Barbara

1.763 visualizações

Publicada em

Pequena biografia de Sophia de Mello Breyner Andresen

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.763
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barbara

  1. 1. Biografia de Sophia de Mello Breyner Andresen
  2. 2. Sophia de Mello Breyner Andresen Nasceu a 6 de Novembro de 1919 no Porto. Faleceu em Lisboa, com 84 anos a 2 de Julho de 2004. Foi uma das mais importantes Poetisas portuguesas do século XX. Foi a primeira mulher a receber o mais importante galardão literário da língua Portuguesa, o prémio Camões em 1999. Foi na cidade do Porto, na Praia da Granja que passou a sua infância e juventude. Sophia de Mello Breyner foi educada nos valores éticos e Cristãos. Estudou na Universidade de Lisboa, para tirar o curso de Filologia, que acabou por não o completar. Enquanto estudava foi dirigente de movimentos Universitários Católicos. Após o 25 de Abril foi eleita para assembleia constituinte pelo círculo do Porto numa lista do partido Socialista. Distinguiu-se como contista, autora de livros infantis. Barbara Silva 5ºD
  3. 3. Sophia de Mello Breyner Andresen Casou em 1946 com Francisco Sousa Tavares. Foi mãe de cinco Filhos, e por causa de ter de lhes contar histórias, e de não gostar das que tinha para lhes contar, começou a contar histórias inventadas por ela própria. As histórias que contava tinham presentes momentos da infância dela, passada na praia da Granja, sítio que ela adorava. O mar, a areia e as rochas, faziam parte d sua Infância e estavam bem guardados na sua memória e no seu coração. Para escrever “A Menina do Mar”, inspirou-se numa história que a mãe lhe contava quando era criança. Escrever Histórias para crianças, foi motivado pelos filhos que adoravam as histórias e pediam sempre mais, juntando com o prazer enorme que sentia ao contá-las, …foi o princípio de várias obras. Barbara Silva 5º D
  4. 4. Obras • Poesia (1944) , • O Dia do Mar (1947) , • Coral (1951) , • No Tempo Dividido (1954) , • Mar Novo (1958) , • A Menina do Mar (1958) , • A Fada Oriana (1958) , • Noite de Natal(1959) , • O Cristo Cigano (1962) , • Livro Sexto (1962) , • Contos Exemplares (1962) , • O Cavaleiro da Dinamarca (1964) , • O Rapaz de Bronze (1965) , • Geografia (1967) , • A Floresta (1968) , • Grades (1970) , • 11 Poemas (1971) , • Dual (1972) , • O Nu na Antiguidade Clássica (1975) , • Antologia (1975) , • O Nome das Coisas (1977) , • Navegações(1983) , Histórias da Terra e do Mar (1984) , • Árvore (1985), • Ilhas (1989), • Musa(1994), • Signo (livro) (1994), • O Búzio de Cós (1997), • Mar (2001)-Antologia organizada por Maria Andresen de Sousa Tavares, • Orpheu eEurídice (2001) Bárbara Silva 5º D
  5. 5. O conto infantil Os meus contos infantis surgiram quando os meus filhos tiveram sarampo e tinham que estar quietos. Eu tinha que lhes contar histórias e comecei a ficar muito irritada com as histórias que lia. Primeiro com a linguagem sentimental, com a linguagem « ta-te-bi-ta-te», etc. Então comecei a contar histórias a partir de factos e lugares da minha infância ( sobretudo lugares). Por isso a primeira que apareceu se chama A Menina do Mar. Era uma história que a minha mãe me tinha contado quando eu era pequena mas que era uma história incompleta – ela tinha-me dito só que havia uma menina muito pequenina que vivia nas rochas e como a coisa que eu mais adorava na vida era tomar banho de mar, essa menina tornou-se para mim o símbolo da felicidade máxima, porque vivia no mar, com as algas, com os peixes... Então eu comecei a contar a história a partir disso. Depois os meus filhos ajudavam; primeiro porque não me deixavam parar e segundo porque perguntavam: « E o peixe o que é que fazia? E o caranguejo?» Essa história foi contada oralmente numa tarde. Quando a escrevi, tentei escrevê-la como a tinha contado sem cair em nenhuma espécie de literatura nem de «peso».... As outras histórias , algumas foram meias contadas, meias escritas... Eles influenciavam a lógica da própria história. E depois, como eu estava com crianças, eu própria era influenciada, por exemplo nisto: nunca usar palavras abstractas nem construções complicadas. A atenção dos outros guia-nos sempre. (...) Gosto de começar os livros para crianças todos da mesma maneira: Era uma vez... e de regressar a um certo número de marcos, de sítios. (...) as palavras têm que ser exactamente as palavras que conquistámos, quer dizer, não são só as palavras que sabemos: são as palavras que viveram e viverão connosco. (...) eu sou muito repetitiva por natureza. Sophia de Mello Breyner Andresen
  6. 6. Bárbara Silva 5º D PRÉMIOS Prémios ao Autor Prémio da Crítica da Associação Portuguesa de Críticos Literários(pelo conjunto da obra),1983 Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens (pelo conjunto da obra),Lisboa,1992 Grande Prémio Vida Literária APE/ CGD, 1994 Prémio Camões, 1999 Prémio Reina Sofia de Poesia Ibero-Americana,2003 Medalha de Honra do Presidente do Chile, 2004 Prémios à Obra Grande Prémio de Poesia, da Sociedade Portuguesa de Escritores, 1964 (Livro Sexto) Prémio Teixeira de Pascoaes,1977 (O Nome das Coisas) Prémio D. Dinis, da Fundação Casa deMateus,1989(Ilhas) Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia,1989(Ilhas) Grande Prémio de Poesia Inasset / Inapta, do CentroNacionaldeCultura,1990(Ilhas) Prémio de Poesia Luís Miguel Nava,1998 (O Búzio de Cós e outros poemas) Bárbara Silva 5º D

×