Apostila biblia

2.185 visualizações

Publicada em

Aproveitem e divulguem a apostila... Vamos Evangelizar

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila biblia

  1. 1. Bíblia Antigo TestamentoA sagrada escritura é dividida em duas partes, no antigo testamento com 46 livros e o novotestamento com 27 livros, sendo ao todo 73 livros. O antigo testamento fala da vida do povoescolhido por Deus, os Hebreus. Conta as experiências vividas pelo povo de Deus. Como elesouviram, viram, apalparam Deus em suas vidas, e como Deus preparou este povo, o seu povopara a vinda do Messias. Chamam-se Pentateuco a coleção dos cincos primeiros livros queestão na bíblia. São eles: Gênesis (Livro das origens), Êxodo (saída do Egito), Levítico (as leis dascelebrações), Número (Recenseamento do povo, organização do povo para a jornada do Sinaiaté a terra prometida), Deuteronômio (discursos e exortações à fidelidade de Deus pelasobservâncias e seus mandamentos). Chamam-se Históricos, os livros que remetem a entradana terra prometida e a história do povo nesta terra com suas guerras, seus juízes, e os seusreis, São eles: Josué, Juízes, Rute, I Samuel, II Samuel, I Reis, II Reis, I Crônicas, II Crônicas,Esdras, Neemias, Tobias, Judite, Ester, I Macabeus e II Macabeus. Chamam-se Poéticos ouSapiências e são eles os Livros de: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos,Sabedoria e Eclesiástico. Foram escritos, em sua maioria, em linguagem poética, fazendo usode metáforas, e têm um caráter de ensinamento sobre a Sabedoria. Eclesiástico e Sabedoria,são Deuterocanônicos, e por isso não são aceitos pelos protestantes, embora estejampresentes na Bíblia. Esses livros apresentam a sabedoria e a espiritualidade de Israel. E por fim,os livros Proféticos, que são: Isaías, Jeremias, Lamentações, Baruc, Ezequiel, Daniel, Óseias,Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias, aotodo são 18 livros. A série dos profetas foi ininterrupta e eles exerceram papel muitoimportante no reino de Israel: eram conselheiros dos reis, censuravam as injustiças,condenavam toda idolatria, mostravam aos reis e ao povo as suas faltas, pelas quais Deus osabandonaria nas mãos dos estrangeiros, procuravam erguer o ânimo do povo, incentivavam opovo a reconstruir o Templo e os muros de Jerusalém, além de empreender a reformareligiosa, moral e social da comunidade judaica, predizendo a glória do futuro Messias, etc. Osprofetas Oséias, Amós, Miquéias, Joel, Abdias, Jonas, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias,e Malaquias, em número de 12, são chamados de profetas menores, não porque não foramimportantes, mas porque nos deixaram escritos pequenos, que já no século II antes de Cristoeram colecionados em um só volume (rolo). Os profetas maiores são quatro: Isaías, Jeremias,que também teria escrito Lamentações, Baruc, Ezequiel e Daniel. Cabe observar que o Livro deBaruc, que consta na Septuaginta e na Bíblia, é um Deuterocanônicos, e não é aceito pelosprotestantes, segundo a proposta de Lutero e nem pelos judeus, visto que seria necessárioestarem disponíveis em Hebraico, não em Aramaico ou Grego, não poderiam ser escritos forada terra de Israel e não poderiam ser escrito depois de Esdras (458 – 428 a.C). Os livrosDeuterocanônicos (Judite, Tobias, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, 1 Macabeus e 2Macabeus, oscapítulos 13 e 14 e os versículos 24 a 90 do capítulo 3 de Daniel, os capítulos 11 a 16 de Éster,estão na Tradição Septuaginta, traduzida do Hebraico por setenta sábios por volta de setentadias, cada um trabalhando isoladamente e chegando todos ao mesmo texto.É comum abreviarmos os nomes dos livros da Bíblia para facilitar a citação de certaspassagens. Em geral, adotamos o seguinte elenco de abreviaturas: Nomenclaturas Usadas
  2. 2. Pentateuco Gn - Gênesis Jud- Judite Est- Ester Proféticos Is- Isaías Jr-Ex- Êxodo Lv- Levítico Nm- 1Mc- 1º Macabeus 2Mc- Jeremias Lm-Números Dt- 2º Macabeus Lamentações Br- BarucDeuteronômio. Ez- Ezequiel Dn- Daniel Poéticos e Sapienciais Jó- Os- Oséias Jl- Joel Am-Históricos Js- Josué Jz - Jó Sl- Salmos Pr- Amós Ab- Abdias Jn-Juízes RT- Rute 1Sm- 1º Provérbios Ecl- Jonas Mq- MiquéiasSamuel 2Sm- 2º Samuel Eclesiastes Ct- Cântico Na- Naum Hab- Habacuc1Rs- 1º Reis 2Rs- 2º Reis dos Cânticos Sb- Sf- Sofonias Ag- Ageu1Cr- 1º Crônicas 2Cr- 2º Sabedoria Eclo- Zc- Zacarias Ml-Crônicas Esd- Esdras Ne- Eclesiástico MalaquiasNeemias Tb- TobiasAssim, quando quisermos citar a Primeira Epístola aos Tessalonicenses, basta escrever 1Ts.A seguir, informamos o capítulo. Assim, 1Ts 2 significa Primeira Epístola aos Tessalonicenses,capítulo dois.Para fazermos citações mais completas, usamos alguns sinais de pontuação:A vírgula separa os versículos do capítulo.Ex.: Mt 16,18 significa Evangelho segundo Mateus, capítulo 16, versículo 18.O hífen apresenta uma seqüência de capítulos ou versículos.Ex.: At 1-2 significa Atos dos Apóstolos, capítulos 1 e 2 (integrais).Ex 15,2-5 significa Livro do Êxodo, capítulo 15, versículos 2 a 5.O ponto apresenta capítulos e/ou versículos citados isoladamente.Ex.: 1Cr 1.3 significa Primeiro Livro das Crônicas, capítulos 1 e 3.Is 32,1.4.6 significa Livro do Profeta Isaías, capítulo 32, versículos 1, 4 e 6.O ponto e vírgula dispõem capítulos e versículos isolados, mas pertencentes ao mesmo livro.Ex.: Jo 3,23-25; 6,1-4 significa Evangelho segundo João, capítulo 3, versículos de23 a 25 e capítulo 6, versículos de 1 a 4.Algumas Bíblias podem usar "s" e "ss" a seguir do número do capítulo e/ou versículo. "s"significa seguinte e "ss", seguintes. São usados para simplificar - ainda mais - a citação,respectivamente, de dois ou três capítulos e/ou versículos.
  3. 3. Ex.: Rm 2,5s significa Epístola aos Romanos, capítulo 2, versículos 5 e 6 (isto é, oversículo 5 e o seguinte).Ex.: Ap 6,7ss significa Livro do Apocalipse, capítulo 6, versículos de 7 à 9 (isto é, oversículo 7 e os dois seguintes).Ex.: Tg 1s significa Epístola de Tiago, capítulos 1 e 2 (isto é, o capítulo 1 e o seguinte).Com todas essas abreviações e sinais podemos montar e citar, de forma bem resumida,qualquer passagem Bíblica. Ex.: Lv 1,12-15.20; 3,2s; Mc 1,3ss.10; 2Cor 3-5 significa,respectivamente:- Livro do Levítico, capítulo 1, versículos de 12 a 15 e o versículo 20; no mesmo Livro doLevítico, capítulo 3, versículos 2 e 3.- Evangelho segundo Marcos, capítulo 1, versículos de 3 a 5 e o versículo 10.- Segunda Epístola aos Coríntios, capítulos de 3 a 5. Inspiração da Sagrada Escritura (Como Foi escrita) Deus é o autor da Sagrada Escritura. "As coisas divinamente reveladas, que se encerram porescrito e se manifestam na Sagrada Escritura, foram consignadas sob inspiração do EspíritoSanto." A santa Mãe Igreja, segundo a fé apostólica, tem como sagrados e canônicos os livroscompletos tanto do Antigo como do Novo Testamento, com todas as suas partes, porque,escritos sob a inspiração do Espírito Santo, eles têm Deus como autor e nesta sua qualidadeforam confiados à própria Igreja." Deus inspirou os autores humanos dos livros sagrados.. "Naredação dos livros sagrados, Deus escolheu homens, dos quais se serviu fazendo-os usar suaspróprias faculdades e capacidades, a fim de que, agindo ele próprio neles e por meio deles,escrevessem, como verdadeiros autores, tudo e só aquilo que ele próprio queria." Os livrosinspirados ensinam a verdade. "Portanto, já que tudo o que os autores inspirados (ouhagiógrafos) afirmam deve ser tido como afirmado pelo Espírito Santo, deve-se professar queos livros da Escritura ensinam com certeza, fielmente e sem erro a verdade que Deus em vistade nossa salvação quis fosse consignada nas Sagradas Escrituras ." Todavia, a fé cristã não éuma "religião do Livro". O Cristianismo é a religião da "Palavra" de Deus, "não de uma palavraescrita e muda, mas do Verbo encarnado e vivo ". Para que as Escrituras não permaneçamletra morta, é preciso que Cristo, Palavra eterna de Deus vivo, pelo Espírito Santo nos "abra oespírito à compreensão das Escrituras". Novo testamentoA bíblia é dividida em duas Grandes partes, Antigo testamento (AT) e novo testamento (NT). Jáfalamos do antigo testamento, agora falaremos do novo testamento que é a parte da bíbliaque fala da vida de Cristo e de seus discípulos o novo testamento tem: 27 livros, sendo os 4evangelhos que são: Matheus, Marcos, Lucas e João. Nos evangelhos é narrado toda a historiado Jesus na Terra, desde o Seu nascimento até Sua morte e Ressurreição. São quatroevangelistas que tratam cada um de sua forma e perspectiva sobre a vida de Cristo. Cada um
  4. 4. com seu modo próprio de falar sobre Jesus. Ou seja, eles não são completados um pelosoutros como alguns livros do antigo testamento. Todos têm um inicio, meio e fim.O novo testamento também traz os Atos dos Apóstolos que retrata como as historias dasorigens Cristãs já que retrata a vida dos apóstolos após a morte e ressurreição de Jesus. Etambém da Criação da Igreja pelos apóstolos e sua evangelização e perseguição sofridas nestetempo. Segundo a tradição este livro foi escrito por São Lucas.Logo após os atos dos apóstolos vem as Epístolas de São Paulo (Epístola quer dizer cartas). SãoPaulo escreveu 13 cartas, sendo elas: Romanos, Gálatas, I e II Tessalonicenses, I e II Coríntios,Filipenses, Filémon, I e II Timóteo, Tito, Efésios, Colossenses.Paulo não foi primariamente um escritor, mas um rabino convertido na célebre “Visão deDamasco” (At 9,1-19; At 22,4-21; At 26,9-18) que percorreu muitos milhares de quilômetros,anunciando de cidade em cidade o “Evangelho” da morte e ressurreição de Jesus. Não lheinteressou narrar à vida de Jesus nem sequer os seus milagres. As Cartas eram o único meio aoseu alcance para comunicar com as comunidades recentemente formadas. Entre as Cartasautênticas de Paulo estão, assim, os primeiros escritos cristãos que chegaram até nós.Há, pois, uma íntima relação entre as Cartas e a geografia das primeiras comunidades cristãsdos anos 50-60. Os Doze, que viviam em Jerusalém e viajaram muito pouco, na sua maiorianão sentiram a necessidade de escrever Cartas. Podiam responder oralmente às pessoas e àcomunidade. Daí o caráter geralmente circunstancial destes escritos, que não tinhampropósitos propriamente teológicos. Paulo era, antes de mais, um missionário: «Ai de mim, senão evangelizar!» (1 Cor 9,16). A Carta aos Romanos é a exceção mais evidente a este respeito;e Colossenses e Efésios preocupam-se mais com a teologia da Igreja do que com os problemasdas igrejas.Tudo isto nos manifesta quais eram os problemas e as necessidades das primeirascomunidades cristãs, tanto judaicas como helenistas, às quais Paulo respondeu a partir doEvangelho. Um exemplo de tudo isto é o fato de Paulo falar apenas uma vez da Eucaristia (1Cor 11,17-34), para responder aos abusos que havia na comunidade de Corinto.No NT (Novo Testamento) também tem a cartão aos Hebreus que não tem um autor atribuídoa ela e é conhecida como palavra de Deus. Apesar de ser habitualmente conhecido como“Carta”, este escrito do Novo Testamento não apresenta um início de caráter epistolar, maisparecendo o exórdio de um sermão (1,1-4). Tem um tom oratório, e o autor nunca aparece adizer que escreve, mas sempre a dizer que fala (2,5; 5,11; 6,9; 8,1; 9,5; 11,32). Só nos últimosversículos (13,22-25) é que temos um final de Carta precedido por uma frase solene (13,20-21), que funciona como peroração. Considera-se, por isso, que estamos diante de um sermãodestinado a ser pronunciado oralmente (1,1-13,21) e de um pequeno bilhete (13,22-25), quelhe foi acrescentado. Trata-se, então, mais de um discurso do que de uma Carta em sentidopróprio.Logo após vem as Epístolas Católicas Há um grupo de sete escritos do Novo Testamento quetem este título muito antigo: Cartas Católicas. A partir do séc. IV esta designação genérica foireservada para as sete Cartas canônicas: Tiago, I e II de Pedro, I, II e III de João e Judas.
  5. 5. “Católico” significa universal, e tal deve ser a origem do nome destas Cartas: eram dirigidas atoda a Igreja, e não a comunidades ou pessoas concretas (exceto 2 e 3 Jo, anexas a 1 Jo). Masnem todas estas Cartas foram, desde os primeiros tempos, universalmente reconhecidas comoescritos inspirados; Por isso, o historiador Eusébio colocou as Cartas de Tiago, II de Pedro, II eIII de João e Judas (assim como o Apocalipse) entre os “livros discutidos, embora admitidospela maioria”, aos quais chamamos Deuterocanônicos.O acordo universal só se deu no Ocidente pelos fins do séc. IV e no Oriente nos séc. VI-VII.Nem os autores, nem os destinatários, nem os temas tratados ou a sua forma literáriajustificam que estas Cartas formem um conjunto. Agruparam-se pelo simples fato de nãoserem escritos paulinos. Mas não têm um destinatário concreto, como acontece com as Cartasde Paulo.Nos manuscritos antigos do Oriente apareciam depois de Atos e antes das Cartas de Paulo,pela ordem em que hoje as temos, o que deixa ver o grande valor em que já eram tidas; nosLivros, liam-se no lugar que agora ocupam no conjunto dos livros do Novo Testamento, depoisda Carta aos Hebreus e antes do Apocalipse de João.E por Fim o Livro do Apocalipse que é um termo grego que significa “revelação”. “Revelação” é, naverdade, o título com que o último livro da Bíblia aparece em algumas edições. Este Livro foi escrito porSão João.Caracterizam-se por imagens grandiosas e simbólicas, constituídas por elementos da natureza,apresentadas em forma de visões e “explicadas” ao vidente por um anjo. Tais imagens sãotiradas do AT, dos apocalipses judaicos, dos mitos e lendas antigas. Assim, o papel dos anjos(7,1-3); o livro selado (5,1); o livro para comer (10,1-11); as trombetas (8,2); as taças (15,7); osrelâmpagos e trovões (4,5; 10,3).Estas imagens sugerem mais do que descrevem, e grande parte delas nada tem a ver com arealidade. Trata-se de puros símbolos (1,16; 5,6; 21,16), que podem referir-se a pessoas,animais, números e cores, deixando ao leitor um espaço para alguma criatividade e“inteligência” (13,18; 17,9).As visões simbólicas são projetadas no Céu, para dizer que pertencem ao mundo espiritual, dafé e o que nelas se revela acontece também na terra. Duas forças antagônicas estão em lutapermanente: o Dragão a possível personificação do império romano, no tempo de Domiciano(81-96 d.C.) e o Cordeiro: Cristo, Cordeiro pascal, é o vencedor de todas as forças do Mal.

×