Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora

905 visualizações

Publicada em

Material elaborado e utilizado por Roberta Hentschke no workshop de Design Thinking, atividade integrante do evento Empreendedorismo: do brilho nos olhos à ação, realizado pela Escola de Administração da UFRGS e produzido pela idea - comunicação e marketing durante a Semana Global de Empreendedorismo.

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
905
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora

  1. 1. design de negócios
  2. 2. Workshop design thinking
  3. 3. confiar no processo
  4. 4. natureza felicidade confiar no processo estimular o “erro”
  5. 5. (um parênteses para falarmos de erro)
  6. 6. o erro é mãe da invenção, e um processo criativo livre permite que usemos o erro a nosso favor.
  7. 7. E mais. Só o erro pode te levar a algo realmente autêntico, realmente seu.
  8. 8. confiar no processo estar imerso no processo flow
  9. 9. que ventos trazem o design thinking?
  10. 10. séc XX hiperconsumismo séc XXI consumo colaborativo
  11. 11. Economia criativa Cultura da transparência Reputação Confiança Comunidade Busca de propósito
  12. 12. Por quê design thinking?
  13. 13. Introduzir novos significados aos produtos, serviços ou relacionamentos. Uma vez que as coisas devem ter forma para serem vistas, mas devem fazer sentido para serem entendidas e usadas.
  14. 14. Ao desafiar os padrões de pensamento, comportamento e de sentimento, o design thinking produz soluções que geram novos significados e que estimulam os diversos aspectos (cognitivo, emocional e sensorial) envolvidos na experiência humana.
  15. 15. Entendimento IMERSÃO ANÁLISE SÍNTESE Redefinição IDEAÇÃO PROTOTIPAGEM Testes
  16. 16. Imersão imersão preliminar Reenquadramento e entendimento inicial do problema É examinar problemas ou questões não resolvidas em uma empresa sob diferentes perspectivas e diversos ângulos, permitindo, assim, desconstruir crenças e suposições dos atores (stakeholders), e quebrar seus padrões de pensamento, ajudando-os a mudar paradigmas dentro da empresa e, com isso, dar o primeiro passo para alcançar soluções inovadoras. pesquisa exploratória pesquisa desk
  17. 17. imersão profundidade FOCO NO USUÁRIO 1. O que as pessoas falam? 2. Como agem? 3. O que pensam? 4. Como se sentem? Entrevistas Um dia na vida Sombra Encontros Mapa da Empatia
  18. 18. Análise e Síntese Após as etapas de levantamento de dados da fase de Imersão, os próximos passos são análise e síntese das informações coletadas. Para tal, os insights são organizados de maneira a obter-se padrões e a criar desafios que auxiliem na compreensão do problema. Ideia Insight Informação é uma solução gerada para atender a um ou mais insights. é o achado proveniente da Imersão, a identificação de uma oportunidade cartões de insight diagrama de afinidades mapa conceitual critérios e norteadores
  19. 19. Ideação Essa fase tem como intuito gerar ideias inovadoras para o tema do projeto e, para isso, utilizam-se as ferramentas de síntese criadas na fase de análise para estimular a criatividade e gerar soluções que estejam de acordo com o contexto do assunto trabalhado.
  20. 20. Que informações estamos buscando? propósito claro brainstorm World Café
  21. 21. A inteligência coletiva é um conceito que descreve um tipo de inteligência compartilhada que surge da colaboração de muitos indivíduos em suas diversidades. É uma inteligência distribuída por toda parte, na qual todo o saber está na humanidade, já que, ninguém sabe tudo, porém todos sabem alguma coisa. Inteligência coletiva
  22. 22. Prototipagem A Prototipação tem como função auxiliar a validação das ideias geradas e, apesar de ser apresentada como uma das últimas fases do processo de Design Thinking, pode ocorrer ao longo do projeto em paralelo com a Imersão e a Ideação. O protótipo é a tangibilização de uma ideia, a passagem do abstrato para o físico de forma a representar a realidade - mesmo que simplificada e propiciar validações.
  23. 23. Business Model Canvas Projeto Desenvolvido por 8. PARCEIROS 6. ATIVIDADES CHAVE 2.PROPOSTA DE VALOR Quem são nossos principais parceiros? Quem são nossos fornecedores principais? Quais recursos adquirimos de cada parceiro? Que atividades chave os parceiros executam? Que atividades chave nossa proposta de valor requer? (gerenciamento, atendimento, compras, atualizações,etc Que valor entregamos ao cliente? Qual problema estamos ajudando a resolver? Que necessidades estamos satisfazendo? Que conjunto de produtos e serviços estamos oferecendo para cada segmento de clientes? 4. RELACIONAMENTO COM CLIENTES 1.SEGMENTO DE CLIENTES Que tipo de relacionamento temos com cada segmento de clientes? Ex: assistência social, self service, serviços automatizados, comunidades, cocriação, representante... 7. RECURSOS PRINCIPAIS 3.CANAIS Que recursos principais nossa proposta de valor requer? (físico, intelectual, humano, Através de quais canais os clientes querem ser contatados? Como alcançamos os clientes agora? Como os canais se integram? Qual funciona melhor? Como estão integrados à rotina do cliente? 9. ESTRUTURA DE CUSTOS Quais são os custos mais importantes em nosso modelo de negócio? Quais os mais caros? Quais atividades chave mais caras? www.businessmodelgeneration.com Para quem estamos criando valor? Quem são nossos clientes mais importantes? (dividir por segmentos) 5.FONTES DE RECEITA Quais valores nossos clientes estão dispostos a pagar? Pelo que eles pagam atualmente? Como pagam? Como preferiam pagar? This work is licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported License. To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ or send a letter to Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California, 94105, USA.
  24. 24. As etapas do Design Thinking aqui abordadas, apesar de serem apresentadas linearmente, possuem uma natureza bastante versátil e não linear. Ou seja, tais fases podem ser moldadas e configuradas de modo que se adequem à natureza do projeto e do problema em questão. É possível, por exemplo, começar um projeto pela fase de Imersão e realizar ciclos de Prototipação enquanto se estuda o contexto, ou ao longo de todo o projeto. Sessões de Ideação não precisam ser realizadas em um momento estanque do processo, mas podem permeá-lo do início ao fim. Da mesma forma, um novo projeto pode começar na Prototipação.
  25. 25. ADAPTE SEJA LIVRE CRIE RECRIE INVENTE
  26. 26. GRATIDÃO www.boradesign.com.br

×