LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoração

6.226 visualizações

Publicada em

Subsídios para lições bíblicas da CPAD elaborados pelo Pastor Natalino das Neves (IEADC-Sede).
Assista aos demais vídeos com estudos bíblicos e baixe os arquivos de slides referentes aos vídeos no blog:
http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
0 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.226
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.613
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
116
Comentários
0
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LBJ LIÇÃO 8 - A lembrança da essência da adoração

  1. 1. TEXTO DO DIA "Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficiência, e andes humildemente com o teu Deus?" (Mq 6.8).
  2. 2. SÍNTESE Nada justifica a opressão ou exploração de uma pessoa por outra. Todo sacrifício feito à custa do sangue e lágrimas de outrem é abominação. A adoração torna- nos mais justos e bondosos.
  3. 3. TEXTO BÍBLICO Miqueias 7.1-7
  4. 4. 1. Ai de mim! Porque estou como quando são colhidas as frutas do verão, como os rabiscos da vindima: não há cacho de uvas para comer, nem figos temporãos que a minha alma desejou. 2. Pereceu o benigno da terra, e não há entre os homens um que seja reto; todos armam ciladas para sangue; caça cada um a seu irmão com uma rede. 3. As suas mãos fazem diligentemente o mal; o príncipe inquire, e o juiz se apressa à recompensa, e o grande fala da corrupção da sua alma, e assim todos eles são perturbadores. 4. O melhor deles é como um espinho; o mais reto é pior do que o espinhal; veio o dia dos teus vigias, veio a tua visitação; agora será a sua confusão. 5. Não creiais no amigo, nem confieis no vosso guia; daquela que repousa no teu seio guarda as portas da tua boca. 6. Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra sua mãe, a nora, contra sua sogra, os inimigos do homem são os da sua própria casa. 7. Eu, porém, esperarei no SENHOR; esperei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá.
  5. 5. INTRODUÇÃO
  6. 6. INTRODUÇÃO • Miqueias era comprometido com a luta contra as desigualdades e abusos dos poderosos sobre os mais frágeis. • Para ele o real avivamento deveria causar mudanças também nos paradigmas sociais. • Por trás da aparente religiosidade, ainda havia corrupção e injustiça entre o povo (2.1,2). • Pessimismo em relação à qualidade do relacionamento do povo com Deus (1.9). • E hoje, a adoração tem qualidade?
  7. 7. I - MIQUEIAS E SUA DENÚNCIA PROFÉTICA
  8. 8. 1. O perfil de um adorador • Poucas informações sobre Miqueias. Jeremias comenta sobre o seu ministério (Jr 26.18,19). • Suas mensagens proféticas eram denuncias do modelo dominante: lideres que exerciam suas funções sob suborno (Mq 3.5,11). • Sua cidade natal, Moresete, era provavelmente é um povoado da zona rural próximo a Filístia. • Miqueias um camponês humilde que anunciava a vontade de Deus na mesma época do palaciano profeta Isaías (Is 6.1).
  9. 9. 2. O contexto sócio-religioso da comunidade de Miqueias • Apesar de suas denúncias se concentrarem mais no Reino Sul, elas eram abrangentes: Jerusalém e Samaria (1.5; 3.1). • Mesmo diante do avivamento liderado por Ezequias (2 Cr 29-31), os ricos estavam perversamente explorando os mais pobres (6.12-15). • Os profetas não denunciavam as injustiças sociais, pois eles profetizavam mensagem encomendada, mediante pagamento (3.5-12). • O povo era idólatra e legalista (5.12-15; 6.6,7). • Todavia, Deus continuava atraindo e pacientemente esperando uma mudança de comportamento do povo (6.8,9).
  10. 10. 3. A profecia de Miqueias • O profeta "tira o véu" que tenta esconder a condição deplorável que os mais pobres estavam vivendo naquele contexto (3.1-4). • A mensagem revela as consequências sobre as práticas de injustiça (3.12; 4.10-12) e a restauração para os justos (5.2-4). • O profeta denuncia as práticas de injustiça que para os líderes era normal (7.2) e propõe uma mudança radical de comportamento. • Afirma que o verdadeiro avivamento produz mudança e frutos de justiça.
  11. 11. APLICAÇAO PRÁTICA Se Miqueias estive em nosso meio, quais as denuncias ela faria? Você tem sido justo em seus relacionamentos? Qual tem sido seu referencial, a vontade de Deus ou o padrão estabelecido como normal pelo mundo?
  12. 12. PENSE A mensagem de Deus precisa ser anunciada a todas as pessoas, em todos os contextos existentes.
  13. 13. PONTO IMPORTANTE Os verdadeiros servos de Deus não são coniventes com as práticas pecaminosas de sua sociedade, ainda que estas sejam comunitariamente aceitas.
  14. 14. II - A ESSÊNCIA DA ADORAÇÃO SEGUNDO MIQUEIAS (6.8)
  15. 15. 1. A adoração conduz a bondade • O cristão não deve viver deliberadamente numa vida de maldade e injustiça. O pecado não pode dominá-lo (Rm 6.14; Sl 103.12). • Não fazemos boas obras para sermos salvos, mas as boas obras devem ser uma prática do cristão (2 Ts 3.13; Tg 1.1ss). • A crueldade não pode ser um atributo daqueles que se declaram adoradores do Senhor, João deixa isso bastante claro em 3 Jo 11. • Na vida do cristão não pode haver: violência, opressão ou mentira (Cl 3.9); inveja, competição ou vanglória (Fp 2.3). • A bondade deve ser o fundamento de nossa vida (Cl 3.12; Rm 15.14). • A adoração nos aproxima de Deus, nos afasta do mal e atrai- nos para o bem (Pv 14.22).
  16. 16. 2. A justiça como fruto da adoração • Miqueias chocou-se com a cumplicidade e com a injustiça que imperavam o “povo de Deus” (3.9). • Ele proclamava a justiça (3.8). O justo, assim como Deus, deve amar a justiça (Sl 11.7; 33.5;146.8). • A justiça não pode ser confundida com legalismo- formalismo. • A verdadeira adoração produz com fruto uma vida de prática da justiça, amor e a misericórdia.
  17. 17. 3. Louvar a Deus torna o nosso coração humilde • Os contemporâneos de Miqueias se diziam religiosos, mas seus sentimentos eram de autossuficiência e exaltação (2.1; 3.9). • A verdadeira adoração faz nos reconhecer nossa limitação e fraqueza, bem como a força que vem de Deus (2 Co 2.19; Is 40.29,30; Ef 6.10). • Os sacrifícios e cerimoniais que faziam eram rejeitados por Deus. (6.6,7). • A arrogância precede a queda (Pv 16.18). • A verdadeira adoração nos conduz ao quebrantamento (Lc 18.10-14).
  18. 18. APLICAÇAO PRÁTICA Você é um verdadeiro adorador? Se é, quais frutos têm produzido? Você que é líder, tem sido bom, justo e humilde?
  19. 19. PENSE Na história do cristianismo, em nome de Deus, foram iniciadas guerras, cometeram-se assassinatos, justificou-se o uso da violência. Para que nunca mais voltemos a estes tempos vergonhosos precisamos compreender que a fé que temos em Cristo não nos torna donos do mundo.
  20. 20. PONTO IMPORTANTE Infelizmente em nossa sociedade, a humildade é um comportamento raro, especialmente entre aqueles que se dizem cristãos.
  21. 21. III - DE FATO SOMOS ADORADORES?
  22. 22. 1. A Igreja e a justiça social • A Igreja de Jesus Cristo deve agir entre os injustiçados e necessitados. • Dentro da igreja, existem injustiçados? • Nossos líderes tem atuado com justiça com seus auxiliares e a igreja? • Qual a atuação da igreja diante das inúmeras denuncias de injustiças sociais em nossos dias? • Como a igreja poderia ser atuante?
  23. 23. 2. Somos cristãos ou consumidores de religiosidade? • O marketing religioso é um campo em amplo crescimento no mundo dos negócios. • Desenvolver uma comunidade de adoradores não é mais a prioridade de muitas igrejas. • Marketing religioso: para conquistar o “mercado consumidor espiritual”, algumas igrejas elaboram um “menu” de produtos para atender as “necessidades do clientes". • Como Paulo admoestou, devemos priorizar uma mensagem cristocêntrica que conduza os cristãos a uma verdadeira adoração.
  24. 24. 3. O mais importante não é o que temos, mas o que somos • Muitas práticas da época de Miqueias ainda permanecem hoje como a teologia de retribuição: riqueza como símbolo da bênção de Deus e pobreza como maldição e consequência do pecado (3.11). • Os ricos e opressores se utilizavam da teologia oficial para legitimar suas práticas de injustiça e opressão. • Sociedade do consumismo valoriza mais o TER do que o SER. O verdadeiro adorador prioriza o ser. • Se o Senhor abençoar-nos com riquezas, o fará por meio da justiça e da verdade (Sl 112.1-10).
  25. 25. APLICAÇAO PRÁTICA Você tem valorizado mais o TER ou o SER? O que tem tirado o seu sono? Você se considera um(a) verdadeiro(a) adorador(a)?
  26. 26. PENSE A Igreja não é o Estado e nem cabe sê-lo; logo, o modo e a finalidade pela qual a Igreja deve lutar por um mundo mais justo devem ser diferentes daqueles utilizados pelo Estado. Enquanto este toma suas medidas por força da lei ou por interesse populista, a aquela abraça a causa de Cristo para si.
  27. 27. PONTO IMPORTANTE Nossa experiência de fé tem de fato tornado-nos pessoas com valores e princípios diferentes daqueles que estão estampados no mundo, ou tudo o que vivemos é uma adaptação religiosa da lógica perversa e perniciosa do mundo que nos cerca?
  28. 28. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  29. 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta lição nos aprendemos que: 1. Miqueias denuncia a prática de injustiças dos líderes 2. A bondade, justiça e humildade são frutos da verdadeira adoração. 3. Fala-se muito em adoração e adoradores, mas será que nós, como igreja, estamos sendo verdadeiros(as) adoradores(as)? “A Igreja não forma consumidores em busca de entretenimento, e sim ovelhas que obedecem a Deus”.
  30. 30. REFERÊNCIAS CABRAL, Elienai. Abraão: As experiências de nosso pai na fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2002. COLSON, Charles & PEARCEY, Nancy. E Agora Como Viveremos? Rio de Janeiro: CPAD, 2000. Comentário Bíblico Beacon. Oseias a Malaquias. Vol. 5, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 180 DEVER, M. A Mensagem do Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. KESSLER, Nemuel. Deus não desistiu de você. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Em Espírito e em Verdade: a essência da adoração cristã. 4º Trim, Edição Professor, Rio de Janeiro, 2016.
  31. 31. REFERÊNCIAS PALMER, Michael D. (Ed.). Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001. RICHARDS, Lawrence O. Comentário Devocional da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. SILVA. E. R. Adoração sem limite: Um coração aos pés de Cristo. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR., William. Dicionário Vine. 7ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
  32. 32. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 (TIM)

×