Os novos papéis do e-publisher

920 visualizações

Publicada em

Apresentação feita em 31 de agosto de 2012 na Câmara dos Deputados, Brasília/DF.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
920
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
143
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os novos papéis do e-publisher

  1. 1. OS NOVOS PAPÉIS DO E-PUBLISHER COMPREENDENDO E IMPLEMENTADO PLATAFORMAS E WORKFLOWS EDITORIAIS(DIGITAIS E SOCIAIS) CENTRADOS EM CONTEÚDO CÂMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA, AGO/2012 CLÁUDIO SOARES @cssoares ObliqPress.com ObliqPress 1
  2. 2. SOBRE A OBLIQAjudamos a construir uma cultura tecnológica criativa esistemas necessários para sustentar inovação elançamento de novos empreendimentos editoriaisNOSSA FILOSOFIAA Obliq atende seus clientes com produtos e serviçosintegrados às mídias e tecnologias sociais,proporcionando maior economia, agilidade e retornosobre o investimento em projetos editoriais.EDITORA “OPEN SOURCE”A Obliq aplica disciplinas da engenharia de software na produção de livros. A Obliq Press seinteressa pela inovação aplicada ao livro, fazendo uso de plataformas de consumo emergentes,como os leitores eletrônicos, tablets e celulares, bem como os mais recentes recursos decomputação e de mídia de alta performance visual.
  3. 3. Fórum permanente para pesquisa, diálogo eexperiências sobre a leitura 2.0. Junte-se aodiálogo. Acesse, conecte-se, participe.
  4. 4. lerparaviver.com.br @lerparaviver ObliqPress.com 4
  5. 5. ObliqPress.com 5
  6. 6. Agenda• PARTE 1 – Três epígrafes e uma pergunta – Algumas notícias do front – De onde viemos: a sociedade do conhecimento – Breve história da leitura 2.0 – Cultura nerd• PARTE 2 – Workflow editorial digital – Catedrais e bazares: O que os editores podem aprender com os desenvolvedores de software – Para onde vamos: do livro ao computador, de volta ao livro – Alguns números e estatísticas ObliqPress.com 6
  7. 7. PALESTRANTE ObliqPress.com 7
  8. 8. PALESTRANTE CLÁUDIO SOARES é diretor executivo da ObliqPress, startup especializada em tecnologia editorial, representante da plataforma de publicação on-line Pressbooks no Brasil. E: claudio@obliqpress.com T: @obliqpress ObliqPress.com 8
  9. 9. ObliqPress.com 9
  10. 10. CLÁUDIO SOARES produziu os livros digitais de 1822, Elite da Tropa 2, As Cariocas etc, que inauguraram a loja de ebooks do Grupo Pão de Açucar.ObliqPress.com 10
  11. 11. CLÁUDIO SOARES coordenou o prêmio Blogbooks 2010, que publicou em livro 17 blogs. O concurso recebeu mais de 1 milhão de votos.ObliqPress.com 11
  12. 12. CLÁUDIO SOARES , em 2010, foireconhecido, por uma importantepublicação americana, como umadas melhores fontes de referênciasobre e-books no Twitter. ObliqPress.com 12
  13. 13. CLÁUDIO SOARES é colaboradorde jornais e outros periódicos. ObliqPress.com 13
  14. 14. CLÁUDIO SOARES é colaboradorde jornais e outros periódicos. ObliqPress.com 14
  15. 15. CLÁUDIO SOARES é colabor de jornais e outros periódicos.ObliqPress.com 15
  16. 16. CLÁUDIO SOARES é colaboradorde jornais e outros periódicos. ObliqPress.com 16
  17. 17. CLÁUDIO SOARES é colaboradorde jornais e outros periódicos. ObliqPress.com 17
  18. 18. CLÁUDIO SOARES é autor doromance Santos-Dumont Número 8 ObliqPress.com 18
  19. 19. CLÁUDIO SOARES desenvolveuprojetos inovadores nas mídiassociais. SD8 é reconhecido como o1.o romance brasileiro publicado emredes sociais ObliqPress.com 19
  20. 20. SD8, de Cláudio Soares, na Revista Veja.ObliqPress.com 20
  21. 21. SD8, de Cláudio Soares,no TeleRead, dos EUA.ObliqPress.com 21
  22. 22. SD8, de Cláudio Soares, em jornal alemão.ObliqPress.com 22
  23. 23. SD8, de Cláudio Soares, no Jornal Público de Portugal.ObliqPress.com 23
  24. 24. Titanicware, de Cláudio Soares, atual projeto de literatura nas mídias sociais: 20 redes sociais reunidas para contar uma históriaTITANICWARE.COM ObliqPress.com 24
  25. 25. Cláudio Soares acaba de entregar umabiografia de Santos-Dumont para aAcademia Brasileira de Letras. Preparauma maior para 2013, nos 140 anos doinventor. ObliqPress.com 25
  26. 26. Cláudio Soares fundou a Obliq Press, startupespecializada em tecnologia editorial erepresentante da plataforma editorial on-linePressbooks no Brasil. Nos EUA, clientes incluemHarvard, Columbia, Random House, entre outros. ObliqPress.com 26
  27. 27. Contatos: Cláudio Soaresclaudio@obliqpress.com (21) 9138-5023 Twitter: @cssoares
  28. 28. EPÍGRAFES
  29. 29. “Se um mundo sem editores for melhorpara os leitores e para a literatura, convidodesde já todos que leemeste blog para a festa da minha aposentadoria, quando celebraremos a vitória da „literatura direta‟! ” - Luiz Schwarcz EditorIn: A morte do editor. Blog da Companhiadas Letras. 23 de agosto de 2012.
  30. 30. “No futuro, o texto será navegado em formatos de hipertexto. O texto estará dentro do hipertexto.” - Pierre Lévy FilósofoIn: R.I.A. Festival. FundaçãoTelefônica. 22 de agosto de 2012.
  31. 31. Quando se aperfeiçoaro vapor, quando unidoao telégrafo tiver feito desaparecer asdistâncias, não hão deser só as mercadorias que hão de viajar de um lado a outro do globo, com a rapidez do relâmpago; hão deser também as ideias. - Machado de Assis Escritor
  32. 32. PERGUNTA
  33. 33. QUAL O PAPEL DO EDITOR EM UM MUNDO EM QUE TODOS PODEM SE AUTOPUBLICAR?
  34. 34. EXTRA! EXTRA! ObliqPress.com 34
  35. 35. ObliqPress.com 35
  36. 36. ObliqPress.com 36
  37. 37. ObliqPress.com 37
  38. 38. ObliqPress.com 38
  39. 39. ObliqPress.com 39
  40. 40. ObliqPress.com 40
  41. 41. ObliqPress.com 41
  42. 42. ObliqPress.com 42
  43. 43. DE ONDE VIEMOS
  44. 44. 44
  45. 45. 45
  46. 46. 46
  47. 47. 47
  48. 48. 48
  49. 49. 49
  50. 50. 50
  51. 51. 51
  52. 52. 52
  53. 53. 53
  54. 54. 54
  55. 55. 55
  56. 56. 56
  57. 57. 57
  58. 58. 58
  59. 59. 59
  60. 60. 60
  61. 61. 61
  62. 62. 62
  63. 63. 63
  64. 64. 64
  65. 65. 65
  66. 66. 66
  67. 67. BREVE HISTÓRIA DA LEITURA 2.0
  68. 68. Eu odeio essese-books. Elesnão podem sero futuro... elespodem muitobem ser ... Euvou estarmorto.Maurice Sendak ObliqPress.com 68
  69. 69. ObliqPress.com 1945 69
  70. 70. ObliqPress.com 1964 70
  71. 71. ObliqPress.com 1968 71
  72. 72. • O livro em si, como muito da informação que detém, tornou-se mais transitório • A expansão incrível do conhecimento implica que cada livro contém uma fração cada vez menor de tudo o que é conhecido • O livro, portanto, aproxima-se da transitoriedade da revista mensal.ObliqPress.com 1968 72
  73. 73. ObliqPress.com 1968 73
  74. 74. ObliqPress.com 1968 74
  75. 75. DatapointObliqPress.com 1970 75
  76. 76. ObliqPress.com 1971 76
  77. 77. Martin Cooper ObliqPress.com 1973 77
  78. 78. ObliqPress.com 1975 78
  79. 79. ObliqPress.com 1980 79
  80. 80. IBM PC 1981ObliqPress.com 80
  81. 81. ObliqPress.com 1983 81
  82. 82. ObliqPress.com 1985 82
  83. 83. ObliqPress.com 1990 83
  84. 84. ObliqPress.com 1990 84
  85. 85. ObliqPress.com 1991 85
  86. 86. • DD8 Data Disk Man (Sony) ObliqPress.com 1992 86
  87. 87. ObliqPress.com 1993 87
  88. 88. ObliqPress.com 1994 88
  89. 89. ObliqPress.com 1995 89
  90. 90. ObliqPress.com 1996 90
  91. 91. ObliqPress.com 1998 91
  92. 92. Rocket BookObliqPress.com 1998 92
  93. 93. ObliqPress.com 2000 93
  94. 94. ObliqPress.com 2006 94
  95. 95. ObliqPress.com 2007 95
  96. 96. ObliqPress.com 2007 96
  97. 97. ObliqPress.com 2008 97
  98. 98. ObliqPress.com 2007 98
  99. 99. ObliqPress.com 2010 99
  100. 100. ObliqPress.com 2010 100
  101. 101. A GERAÇÃO DIGITAL quer dialogar, esse DIÁLOGO será regidopelas seguintes normas: LIBERDADE, CUSTOMIZAÇÃO, ESCRUTÍNIO, INTEGRIDADE, COLABORAÇÃO, ENTRETENIMENTO, VELOCIDADE e INOVAÇÃODOM TASPCOTT
  102. 102. OS LIVROS DIGITAIS DIZEMMENOS RESPEITO AOS LIVROSIMPRESSOS DO QUE ÀS IDEIAS PORTANTO...
  103. 103. LIVROS DIGITAIS DEVEM TER MAIS O DNA DE TIM BERNES LEE DO QUE O DE GUTENBERG ObliqPress.com 103
  104. 104. ObliqPress.com PERGUNTAS? 104
  105. 105. QUALQUER QUE SEJASUA PERGUNTA A RESPOSTA É… ObliqPress.com 105
  106. 106. ObliqPress.com 106
  107. 107. ObliqPress.com 107
  108. 108. SEJAMOS MAIS ESPECÍFICOSObliqPress.com 108
  109. 109. CULTURA NERDObliqPress.com 109
  110. 110. ObliqPress.com 110
  111. 111. NERDS: 3 HISTÓRIAS INSPIRADORAS ObliqPress.com 111
  112. 112. ObliqPress.com 112
  113. 113. 1951Ray Bradbury morava em Los Angeles eainda não tinha conseguido montar seuescritório. Improvisou. Passou a visitar abiblioteca da UCLA. Um dia, descobriu queno porão, alugava-se, por 10 cents a meiahora, máquinas de escrever. Mudou-se paraa sala de digitação e lá escreveu Fahrenheit451. Gastou no total 9,80 dólares. Vendeumilhões de exemplares. ObliqPress.com 113
  114. 114. ObliqPress.com 114
  115. 115. 1969Bill Gates e Paul Allen, intitulando-seo "Lakeside Programming Group“,assinam acordo com a ComputerCenter Corporation para identificarem“bugs” no software do computadorPDP-10, em troca de tempo de acessoaos computadores. ObliqPress.com 115
  116. 116. ObliqPress.com 116
  117. 117. 1910Alberto Santos Dumont tornoupública e livremente utilizável porqualquer pessoa sua patente do aviãoDemoiselle. ObliqPress.com 117
  118. 118. OU SEJA… ObliqPress.com 118
  119. 119. FREQUENTEMENTE, AS SOLUÇÕES MAIS IMPRESSIONANTES E/OUINOVADORAS SURGEM QUANDO SE PERCEBE QUE O CONCEITO DO PROBLEMA ESTAVA ERRADO
  120. 120. A LEITURA é muito mais do que ler LIVROS. O ato de LER não se trata necessariamente de lerlivros. Quando há a entradano MUNDO DIGITAL abre- se uma possibilidade deleitura mais IMPORTANTE que antes.ROGER CHARTIER
  121. 121. WORKFLOW DIGITAL
  122. 122. Cadeia do livroDiversos participantes da cadeia começam a acumular papéisde outros participantes (ex: agentes tornam-se editores) Agente livraria Distribuidor Autor governo Editora LeitorMUDANÇA DO TRADICIONAL PARA A NOVA MÍDIA !
  123. 123. 3 Decisões!Ferramentas Serviços NegócioNatureza, história, Conteúdos migram para Gerência de ativos digitaisobjetivos de negócio dos ambientes digitais mais ou serviços de distribuiçãoeditores variam, é quase robustos. Editores devem de ativos digitais, osimpossível identificar tomar decisões sobre editores podem redefinir aconjunto de ferramentas serviços digitais: naturaza do seu negócio:como “preferidas” licenciados ou totalmente construir ou comprar o terceirizados serviço?
  124. 124. Ferramentas de Workflow Digital• Gerêcia de Obras • Gerência de Ativos Digitais• Contratos, direitos e • Gerência de Conteúdos royalties • Gerência de Arquivamento• Conversão de Conteúdos • Distribuição de Ativos• Ferramentas XML Digitais• Gerência de Produção • Agregação de Conteúdos• Gerência de Workflow • Gerência de Busca
  125. 125. Componentes de um workflow editorial digitalDiferentes editores usarão ferramentas digitaisde maneiras diferentes, os componentes dacadeia de valor da publicação também variamem sua necessidade e utilização de ferramentasdigitais.
  126. 126. 6 funções nucleares de um workflow editorial digital• Aquisição de conteúdos• Contratos e acordos• Desenvolvimento editorial• Produção editorial• Operações• Marketing, promoção, vendas e serviços
  127. 127. Aquisição de conteúdo Workflows digitais oferecem novas formas de pensar e 1 Processos planejar produtos 2 WorkflowSolicitar, desenvolver, revisare fechar propostas Benefícios das tags (palavras-chaves) requerem estruturas de metadados que combinem com mercado e conteúdo 3 24x7 4 Tagging Publicações orientadas a eventos podem migrar para um modelo mais contínuo 4
  128. 128. Contratos e Acordos cresce em importância (e complexidade) à medida que a 1 Processos demanda por produtos digitais cresce 2 Workfloweditores negociam com autoresque estabelecem direitos,pagamentos e royalties criar, controlar e reportar contratos, direitos e royalties cada vez mais integrados à gestão de ativos digitais 3 24x7 4 Integração agilizar acesso a direitos e permissões, transferindo-os do “backoffice” para o autosserviço e outros esforços para comercializar e vender conteúdo
  129. 129. Desenvolvimento editorial estruturação de conteúdo para uso e reuso, abrindo novas possibilidades para o 1 Processos desenvolvimento de conteúdo 2 Workflowengaja equipe editorial para trabalharcom autores para escrever e entregarum manuscrito de trabalho Mais sofisticação no planejamento e gestão de conteúdos coloca pressão sobre função editorial clássica, em que o manuscrito era 3 24x7 a saída principal.leitores manifestam interesse em edições 4 Taggingampliadas, conteúdos "fragmentados",comprados e consumidos como componentes.Leitores podem pagar por prévias do conteúdo
  130. 130. Produção editorial conteúdo cada vez mais fragmentado e, 1 Processos potencialmente, vendidos em pedaços, trabalho cresce em complexidade e importância. equipe editorial de produção 2 Workflow trabalha com pessoal interno e subcontratados para gerenciar a montagem de componentes livro * “escrever uma vez, ler uma vez” para “escrever uma vez, ler muitas” é um grande desafio para editores e é nessa 3 24x7 área que ele ocorre.capacidade de gerenciar e manter versões. Fluxos 4 Um conteúdo,de trabalho do tipo “Escreva uma vez”, várias saídasdevidamente projetados, são susceptíveis deresultar em menos erros, com o conteúdo maisfácil de atualizar ou (quando necessário) corrigir
  131. 131. Operações para produtos físicos (que continuarão), equipe de operações assume a responsabilidade de estoque e abastecimento desses produtos no mercado 1 Processos 2 Workflowcriar e distribuir conteúdo emimpressos e outros formatos preparando-se para a próxima era da criação de conteúdo e uso forçará editores a enfrentarem os desafios de sistemas 3 24x7 legadosoperações também conta com ferramentas 4 Legadoque suportam conversão, arquivamento eagregação de conteúdo
  132. 132. Marketing e vendas pesquisa muda a forma como os leitores descobrem e compram conteúdo, aumentando o número de maneiras que os editores podem 1 Processos promover suas presenças 2 Workflowantes, o editor promovia e vendiaconteúdo. Agora, leitores tabémajudam a definir produtos e serviços múltiplos canais de distribuição exigem suporte simultâneo quando orçamentos de marketing são limitados e eficiência de 3 24x7 alguns esforços tradicionais está em declínioeditores com fluxos de trabalho digitaispodem capitalizar o poder da pesquisa 4 Canais(visibilidade e pesquisa do seu conteúdo),bem como a agregação de conteúdo (criandonovos Produtos)
  133. 133. CATEDRAIS E BAZARES
  134. 134. Contexto Histórico• 1984. Richard Stallman lança • 1998. Netscape libera o o projeto GNU código-fonte• 1985 Stallman funda a Free • 1998. Eric Raymond e outros Software Foundation lançam o movimento de• 1991. Linus Torvalds código aberto. propões a criação do Linux • 1999. Sourceforge é lançado• 1995. Explosão da Internet • 2000. OpenOffice é lançado• 1997. Eric Raymond • 2001. Wikipedia é lançada apresenta "A Catedral e o • 2003. Matt Mullenweg lança Bazar" o Wordpress
  135. 135. Catedral x BazarCatedral Bazar• Ambiente fechado e • Ambiente aberto, onde hierarquizado todos podem participar• Pequeno grupo de líderes • Número indefinido de e desenvolvedores líderes e desenvolvedores• Desenvolvimento • Desenvolvimento centralizado cooperativo• Somente versões estáveis • Liberação de várias e/ou beta versões• Modelo de • Sem metodologia definida desenvolvimento clássico
  136. 136. O que os editores podemaprender com os desenvolvedores de software de código aberto? ObliqPress.com 137
  137. 137. 1. Todo bom trabalho de softwarecomeça colocando o dedo na ferida deum programador
  138. 138. 2. Bons programadores sabem o queescrever. Grandes programadoressabem o que reescrever (e reutilizar)
  139. 139. 3. Prototipagem para compreenderproblema. Planeje jogar algo fora; vocêirá fazê-lo, de qualquer maneira.
  140. 140. 4. Tendo como maior objetivo o controleda qualidade, com a atitude certa, osproblemas "interessantes" irãoencontrar você.
  141. 141. 5. Quando você perde o interesse emum programa, sua última obrigação éentregá-lo a um sucessor competente.
  142. 142. 6. Tratar seus usuários comocolaboradores (leitores) é o caminhomais fácil para uma melhorar rápidado código (original) e uma depuração(revisão) eficaz.
  143. 143. 7. Distribua logo e com frequência. Eouça seus clientes (autores e leitores).Mantenha colaboradores motivados.
  144. 144. 8. Dada uma base grande o suficientede beta-testers e colaboradores, quasetodo problema será caracterizadorapidamente e a solução será óbviapara alguém.
  145. 145. 9. Estrutura de dados inteligente ecódigo ineficiente trabalham muitomelhor que o contrário.
  146. 146. 10. Se você tratar seus beta-testerscomo seu recurso mais valioso, elesirão responder tornando-se seu maisvalioso recurso.
  147. 147. 11. A melhor coisa depois de ter boasideias é reconhecer as boas ideias dosusuários (leitores)
  148. 148. 12. Frequentemente, as soluções maisimpressionantes e inovadoras surgemquando se percebe que o conceito doproblema estava errado
  149. 149. 13. "A perfeição não éalcançada quandonão há mais nada aadicionar, masquando não há nadapara jogar fora"- Saint-Exupéry
  150. 150. 14. Qualquer ferramenta deve ser útilda maneira esperada, mas uma grandeferramenta conduz a usos inesperados
  151. 151. 15. Faça de tudo para não alterar fluxode dados e nunca jogue forainformação.
  152. 152. 16. Quando sua linguagem não estáperto de um "Turing" completo,"açucar sintático" pode ser seu amigo.É mais importante para umalinguagem ser conveniente parahumanos do que ser barata para ocomputador
  153. 153. 17. Um sistema de segurança é tãoseguro quanto seus segredos. Estejaatento a pseudo-códigos.
  154. 154. 18. Para resolver um problemainteressante, comece achando umproblema que seja interessante paravocê.
  155. 155. 19. Desde que o coordenador dedesenvolvimento tenha um meio pelomenos tão bom quanto a Internet esaiba liderar sem coerção, muitascabeças são inevitavelmente melhoresque uma
  156. 156. PARA ONDE VAMOS
  157. 157. O HOMO LEGENS, aespécie leitora, permitiu até que a nova TECNOLOGIA “transcendesse”: oCÓDIGO BINÁRIO digital permite que MÁQUINAS leiam dados de outrasmáquinas, sem mediação HUMANA.STEVEN R. FISCHER
  158. 158. COMO IREMOS
  159. 159. 1962
  160. 160. 2006
  161. 161. 1940
  162. 162. 197812108 Column 16 Column 2 Column 3420 Row 1 Row 2 Row 3 Row 41988
  163. 163. 1932 1979
  164. 164. 1980 1941
  165. 165. 1977
  166. 166. MAIS UMA VEZ...
  167. 167. EM 5 ANOS, MUITO POUCADIFERENÇA EXISTIRÁ ENTRE OS LIVROS E A WEB
  168. 168. E-books• O conteúdo dos e-books e as atividades sociais que eles permitem são as chaves para a sua popularidade• quase todos carregam algum dispositivo (celulares, por exemplo) que pode funcionar como um leitor eletrônico• Mais pessoas estão se envolvendo com os e-books.
  169. 169. Novos Escritores• À medida que o e-book se move de uma reprodução digital de uma peça impressa, alguns escritores estão vendo ele se tornar algo muito mais rico, permitindo viagens por mundos reais e imaginados, realizadas em companhia de outros leitores.
  170. 170. Normas e Padrões• Normas e padrões para a criação de publicações eletrônicas ainda estão em desenvolvimento, e os que existem, muitas vezes, focam o texto e não incluem orientações para os tipos de interatividade que já são possíveis em e- books.
  171. 171. Futuro promissor• Embora não haja um vencedor claro entre os diversos formatos disponíveis e emergentes, a aceitação e uso generalizado dos livros eletrônicos permitiu à indústria ver neles um futuro bastante promissor. ObliqPress.com 182
  172. 172. Obstáculos• Além de suas vantagens óbvias de tamanho e peso, os e-books não estão tão estabelecidos entre o público em geral pois vários obstáculos se apresentam: – escassez de títulos – falta de recursos inovadores que os diferenciem dos p-books (livros impressos), – modelo de publicação adequado – questões relativas ao gerenciamento de direitos digitais (DRM)...
  173. 173. Modelos de Negócios• Modelos de negócios estão surgindo que podem reduzir os custos para os leitores, incluindo locação de livros e compras por atacado. Sistemas de gestão de conteúdo são outro ponto de entrada e disseminação para textos eletrônicos.
  174. 174. Mobile• Para os usuários de smartphones, iPads e outros dispositivos semelhantes, serviços baseados em assinatura permitirão o recebimento de livros e materiais auxiliares nos dispositivos que já possuem.
  175. 175. Sem DRM• Se deixarmos de lado preço e DRM, os e-books têm o potencial de transformar verdadeiramente a prática da leitura e educacional.• Atualmente, os e-books são essencialmente cópias de versões impressas que podem ser lidos em um computador ou dispositivo móvel. Podem ser bem mais.
  176. 176. • Textos eletrônicos podem ser ligados a uma miríade de materiais de apoio que podem estender e enriquecê-los
  177. 177. ObliqPress.com 188
  178. 178. PESQUISAS
  179. 179. www.lerparaviver.com.br Cláudio Soares claudio@obliqpress.com ObliqPress.com 233
  180. 180. MANTENHA CONTATO! twitter.com/OBLIQPRESS Skype: OBLIQPRESSwww.OBLIQPRESS.com * ObliqPress Tecnologia Editorial & Mídia Social plus.google.com/OBLIQPRESS facebook.com/OBLIQPRESS +55 21 9138-5023 contato@obliqpress.com

×