Religiosidade

3.447 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Saúde e medicina
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Kl
  • Religiosidade

    1. 1. RELIGIOSIDADE BRASILEIRA
    2. 2. PLURALISMO RELIGIOSO BUDISTAS DEUS HINDUS MUÇULMANOS OUTROS CANDOMBLÉ CATÓLICOS JUDEUS EVANGÉLICOS
    3. 3. RELIGIOSIDADE Mikhail BAKHTIN Max WEBER Senso comum Tendência do ser Humano para o sagrado <ul><ul><li>Um relacionamento circular Feito de alternâncias ,ora de cima para baixo, ora direção oposta. </li></ul></ul>Justificar suas ações.
    4. 4. MANIFESTAÇÕES DE FÉ Culto Devoção Oração Procissões Sacrifícios Formas ditas de se relacionar com o sagrado
    5. 5. <ul><li>Assim, entendemos o tema, focalizada neste trabalho, como um exemplo concreto de religiosidade popular, emergiu como uma construção simbólica deste constante movimento, entre o sagrado, para alguns e, o não consagrado, para outros. Isso se justifica, porque para o homem religioso, nem o espaço, nem mesmo o tempo, se revelam como fenômenos homogêneos ou contínuos, por isso, o culto piedoso, as festas devocionais, as peregrinações, entre outras manifestações, propicia a recriação de práticas antigas, muitas vezes associadas com elementos novos e pessoais, sobretudo nas relações de reciprocidade, especialmente o pagamento de promessas, a oferta de flores, velas ou ex-votos. </li></ul>CONCLUSÃO :
    6. 6. <ul><li>“ Um homem que buscava o caminho da espiritualidade, chegou ao sop é da Montanha da Verdade e quis saber qual era o caminho que o levaria à ilumina ç ão. Para cada homem santo a quem perguntava, obtinha uma resposta diversa. Depois de muito pensar, decidiu-se por um caminho e se convenceu que aquele era o ú nico caminho que o levaria ao topo da Montanha. Depois de algum tempo, quando chegou l á , o homem olhou para baixo e viu que os caminhos que levavam ao topo, eram tantos, quantos eram as almas que procuravam a Montanha. ” </li></ul><ul><li>(Par á bola Zen- budista) </li></ul>PARÁBOLA
    7. 7. BIBLIOGRAFIA <ul><li>As múltiplas faces de uma santidade: reflexões sobre a trajetória do conceito de “ser santo”. Estudos de História, Franca, v. 7, n. 1, 2000, p. 27-39 </li></ul><ul><li>DURKHEIM, E. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Abril Cultural, 1983. </li></ul><ul><li>WEBER, M. História Geral da economia. Os Pensadores. São Paulo: Abril , 1974, v. 37. </li></ul><ul><li>SANTOS, M. L. Corpo Santo, Alma Santa: o culto e a devoção à Menina Izildinha em Monte Alto (1950-1997). Franca: UNESP, 1997 (Dissertação de Mestrado). </li></ul>

    ×