Ricardo Reis em Fernando

1.627 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.627
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ricardo Reis em Fernando

  1. 1. Trabalho apresentado a disciplina de literatura sob orientação das professoras Marilza Nunes A. Nascimento e Maria Aparecida Crivelli.
  2. 2. Fernando Pessoa e Heterônimos
  3. 3. Fernando Antônio Nogueira Pessoa, mais conhecido como Fernando Pessoa, foi um poeta e escritor português. É considerado um dos maiores poetas da Língua Portuguesa, e da Literatura Universal. Fez parte do movimento literário Modernismo, predominante no inicio do século XX. O início do Modernismo Português ocorreu num momento muito conturbado. Além da Revolução Russa de 1917, no ano de 1914 eclodiu a Primeira Guerra Mundial. Fernando Pessoa possuía muitos heterônimos,dentre eles estão: Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Ricardo Reis ,Diabo Azul, Galião Pequeno entre outros.
  4. 4. Ricardo Reis Ricardo Reis (19 de setembro de 1887),é um dos principias heterônimos de Fernando Pessoa, tendo sido imaginado de relance pelo poeta em 1913 quando lhe veio à idéia escrever uns poemas de índole pagã). Nasceu no Porto, estudou num colégio de jesuítas, formou-se em medicina e, por ser monárquico, expatriou-se espontaneamente desde 1919, indo viver no Brasil. Na sua biografia não consta a sua morte, no entanto José Saramago faz uma intervenção sobre o assunto em seu livro O Ano da Morte de Ricardo Reis, situando a morte de Reis em 1936.
  5. 5. Poema de Ricardo Reis A Abelha A abelha que, voando, freme sobre A colorida flor, e pousa, quase Sem diferença dela À vista que não olha, Não mudou desde Cecrops. Só quem vive Uma vida com ser que se conhece Envelhece, distinto Da espécie de que vive. Ela é a mesma que outra que não ela. Só nós — ó tempo, ó alma, ó vida, ó morte! — Mortalmente compramos Ter mai vida que a vida .
  6. 6. Ninfas do mel “ Sobre o magistral campo de flores Pousam as ninfas dos favos de mel Eis que suas cores Em uma ficção de tempo se entrelação as das flores Nada se assemelha à alma como a abelha A abelha traz o mel, como a alma traz a luz. Sem abelhas, sem mel”.
  7. 7. ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES . <ul><li>Alunas:Gislaine Cristina, Nyeda Kiyota </li></ul><ul><li>3°E.M.A Taquarussu - MS </li></ul>

×