2014 4 tri lição 8 os impérios mundiais e o reino do messias

1.567 visualizações

Publicada em

2014 4 TRI

Para assistir os vídeos explicativos sobre os slides acesse: http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
88
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 4 tri lição 8 os impérios mundiais e o reino do messias

  1. 1. LIÇÃO 8 OS IMPÉRIOS MUNDIAIS E O REINO DO MESSIAS Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. Pr. Moisés Sampaio de Paula 2
  3. 3. ESCOLA BIBLICA DOMINICAL NA WEBTV LEITURA BÍBLICA: Dn 7.3-8,13,14
  4. 4. INTRODUÇÃO • O capítulo 7 é paralelo com o capítulo 2: os impérios mundiais e o reino messiânico. • Ambos demonstram a decadência dos impérios e o surgimento do reino de Deus ou messiânico. • O capítulo 7 é o auge do conjunto formado por Dn 2-7 e o núcleo decisivo de todo livro, pois Dn 8-12 serve como extensão e explicitação de Dn 7.
  5. 5. I . A VISÃO DOS QUATROS ANIMAIS (7.1-8)
  6. 6. I . A VISÃO DOS QUATROS ANIMAIS (7.1 -8) • Reinos imperiais da visão de Daniel = reinos imperiais do sonho de Nabucodonozor. • Os quatro impérios mundiais representam os poderes gentílicos dominando o mundo, em especial sobre a Palestina. • Dn 7.1 - “no primeiro ano de Belsazar” (552-553 a.C.) = um marco, pois o reino da Babilônia já começava a dar os primeiros sinais de decadência. • “Mar Grande” = humanidade, Mar Mediterrâneo = os quatro impérios surgem junto ao Mar Mediterrâneo.
  7. 7. ANIMAIS INTERPRETAÇÃO LIÇÕES BÍBLICAS CPAD CARACTERÍSTICAS 1º ANIMAL LEÃO COM ASAS DE ÁGUIA (7:4) Império Babilônico • O leão lembra a bravura, a violência e a força bruta sobre suas presas. • “Asas de águia” = conquista em extensão do império 2º ANIMAL URSO (7.5) Império Medo-Persa • E um animal pesado que tem um apetite voraz, carnívoro e que estraçalha suas presas sem dificuldade. • E um animal que age com ataques súbitos e inesperados. 3º ANIMAL LEOPARDO COM QUATRO ASAS (7.6). Império Grego- Macedônico • A caraterística principal desse animal era a sua agilidade, a sua rapidez. • “quatro asas nas costas” e “quatro cabeças” = Alexandre, o grande, e seus sucessores (04 generais). 4º ANIMAL “ANIMAL TERRÍVEL E ESPANTOSO” (7.7). Império romano • Força e poder de destruição. Esse animal deixou seus rastros de morte e destruição por onde passava. • Ressurgirá com força reunindo as forças gentílicas das nações do mundo, sob a liderança do Anticristo. • “Chifre pequeno”: o anticristo (Ap 13.1,5,6)? Os dez chifres do quarto animal representam a força desse terrível animal.
  8. 8. ANIMAIS INTERPRETAÇÃO MACABAICA CARACTERÍSTICAS 1º ANIMAL LEÃO COM ASAS DE ÁGUIA (7:4) Império Babilônico Metamorfose do animal para ser humano = Dn 4 2º ANIMAL URSO (7.5) Império medo • Sempre pronto para atacar. • 3 costelas = voracidade 3º ANIMAL LEOPARDO COM QUATRO ASAS (7.6). Império Persa 4 asas e 4 cabeças = universalidade do império, sempre atento às 4 direções e pronto para mover-se rapidamente. 4º ANIMAL “ANIMAL TERRÍVEL E ESPANTOSO” (7.7). Império Grego- Macedônico • Império de Alexandre, dividido após a morte pelos 4 generais, com destaque para a proeminência dos Lágidas (Egito) e dos Selêucidas (Síria). • 10 chifres: 10 reis da dinastia selêucida. • Chifre pequeno: Antíoco Epifanes IV
  9. 9. I . A VISÃO DOS QUATROS ANIMAIS (7.1 -8) “Quatro feras se levantam do mar. Podemos adiantar que simbolizam quatro impérios e, ao mesmo tempo, todos os impérios. [...]. A inspiração é sem dúvida emblemática: tribos e nações, com seus chefes, podem ser simbolizados por figuras de feras. Ao mesmo tempo uma alusão desumanidade feroz e devoradora, característica de todo e qualquer imperialismo. A visão do autor é a que todo oprimido e explorado tem do imperialismo opressor e explorador”. (STORNIOLO, 1994, P 65)
  10. 10. I . A VISÃO DOS QUATROS ANIMAIS (7.1 -8) • Ver mais detalhes sobre a interpretação macabaica apresentada no arquivo de slide e vídeo da lição 1 disponível em: www.natalinodasneves.blogspot.com.br). Qual é sua opinião sobre a interpretação macabaica? Favor deixar sua opinião no blog ou no canal do Youtube.
  11. 11. I I . O REINO MESSIÂNICO (7.9-14)
  12. 12. IMAGEM/VISÃO CARACTERÍSTICAS Veste branca Majestade celeste Cabelos brancos Ancianidade/eternidade de Deus Trono de fogo Transcendência divina inatingível Rio de fogo Ordem do Rei e a sentença do Juiz (Is 30,27-33) Servidores incontáveis Tanto seres celestes como todos os seres que reconhecem a Deus e servem ao seu Projeto. Tronos: participação na função divina de governar e julgar. Livros Registros das ações dos seres humanos. Tudo está escrito para ser examinado e julgado (Is 65,6; Ml 3,16; Sl 56,9) Filho do homem Tradição cristã identificou com Jesus. Toda ação de Jesus foi em favor da vinda do Reino de deus e da sua justiça
  13. 13. I I . O REINO MESSIÂNICO • A partir do versículo 9, Daniel vê uma cena de juízo da parte de Deus contra o quarto animal (império romano ou Império Grego – Macedônico?). • Julgamento do imperialismo e instauração do Reino de Deus. • Deus acima da tempestade terrestre dos impérios (Sl 29). • Reino escatológico X alternativa político-econômica para domar o instinto selvagem e destrutivo do imperialismo.
  14. 14. I I . O REINO MESSIÂNICO • Estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo desfeito, e entregue para ser queimado pelo fogo” (7.11). [...] “chifre pequeno” - “foi lhe dada prolongação de vida até certo espaço de tempo” (Dn 7.12). História de Antíoco Epifanes IV... • Visão messiânica judaica Vs visão messianica cristã: • Visão político-religiosa ou cosmológica? • Depois de derrotado o imperialismo vem o projeto político-econômico igualitário do Reino de Deus? • “Filho do homem” tem um sentido messiânico e é base para o milênio (Ap 20.2,6) vs personificação do povo fiel a Deus e ao seu projeto.
  15. 15. I I . O REINO MESSIÂNICO • Sonho-visão, recurso apocalíptico para introduzir a explicação de forma velada e alusiva. • “A ponta pequena (o chifre pequeno) fazia guerra contra os santos e os vencia” (7.21): anticristo ou Antíoco Epifanes IV? • “O tempo em que os santos do Altíssimo possuirão o reino” (7.22): final da Grande Tribulação ou...?
  16. 16. I I . O REINO MESSIÂNICO • “Tempo, tempos e metade de um tempo” (7.25). Esse período equivale a “três anos e meio”, (Dn 12.7; 9.27; Mt 24.21,22; Ap 7.14).: • Metade da grande tribulação Vs duração do tempo de perseguição e, ao mesmo tempo, da resistência e luta dos judeus (período dos Macabeus). • “O tempo dos gentios”: segunda metade da Grande Tribulação ou...? • Destruição do anticristo (26,27) ou...? • O que tudo isso significa para nosso tempo (individual ou coletivo) presente?
  17. 17. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  18. 18. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Os impérios mundiais sempre tiveram os dias contados, um dia para seu fim. • Os judeus aguardavam um reino messiânico, mas terreno. • A Igreja aguarda um reino messiânico além desta vida, um reino eterno com Deus.
  19. 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CABRAL, Elienai. Integridade moral e espiritual: o legado do livro de Daniel para a Igreja hoje. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. CAZELLES, H. História Política de Israel, desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986. COMENTÁRIO BÍBLICO BEACON. Vol. 4. 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. DONNER, H. História de Israel e dos Povos Vizinhos. vol. 2, 4ª Edição. São Paulo: Sinodal e EST, 2006. LIÇÕES BÍBLICAS. Integridade moral e espiritual: o legado do livro de Daniel para a Igreja hoje. 4º Trimestre de 2014. Rio de janeiro: CPAD, 2014.
  20. 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MERRIL, Eugene H. História de Israel no Antigo Testamento: o reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações. 6ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. NOTH, Martin. História de Israel. Barcelona: Ediciones Garriga, 1966. GILBERTO, Antonio. Daniel & Apocalipse. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, f. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. RÖMER, T. A chamada História Deuteronomista. Petrópolis: Vozes, 2008.
  21. 21. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS STORNIOLO, Ivo. Como ler o livro de Daniel: reino de Deus X imperialismo. São Paulo: Paulus, 1994. VON RAD, G. Teologia do Antigo Testamento. vol. 1-2, São Paulo: ASTE, 1974. ZUCK, Roy B (Ed). Teologia do Antigo Testamento. 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
  22. 22. ESCOLA BIBLICA DOMINICAL NA WEBTV IEADSJP Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice Presidente: Elson Pereira Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 / 3076 3589

×