Filosofia 010

1.880 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.880
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
92
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia 010

  1. 1. A filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade<br />Qual a justificação?<br />Vejamos a opinião de Platão<br />«Umavidaquenão se examina a simesmonão vale a pena ser vivida»<br />Vejamos a opinião de Descartes:<br />«ViversemFilosofia é comoterosolhossemnuncaprocurarabri-los e o prazer de vertodas as coisasque a nossa vista alcançanão se compara à satisfaçãoqueconfere o conhecimento do que se encontrapelafilosofia»<br />
  2. 2.
  3. 3. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />... namedidaemquenospermitepensarautonomamente e com sentidocrítico<br />Isto é, libertando-nos dos hábitos de pensar e dos preconceitos.<br />«Quemnão tem umastintas de filosofia é homemquecaminhapelavidaforasempreagrilhoado a preconceitosquederivam do sensocomum, das crençashabituais do seu tempo e do seupaís, das convicçõesquecrescem no seuespíritosem a cooperaçãoou o consentimento de umarazãodeliberada.»<br />Bertrand Russell<br />
  4. 4. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />Ora, estafunçãolibertadoradaFilosofiasó é possívelnamedidaemque o Homemadquire e desenvolvecapacidades<br />de análise;<br />de abstracção<br />de reflexão.<br />... parapensarosproblemasquedizem<br />respeito a todososHomens[UNIVERSALIDADE], distanciando-se do mundoconcreto e singular.<br />
  5. 5. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />Ora, estafunçãolibertadoradaFilosofiasó é possívelnamedidaemque<br />o Homemadquire e desenvolvecapacidadeslinguísticasaoexigirque as teorias e soluçõesse apresentem com clareza de conceitose rigor de raciocínio.<br />
  6. 6. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />... relativamente<br />a outrasformas de saber, à ciência, aosensocomum à religião e a tudoquantoponhaemcausa a liberdade de pensarporsimesmo.<br />... nãoquerdizerindependência.<br />A Filosofia é um Saberdistinto dos outrossaberes, porque se colocanumaatitude mental diferenteperanteosproblemas, masnãopoderecusarosseuscontributos.<br />O filósofodispõe de umacapacidaderacionalquedeveutlizar de modoautónomo.<br />
  7. 7. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />... relativamente à ciência,<br />porque as suasrespostasnãosãocontroladaspelosfactosnemverificadasexperimentalmente, masjustificando-se apenas com argumentosracionais<br />
  8. 8. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />... relativamenteaosensocomum<br />porqueeste se caracterizapor ser um conhecimento superficial do real, deixando-se condicionarpelasprimeirasimpressões, pelaopinião, pelopreconceito, enquanto a Filosofia é marcadapelaposturacrítica e pelaexigência de tudoquestionar.<br />
  9. 9. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />... relativamente à religião<br />porqueeste se funda no dogma, umaverdadefundadanarevelação, enquanto a Filosofia se funda num pensarlivre e racional [Racionalidade]<br />
  10. 10. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />... relativamenteaospoderespolíticooueconómico e àsideologias<br />...porque é liberdade de pensarindependentemente das impressões dos sentidos, das limitaçõesouconstrangimentosqueimpedem o conhecimentoadequado do real.<br />
  11. 11. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />Contudo, a autonomiadaFilosofia é um risco<br />e a Filosofia é vulnerável:<br />A históriadaFilosofiaestácheia de traições<br />a este ideal e de silêncioscomprometedoresou de<br />instrumentalizaçãopor parte de diferentespoderes.<br />
  12. 12. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />
  13. 13. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />A Filosofianão se contenta com o queparece, com<br />a aparência – das ideologias, do sensocomum... -- nem com as explicaçõesparcelaresdaCiência, mas é um saberqueprocuraosfundamentos: oprincípio, a causa, arazão, o fundamento<br />– A raiz!<br />... porque o seuquestionamentonunca se detém!<br />... porque as suasreflexõesnuncaassentamempressupostos<br />... porqueexigeparasimesmojustificaçõesconsistentes.<br />... porquerecusa o dogmatismo.<br />
  14. 14. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />A Filosofia é umarealidadehistórica.<br />HISTORICIDADE<br />As suasobrastêmque ser inseridas, paraseremcompreendidas, no seu tempo.<br />nãopodemdesvincular-se das restantescondicionanteshistóricas.<br />
  15. 15. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />A Filosofia é umarealidadehistórica.<br />HISTORICIDADE<br />Os Filósofos e as Filosofiassãoefeito de múltiplascircunstâncias – das crenças, das instituições e das conquistasdahumanidadeaolongodahistória<br />Os Filósofos e as Filosofiassãocausa de diferentestransformaçõessociais e culturais, namedidaemqueosfilósofosfecundaram com as suasideias a ciência, a política, a arte ...<br />
  16. 16. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />HISTORICIDADE<br />O Homemreconhece-se como um ser emconstrução.<br />http://vidaanalisada.blogspot.com/2009/11/felicidade.html<br />
  17. 17. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />HISTORICIDADE<br />UNIVERSALIDADE<br />Significaque (1) todososhomenssãopotencialmentefilósofos, namedidaemqueTodosdispõemde capacidadesracionais.<br />Porque a Filosofianão se debruça, como a Ciência, sobreumaparcela do real, massobre o Universo, sobretudoquantohá.<br />Os problemasdaFilosofianãodizemrespeito a gruposparticulares, a umacomunidadeespecíficaou a um ser concreto, mas a todososHomens.<br />
  18. 18.
  19. 19. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />Para isso a Filosofia é criadora de novosconceitosquemelhorpermitemcompreender a realidade.<br />RADICALIDADE<br />HISTORICIDADE<br />UNIVERSALIDADE<br />As característicasespecíficasdaFilosofiaremetem-nos<br />para a suadimensãodiscursiva e dialógica<br />RACIONALIDADE<br />A Filosofiaaspira a umacoerência no discursoquegaranta a inteligibilidadee admissibilidadedas ideias e intuições dos filósofosportodososHomens<br />
  20. 20. A Filosofiaprocuraumacompreensãodatotalidade;<br />A Filosofia tem um papellibertador.<br />A Filosofiacaracteriza-se, porisso, pelasua:<br />AUTONOMIA<br />RADICALIDADE<br />O discurso é sempreacompanhado do esforço de estruturar um pensamentoargumentadoe de garantir umestatutoracionalà argumentaçãoapresentada<br />.<br />HISTORICIDADE<br />UNIVERSALIDADE<br />RACIONALIDADE<br />
  21. 21. FILOSOFIA E AUDITÓRIO<br />A Filosofiaocorre no seio de um processocomunicativoe dialógico.<br />NãoocorreforadaLinguagem e daPalavra<br />Dirige-se a umPúblico<br />Ouseja:<br />A Filosofianão se desenvolveindependentemente de um auditório<br />Nem à margemdacrítica e daaceitação dos interlocutores.<br />A Filosofiaimplicaargumentação<br />
  22. 22. FILOSOFIA E ARGUMENTAÇÃO<br />A RACIONALIDADEdaFilosofiaestáligada à <br />apresentação e explicitaçãode pressupostosque<br />justificame asseguram a inteligibilidadee <br />coerênciadas propostas<br />--- mostrandoquenãosendoimediatamente<br />evidentes, essaspropostasnãosãoarbitrárias.<br />
  23. 23. FILOSOFIA E ARGUMENTAÇÃO<br />O discurso de um sujeito é a manifestaçãodalíngua, é a <br />línguano exercício individual.<br />A obediência a regrasgramaticais é condiçãonecessária, <br />masnãoSuficiente, para a elaboração de um discursocorrecto.<br />São necessárias as regrasLógicas<br />
  24. 24. FILOSOFIA E ARGUMENTAÇÃO<br />Lógica<br /> … disciplinadaFilosofiaque se dedicaaoestudo das leis, princípios<br />e regras a quedevemobedecer o pensamento e o discursoparaque<br />Sejamrigorosos e coerentes.<br />
  25. 25. FILOSOFIA E ARGUMENTAÇÃO<br />Na base do discursoestãotrêsinstrumentoslógicos:<br />1. Conceito<br />… representaçãointelectual, abstracta e geral das características<br />comuns a um conjunto de seres<br />2. Juízo<br />… operação mental quepermiteestabelecerumarelação de afirmação<br />Ounegação entre conceitos, podendotalrelação ser considerada<br />verdadeiraoufalsa.<br />A expressão verbal do juízo é a proposição<br />3. Raciocínio<br />… encadeamentos de doisoumaisjuízos, osquais se encontram<br />estruturadospara deles se extrairumaconclusão.<br />A expressão verbal do raciocínio é o argumento.<br />
  26. 26. FILOSOFIA E ARGUMENTAÇÃO<br />Ora, estastematizaçõessópodem ser argumentativas, umavezque a Filosofia se encontraprivadadapossibilidade de fornecerprovas, formaisouempíricas, do queafirma. Nestaimpossibilidade se reconhece, se identifica a tradiçãofilosófica, aomesmo tempo que a argumentação se revelacomo o limite, queelamesmatraça, das pretensõesfilosóficas à validade dos seusdiscursos. Mas se a tradição, isto é, a históriadaFilosofia, apontapor um ladoparaumaespecificidadedaargumentaçãofilosófica (o que, simultaneamente, parece ser requeridopelassuascaracterísticasdisciplinaresmínimas), poroutrolado, exibeumaoutrasituaçãoque é precisoteremconta, a do conflito das filosofias [...]. A Filosofiaaparece-noscomoumamultiplicidadehistoricamente dada de filosofias, identicamenteempenhadas, todaselasnaelucidaçãodapróprianoção de Filosofia e identicamenteconfiantesnaprópriacapacidade de resolver essaquestão de princípio e de executar, de maneiraadequada,<br />o programaque o mesmoprograma de autodefiniçãoimplicitamente<br />Lhestraça. Essapretensão, quelhes é essencial, leva-as, então, a umamútua e recíprocaexcomunhão e exclusão, namedidaemquepertence<br />a cadaFilosofia o dever de impor-se como a única e verdadeiraFilosofia.<br />Manuel Maria Carrilho, Verdade, suspeita e argumentação.<br />
  27. 27. Um argumento é um conjunto de afirmaçõesencadeadas de tal forma que se pretendequeumadelas, a quechamamos a conclusão, sejaapoiadapelaoutraououtras, a quechamamos a premissaoupremissas Um argumentosópodeterumaconclusão, [TESE] maspodeterumaoumaispremissas. A diferençamaisimportante entre um argumento e um raciocínio é que num argumentopretendemospersuadiralguémde que a conclusão é verdadeira, aopassoque num raciocínioqueremosapenassaber se umadeterminadaconclusão se segue ounão de um determinadoconjuntode afirmações.<br />
  28. 28. FILOSOFIA:<br />DIMENSÃO DISCURSIVA DO TRABALHO FILOSÓFICO<br />Aopassoque as afirmaçõesqueusamosnosargumentossãoverdadeirasoufalsas, osargumentosnãopodem ser verdadeirosnemfalsos, poisnãosãoafirmações, massimconjuntos de afirmações. As pessoassãomorenasoulouras, masos<br />conjuntos de pessoasnãosãomorenosnemlouros. Quandoosargumentostêmumacertaestrutura, ganhamumapropriedadedeverasinteressante: torna-se impossível, oualtamenteimprovável, que as suaspremissassejamVerdadeirase a suaconclusãofalsa. Nessecaso, dizemosque o<br />argumento é válido — o termo é aquiusadonão no sentido popular <br />de “valioso” nem “interessante”, mas no sentidomuitoprecisoindicado.<br />DesidérioMurcho, De rerumnatura. blogspot,.com<br />
  29. 29. A Filosofia é umaactividadehumanaquepensa e problematizaquestões.<br />Quaissão as questõesdaFilosofia?<br />

×