Biologia 11 reprodução sexuada

7.582 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
540
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
428
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biologia 11 reprodução sexuada

  1. 1. BiologiaBiologia 11º
  2. 2. Nuno Correia 2011/12
  3. 3. Nuno Correia 2011/12
  4. 4. Cariótipo Nuno Correia 2011/12
  5. 5. Nuno Correia 2011/12
  6. 6. A reprodução sexuada consiste na união dos gâmetas, formando-seuma única célula, o ovo ou zigoto.Este fenómeno designado por fecundação é um dos acontecimentosfulcrais da reprodução sexuada.A fusão dos núcleos dos dois gâmetas na fecundação (cariogamia)implica a associação dos cromossomas que provêm de cada um dosprogenitores.O núcleo do ovo apresenta, portanto, um número de cromossomasigual à soma do número de cromossomas de cada gâmeta. Nuno Correia 2011/12
  7. 7. Como é possível que, apesar da duplicação cromossómica, onúmero de cromossomas de cada espécie permaneça constante ao longo das sucessivas gerações? Nuno Correia 2011/12
  8. 8. Nuno Correia 2011/12
  9. 9. MeioseA meiose é um mecanismo de divisão nuclear típico dos seres vivos que se reproduzem sexuadamente, já que é responsável pelaredução do número cromossomático de umacélula e, logicamente, da quantidade de DNA. Nuno Correia 2011/12
  10. 10. Uma célula que sofra meiose origina quatro células-filhas,possuindo cada uma delas metade do número decromossomas da célula-mãe e um quarto do teor de DNA (ncromossomas e Q DNA).Além disso, estas quatro células-filhas são geneticamentediferentes, quer entre si quer em relação à célula-mãe.A meiose corresponde, por isso, à passagem da diploidia àhaploidia. Nuno Correia 2011/12
  11. 11. Nuno Correia 2011/12
  12. 12. A meiose permite a formação de: gâmetas (meiose pré-gamética); esporos (meiose pré-espórica); pode mesmo ocorrer sobre o zigoto (meiose pós-zigótica) em seres mais simples; Nuno Correia 2011/12
  13. 13. Ao permitir a formação de gâmetas a meiose permite a ocorrência do mecanismocomplementar, a fecundação, mantendo destemodo o número cromossomático específico da espécie que se reproduz sexuadamente. Nuno Correia 2011/12
  14. 14. Mecanismo da meiose Nuno Correia 2011/12
  15. 15. Nuno Correia 2011/12
  16. 16. Nuno Correia 2011/12
  17. 17. Divisão IA divisão l deve o seu nome de reducionalao facto de durante as suas quatro etapasocorrer a redução do número decromossomas para metade, acompanhada,logicamente, de uma redução do teor deDNA. No final da divisão l formam-se duascélulas com n cromossomas e 2Q de DNA. Nuno Correia 2011/12
  18. 18. Nuno Correia 2011/12
  19. 19. Nuno Correia 2011/12
  20. 20. Nuno Correia 2011/12
  21. 21. Nuno Correia 2011/12
  22. 22. Nuno Correia 2011/12
  23. 23. Nuno Correia 2011/12
  24. 24. Nuno Correia 2011/12
  25. 25. Nuno Correia 2011/12
  26. 26. Nuno Correia 2011/12
  27. 27. Nuno Correia 2011/12
  28. 28. Nuno Correia 2011/12
  29. 29. Nuno Correia 2011/12
  30. 30. A divisão II é uma divisão equacional, pois o número de cromossomas mantém-se,embora o teor de DNA se reduza a metade. No final desta etapa, cada uma das duascélulas anteriormente formadas origina duascélulas, cada uma com n cromossomas e Q de DNA. Nuno Correia 2011/12
  31. 31. Nuno Correia 2011/12
  32. 32. Nuno Correia 2011/12
  33. 33. Nuno Correia 2011/12
  34. 34. Nuno Correia 2011/12
  35. 35. Nuno Correia 2011/12
  36. 36. Nuno Correia 2011/12
  37. 37. Nuno Correia 2011/12
  38. 38. Variação da quantidade de DNA durante a meiose Nuno Correia 2011/12
  39. 39. Nuno Correia 2011/12
  40. 40. Nuno Correia 2011/12
  41. 41. Nuno Correia 2011/12
  42. 42. Mitose e Meiose – aspetoscomparativos Nuno Correia 2011/12
  43. 43. Nuno Correia 2011/12
  44. 44. Nuno Correia 2011/12
  45. 45. Reprodução sexuada evariabilidade genética Nuno Correia 2011/12
  46. 46. Nuno Correia 2011/12
  47. 47. Nuno Correia 2011/12
  48. 48. Nuno Correia 2011/12
  49. 49. Nuno Correia 2011/12
  50. 50. Nuno Correia 2011/12
  51. 51. Alteração a nível dos cromossomas Nuno Correia 2011/12
  52. 52. Nuno Correia 2011/12
  53. 53. Nuno Correia 2011/12
  54. 54. Nuno Correia 2011/12
  55. 55. Exercícios Nuno Correia 2011/12
  56. 56. Nuno Correia 2011/12
  57. 57. Nuno Correia 2011/12
  58. 58. Nuno Correia 2011/12
  59. 59. Nuno Correia 2011/12
  60. 60. Nuno Correia 2011/12
  61. 61. Nuno Correia 2011/12
  62. 62. Nuno Correia 2011/12
  63. 63. Como é possível que, apesar da duplicação cromossómica, onúmero de cromossomas de cada espécie permaneça constante ao longo das sucessivas gerações?A constância do número de cromossomas numa dada espécieimplica que, em certo momento, haja redução no número decromossomas -redução cromática - que permite compensar aduplicação ocorrida na fecundação. Sendo assim, no ciclo de vidados organismos que se reproduzem sexuadamente terá de ocorrerum fenómeno especial da divisão nuclear - a meiose - mediante oqual se reduzirá a metade o número específico de cromossomasque caracteriza a espécie. Questão de aula Nuno Correia 2011/12

×