Figuras de linguagem

5.274 visualizações

Publicada em

Figuras de linguagens

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.274
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Figuras de linguagem

  1. 1. LITERATURA 1º Médio Módulo 1 Aulas 4, 5 e 6
  2. 2. Figuras de linguagem
  3. 3. Figuras de linguagem Figuras de linguagem são recursos de estilo em que predomina o sentido conotativo das palavras. Elas conferem à linguagem efeitos de expressividade, de emotividade, de beleza. O estudo das figuras de linguagem faz parte de um ramo dos estudos linguísticos chamado Estilística. Como as figuras de linguagem são mais ligadas à emoção, são próprias dos textos com caráter literário, publicitário, humorístico, devendo ser usadas com bastante economia e bom senso em textos de caráter informativo ou argumentativo.
  4. 4. Aspectos fonéticos: figuras melódicas
  5. 5. Aliteração • É a repetição de sons consonantais, com o intuito de conferir musicalidade ao texto. • Geralmente o som repetido procura descrever ou imitar aquilo de que o texto trata. Nesse caso, a aliteração é considerada uma harmonia imitativa.
  6. 6. Repetição dos sons /s/ e /∫/, para recriar o barulho do mar. Pescaria Cesto de peixes no chão. Cheio de peixes, o mar. Cheiro de peixe pelo ar. E peixes no chão. Chora a espuma pela areia, na maré cheia. As mãos do mar vêm e vão, em vão. Não chegarão aos peixes do chão. Por isso chora, na areia, a espuma da maré cheia. Cecília Meireles
  7. 7. Assonância • É a repetição de sons vocálicos, com o intuito de conferir musicalidade ao texto. Brilham com brilhos sinistros. Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral Caetano Veloso
  8. 8. Onomatopeia • É o aproveitamento ou a criação de palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz natural dos seres. “Tíbios flautins finíssimos gritavam”. Raimundo Correia “Pedrinho, sem mais palavras, deu rédea e, lept! lept! arrancou estrada afora”. Monteiro Lobato “O longo vestido da velhíssima senhora frufrulha no alto da escada”. Carlos Drummond de Andrade
  9. 9. Paronomásia • É o emprego de palavras com sons semelhantes. Berro pelo aterro pelo desterro berro por seu berro pelo seu erro quero que você ganhe que você me apanhe sou o bezerro gritando mamãe. Caetano Veloso
  10. 10. Aspectos semânticos: figuras de palavras
  11. 11. Comparação • É a associação entre características comuns de seres diferentes mediante o uso de uma conjunção comparativa. • Também recebe o nome de símile.
  12. 12. Eles não têm ideal: são como folhas levadas pelo vento.
  13. 13. A criança é tal qual uma plantinha delicada.
  14. 14. Metáfora • É o deslizamento de sentido de uma palavra para outra por causa de alguma característica comum entre os seres que essas palavras representam. • É uma espécie de comparação sem que se usem conjunções comparativas.
  15. 15. O pavão é um arco-íris de plumas.
  16. 16. “Amor é fogo que arde sem se ver”. (Camões)
  17. 17. Catacrese • É uma metáfora de uso comum, empregada para suprir a falta de uma palavra específica. • Acontece por desconhecimento, esquecimento ou inexistência do nome mais adequado para um determinado ser.
  18. 18. Alguns exemplos de catacrese: – folha de papel – barriga da perna – cabelo de milho – formigueiro humano – boca do estômago – pé de goiaba – cabeça de alfinete – dente de pente
  19. 19. Clichê • É uma expressão conotativa de uso desgastado, transformado em “lugar-comum”. É mais um vício que uma figura de linguagem. Laura encontra-se na flor da idade. Acabou de completar quinze primaveras; por isso, ainda vive no mundo da lua.
  20. 20. Prosopopeia ou personificação • É a atribuição de qualidades, ações ou características humanas a seres irracionais, inanimados ou abstratos. • É um precioso recurso de expressão poética.
  21. 21. A pequena árvore anunciava alegre a chegada do nascimento de Cristo.
  22. 22. Metonímia • É a troca de uma palavra por outra, com a qual guarda alguma espécie de relação lógica real entre elas. • Entre muitos outros tipos de relação, a metonímia pode acontecer entre: a. o efeito e a causa; b. o concreto e o abstrato; c. o autor e obra; d. a pessoa/coisa e suas características; e. o continente e conteúdo; f. a marca pelo produto; g. o lugar e seus habitantes ou produtos etc. h. a parte e o todo; i. o indivíduo e classe; sinédoque j. a matéria pelo objeto; k. a forma pelo objeto. • As relações dos itens g a j são também chamadas de sinédoque, mas essa distinção não é relevante.
  23. 23. Metonímia Os aviões espalhavam a morte. [morte = bombas mortíferas] O efeito pela causa.
  24. 24. Metonímia Albert sempre teve uma cabeça brilhante. [cabeça = inteligência] O concreto pelo abstrato.
  25. 25. Metonímia Um Van Gogh vale uma fortuna. [Van Gogh = quadro de Van Gogh] O autor pela obra.
  26. 26. Metonímia Ainda que Ângela não fosse nenhuma Vênus, sua simpatia era contagiante. [Vênus = beleza] O indivíduo por seus atributos.
  27. 27. Metonímia Bebeu uma taça de vinho. [taça = vinho no interior da taça] O continente pelo conteúdo.
  28. 28. Metonímia Preciso urgentemente de um prestobarba. [prestobarba = aparelho de barbear] A marca pelo produto.
  29. 29. Metonímia Ele é louco por um havana. [havana = charuto fabricado em Havana] O lugar pelo produto.
  30. 30. Metonímia Ele não tem um teto para morar. [teto = casa] A parte pelo todo.
  31. 31. Metonímia Todos sabiam que ele era o judas da turma. [judas = traidor] O indivíduo pela classe.
  32. 32. Metonímia Soam os bronzes da catedral. [bronzes = sinos] A matéria pelo objeto.
  33. 33. Metonímia Chutou a redonda para longe do gol. [redonda = bola] A forma pelo objeto.
  34. 34. Gradação • É uma sequência de ideias dispostas em sentido ascendente ou descendente. • Visa traduzir sentimentos fortes, como entusiasmo, tédio, vitória, derrota,...
  35. 35. A tarde cai nostálgica, triste, deprimente.
  36. 36. Ela estava satisfeita, feliz, exultante.
  37. 37. Antítese • É a aproximação de palavras com sentido oposto, mas sem dar origem a uma contradição lógica. • Consiste em um poderoso recurso de estilo, muito ao gosto da estética barroca.
  38. 38. “Depois da luz se segue a noite escura”. Gregório de Matos
  39. 39. Amar! Eu quero amar, amar perdidamente! Amar só por amar: Aqui...além... Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente Amar! Amar! E não amar ninguém! Recordar? Esquecer? Indiferente!... Prender ou desprender? É mal? É bem? Quem disser que se pode amar alguém Durante a vida inteira é porque mente! Há uma Primavera em cada vida: É preciso cantá-la assim florida, Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar! E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada, Que seja a minha noite uma alvorada, Que me saiba perder... pra me encontrar.. Florbela Espanca
  40. 40. Paradoxo ou oximoro • É o emprego de palavras ou expressões contraditórias numa mesma frase. • O paradoxo ou oximoro difere da antítese por constituir uma ideia logicamente absurda. • Enquanto a antítese emprega palavras de sentido contrário, o paradoxo se constrói com termos de sentido contraditório.
  41. 41. Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Luís Vaz de Camões
  42. 42. Hipérbole • Consiste no exagero proposital de ideias ou sentimentos. • Costuma vir combinada a metáforas e comparações. • Muito utilizada na linguagem cotidiana, serve à poesia e à publicidade para expressar sentimentos muito intensos ou realçar as qualidades de um determinado produto.
  43. 43. Você viu o dilúvio que está caindo lá fora?
  44. 44. Ele come como um elefante.
  45. 45. Eufemismo • Consiste no abrandamento do sentido de uma expressão, por meio de sua substituição por outra mais suave. • É utilizado a fim de atenuar a dureza do que se diz.
  46. 46. Seu amigo partiu para junto de Deus. [partiu para junto de Deus = morreu]
  47. 47. Ele tem o costume de faltar com a verdade. [faltar com a verdade = mentir]
  48. 48. Lítotes • Semelhante ao eufemismo, também consiste no abrandamento do sentido de uma expressão, porém através de sua negação.
  49. 49. Esse político não é nada honesto. [nada honesto = corrupto, ladrão]
  50. 50. A decisão não foi nada justa. [nada justa = injusta]
  51. 51. Ironia • Consiste no emprego de expressões que querem dizer o contrário do que o falante está pensando. • Quase sempre é empregada com intenção sarcástica.
  52. 52. - Chegou cedo, hein?
  53. 53. “Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis”. Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas.
  54. 54. “Acho que a televisão é muito educativa. Todas as vezes que alguém liga o aparelho, vou para a outra sala e leio um livro”. Groucho Marx
  55. 55. Antonomásia (ou perífrase) • É a expressão que substitui o nome de um ser por meio de um de seus atributos. • Quando diz respeito a lugares ou pessoas, também se grafa com iniciais maiúsculas.
  56. 56. Das entranhas da terra, jorra o ouro negro. [ouro negro = petróleo]
  57. 57. O rei dos animais é proveniente da África. [rei dos animais = leão]
  58. 58. Qual é mais bela: a Cidade Eterna, a Cidade Luz ou a Cidade Maravilhosa? [Cidade Eterna = Roma] [Cidade Luz = Paris] [Cidade Maravilhosa = Rio de Janeiro]
  59. 59. O Poeta dos Escravos morreu aos 24 anos de idade. [Poeta dos Escravos = Castro Alves]
  60. 60. Apóstrofe • É o emprego retórico do vocativo, em que se invoca, com uma linguagem solene, um interlocutor personificado (como uma ideia abstrata), mítico, religioso ou ausente.
  61. 61. “Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?”. Castro Alves, “O navio negreiro”.
  62. 62. “Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós!” Hino da Proclamação da República
  63. 63. Sinestesia • É a transferência de percepções da esfera de um sentido (visão, tato, olfato, audição, paladar) para outro. • Consiste numa fusão de impressões sensoriais de alto poder poético e sugestivo.
  64. 64. Em seu olhar gelado, percebi grande desprezo. [olhar: sensação visual; gelado: sensação tátil]
  65. 65. Sua voz doce acariciava-me os ouvidos. [voz: audição; doce: paladar; acariciava: tato]
  66. 66. Aspectos sintáticos: figuras de construção
  67. 67. Anáfora • É a repetição de uma palavra ou expressão no início de versos ou frases. • Produz um efeito de simetria e de ritmo no texto, permitindo tanto a expressão de sentimentos fortes (amor, desespero, cólera) quanto a ênfase de ideias, chamando a atenção para o que foi repetido.
  68. 68. Anáfora Se você gritasse, se você gemesse, se você tocasse a valsa vienense, se você dormisse, se você cansasse, se você morresse... Mas você não morre, você é duro, José! Carlos Drummond de Andrade, José.
  69. 69. Epístrofe • É a repetição de uma palavra ou expressão em intervalos no final de versos ou frases.
  70. 70. Apenas uma boca. A tua boca Apenas outra, a outra tua boca É Primavera e ri a tua boca De ser Agosto já na outra boca Entre uma e outra voga a minha boca E pouco a pouco a polpa de uma boca Inda há pouco na popa em minha boca É já na proa a polpa de outra boca. Sabe a laranja a casca de uma boca Sabe a morango a noz da outra boca Mas sabe entretanto a minha boca Que apenas vai sentindo em sua boca Mais rouca do que a boca a minha boca Mais louca do que a boca a tua boca
  71. 71. Quiasmo • É a repetição de uma estrutura de maneira simétrica e invertida no texto. Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada E triste, e triste e fatigado eu vinha. Tinhas a alma de sonhos povoada, E alma de sonhos povoada eu tinha... Olavo Bilac
  72. 72. Paralelismo • Trata-se da repetição de estruturas sintáticas semelhantes. • Inclui a anáfora (repetição no começo de frases ou versos), a epístrofe (repetição no final) e o quiasmo (repetição de forma espelhada).
  73. 73. Quadrilha Carlos Drummond de Andrade João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para o Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história.
  74. 74. Pleonasmo • É o emprego de palavras redundantes, com a finalidade de reforçar uma expressão. • Entretanto, por demonstrarem falta de inteligência, atenção ou bom gosto, certos pleonasmos são considerados vícios de linguagem, tais como: descer para baixo, subir para cima, entrar para dentro, a ilha fluvial do rio Amazonas, construir belas construções, escrever a sua própria autobiografia, a monocultura exclusiva de uma planta, entre outros. • Trata-se, nesse caso, do pleonasmo vicioso.
  75. 75. Pleonasmo • Empregado intencionalmente, entretanto, como recurso de expressão, o pleonasmo pode apresentarse como: a) pleonasmo sintático: em que se repetem termos com a mesma função sinática na sentença: Esses livros, eu já os li. (objeto direto) A mim, só me resta chorar.
  76. 76. Pleonasmo b) pleonasmo semântico: acontece a repetição de uma ideia: “Dói-me no coração Uma dor que envergonha...” (Fernando Pessoa) “Foi o que vi com meus próprios olhos” (Antônio Calado). “Vi, claramente visto, o lume vivo Que a marítima gente tem por santo” (Camões).
  77. 77. Hipérbato (ou Inversão) • É a alteração da ordem direta dos termos na oração, ou das orações no período. • Muito realizado na poesia, sobretudo na fase anterior ao Modernismo, o hipérbato sempre é uma tentativa de aproximar a língua portuguesa de sua origem clássica latina. O latim clássico possuía uma sintaxe diferente da nossa. LUCIAE PUPA PULCHRA EST. A BONECA DE LÚCIA É BONITA.
  78. 78. Hipérbato (ou Inversão) “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante” (...). [As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico.] Morreu o presidente. [O presidente morreu.] Animais em casa, eu não quero mais. [Eu não quero mais animais em casa.]
  79. 79. Polissíndeto • É o uso repetido de uma conjunção, especialmente a conjunção aditiva e. “Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto,...” (Vínicius de Moraes, Soneto de fidelidade) O menino resmunga e chora e esperneia e grita.
  80. 80. Assíndeto • É a ausência da conjunção numa sequência de orações coordenadas, com o intuito de enfatizar a individualidade de cada elemento. Não canta, não ri, não mais conversa. Ele ama o vinho, o esporte, a boa música.
  81. 81. Anacoluto • É a interrupção do fio da frase; um ou mais termos ficam sintaticamente desligados do resto do período, sem função. • Por uma questão de realce, o termo desligado da sentença costuma vir no começo da frase, separado por vírgula. • Muito comum na linguagem oral, o anacoluto deve ser usado com bastante sobriedade e consciência na expressão escrita.
  82. 82. Anacoluto Essas pessoas de hoje, não se pode confiar nelas. Minha vida, está tudo às mil maravilhas. O mundo, parece que as coisas todas estão de pernas para o ar. Meu pai ele sempre me ajuda. [Uso indevido do anacoluto: sentença com dois sujeitos]
  83. 83. Elipse • É a omissão de um termo que pode ser facilmente subentendido no texto. • Quando bem empregada, a elipse torna a escrita mais concisa, econômica e, por consequência, mais elegante e eficaz. • Quando se omite um termo já utilizado no texto, a fim de se evitar a repetição, a elipse também é chamada de zeugma. Se esse termo omitido for um verbo, sua elipse deve ser indicada pela colocação de uma vírgula.
  84. 84. Elipse Sairei logo mais. [elipse do pronome eu] Nós fomos conhecer Búzios; eles, Angra. [zeugma da locução verbal foram conhecer] Perguntei se voltaria logo. Disse-me não saber. [zeugma da oração se voltaria logo] Quando jovem, Márcia era muito bonita. [elipse do verbo era]
  85. 85. Silepse • É a realização da concordância não com os termos expressos, mas com a ideia com eles associada que está em nossa mente. Por isso, é também chamada de concordância ideológica. • Pode ser: – de gênero; – de número; – de pessoa.
  86. 86. Silepse Quando a gente é novo, gosta de fazer bonito. [silepse de gênero] A família era feliz, mas faltava-lhes sossego. [silepse de número] Os brasileiros amamos nossa terra. [silepse de pessoa]

×