Microconto

626 visualizações

Publicada em

Breve apresentação sobre o gênero literário Microconto.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Microconto

  1. 1. MARINA GARCIA BARBOSA NATAN DOS SANTOS
  2. 2.  Também conhecido como microconto ou nanoconto, é associado ao minimalismo  Embora a teoria literária ainda não reconheça o miniconto como um gênero literário à parte, fica evidente que as características são diferentes das de um “conto pequeno”.  No miniconto muito mais importante que mostrar é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de “preencher” as elipses narrativas e entender a história por trás da história escrita.
  3. 3.  O Guatemalteco Augusto Monterroso é apontado como autor do mais famoso miniconto, escrito com apenas trinta e sete letras.  Uma das definições de microconto estabelece o limite de 150 caracteres para permitir seu envio através de mensagens SMS (torpedos) pelo celular, evidenciando uma das características do microtexto, que é sua ligação com as novas tecnologias de informação e comunicação.
  4. 4.  Brevidade;  Intertextualidade;  Metaficcão;  Epifania;  Precisão cirúrgica que aproxima prosa e poesia;  Ficcional entrelaçado a recortes de elementos factuais;  Humor;  Polissemia;  O Inusitado;  Ironia;  Ludicidade.
  5. 5.  A ação se apresenta no clímax e início-epílogo são coalescentes com o todo da ação narrada.  O microconto, como gênero literário, longe de se limitar a aforismos, reflete de algum modo as tensões do nosso século; posto que extrai do mundo exterior a sua estranheza fragmentária e converte-a em arte.
  6. 6.  O microconto brasileiro contemporâneo é uma dose da “célula tronco” do conto, da novela, da crônica, do haicai e de algumas formas simples: a adivinha, chiste, caso, anedota, ditado, etc  A microficção brasileira busca trazer em suas frinchas dados sócio-históricos reais, em nada falseados ou modificados com finalidade de fazer o “jogo do texto”.
  7. 7.  Grande quantidade de autores publicando livros com ou exclusivamente de minicontos: o pioneiro “Ah, é?”, de Dalton Trevisan (1994), “Contos Contidos”, de Maria Lúcia Simões (1996), “O filantropo”, de Rodrigo Naves (1998), “Pérolas no decote”, de Pólita Gonçalves (1998), “Passaporte”, de Fernando Bonassi (2001), “Coração aos pulos”, de Carlos Herculano Lopes (2001), “Eles eram muitos cavalos”, de Luiz Rufatto (2001), “Mínimos Múltiplos Comuns”, de João Gilberto Noll (2003), “Os cem menores contos brasileiros do século”, organizado por Marcelino Freire (2004), “Ao homem que não me quis”, de Ivana Arruda Leite (2005), “Tentando entender Monterroso”, de Luiz Arraes (2005), “A milésima segunda noite”, de Fausto Wolff (2005), “Contos de Bolso e Contos de Bolsa”, da Casa Verde (2005 e 2006), “Curta-Metragem e Expresso 600”, de Edson Rossatto (2006), Entre Duas Mortes, organizado por Frederico Alberti (2006), entre tantos outros.
  8. 8.  Presença de minicontos juvenis, de Leonardo Brasiliense, “Adeus conto de fadas” (2006),  Testa a estética com outro público, comprovando a flexibilidade do miniconto e a possibilidade de ser tratado como um gênero (da mesma forma que os poetas tratam como gênero o haicai).
  9. 9.  Devido ao seu formato enxuto e de rápida leitura, o miniconto se tornou um gênero cultivado não apenas pelos leitores como também pelos escritores das novas gerações, seduzidos pela (aparente) facilidade de se escrever um bom miniconto.
  10. 10. “Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá.” Augusto Monterroso
  11. 11. Vende-se: sapatos de bebê, nunca usados. Ernest Hemingway
  12. 12. O balanço enferrujado rangia enquanto a solidão susurrava ao seu ouvido. Risos distantes podiam ser percebidos. Em seu coração reinava o barulho da ansiedade, que brigava com o silêncio de um espaço reservado prestes a ser preenchido. Passaram-se horas. A euforia diminuíra pela agonia da espera e, livre de qualquer esperança, caminhara em direção à infelicidade, quando, de repente, se viu salva pelas garras de quem tanto a fez agonizar. Lorena Oliveira Cabral
  13. 13. “Olha, Pai, eu tentei, mas acho que não deu muito certo não...” (Antônio Prata)
  14. 14. “A velha insônia tossiu três da manhã.” (Dalton Trevisan)
  15. 15.  Projeto Micro e Minicontos da Fábrica dos Sonhos. Disponível em: <http://minimicrocontos.blogspot.com.br> Acesso em 19 de Nov. 2014  A onda dos Microcontos. Disponível em: <https://www.escrevendoofuturo.org.br/index.php?op tion=com_content&view=article&id=140:a-onda-dos-microcontos& catid=23:colecao&Itemid=33> Acesso em 19 de Nov. 2014
  16. 16.  Miniconto. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Miniconto > Acesso em 19 de Nov. 2014  Entre Frinchas, a Poética do Microconto Brasileiro. Disponível em <http://www.abralic.org.br/anais/cong2011/AnaisOnline/re sumos/TC0674-1.pdf > Acesso em 19 de Nov. 2014  Pequena Poética do Miniconto. Disponível em <http://www.minicontos.com.br/?apid=2989&tipo=12&dt= 0&wd=&titulo=Pequena%20po%E9tica%20do%20minicon to> Acesso em 19 de Nov. 2014
  17. 17.  Microcontos. Disponível em <http://oblogderedacao.blogspot.com.br/2012/09/mic rocontos.html> Acesso em 19 de Nov. 2014  30 Contos de Até 100 Caracteres. Disponível em <http://www.jornalopcao.com.br/posts/opcao-cultural/ 30-contos-de-ate-100-caracteres> Acesso em 19 de Nov. 2014

×