Grupo de estudo  Junia de Carvalho Fidelis Braga  UFMG
<ul><li>Um todo dinâmico que emerge quando pessoas em um grupo compartilham de práticas comuns, são interdependentes, comp...
Porque os interesses por comunidades de aprendizagem?  Filosófico: as comunidades de aprendizagem se enquadram nos preceit...
<ul><li>propósito comum ou compartilhado:  os integrantes de uma comunidade de aprendizagem compartilham de interesses rel...
Os indicadores relativos à formação de uma comunidade de aprendizagem nos termos de Wenger (1998) <ul><li>relações mutuame...
<ul><li>Alguns indicadores de que uma comunidade de aprendizagem on-line foi formada podem ser resumidos em: </li></ul><ul...
Comunidade de Busca de Conhecimento   Garrison; Anderson; Archer, 2000
<ul><li>Presença  social:  habilidade de projetar-se e estabelecer relações pessoais e  relações voltadas para um propósit...
<ul><li>A idéia de que o significado é socialmente construído e de que artefatos culturais como, por exemplo, recursos dig...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Grupo De Estudo Ing Rede

544 visualizações

Publicada em

dfsdfsdf

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
544
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Grupo De Estudo Ing Rede

  1. 1. Grupo de estudo Junia de Carvalho Fidelis Braga UFMG
  2. 2. <ul><li>Um todo dinâmico que emerge quando pessoas em um grupo compartilham de práticas comuns, são interdependentes, compartilham de decisões, identificam-se com algo maior do que a soma de suas relações individuais e se comprometem em longo prazo com o bem-estar do grupo (Shaffer e Anundsen (1993 citado por Palloff e Pratt, 1999) </li></ul>COMUNIDADES DE APRENDIZAGEM
  3. 3. Porque os interesses por comunidades de aprendizagem? Filosófico: as comunidades de aprendizagem se enquadram nos preceitos que contemplam uma mudança filosófica relativa à natureza da construção do conhecimento. Essa nova concepção epistemológica considera que construímos e mantemos conhecimento por meio da negociação e não meramente examinando o mundo (BLUFFEE, 1995 citado por CROSS, 1998). Sustentação teórica: a noção de comunidades de aprendizagem está ancorada ao conceito de aprendizagem colaborativa. A interação como elemento crucial no processo de construção do conhecimento tem sido reconhecido por teorias e estudos empíricos de diversas áreas: aprendizagem, motivação e cognição. Pragmáticas: as razões pragmáticas podem ser exemplificadas pelas comunidades de aprendizagens inseridas em contextos universitários: na maioria das universidades os aprendizes participam de uma comunidade de prática, geralmente, chamados de estágios, antes de, efetivamente, entrar no mercado de trabalho.
  4. 4. <ul><li>propósito comum ou compartilhado: os integrantes de uma comunidade de aprendizagem compartilham de interesses relativos a um resultado em particular; </li></ul><ul><li>colaboração, parceria e aprendizagem : as comunidades de aprendizagem operam por meio da colaboração, cooperação ou parceria. Os objetivos comuns são atingidos pelo trabalho conjunto e a construção do novo conhecimento auxilia na construção do capital intelectual do sistema; </li></ul><ul><li>respeito à diversidade : o respeito pela diversidade aumenta a capacidade da comunidade. A aceitação da diversidade é um indicador da presença do desejo de aceitar novas idéias, mudanças e desafios causados pela diferenças de perspectivas, pré-requisitos para o desenvolvimento e aprendizagem da comunidade; </li></ul><ul><li>a intensificação do potencial e dos resultados : os benefícios que as comunidades de aprendizagem podem oferecer estão, diretamente, relacionados à presença de um clima aberto capaz de promover oportunidades de construção do conhecimento compartilhado, de diálogo, investigação e risco bem como feedback construtivo para todos os integrantes da comunidade. (Wenger, 1998) </li></ul>Princípios que fundamentam as comunidades de aprendizagem
  5. 5. Os indicadores relativos à formação de uma comunidade de aprendizagem nos termos de Wenger (1998) <ul><li>relações mutuamente sustentadas – harmonia e conflito; </li></ul><ul><li>o cumprimento de tarefas deve contar com o engajamento compartilhado por parte de seus participantes; </li></ul><ul><li>um fluxo rápido de informação e propagação da inovação; </li></ul><ul><li>ausência de preâmbulos introdutórios como se as interações constituíssem uma mera continuação de um processo em andamento; </li></ul><ul><li>jargões e atalhos na comunicação; </li></ul><ul><li>discurso compartilhado refletindo uma certa perspectiva sobre o mundo; </li></ul><ul><li>instrumentos específicos e outros artefatos. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Alguns indicadores de que uma comunidade de aprendizagem on-line foi formada podem ser resumidos em: </li></ul><ul><li>interação ativa abrangendo conteúdo do curso e comunicação pessoal; </li></ul><ul><li>aprendizagem colaborativa evidenciada por comentários entre os aprendizes; </li></ul><ul><li>construção social de significado evidenciada pelo questionamento e de acordo com o interesse de atingir um consenso de significado; </li></ul><ul><li>compartilhamento de recursos entre os aprendizes; </li></ul><ul><li>troca de expressões de suporte e incentivo entre os aprendizes bem como o desejo de avaliar, criticamente, o trabalho do outro. </li></ul>
  7. 7. Comunidade de Busca de Conhecimento Garrison; Anderson; Archer, 2000
  8. 8. <ul><li>Presença social: habilidade de projetar-se e estabelecer relações pessoais e relações voltadas para um propósito . </li></ul><ul><li>Presença cognitiva: capacidade de se construir significado por meio da comunicação sustentada. </li></ul><ul><li>Presença instrucional: elaboração do desenho instrucional, promoção de discussão e instrução direta. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A idéia de que o significado é socialmente construído e de que artefatos culturais como, por exemplo, recursos digitais podem exercer um papel fundamental no processo de construção do conhecimento compartilhado é defendida também por Curtis e Lawson (2001), Garrison, Anderson e Archer (2000), Harasim et al. (2005), Paiva (2006a) e Parreiras (2005), Braga (2007). </li></ul>

×