LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD
3º TRIMESTRE DE 2013
Lição 4
28 de Julho de 2013
JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE
Prof. Ms. Natal...
ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS
REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS
ENDEREÇOS ABAIXO:
www.redemaoamiga.com.br
www.natalin...
Tema: Alegria de viver por Cristo.
Propósitos: Agradecer aos filipenses por suas ofertas generosas; informar o seu estado ...
LEITURA BÍBLICA – Filipenses 2:5-11
5 – Tenham as mesmas disposições de Cristo Jesus,
6 – Ele tinha a condição divina, mas...
REFERÊNCIA TEXTO/TEMA
Texto áureo
(Lições bíblicas do professor, p. 22)
De sorte que haja em vós o mesmo
sentimento que ho...
OBJETIVOS PROPOSTOS*
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
1. Conhecer o estado eterno da pré-encarnação de
Cristo....
INTRODUÇÃO
• Vamos estudar uma das mais sublimes passagens dos
textos bíblicos: o hino à Cristo.
• Destaque para duas atit...
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-
ENCARNAÇÃO (2:5,6)
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-
ENCARNAÇÃO (2:5,6)
1. Ele deu o maior exemplo de humildade.
• Continuação do ve...
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-
ENCARNAÇÃO (2:5,6)
2. Ele era igual a Deus.
• Cristo e o Deus Pai: ambos têm a ...
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-
ENCARNAÇÃO (2:5,6)
3. Mas "não teve por usurpação ser igual a Deus" (v.6).
• Cr...
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-
ENCARNAÇÃO (2:5,6)
3. Mas "não teve por usurpação ser igual a Deus" (v.6).
• Di...
Sinopse do tópico
“Cristo é por natureza Deus, pois antes de fazer-se
humano "subsistia em forma de Deus”
(L.B.*, p. 25)
*...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE
CRISTO (2:7,8)
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
1. “Esvaziou-se a si mesmo" (2.7).
• Esvaziou-se = reduzido a na...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
1. “Esvaziou-se a si mesmo" (2.7).
• Além de humana a pior condi...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8).
• Cristo permitiu ser esc...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8).
• Não para ser servido, m...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8).
• Obed...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz"
(2.8).
• Comb...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz"
(2.8).
• CRUZ...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz"
(2.8).
• CRUZ...
II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO
(2:7,8)
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz"
(2.8).
• A cr...
Sinopse do tópico
“O Filho do Homem “aniquilou-se a si mesmo”,
“humilhou-se a si mesmo”, e “foi obediente até a
morte de c...
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
1. "Deus o exaltou soberanamente" (2.9).
• O caminho da exaltação passou pela humilhaç...
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
2. Dobre-se todo joelho.
• Deus afirma em Is 45:23 que diante dele todo joelho se
dobr...
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
2. Dobre-se todo joelho.
• Nome de Jesus = autoridade máxima no céu e na terra
(Mt 28)...
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
3. "Toda língua confesse" (v.11).
• A confissão de que Jesus Cristo é o Senhor é o pon...
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
3. "Toda língua confesse" (v.11).
• O hino culmina em uma profissão de fé.
• Adoração ...
Sinopse do tópico
“Deus, o Pai, exaltou soberanamente o Filho fazendo-
o Senhor e Rei. Haverá, pois, um dia que "todo
joel...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Nesta lição aprendemos que:
1. Jesus é maior e mais perfeito exemplo de humildade,
modelo a ser seg...
“[...] Ele existiu como filho eterno de Deus, participou de sua glória –
mas assumiu o caminho da obediência, não se agarr...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário
Bíblico Pentecostal: Novo Testamento....
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COMBLIN, José. Epístola aos Filipenses. 2ª edição. Petrópolis
– RJ, VOZES/SINODAL, 1992.
LIÇÕES...
IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de
Deus de São José dos Pinhais
www.adsaojosedospinhais.com.br
www.redemaoamiga.com...
ANEXOS:
2013_3 tri_lição 4 - jesus o modelo ideal de humildade
2013_3 tri_lição 4 - jesus o modelo ideal de humildade
2013_3 tri_lição 4 - jesus o modelo ideal de humildade
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2013_3 tri_lição 4 - jesus o modelo ideal de humildade

4.766 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves - Programa IEADSJP_EBDTV
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana
Co-Pastor da Sede: Josué Barros Abreu
Sup. EBD-Sede: Ev. Ismael Nascimento de Oliveira

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
894
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
124
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2013_3 tri_lição 4 - jesus o modelo ideal de humildade

  1. 1. LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD 3º TRIMESTRE DE 2013 Lição 4 28 de Julho de 2013 JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS ENDEREÇOS ABAIXO: www.redemaoamiga.com.br www.natalinodasneves.blogspot.com.br SUGESTÃO: 1) Assista o vídeo; 2) Baixe este arquivo; 3) Assista novamente o vídeo, acompanhando com este arquivo de slides.
  3. 3. Tema: Alegria de viver por Cristo. Propósitos: Agradecer aos filipenses por suas ofertas generosas; informar o seu estado pessoal na prisão; transmitir à congregação a certeza do triunfo do propósito de Deus na sua prisão para levar os membros da igreja de Filipos a se esforçarem em conhecer melhor o Senhor, conservando a unidade, a humildade, a comunhão e a paz. Introdução (1.1-11) • Saudações. • Ação de graças e oração pelos Filipenses. I. As circunstâncias em que Paulo se encontrava (1.12-26) • A prisão de Paulo contribuiu para o avanço do Evangelho. • A proclamação de Cristo de todas as formas. • A disposição de Paulo para viver ou morrer. II. Assuntos de Interesse da Igreja (1.27–4.9) • Exortação de Paulo aos filipenses. • Os mensageiros de Paulo à Igreja. • Advertência de Paulo a respeito de falsos ensinos. • Conselhos finais de Paulo. Conclusão (4.10-23) • Reconhecimento e gratidão pelas ofertas recebidas. • Saudações finais e bênção. Fonte: Lições Bíblicas do Professor, 2013, p. 5 (adaptado) ESBOÇO DA EPÍSTOLA AOS FILIPENSES
  4. 4. LEITURA BÍBLICA – Filipenses 2:5-11 5 – Tenham as mesmas disposições de Cristo Jesus, 6 – Ele tinha a condição divina, mas não aproveitou a sua igualdade com Deus. 7 – Esvaziou-se a si mesmo e assumiu a condição de escravo. Tomou a semelhança humana e foi tratado como um homem. 8 – Humilhou-se e foi obediente até a morte, e morte de cruz. 9 – Por isso Deus o exaltou acima de tudo. Outorgou-lhe o nome que está sobre todo nome, 10 – de modo que, ao nome de Jesus, se dobre todo joelho no céu, na terra e no inferno, 11 – e, para a glória de Deus Pai, toda língua confesse: Jesus é o Senhor. (COMBLIN, 1992, p. 38; 40-41)
  5. 5. REFERÊNCIA TEXTO/TEMA Texto áureo (Lições bíblicas do professor, p. 22) De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus" (Fp 2.5). Verdade prática (Lições bíblicas do professor, p. 22) Jesus Cristo é o nosso modelo ideal de submissão, humildade e serviço.
  6. 6. OBJETIVOS PROPOSTOS* Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: 1. Conhecer o estado eterno da pré-encarnação de Cristo.* 2. Apreender o que a Bíblia ensina sobre o estado temporal de Cristo.* 3. Compreender a exaltação final de Cristo.* 4. Aplicar na sua prática diária o conteúdo aprendido. * Objetivos propostos na revista Lições Bíblicas da CPAD.
  7. 7. INTRODUÇÃO • Vamos estudar uma das mais sublimes passagens dos textos bíblicos: o hino à Cristo. • Destaque para duas atitudes de Jesus: sua humildade e sua obediência. • As duas naturezas inseparáveis de Jesus: a humana e a divina. • Humilhação de Cristo que nos trouxe a redenção, que passa por sua encarnação. • O caminho da exaltação de Cristo.
  8. 8. I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ- ENCARNAÇÃO (2:5,6)
  9. 9. I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ- ENCARNAÇÃO (2:5,6) 1. Ele deu o maior exemplo de humildade. • Continuação do verso 4, que fala para não se prevalecer por causa de uma suposta superioridade espiritual. • A tradução “disposição” fica mais apropriada do que sentimento, pois pressupõe a intenção de ação. • O próprio Jesus orientou que seguíssemos seu exemplo: "Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração" (Mt 11:29). O apóstolo reforça esta orientação. Objetivo: a relação de comunhão entre os irmãos. • O salvo passa a ter a mente de Cristo (1 Co 2:16) e deve andar em novidade de vida (Rm 6:4).
  10. 10. I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ- ENCARNAÇÃO (2:5,6) 2. Ele era igual a Deus. • Cristo e o Deus Pai: ambos têm a mesma natureza, glória e essência (Fp 2:6; Jo 14:9-11; 17:5). • Calvino (2010, p. 408), ao comentar esta epístola, faz uma crítica ao arianos, “que pretendiam que Cristo fosse um Deus criado e inferior ao Pai.” • Deus sempre permanece o mesmo: não dá sua glória a outrem (Is 48:11). • Cristo, ao fazer-se homem, esvaziou-se não de sua divindade, mas de sua glória (Jo 1:1; 20:28; Tt 2:13; Hb 1:8; Ap 21:7).
  11. 11. I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ- ENCARNAÇÃO (2:5,6) 3. Mas "não teve por usurpação ser igual a Deus" (v.6). • Cristo não se apegou aos seus "direitos divinos". • Assumiu a natureza humana e entregou-se em expiação por toda humanidade. • Voluntariamente, humilhou-se e assumiu a nossa fragilidade, com exceção do pecado. • Citação de Paulo em Fp 2:6-11 = formulação litúrgica independente (salmo/hino doxológico).
  12. 12. I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ- ENCARNAÇÃO (2:5,6) 3. Mas "não teve por usurpação ser igual a Deus" (v.6). • Diferente de Adão que deu ouvidos à tentação de “ser como Deus”. • Cristo deixou a eternidade: • Onde recebia o eterno amor e honra do Pai e do Espírito Santo; • Louvor e adoração dos anjos • Assumiu a forma humana: • Para ser odiado, desonrado e hostilizado; • Para ser violentamente morto pelos ser humano que criou; • Para dar a sua vida por estes, a quem sempre amou.
  13. 13. Sinopse do tópico “Cristo é por natureza Deus, pois antes de fazer-se humano "subsistia em forma de Deus” (L.B.*, p. 25) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  14. 14. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8)
  15. 15. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 1. “Esvaziou-se a si mesmo" (2.7). • Esvaziou-se = reduzido a nada. • Encarnação: maior prova de humildade e amor. • Esvaziou-se de sua glória e tomou a natureza humana e fez-se maldição por nós (Gl 3:13). • Abriu mão de sua “morfé/morphe” de existir divina. • Jesus não trocou a natureza divina pela humana. Além de humana a pior condição (escravo), sem o “poder de defender-se das acusações injustas”. Poder divino “reprimido, voluntariamente reprimido” (COMBLIN, 1992, p. 41).
  16. 16. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 1. “Esvaziou-se a si mesmo" (2.7). • Além de humana a pior condição (escravo), sem o “poder de defender-se das acusações injustas”. Poder divino “reprimido, voluntariamente reprimido” (COMBLIN, 1992, p. 41). • Calvino (2010, p. 409) ao falar sobre a deidade de Jesus, afirma que: “ele a manteve escondida por algum tempo”. • Primeiro século: docetismo (dokesis = semelhança) – negava que Jesus veio em carne. • “Jesus era Deus, mas durante a sua vida humana terrestre, essa divindade ficou escondida.” (COMBLIN, 1992, p. 41). • Na plenitude dos tempos (Gl 4:4). Nascimento virginal (Lc 1:35)
  17. 17. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8). • Cristo permitiu ser escarnecido e maltratado pelos incrédulos (Is 53:1-7; Mt 26:62-64; Mc 14:60,61). • Filho que se torna servo sofredor desprezado e rejeitado, o cordeiro levado ao matadouro sem abrir sua boca (Is 53:1-7/Fp 2:5-8). • Entretanto, jamais perdeu o foco da sua missão: cumprir toda a justiça de Deus para salvar a humanidade.
  18. 18. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8). • Não para ser servido, mas dar sua vida em resgate do ser humano (Mc 10:45). • Tendência do ser humano = Tiago e João (assentar à direita e esquerda no trono) e Pedro (não aceitar a servidão de Jesus) em Jo 13. • “Eu vi Satanás caindo do céu como relâmpago” (Lc 10:18) = caminho inverso de Jesus. • Evangelho: “levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo” (2 Co 10:5); negar a si mesmo e tomar sua cruz (Mc 8:34-35).
  19. 19. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). • Obediente até mesmo em sua agonia: "Não se faça a minha vontade, mas a tua" (Lc 22:42). • Desceu ao ponto mais baixo da sua humilhação. Ele se fez maldição por nós (Dt 21:22,23; Gl 3:13; 1 Pe 2:24). • O justo, morrendo como um criminoso na Cruz, pelos injustos. Não se fantasiou de ser humano, mas assumiu seu lugar. • “O homem só poderia ser salvo por um Deus que se tornasse seu igual” (WEINGÄRTNER, 1992, p. 54).
  20. 20. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). • Comblin (1992, p.39) chama o hino a Cristo (Fp 2:6-11) de resumo do evangelho de Paulo. • “A cruz, na teologia de Paulo, é a expressão extrema da condição de escravo e do esvaziamento de todo poder”. (COMBLIN, 1992, P. 42). • CRUZ = loucura para os que se perdem, poder de Deus para os que se salvam (1 Co 1:18).
  21. 21. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). • CRUZ = ponto extremo da humilhação e início da salvação do ser humano. • “POR NÓS” – Rm 4:25; Rm 8:32; 1 Co 15:3). • A cruz não foi um acidente, mas era o propósito do Pai desde o princípio. • O problema do cristianismo moderno é que Ele não se parece com Cristo.
  22. 22. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). • CRUZ = loucura para os que se perdem, poder de Deus para os que se salvam (1 Co 1:18). • CRUZ = ponto extremo da humilhação e início da salvação do ser humano. • “POR NÓS” – Rm 4:25; Rm 8:32; 1 Co 15:3).
  23. 23. II. O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2:7,8) 3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). • A cruz não foi um acidente, mas era o propósito do Pai desde o princípio. • O problema do cristianismo moderno é que Ele não se parece com Cristo. • Comblin (1992, p.39) chama o hino a Cristo (Fp 2:6-11) de resumo do evangelho de Paulo.
  24. 24. Sinopse do tópico “O Filho do Homem “aniquilou-se a si mesmo”, “humilhou-se a si mesmo”, e “foi obediente até a morte de cruz”.” (L.B.*, p. 26) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  25. 25. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11)
  26. 26. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11) 1. "Deus o exaltou soberanamente" (2.9). • O caminho da exaltação passou pela humilhação (Hb 1:3; 2;9;12:2). • Depois de ser reduzido à nulidade total de poder, o Pai levantou-o e levou-o ao nível mais alto. • Ressurreição – ascensão – retomar o lugar de Filho. • Kyrios Xristos, Cristo é o Senhor = NT cita 16X Jesus como Salvador e 650X como Senhor. • Muitos querem o Salvador, mas não o Senhor.
  27. 27. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11) 2. Dobre-se todo joelho. • Deus afirma em Is 45:23 que diante dele todo joelho se dobrará. Paulo afirma que diante de Jesus, da mesma forma, todo joelho se dobrará (v.10). • A autoridade universal de Jesus deve ser reconhecida por todas as criaturas, inclusive os seres celestiais (Ap 5:6-14). • Adoração exclusiva a Deus. • “Quem não honra o filho não honra o pai, que o enviou” (Jo 5:23b).
  28. 28. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11) 2. Dobre-se todo joelho. • Nome de Jesus = autoridade máxima no céu e na terra (Mt 28). • “Na Bíblia o nome exprime um poder.” (COMBLIN, 1992, p.43). • Calvino (2010, p. 413) ao comentar sobre “E lhe deu um nome” explica que “o significado é que foi dado a Cristo o poder supremo, e que ele foi posto na mais elevada posição de honra, de modo que não se acha dignidade, seja no céu, seja na terra, que seja igual à dele.”
  29. 29. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11) 3. "Toda língua confesse" (v.11). • A confissão de que Jesus Cristo é o Senhor é o ponto de convergência de toda a Igreja (Rm 10:9; At 10:36; 1 Co 8:6). • A exaltação de Cristo deve ser proclamada universalmente. • Devemos seguir a trajetória de Cristo para sermos glorificados: “Herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofrermos, para que também com ele sejamos glorificados” (Rm 8:17).
  30. 30. III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2:9-11) 3. "Toda língua confesse" (v.11). • O hino culmina em uma profissão de fé. • Adoração com o afeto íntimo do coração, mas também pela profissão externa. • Quando Jesus recebeu ou quando irá receber essa homenagem da criação? • Na ressurreição começou, mas... • A plenitude vai ser na “parousia”, segunda vinda de Jesus. • Jesus o Deus-homem, como sumo sacerdote na presença do Pai (Hb 2:17,18; 4:15,16)
  31. 31. Sinopse do tópico “Deus, o Pai, exaltou soberanamente o Filho fazendo- o Senhor e Rei. Haverá, pois, um dia que "todo joelho se dobrará" e "toda língua confessará" o senhorio de Cristo.” (L.B.*, p. 27) * L.B. = Lições Bíblicas, edição do professor.
  32. 32. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  33. 33. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Nesta lição aprendemos que: 1. Jesus é maior e mais perfeito exemplo de humildade, modelo a ser seguido, guardada a sua proporção; 2. Cristo tomou a forma humana, mas não deixou de ser Deus; 3. Encarnação como a maior prova de humilhação e amor. 4. O caminho de Cristo (humilhação) levou-o à exaltação: • Sacrificou-se pelos outros; • Mortificou a carne (cruz) para servir o próximo. • Deixou suas pegadas. Basta a nós segui-las.
  34. 34. “[...] Ele existiu como filho eterno de Deus, participou de sua glória – mas assumiu o caminho da obediência, não se agarrou a seus direitos de Filho de Deus, abriu mão de sua glória divina, tornou- se um homem verdadeiro, de Senhor se fez servo, humilhou-se mesmo como homem, tornando-se obediente até a morte na cruz. Por causa desta sua obediência e humildade Deus reverteu o seu caminho: ele o exaltou à glória celestial e lhe deu o nome que está acima de qualquer nome. Vivos e mortos, celestiais e terrenos deverão dobrar seus joelhos perante ele, e todo ser criado deverá confessar que ele é o Senhor. Assim a glória de Deus será revelada, de forma sublime” (WEINGÄRTNER, 1992, p. 51)
  35. 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 4ª edição. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. BOIYD, Frank M. Comentário Bíblico: Gálatas, Filipenses, 1 e 2 Tessalonicenses e Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 1996. CABRAL, Elienai. FILIPENSES: a humildade de cristo como exemplo para a Igreja. Rio de Janeiro: CPAD, 2013. CALVINO, João. Gálatas, Efésios, Filipenses e Colossenses. São José dos Campos – SP: Editora Fiel, 2010.
  36. 36. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COMBLIN, José. Epístola aos Filipenses. 2ª edição. Petrópolis – RJ, VOZES/SINODAL, 1992. LIÇÕES BÍBLICAS. Filipenses: a humildade de cristo como exemplo para a Igreja. 3º trimestre de 2013. Rio de Janeiro: CPAD, 2013. WEINGÄRTNER, Lindolfo. A Carta de Paulo aos Filipenses. Curitiba e Belo Horizonte: Editora Encontrão e Missão Editora, 1992.
  37. 37. IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais www.adsaojosedospinhais.com.br www.redemaoamiga.com.br Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice-Presidente: Eurico Deraldo Santana Co-pastor da sede: Josué Barros Abreu Sup. da EBD: Ev. Ismael Nascimento Oliveira Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 / 3076 3589
  38. 38. ANEXOS:

×