O Cortiço - Aluísio Azevedo

505 visualizações

Publicada em

Seminário realizado pelos alunos do 1º ano do Ensino Médio do Colégio Vale do Curtume.
Professor: Cleiton Batista
Alunos: Clara Martins Pedrosa
Flávio Matheus Morais de Sousa
Fco. Andherson Farias Carvalho
Maria Eduarda de Paula Farias
Nicholas do Nascimento Leitão
Pedro Luan Abreu do Santos Mota

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
505
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Cortiço - Aluísio Azevedo

  1. 1.  Principal artista do naturalismo brasileiro;  Ficcionista/Cientista  Sofre preconceito desde criança;  “Demônio da cidade”  Crítico da sociedade brasileira  Influenciado por Eça de Queiroz
  2. 2. São dois os espaços explorados na obra:  O primeiro é o cortiço, amontoado de casebres, onde os pobres vivem;  O segundo espaço, que fica ao lado do cortiço, é o sobrado do comerciante Miranda e de sua família. O sobrado representa a burguesia ascendente do século XIX.
  3. 3.  Tempo linear  Brasil (século XIX)
  4. 4.  A obra é narrada em 3ª pessoa  Narrador onisciente
  5. 5.  Vida precária das pessoas de baixa renda  Homossexualismo  Falta de saneamento básico  Violência  Fofocas
  6. 6.  Simples  Expressões grosseiras: “- Com quem te esfregavas, sua vaca!’’
  7. 7.  Pobres: o Pretos, mulatos e brancos que são moradores do cortiço;  Ricos o Portugueses enriquecidos , que moram no sobrado ao lado do cortiço.
  8. 8.  Ambicioso  Esperto  Miserável  Enganador  Invejoso
  9. 9.  Trabalhadora;  Submissa;  Sonhava com a liberdade.
  10. 10.  Velho português;  Covarde;  Oportunista;
  11. 11.  Sério;  Trabalhador exemplar;  Honesto;  Pai de família.
  12. 12.  Alegre;  Assanhada ;  Dançarina;
  13. 13.  Dona Estela  Piedade;  Firmo  Pombinha;  Léonie;
  14. 14.  A criação do cortiço e o início da relação de João Romão com Bertoleza;  A chegada de Miranda e Jerônimo e sua família;  A volta de Rita Baiana para o cortiço, a festa e o início de interesse de Jerônimo;  Pombinha e Florinda e seus dramas;
  15. 15.  O retorno de Jerônimo do hospital e sua sede de vingança contra Firmo;  Morte de Firmo e a fuga de Rita e Jerônimo;  Briga entre Piedade e Rita Baiana;
  16. 16.  A invasão dos cabeças de gato, e a fuga do casal Jerônimo e Rita Baiana;  A transformação do cortiço;  As ideias de João Romão para livrar-se de Bertoleza;  A consequências da separação de Jerônimo e Piedade;
  17. 17.  Método Científico  Determinismo  Evolucionismo  Crítica Social
  18. 18.  Suicídio  Homossexualidade  Miséria  Preconceito de classe  Preconceito de raça
  19. 19. (ITA) Leia as proposições acerca de O Cortiço. I. Constantemente, as personagens sofrem zoomorfização, isto é, a animalização do comportamento humano, respeitando os preceitos da literatura naturalista. II. A visão patológica do comportamento sexual é trabalhada por meio do rebaixamento das relações, do adultério, do lesbianismo, da prostituição etc. III. O meio adquire enorme importância no enredo, uma vez que determina o comportamento de todas as personagens, anulando o livre-arbítrio. IV. O estilo de Aluísio Azevedo, dentro de O Cortiço, confirma o que se percebe também no conjunto de sua obra: o talento para retratar agrupamentos humanos. Está(ão) correta(s) a) todas. b) apenas I. c) apenas I e II. d) apenas I, II e III. e) apenas III e IV.
  20. 20. A
  21. 21.  (UFLA) Relacione os trechos da obra O Cortiço, de Aluísio de Azevedo, às características realistas/naturalistas seguintes que predominam nesses trechos e, a seguir, marque a alternativa CORRETA: 1. Detalhismo. 2. Crítica ao capitalismo selvagem. 3. Força do sexo. ( ) “(…) possuindo-se de tal delírio de enriquecer, que afrontava resignado as mais duras privações. Dormia sobre o balcão da própria venda, em cima de uma esteira, fazendo travesseiro de um saco de estepe cheio de palha.” ( ) “(…) era a luz ardente do meio-dia; ela era o calor vermelho das sestas de fazenda; era o aroma quente dos trevos e das baunilhas, que o atordoara nas matas brasileiras.” ( ) “E seu tipo baixote, socado, de cabelos à escovinha, a barba sempre por fazer (…) Era um pobre diabo caminhando para os setenta anos, antipático, muito macilento.” a) 2, 1, 3 b) 1, 3, 2 c) 3, 2, 1 d) 2, 3, 1 e) 1, 2, 3
  22. 22. D

×