Introdução as instituições tradicionais angolana1

241 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução as instituições tradicionais angolana1

  1. 1. Introdução às instituições tradicionais AngolanasFundamentaçãoUma das particularidades do ambiente sócio- político dos Estados africanos é aexistência paralela de sistemas e instituições tradicionais e modernas de governação.Esta dualidade de sistemas de referência tem suscitado dificuldades na harmonizaçãode programa de desenvolvimento. O facto de que até hoje, há uma adesão à grandeescala das populações sobretudo rurais às instituições tradicionais, nos leva a estudar–las para um melhor enquadramento no contexto moderno.ObjectivoExplicar o funcionamento das instituições africanas em geral e angolanas em particularpara facilitar a compreensão das suas incidências sobre a idiossincrasia do povo face asmudanças sobre economias.Entender a nesta produção intelectual dos nossos ancestraisTemas:Unidade 1.Carateristioca da áfrica tradicional1.1 Civilização oral1.2 Religião pragmática1.3 Cultura dos antepassadosUnidade 2 Organização política2.1 Chefatura2.2 Anarquia2.3 Monarquia2.3.1 Regional2.3.2 ImperialUnidade. 3 Os mecanismos de limitação do poder oralUnidade.4. O lugar do homem na sociedade4.1 O chefe
  2. 2. 4.2 As mulheres4.3 As crianças4.4 Os extranjeros4.5 Os escravosA organização social dos grupos ético linguísticos Kongo, umbundo, quimbundo ecosam.5.1 Os laços de parentesco e grupos de filiação5.2 A família5.2.1 O alambamento5.2.2 O casamento5.2.3 O divórcio5.2.4 O clão6. A iniciação Masculina e feminina.7. As sociedades secretas como grupos de pressão.8. O direito8.1 A relação entre o direito a economia nos grupos ético – linguístico Kimbundu,umbundo, kikongo e cokwe8.2 Normas religiosas, normas normais, e normas jurídicas.8.3 O fenómeno Criminal8.4 Os principais elementos do fenómeno criminal8.4.1 A responsabilidade agrícola objectiva e subjectiva, responsabilidade individual nacolectiva.8.4.2 A racionalidade8.4.3 Os alfados a sociedade8.4.5 A notação dos objectos sagrados.9. Os atentados contra as pessoas.9.1 Homicídio
  3. 3. 9.2 Adultério.9.3 A violação sexual9.4 O incesto9.5 A bruxaria.10. A administração da justiça.Bibliografia1. Altuna assua, P.R.D (1963) Cultura tradicional bantu, Luanda2. Brillon, Yves (1980) Ethno – Criminologie de l´Afrique noire, vnca,3. Balandier, Georges (1965) L avie quotidienne dans le royaume du Kongo duXVIº au XVIII Siècle, Hachette, Paris.4. Combarros, Miguel (1993), Dios em África. Valores da la tradición Bantu,Mundo negro, Madrid.5. Echeverria, Gonzalez,(1964) sobre la invención del castigo de bruxaria en AfriAfrica negra. Teorias sobre la bruxaria,Mundo Negro6. Losano, G, Mario (1984) Los grandes sistemas juridicos, debate, Madrid7. Mbiti, john(1991) Entre dios y el tiempo en la religiones tradicionalesafricanas, Mundo negro, Madrid.8. Zanene, E, M e Maria Francisca, G, F (1995), politicas educacionais: colonizaçãoe independência (Caso Angola) EDUCA, Porto e Lisboa.

×