar, para os serviços de carga e descarga, para as oficinas mecânicas; pernas ágeis para despachar a correspondência dos escritórios, enfrentar filas e atender aos clientes nos balcões de comércio, enfim, para todo o tipo de atividades manuais onde, se inscrevem como ajudantes, auxiliares ou aprendizes, sobretudo na faixa de 15 aos 19 anos. 9 Ao conceituar o nada faz por uma apartação tanto da escola quanto do mercado de trabalho, empresto- lhe um sentido mais amplo do que o utilizado nas pesquisas domiciliares. Nessas, a expressão refere-se apenas à condição de atividade do indivíduo, servindo para caracterizar aquele que, na semana de referência, não teria trabalhado nem tomado qualquer providência para obter trabalho.
  10. 10. 10 Das jovens mulheres, por sua vez, exigem-se, fundamentalmente, habilidades que marcam e se confundem com sua responsabilidade futura de donas-de-casa e mães de família: excetuando-se as atividades de comércio, suas ocupações se concentram nas lides domésticas, tarefas administrativas, guarda das crianças, costura e confecção e ensino básico. Tabela 1 - Ocupações juvenis mais representativas, por sexo Favelas selecionadas da Cidade do Rio de Janeiro - 1998 a) Homens Homens de 15 a 19 anos % Homens de 20 a 24anos % Total 100,0 Total 100,0 Em serviços administrativos 23,7 Em serviços administrativos 17,8 Vendedores e balconistas 20,8 Vendedores e balconistas 14,8 Construção civil 10,7 Construção civil 13,2 Militares, bombeiros e policiais 5,5 Conservação e limpeza 8,5 Conservação e limpeza 4,6 Militares, bombeiros e policiais 7,1 Motoristas 4,2 Cozinheiros e garçons 5,3 Mecânicos 4,1 Motoristas 4,8 Cozinheiros e garçons 3,6 Mecânicos 4,0 Ocupações do transporte de carga 2,7 Proteção e segurança 3,0 Ocupações da agropecuária 2,3 Gerentes 2,3 Outras 17,8 Outras 19,2 b) Mulheres Mulheres de 15 a 19 anos % Mulheres de 20 a 24 anos % Total 100,0 Total 100,0 Vendedoras e balconistas 27,4 Vendedoras e balconistas 24,1 Empregadas domésticas 20,2 Empregadas domésticas 19,5 Em serviços administrativos 11,3 Em serviços administrativos 10,8 Costureiras e estofadoras 6,6 Conservação e limpeza 7,0 Secretárias e datilógrafas 5,8 Contabilidade 6,0 Conservação e limpeza 4,6 Costureiras e estofadoras 5,3 Contabilidade 4,1 Operadoras de máquina 4,4
  11. 11. 11 Operadoras de máquina 4,0 Secretárias e datilógrafas 3,7 Coordenadoras 3,3 Coordenadoras 3,5 Cozinheiras e garçonetes 3,3 Cozinheiras e garçonetes 3,4 Outras 9,4 Outras 12,3 Fonte: PCBR/Secretaria Municipal de Trabalho do Rio de Janeiro e Science Salvo, portanto, algumas categorias – como, por exemplo, secretárias, coordenadores e gerentes – que, embora vagas e imprecisas, demandariam maior preparo intelectual e poderiam propiciar maiores oportunidades de mobilidade ocupacional, o espaço econômico aberto a jovens pobres corresponde a uma sucessão de tarefas manuais, por vezes árduas e arriscadas e quase sempre monótonas e repetitivas. Se essas são características recorrentes do trabalho de jovens pobres, é evidente que ele pouco se coaduna com o sentido de aprendizado e com o direito à profissionalização, previstos na Constituição Federal de 1988. É evidente também que dificilmente seu exercício garantirá aos jovens trabalhadores de hoje condições de melhor inserção profissional no futuro. Restaria por analisar a contrapartida financeira deste trabalho. Embora entre jovens moradores de favela também se observe uma diferenciação de rendimento por sexo e por faixas etárias, o que efetivamente chama a atenção é o nivelamento, pela base, de seus rendimentos. De acordo com a PCBR, 50,9% do total de homens e 68,6% do total de mulheres na faixa de 20 a 24 anos auferiam rendimentos de até 2 salários mínimos mensais, proporções que na faixa dos 18 e 19 anos alcançavam, respectivamente, 73,8% e 79,8% daqueles totais e, na faixa de 15 a 17 anos, eram superiores a 90% para ambos os sexos. Em síntese, o lugar reservado a jovens pobres na divisão de trabalho se caracteriza pelo predomínio de ocupações manuais de baixa qualificação e por reduzidos níveis de remuneração, quando não pelo desemprego propriamente dito. Não é de estranhar, pois, que face à “droga da economia”, uma parcela crescente de jovens pobres se sinta atraída e acabe por se enredar na “economia da droga”.
  12. 12. 12 Transgressões A economia da droga aumentou significativamente nas duas últimas décadas, a partir sobretudo da difusão do consumo de maconha e cocaína nos diversos segmentos sociais. No Rio, pontos de venda se espalham por toda a parte, invadindo escolas e universidades públicas e privadas, praias, bares, boates, discotecas, shoppings e condomínios fechados de classe média, o que demonstra a facilidade de acesso às drogas e a transversalidade de seu consumo. Mas se isso é verdade, é verdade também que no Rio o crescimento da economia da droga ganhou um componente trágico, a saber, um contorno, uma delimitação espacial que acabaria por reacender velhos estigmas e práticas de criminalização dos pobres como classes perigosas10. Refiro-me ao fato de o comércio de drogas ter vindo a concentrar seus pontos de distribuição e venda a varejo em favelas da cidade. Assim, quando se supunha que a condição de insegurança social que sempre acompanhou os moradores de favelas, em decorrência da irregularidade da posse da terra, pudesse ser revertida pelos projetos de urbanização e pelas iniciativas de titulação de posse que, desde o início dos anos 1980, passavam a orientar a política urbana em relação às favelas, um novo e violento processo de ocupação viria a convulsioná-las, subjugando muitas ao domínio territorial de quadrilhas do narcotráfico. Sem dúvida, são diferentes a extensão e a intensidade com que esse domínio se exerce nas favelas. Compare-se, por exemplo, a visibilidade e o poder do narcotráfico em três delas: Jacarezinho, Serrinha e Chapéu Mangueira. Durante minha pesquisa de campo, líderes e moradores do Chapéu Mangueira e da Serrinha recorrentemente aludiam à quot;tranqüilidadequot;, ao fato de que quot;aqui não tem a violência que tem em outras favelasquot; como uma das grandes vantagens de seus locais de moradia. Ainda que presentes nas duas áreas, o consumo e o tráfico de drogas se faziam de forma discreta, não ostensiva, representando mais uma ameaça do que uma interferência direta na vida dos moradores. 10 Nesse sentido, assinala Misse (1997:95) que “a extrema visibilidade do problema do tráfico de drogas no Rio de Janeiro decorre exatamente de sua reificação comunitária abrangente numa grande metrópole. O caráter territorial-político-militar do comércio de drogas no Rio de Janeiro, que praticamente se confunde com os limites de centenas de comunidades urbanas pobres da cidade, transforma esse mercado ilícito e seus efeitos de violência em ponto de convergência seja do sentimento público de 'insegurança', seja em foco privilegiado das políticas de criminalização.”
  13. 13. 13 O quadro delineado nessas favelas é radicalmente diverso do que se apresenta na de Jacarezinho. Nessa, uma particular conjugação de fatores – entre os quais sobressaem os impactos da crise industrial, já discutida antes, o fato de ali ter sido implantada uma das mais antigas organizações do narcotráfico, o próprio tamanho da favela e sua localização estratégica – vem impulsionando as redes do “crime-negócio” (Zaluar,1998) e a adesão de jovens à economia das drogas ilícitas e das armas. Além disso, a imagem pública do Jacarezinho como a favela mais armada, a que tem o maior exército e a que oferece o melhor tóxico, constantemente refletida no noticiário da imprensa, também contribui para reforçar o mesmo círculo vicioso. É o que se espelha no depoimento de alguns de seus líderes: “As oportunidades de trabalho diminuíram muito e a população, a juventude sem opção caiu na droga. Vende, vende muito, ele [o traficante] não sai da favela pra vender, o viciado vem aqui pra comprar. Então eu acho que esse lance do Jacaré, essa crise... Tem outra coisa também. Jacarezinho, o histórico industrial dela morreu e o Jacarezinho é conhecido como a favela do tráfico e das armas. A segunda maior favela do Rio. E quais as outras referências que você vê na imprensa? O melhor tóxico do Rio, a mais armada e o maior exército. O que dá subsídio a outras favelas. Então, hoje em dia, o Jacarezinho tem essa identificação: se o tráfico tem um exército, o Jacarezinho seria, se a gente fosse comparar com o exército, o CPOR. É aquela força pra reserva. Na hora que precisa são eles que vão. Não é pra toda hora, mas é o reforço.” Não cabe, nos propósitos dessa análise, discutir as razões que explicam o domínio do narcotráfico, suas formas de estruturação e aliciamento, bem como a escalada de violência que daí resulta para o conjunto de moradores de favelas e periferias. Tais aspectos, focalizados de modo pioneiro por Zaluar desde o início dos anos 1980, foram, ao longo dos anos 1990, ampla e exaustivamente estudados nos trabalhos desta (Zaluar 1994a,1994b,1998) e de outros pesquisadores (Soares 1993,1996; Ventura, 1994; Leeds,1998; Velho e Alvito,1996 e Alvito,1998). Aqui gostaria apenas de me deter em dois pontos enfatizados por esses autores. O primeiro é o de que o crescimento e a consolidação do poder do narcotráfico em favelas e periferias só se tornaram possíveis por um quadro de condições socioeconômicas, vivido e representado - principal-mente por jovens - sob a marca da exclusão, ao qual se combina a fraca presença do poder público. Ou, o que é mais grave, a um poder público que se inscreve pelo braço armado da polícia, vista o mais das vezes como corrupta, conivente com os bandidos e tão violenta quanto estes. O segundo é o de que são adolescentes e jovens, com idades que variam entre 10 e 25 anos, que formam,
  14. 14. 14 em grande parte, o exército ativo ou de reserva do narcotráfico em favelas e periferias. São eles, também, suas principais vítimas, ceifados nas constantes guerras entre gangues rivais ou nos confrontos com a polícia. A partir daí, gostaria de ressaltar algumas dimensões dessa participação de jovens na economia ilegal, com base nos trabalhos acadêmicos que tratam do tema, no acompanhamento de notícias publicadas na imprensa e em minha própria pesquisa de campo: (I) o recrutamento para as hostes do narcotráfico –“olheiros”, “aviõezinhos”, “soldados”, “gerentes” e, inclusive, “donos do negócio” - vem se dando em faixas etárias cada vez mais jovens. A rotatividade dos chefes, quase sempre determinada por morte ou prisão, é cada vez maior, contribuindo para o fracionamento de quadrilhas e comandos (Comando Vermelho, Comando Jovem, Terceiro Comando, Amigos dos Amigos) e acirrando as disputas e guerras pelo controle do território; (II) aumentando o consumo tanto da maconha, quanto da cocaína, por parte de crianças e adolescentes, aumenta também o engajamento destes no tráfico de drogas ilícitas, por meio de sua submissão ao vício; (III) no recrutamento de “soldados” um dos fatores fundamentais é a disposição para matar. Seu simétrico inverso é a disposição para morrer alimentada por assertivas do tipo é quot;melhor viver pouco, mas viver bemquot; e que encontra sua tradução na espantosa escalada de homicídios de jovens do sexo masculino: entre 1980 e 1995, no Rio de Janeiro, os coeficientes de homicídios (por 100.000 habitantes) passaram de 58,8 para 183,2 – na faixa de 15 a 19 anos - e de 112,4 para 272,6 – na faixa de 20 a 24 anos (Mello Jorge, 1998); (IV) se a contigüidade espacial nas favelas e periferias obriga a uma convivência diária entre trabalhadores e bandidos, relações de vizinhança, parentesco, conhecimento ou clientela concorrem para que as fronteiras da economia ilegal se cruzem com ou tenham uma interface na economia legal. Daí deriva um intrincado feixe de relações econômicas que se articulam e, em certa medida, passam a depender da atividade do narcotráfico, sem, entretanto, serem parte da economia da droga, propriamente dita; (V) por outro lado, expressões como quot;trabalha na bocaquot;, ou quot;trabalha no movimentoquot; e o uso de termos como quot;gerentequot; e quot;dono do negócioquot;, recorrentes na fala
  15. 15. 15 dos moradores tendem a naturalizar o crime-negócio como negócio. No mesmo sentido, operariam também os diferentes graus de envolvimento com a rede do narcotráfico; (VI) múltiplos fatores são acionados para explicar a não entrada do jovens na economia ilegal: a moral da família, a religião, a participação política. Mas a ameaça de o crime-negócio vir a seduzi-los está sempre presente; (VII) várias são as portas de entrada para a economia ilegal: a opção pelo poder e a glória, mesmo que efêmeros, fortalecida por uma cultura de machismo e por um ethos guerreiro; o vício; um ato movido pelo desespero; uma briga com um bandido que desencadeia um processo de vingança; uma batida policial que pega o jovem e o humilha, sob suspeita de vadiagem, despertando nele a revolta contra o arbítrio policial. Com freqüência, ainda, o ingresso no mundo do crime se dá sob o impulso do consumo, como quot;uma maneira fácil de comprarquot; e ostentar os ícones da moda; (VIII) embora o crime-negócio permaneça como um domínio preponderantemente viril, cresce a presença de mulheres, já detectada por Zaluar (1994a) como tendo origem basicamente no amor ao bandido e no vício. Com a prisão ou o afastamento forçado de um grande número de bandidos, amplia-se o poder que, em seu nome, passa a ser exercido por suas quot;mulheres de confiançaquot; (cônjuges, irmãs, namoradas) na organização e sustentação das antigas redes 11; (IX) se o caminho do crime é o mais da vezes um caminho sem volta, há, contudo, saídas. Desde que não esteja em dívida com o chefe do tráfico, que não seja visto como quot;vacilãoquot;, isto é, como alguém que venha a se transformar em quot;X-9quot; (alcagüete) e denunciar o esquema, saídas do mundo do crime podem ocorrer por pressão de familiares e amigos e por meio de conversões - religiosa, política ou artística -, capazes de reintegrar o jovem à vida social. É nesse contexto que as teias de relação social e as invenções de mercado, além de serem um antídoto contra o crime, assumem uma função salvadora. 11 Investigações sobre a quadrilha de Fernandinho Beira Mar, tido como o responsável pelo abastecimento de drogas em várias favelas do Rio e na região dos Lagos, apontam para o papel de relevo de mulheres no esquema operacional da quadrilha, especialmente nos contatos funcionais e na gestão de recursos financeiros. Cf O Globo, 2/11/99; 5/11/99; 10/12/99; 11/12/99 e Jornal do Brasil, 6/11/99; 9/11/99 e 11/12/99.
  16. 16. 16 Invenções de mercado O que são “as invenções de mercado”? São profissões e carreiras que oferecem a jovens pobres condições de desenvolverem e aprimorarem seus talentos, reforçando sua auto-estima, e fazendo com que se sintam socialmente úteis e reconhecidos. São profissões e carreiras que inserem o jovem na zona de coesão social, por uma inscrição de trabalho valorizada e pela ampliação de seus circuitos de trocas. Ao contrário das oportunidades usualmente oferecidas no mercado e representadas como cativeiro, tais profissões e carreiras imprimem ao trabalho de jovens o sentido do lúdico, do hedonismo grupal, do resgate de sua própria cultura, sendo vistas e vividas como uma afirmação de autonomia. Como indiquei antes, práticas esportivas e artísticas fazem parte da socialização, da cultura de jovens pobres e encontram apoio na visão dos adultos que acham “que jovens precisam se divertir”. Uma coisa, no entanto, é diversão e outra profissionalização. Assim, é exatamente na passagem da diversão para a profissionalização, que dificuldades e resistências começam a aparecer. Por dependerem da “sorte”, carreiras esportivas e artísticas são vistas como um vôo no escuro. Contrapõem-se a um modo de vida que, frente às incertezas econômicas e sociais, tende a privilegiar a estabilidade do emprego e a regularidade dos rendimentos. As resistências tendem a ser mais acentuadas no caso das carreiras artísticas, que trazem o medo dos perigos associados à noite, à boêmia, à malandragem, aos vícios. Aqui, novamente, diferenciações entre favelas podem ser percebidas. A situação da Mangueira, berço e palácio do samba, que hoje dispõe inclusive de um espaço para a memória cultural, é até certo ponto singular. Mas para que pudesse ali chegar, para que a cultura do samba viesse a ser socialmente reconhecida e legitimada, foram necessários anos de luta contra o estigma da marginalidade. E foram necessários também o concurso e a adesão de músicos, jornalistas e intelectuais das classes médias. No Jacarezinho, ouço dizer, não sem uma ponta de inveja, que “a Mangueira foi adotada por tudo que é intelectual da Zona Sul, por tudo que é artista famoso”. Ouço dizer, também, que ali o samba não vingou, por causa da fábrica, da identificação do
  17. 17. 17 trabalho com a condição operária. Ser artista seria, portanto, particularmente difícil no Jacarezinho: “E o sambista sempre foi um marginal. Qual a relação que você tinha? Que o sambista não trabalha. Que o sambista é um boêmio que passa a noite inteira curtindo a vida e de dia dorme.. Eu me lembro que a gente morava em frente ao bloco ali. Me lembro de uma pessoa, o L., que se dedicava 24 horas por dia ao samba. Um batalhador aqui dentro, compositor do Mosquito, do Jacaré. Mas eu não conseguia enxergar o L. como trabalhando, no sentido da palavra, na fábrica. A gente não tinha essa visão que o samba era trabalho. Até ele mesmo não tinha essa visão de que o que ele fazia era trabalho. O trabalhador, o operário não via o sambista como um outro trabalhador. Via como um marginal. Só quando o cara estoura, só quando o cara estoura que deixa de ser um marginal. Um nome. Enquanto isso, ninguém respeita, ninguém acredita...” Essa não é uma visão exclusiva de moradores de Jacarezinho. Masters of ceremony (MC's), Disc-Jockeys (DJ's) e outros jovens artistas pontuam, recorrentemente em suas falas, as resistências de seus pais ou responsáveis a seus projetos artísticos. Muitos narram também como estiveram na corda bamba entre o legal e o ilegal, como cruzaram estas fronteiras e foram salvos pela arte. Reproduzo, a seguir, um depoimento exemplar. Ele parte de G., integrante das atividades circenses do Projeto Se essa rua fosse minha. Hoje, aos 19 anos, G. dá aulas no Circo Social, é instrutor de capoeira em uma academia e trabalha no Teatro do Anônimo. “Quando entrei pro circo, minha mãe começou a pressionar: 'que fazer circo o quê? Você não ganha nada com isso!' Acabei me envolvendo com o tráfico no morro onde morava. Não sou uma cara mau. Foi um momento de necessidade. Fiquei dois anos. Depois morei no Espírito Santo, morei em Niterói. O dono da boca me deixou ir embora porque viu que eu não tinha vacilação nenhuma. Daí voltei pro Projeto. A essa altura já me davam como morto.” (In Jornal do Brasil 10/6/99) Ressalve-se, porém, não serem apenas resistências culturais que dificultam a profissionalização de jovens pobres pela arte ou pelo esporte. É também, e talvez principalmente, a falta de apoio e incentivo por parte dos órgãos públicos. Como, por exemplo, desenvolver a prática do esporte, se uma favela do porte de Jacarezinho - a segunda do município - não dispõe sequer de um campo de futebol?
  18. 18. 18 “Os terrenos baldios que antes eram usados como área de lazer, hoje são ocupados por favelas. Aqui no Jacarezinho, tinha esses campinhos de pelada. Tinha 5 ou seis campos...Agora só temos dois – um soçaite e um campo grande - nem dois, por que um é fora. Aí é o que eu digo. Culpa de quem? Do governo. Do descaso do governo. Não tem parque, não tem mais nada disso. Não sobra nada pra garotada. Só sobra baile funk. Afora isso fica difícil.” É, portanto, vencendo resistências, inventando seu próprio mercado e contando com a sorte que jovens pobres conseguem realizar suas carreiras nas artes e no esporte. A trilha aberta pela música – o samba, o pagode, o funk, e o hip hop – é impressionante. E essa trilha percorre o Brasil todo, como atestam movimentos musicais, como o Olodum da Bahia ou o Movimento Mangue de Pernambuco. Ao mesmo tempo em que partem e vão ao encontro sobretudo de jovens pobres, transmitindo na linguagem que lhes é própria a visão que têm da sociedade e do lugar que nela ocupam, seus medos e frustrações, suas esperanças e projetos de futuro, tais movimentos rompem fronteiras de classe e de cor, ganham visibilidade e prestígio social e criam alternativas a um trabalho monótono, árduo e mal remunerado, por um lado, e à sedução do mundo do crime, por outro. E se a música abre possibilidades para que esses jovens conquistem e reforcem sua auto-estima, a própria identidade destes com seus locais de origem, acaba por imprimir também um novo olhar e por despertar uma nova atenção sobre as favelas : “Eu só quero é ser feliz “Favela não é só crime Andar tranqüilamente Favela também é arte na favela onde eu nasci Isto está provado E poder me orgulhar Ouvimos em toda parte.” E ter a consciência de que o pobre tem seu lugar.” (Favela também é arte, de Mr Catra) (Rap da Felicidade, de Katia, Cidinho e Doca) “Se acha que estou de baboseira ou caô Pisa nas ruas de barro, sem luz ou faixa Veja a diferença do Japeri pro Metro amarela Olha a praia de Ramos e a praia do Arpoador Nas vielas da favela não existem nem calçadas Olha a Linha Vermelha encostada nas favelas Muita gente brutalmente na mesma foi Asfalto sofisticado, moderna, coisa tão bela massacrada Passarela, telefone, gringos passando nela E fica por isso mesmo, a justiça não faz nada.” Foi feita pra presidente, prefeito e seus sentinelas (Prisão de Cristal, de Leo e Xhacal, Enquanto o povo se equilibra em banguela compositores da Maré)
  19. 19. Na mesma sintonia, operam o teatro, a dança e o cinema12. Músicos, compositores, dançarinos e atores são o elo mais visível dessa cadeia artística, que incorpora ainda de uma enorme legião de instaladores e operadores de som, técnicos de iluminação e carpintaria, de produção e divulgação de eventos, quase sempre recrutados entre jovens oriundos de comunidades de baixa renda. Em paralelo às carreiras artísticas e esportivas ou por vezes cruzando-se com elas, outras invenções de mercado vêm criando oportunidades ocupacionais, sobretudo para jovens pobres. Entre essas estariam incluídas as rádios comunitárias que funcionam informalmente como uma espécie de Internet dos morros e das periferias13. Montadas com pouco recursos e operando com receitas de anúncios de comerciantes da própria localidade, tais rádios têm uma programação diária que se baseia numa forte interação com seus ouvintes. Elas divulgam serviços de utilidade pública, concursos e ofertas de emprego, eventos da comunidade e, acima de tudo, muita música. Tornam-se, desse modo, responsáveis pelo sucesso de vendas de cantores e compositores invisíveis para o grande mercado, promovendo um circuito alternativo de produção e comercialização de discos e fitas. Outra invenção de mercado corresponde à 2a ou 3a geração de ONGs comunitárias - feitas por jovens ou a eles direcionadas - com o apoio ou a parceria de outras ONGs, empresas e agências públicas. Ligadas à cultura, à preservação da memória das favelas, a trabalhos comunitários nas áreas da saúde ou da educação, elas representam um fenômeno importante de apropriação, por parte dos moradores de favelas e periferias, de mecanismos e circuitos de profissionalização, geração de rendimentos e construção de cidadania trazidos pelo chamado “terceiro setor”14. Deixei, propositalmente para o final o tratamento das carreiras universitárias. Até que ponto podem elas ser vistas e interpretadas como uma invenção de mercado para jovens pobres? 12 Como exemplificam, entre outros, o grupo de teatro e cinema Nós do Morro da favela do Vidigal, o Grupo Afroreggae da favela de Vigário Geral e a escola de street dance da favela da Rocinha. 13 Segundo estimativas, haveria cerca de 300 rádios comunitárias funcionando na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (O Globo 23/5/99). 14 Sobre ONGs voltadas para jovens, seus objetivos, área de atuação e parcerias ver o mapeamento feito por Novaes e Mafra (1998), englobando 22 organizações deste tipo.
  20. 20. 20 Por todas as razões já discutidas antes, são esses que enfrentam maiores dificuldades de superar o funil educacional. Assim, o acesso ao diploma de 3o Grau já representaria, em si, uma prova de êxito pessoal, uma afirmação de que o jovem logrou ultrapassar as barreiras que lhe são impostas. Mas, na verdade, outros fatores se acoplam a este para atribuir a carreiras universitárias, exercidas por jovens pobres, a característica de invenção de mercado. Nesse sentido, três traços devem ser destacados: A carreira universitária – uma situação que, de acordo com o dados da PCBR, era vivida apenas por 0,5% dos residentes em favela– é uma opção que vai exigir de jovens pobres uma grande dose de perseverança, esforço e sacrifício individuais (Teixeira,1998; Mariz et al., 1998). O esforço de concentração requerido pelos estudos os leva a se distanciarem e se isolarem de seus pares: “Minhas irmãs eram populares, tinham muitos amigos. Eu era considerada antipática. Não tinha grupo.” (C. moradora da favela Baixa do Sapateiro, graduada em História pela UERJ, in Souza e Silva, 1999 reproduzida in Veja Rio, ano 9, n.41, outubro de 1999). Ao mesmo tempo, a entrada na Universidade e o convívio com alunos e professores oriundos de outros estratos sociais e com outra bagagem cultural tendem a acentuar a sensação de deslocamento, de estranheza: “Quem não tinha conhecimentos ficava fora do assunto. Aí eu falava comigo mesma: eu gosto de participar, sempre liderei os assuntos. Agora estou me vendo, me sentindo pequena, entendeu? Não consigo participar, não consigo fazer perguntas.” (L., moradora da favela da Rocinha, estudante de Serviço Social na PUC/RJ, in Mariz et al, 1998:330). “E de uma hora para a outra eu era aluno da UFRJ, olhava as pessoas e pensava: o que estou fazendo aqui? Como se não bastasse, descobri minha grande deficiência. Não sabia de fato ler. O que é fichamento? O que é discutir?” (M., morador da favela Nova Holanda, graduado em História pela UFRJ, in Souza e Silva, 1999 reproduzida in Veja Rio, ano 9, n.41, outubro de 1999). O segundo traço é a importância de redes capazes de despertar em jovens pobres o interesse em prosseguir seus estudos e de lhes dar o suporte necessário para fazê-lo. Este suporte pode vir da família, de mediadores externos tais como professores, patrões ou colegas de trabalho, de redes religiosas, como as Pastorais Católicas de movimentos musicais e sociais ou de partidos políticos. Mais recentemente um novo e forte incentivo às carreiras universitárias viria por meio dos
  21. 21. 21 cursos de Pré-vestibular dirigidos a jovens negros e carentes (Novaes e Mafra,1998; Mariz et al. 1998). O terceiro traço é o de que se o sacrifício implícito na obtenção do diploma é maior para jovens pobres, maior é também o reconhecimento a eles prestado, quando atingem aquele objetivo. A percepção das dificuldades e obstáculos que se interpõem ao êxito escolar faz com que o diploma seja altamente valorizado e o jovem universitário se transforme em modelo para crianças e jovens e motivo de orgulho na comunidade. “Eu acho que é importante também a gente poder dizer: 'olha tem gente aqui que estuda, que está fazendo faculdade'. Pobre, sem dinheiro, sem nenhum apoio, nenhum estímulo, se esforça tanto que consegue. E o pessoal gosta, admira...”(A., morador da favela do Timbau e graduado em Direito, in Mariz et al.:1998, 331). É nesse contexto que as carreiras universitárias passam, em muitos casos, a ser impulsionadas não apenas pelo desejo de ascensão individual, mas também por um projeto de mudança social. Por meio dessas carreiras um número crescente de jovens, nascidos e criados na favela, ali permanece e tenta viabilizar propostas e dinâmicas de integração 15. Longe de negarem sua origem social, é pela afirmação desta origem, por seu conhecimento da geografia, da história e da sociologia do local e pela aplicação de seu saber acadêmico a uma dinâmica de transformação social, que esses jovens se inscrevem na vida produtiva – ocupando o mais das vezes postos no serviço público, em ONGs ou na hierarquia política das próprias favelas. Doutores da e em favela, participam eles de diversos foros de debate e planejamento, têm acesso à mídia e se contrapõem ao estigma lançado sobre a favela como um exemplo que suscita admiração e respeito. Essa, sua invenção de mercado. 15 Com isso não estou afirmando que todos os jovens universitários oriundos de favela exerçam ali algum tipo de trabalho social, nem tampouco que a moradia no local seja condição sine qua non para a realização daquele trabalho. Há jovens que alcançando o diploma - ou tendo outras oportunidades de ascensão - procuram exatamente cortar seus vínculos com a favela. Outros, mesmo tendo se mudado, ali desenvolvem projetos de cunho social e há, ainda, os que, em decorrência de seu próprio trabalho, receberam ameaças e foram obrigados a se afastar.
  22. 22. 22 IV. Conclusão Ao longo deste trabalho mostrei que jovens pobres detêm hoje, no Rio de Janeiro, como no Brasil, um peso preponderante na estrutura demográfica e apresentam um alto grau de vulnerabilidade, por enfrentarem maiores dificuldades na escola e no mercado de trabalho e por serem os mais atingidos pela violência urbana. Mostrei, também, que os jovens de hoje estão muito mais expostos às mensagens da mídia, com seu poder de informação e sua influência na criação e difusão de novas necessidades. O contexto daí resultante - em que se generalizam sonhos e aspirações de consumo, aumenta a distância entre os que podem ou não realizá-los e se aguça a percepção da desigualdade social – tem dado margem a atitudes de descontentamento e revolta entre jovens pobres. Crescem entre eles a impaciência em relação à política e o sentimento de injustiça. E cresce sua adesão às redes do crime-negócio. Tal situação não é específica do Rio de Janeiro, nem tampouco das grandes cidades brasileiras, configurando-se, mais propriamente, como um problema de simultaneidade internacional. É inegável, porém, que entre nós o desafio de integração social da juventude pobre adquire contornos particularmente dramáticos. Seu enfrentamento passa pela interseção, necessária e urgente, de políticas nas áreas da educação, cultura, saúde, trabalho, profissionalização e segurança. E passa também pelo reconhecimento de que políticas dessa natureza devem ser implementadas não apenas com o intuito de prevenir a delinqüência juvenil, mas também e principalmente por serem exigências básicas de qualquer sociedade com pretensão de justiça social. BIBLIOGRAFIA ALVITO, Marcos. A honra de Acari. In VELHO, Gilberto e ALVITO, Marcos (org.), Cidadania e violência. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996. ____ As Cores de Acari. Tese de Doutorado em Antropologia - Departamento de Antropologia, Universidade de São Paulo,1998. BERQUÓ, Elza. Quando, como e com quem se casam os jovens brasileiros. In Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas, v.1. Brasília: CNDP, 1998
  23. 23. 23 CAMARANO, Ana Amélia. Fecundidade e anticoncepção da população jovem. In Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas, v.1. Brasília: CNDP,1998. CASTEL, Robert. Les métamorphoses de la question sociale. Paris: Fayard, 1995. CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS BENTO RUBIÃO. As favelas e as organizações comunitárias. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. FIORI, José Luis. et al. (orgs.). Globalização: O fato e o mito. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998. IBGE/DEPIS. Síntese de indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 1999. LEEDS, Elizabeth. Cocaína e poderes paralelos na periferia urbana brasileira: ameaças à democratização em nível local. In ZALUAR, Alba e ALVITO, Marcos. Um século de favela. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998. MARIZ, Cecília, FERNANDES, Silvia R.A. e BATISTA., Roberto. Os universitários da favela. In ZALUAR, Alba e ALVITO, Marcos. Um século de favela. Rio de Janeiro: Editora FGV,1998. MELLO JORGE, M. Helena P. de. Como morrem nossos jovens. In Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas, v.1. Brasília: CNDP,1998. MINAYO, Maria Cecília de Souza et al.. Fala, galera: juventude, violência e cidadania. Rio de Janeiro: Garamond, 1999. MISSE, Michel. As ligações perigosas. Mercado informal e ilegal, narcotráfico e violência no Rio. In Contemporaneidade e educação: Revista semestral de Ciências Sociais e Educação, ano II, n.1. Rio de Janeiro: IEC, 1997. NOVAES, Regina e MAFRA, Clara. (orgs.) Juventude: Conflito e solidariedade, Comunicações do ISER, n.50, Ano 17, 1998. SALM, Claudio As metamorfoses do trabalho. In FIORI, José Luíz et al. (orgs.). Globalização: O fato e o mito. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998. SOARES, Luis Eduardo. Violência e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/ISER, 1996. ____ (coord.). Criminalidade urbana e violência: o Rio de Janeiro no contexto internacional. Rio de Janeiro: ISER, 1993. SOUTO DE OLIVEIRA, Jane. Juventude pobre: o desafio da integração. Tese de doutorado em Saúde Coletiva - Instituto de Medicina Social da UERJ. Rio de Janeiro, 1999.
  24. 24. 24 TAVARES, Maria da Conceição. Destruição não criadora: memórias de um mandato popular contra a recessão, o desemprego e a globalização subordinada. Rio de Janeiro: Record, 1999. TEIXEIRA, Moema de Poli. Negros em ascensão social. Tese de Doutorado em Antropologia Social - Programa de Pós Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional/UFRJ, 1998. VELHO, Gilberto e ALVITO, Marcos (org.), Cidadania e violência. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996. VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994. VENTURA, Zuenir. A cidade partida. Rio de Janeiro: Companhia da Letras, 1994. ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense,1985. ____ Condomínio do diabo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ e Revan, 1994a. ____ (org.), Drogas e Cidadania - repressão ou redução dos riscos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994b. ____.Para não dizer que não falei de samba: os enigmas da violência no Brasil. In Historia da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea, v 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

×