FelizRibeiroGouveia

487 visualizações

Publicada em

Apresentação da Open Access Week @ Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal (http://oaw.ufp.edu.pt)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
487
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

FelizRibeiroGouveia

  1. 1. UFPUV: livre acesso, como?<br />Feliz Ribeiro Gouveia<br />fribeiro@ufp.edu.pt<br />CEREM<br />Universidade Fernando Pessoa<br />19 Outubro 2010, OAW@UFP<br />
  2. 2. O contexto...<br /><ul><li>O CEREM assegura a gestão técnica da plataforma BDigital da UFP
  3. 3. O CEREM foi responsável pelo projecto de Universidade Virtual da UFP (2005-2009)
  4. 4. Autor de um dos fornecedores de conteúdos para o projecto Europeana
  5. 5. A bandeira da Comissão do “livre acesso”....</li></li></ul><li>O que é o Acesso Livre?<br /><ul><li>«Open Access, “Acesso Livre” (ou “Acesso Aberto”) significa a disponibilização livre na Internet de cópias gratuitas, online, de:
  6. 6. artigos de revistas científicas revistos por pares (peer-reviewed),
  7. 7. comunicações em conferências,
  8. 8. bem como relatórios técnicos, teses e documentos de trabalho.»</li></ul>em www.acessolivre.pt<br />
  9. 9. Para que serve?<br /><ul><li>Não tenho verbas no meu projecto de investigação para adquirir bibliografia
  10. 10. Não quero voltar a pagar, já financiei a investigação como contribuinte
  11. 11. Acho que os resultados de investigação devem ser de acesso gratuito
  12. 12. Acho que não há lugar para editoras científicas
  13. 13. Acho que não devem existir direitos de autor
  14. 14. ...</li></li></ul><li>Mas também....<br /><ul><li>Sou do Partido Pirata
  15. 15. Defensor da Anarconomia
  16. 16. (Copenhagen Institute for Futures Studies)</li></li></ul><li>Ficam de fora?<br /><ul><li>Trabalhos orfãos
  17. 17. Trabalhos cujos direitos cessaram (70 anos após falecimento do autor)</li></li></ul><li>Dois aspectos<br /><ul><li>O Acesso
  18. 18. Mais fácil hoje em dia
  19. 19. Implica gestão da informação
  20. 20. A Liberdade de descarregar gratuitamente
  21. 21. Mas alguém paga a factura</li></li></ul><li>1. O acesso<br />
  22. 22. O acesso<br /><ul><li>Retirando a produção protegida por direitos de autor e outros, tem sido uma tradição da Universidade partilhar os seus resultados
  23. 23. Mais fácil nos EUA
  24. 24. Fácil obter envios por correio (hoje em dia electronico) de muitos tipos de material
  25. 25. Mais comum para relatórios técnicos, teses, e versões rascunho de artigos</li></li></ul><li>Mas implica<br /><ul><li>Organizar um repositório
  26. 26. Indexar convenientemente
  27. 27. Fornecer um acesso adequado
  28. 28. Promover o seu uso
  29. 29. Utilizar
  30. 30. Exemplo: a BDigital na UFP, e o RCAAP</li></li></ul><li>No início....<br />Date: Wed, 12 Feb 1992 08:50:26 EST<br />From: Princeton BITNET FTP Server <BITFTP@PUCC.bitnet><br />To: FRIBEIRO@hds.univ-compiegne.fr<br />Subject: Advice on using BITFTP binary files on a VMS system<br />Status: R<br />If you are sending requests to BITFTP from a VMS system that is directly connected to BITNET/EARN/NetNorth, you can specify that the files be sent in NETDATA format. If you request a large file, BITFTP will send it in several pieces using BITSEND. You will need to combine the pieces using BITSNRCV. You can get a copy of BITSNRCV COM and BITSNRCV TXT from your nearest NETSERV. (Your local BITNET/EARN/NetNorth coordinator can help you with this.)<br />Alternatively, you can request that a file be sent uuencoded inside mail. In that case, you will have to find a uudecoder that runs under VMS. (Please do not ask me for a VMS uudecoder, as I do not have one.)<br />Receiving binary files in NETDATA format on a VMS system appears to be a bit tricky. The following mail files from BITFTP users may help you with this problem.<br />
  31. 31. E também...<br />(from pilot.njin.net 17/05/94)<br /> INTERNET/BITNET SEARCHING<br />Several people have stated that they are stymied trying to come up with academic disciple specific resource material for their final project. There are several that I would like to suggest that you try.<br />The primary reason for the existence of Internet is to foster research sharing and collaboration among its users. Get other people involved in your research. My first suggestion would be to send a broadcast message, requesting help, to appropriate listserv lists. First you need a list of appropriate lists. Send a message to any major listserv requesting a list search. <br />
  32. 32. Hoje, um clique<br />
  33. 33. Mas nem sempre....<br /><ul><li>Muita informação, nem sempre boa informação
  34. 34. Quem indexa e trata a informação?
  35. 35. Em que idiomas?
  36. 36. Quais os vocabulários?
  37. 37. Quem corrige os erros?
  38. 38. Quem paga?
  39. 39. Tradicionalmente, as editoras científicas e as sociedades profissionais (e científicas) assumem muitas destas funções</li></li></ul><li>2. A liberdade<br />
  40. 40. A liberdade de descarregar<br /><ul><li>Se o financiamento da investigação é feito com dinheiros públicos, os resultados devem reverter para o público
  41. 41. O exemplo da própria internet
  42. 42. Equação complexa para investigação financiada sem dinheiros públicos
  43. 43. Devem os privados financiar a concorrência?
  44. 44. Onde fica a propriedade intelectual? Pode-se divulgar material em curso de registo?</li></li></ul><li>Vários cenários<br /><ul><li>É dificil o acesso, os produtores não disponibilizam de uma forma conveniente o material –- é o caso de resultados de projectos, é necessário conhecer os autores
  45. 45. O acesso é pago, geralmente pelo leitor – mas pode ser pago pelo autor, e nalguns casos pelo editor (é a aproximação de muitas revistas científicas gratuitas)</li></li></ul><li>Quem são os produtores<br /><ul><li>Os 10 países com mais produção representam 85% da produção mundial
  46. 46. A nível europeu a meta é investir 3% do PIB em I&D: 2/3 privado
  47. 47. A quota dos EUA nas patentes registadas nos EUA caiu 1,6%, e caiu 3,4% no total de publicações (mais segredo?)
  48. 48. Quem assume os custos?</li></li></ul><li>Enquanto não decidem...<br /><ul><li>Usar recursos “autorizados”
  49. 49. Na UFP:
  50. 50. A BDigital
  51. 51. A B-On
  52. 52. O RCAAP
  53. 53. Noção de endereço persistente:</li></li></ul><li>Para usar na UV...<br />
  54. 54. Quando se carrega...<br />
  55. 55. Aviso de direitos de autor<br />

×