Telmo Pais

494 visualizações

Publicada em

trabalho escrito

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Telmo Pais

  1. 1. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 1 Telmo Pais Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett Trabalho elaborado por: Joana Simão nº 10, 11º C
  2. 2. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 2 Índice Desenvolvimento…………………………………………………………… …....3 Anexos……………………………………………………………………………. 6 Síntese final…………………………………………………………………… ….7 Webgrafia/Bibliografia…………………………………………………………...8
  3. 3. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 3 Desenvolvimento Telmo é um escudeiro e criado na casa de D.Madalena, tendo sido anteriormente criado na casa de D. João de Portugal. Ele tem um carinho muito especial por Maria, filha de D. Madalena, e também um carinho especial por D.João de Portugal, visto que foi ele que criou ambos. Ele é também muito estimado por D. Madalena e com o tempo ele acaba por aceitar o casamento de D. Madalena com D. Manuel. Ele vai desejar a morte de D.João de Portugal porque o amor que sente por Maria é tao grande que acabou por apagar o amor que ele sentia por D.João de Portugal. Com o desejo pela morte de D. João de Portugal ele mostra que morre moralmente porque vai contra a sua moral, visto que ele sempre quis que D. João de Portugal voltasse e ao longo do tempo ele deseja que D. João de Portugal não tivesse voltado. Ele sempre acreditou no Sebastianismo, uma lenda que dizia que D.Sebastião não teria morrido na batalha Alcácer Quibir e que voltaria para mostrar a sua glória. Ele representa também o papel de coro por estar sempre a agoirar sobre o futuro, estes agoiros estão presentes nas suas falas e didascálias. Telmo é a primeira personagem a saber a verdadeira identidade do Romeiro visto que D. João de Portugal se revela e prova que ele é o Romeiro, Telmo acredita ao reparar nos seus traços físicos e na sua voz. O Telmo é caracterizado fisicamente e psicologicamente, fisicamente como velho de barbas e cabelo branco e psicologicamente como leal, fiel, sabedor, conselheiro, de confiança, agoureiro, amigo, obediente, crente, protetor e carinhoso, esperançoso, confidente e amável. FisicamenteTelmo caracteriza-se como velho como compravaa fala “ Jorge- Não, homem;éo seu aiovelho, éTelmoPais.” ,no IIIato na cena I, e de barbas e cabelo branco como comprova a fala “Telmo- Meu filho!... Oh! É meu filho todo: a voz, o rosto… Só estas barbas, este cabelo não… Mais branco já que o meu, senhor!”, no III ato na cena V
  4. 4. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 4 Psicologicamente Telmocaracteriza-secomoleal comocomprovaa fala “ Romeiro- (…) tu és meu amigo? Telmo- Não sou? Romeiro- És, bem sei. E contudo, vinte anos de ausência, e de conversação de novos amigos, fazem esquecer tanto os velhos!... – Mas tu és meu amigo. Se tu não o foras, quem o seria?”, no III ato na cena V, esta fala demostra-nos que apesar de D. João ter estado desaparecido tanto tempo, Telmo nunca deixou de ser amigo dele. Caracteriza-se como fiel como comprova as falas “Maria-(…)Telmo Pais, meu fiel escudeiro”, no I ato na cena II e “Telmo- (…) Mas esse não tenho eu na consolação de ler, que não sei latim como o meu senhor… quero dizer, como senhor Manuel de Sousa Coutinho.(…)”, no I ato a II cena, esta fala mostra-nos que o Telmo era fiel para com D. João de Portugal, apesar de ser também fiel a D. Madalena, D. Manuel e D. Maria. Caracteriza-se como sabedor como comprova a fala “ Maria- (…) de quem é este retrato aqui, Telmo? Telmo-Esse é… há de ser… é um da família destes senhores da casa de Vimioso que aqui estão tantos.”, no II ato na I cena esta fala mostra-mos que o Telmo possui sabedoria e que é com ele que D. Maria aprende coisas sobre o Sebastianismo. Caracteriza-se conselheiro como comprova a fala- “Madalena (…) – Ah! sois vós Telmo…Não já não leio: há pouca luz de dia já; confundia-me a vista. E é um bonito livro este! O teu valido, aquele nosso livro”, no II ato na II cena, esta fala mostram-nos que Telmo aconselhava D. Madalena. Caracteriza-se como pessoa de confiança como comprova a fala “Madalena - Filha da minha alma! (…). Mas olha, meu Telmo, torno a dizer-to: eu não sei como hei de fazer para te dar conselhos. Conheci-te tão criança, de quando casei a... a... a... Primeira vez, costumei-me a olhar para ti com tal respeito -já então eras o que hoje és, o escudeiro valido, o familiar quase parente, o amigo velho e provado de teus amos…”, no I ato na II cena, esta fala mostra-nos que D. Madalena já o conhecia á muito tempo e por isso tinha nele muita confiança. Caracteriza-se como agoureiro como comprova a fala “Madalena (assustada) -Está bom; não entremos com os teus agouros e profecias do costume: são sempre de aterrar... Deixemo-nos de futuros (…)”, no I ato na II cena, esta fala mostra-nos que Telmo está sempre a agoirar sobre as coisas futuras e que ele faz isto para atormentar D. Madalena por causa do casamento com D. Manuel.
  5. 5. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 5 Caracteriza-se como amigo como comprova a fala “Madalena (…) És muito amigo dela, Telmo? Telmo - Se sou! Um anjo como aquele... uma viveza, um espírito! ...e então que coração!”, no I ato na II cena, estas falas mostram-nos que Telmo possui uma grande amizade por D. Maria. Caracteriza-se como crentecomo comprova a fala “Madalena- Pois dizei-me em consciência, dizei-mo de uma vez, claro e desenganado: a que se apega esta vossa credulidade de sete… e hoje mais catorze… vinte e um anos? Telmo- (…) Não me esqueceu aquelas e uma letra daquelas palavras; e eu sei que homem era meu amo para as escrever em vão: - “ Vivo ou morto, Madalena, hei de ver-vos pelo menos ainda uma vez neste mundo”- Não era assim que dizia?” e “Madalena- (…) mas as tuas palavras misteriosas, as tuas alusões frequentes a esse desgraçado rei D. Sebastião, que o seu mais desgraçado povo ainda não quis acreditar que morresse, por quem ainda espera em sua leal incredulidade!” , no I ato na cena II estas falas mostra-nos que Telmo acreditava no possível retorno de D. João de Portugal e compara isso a D. Sebastião que também iria retornar da batalha. Caracteriza-se como obediente como comprova a fala “Madalena- Ora pois, ide, ide ver o que ela faz (…) :que não esteja a ler ainda, a estudar sempre. (Telmo vai a sair.)”, no I ato na II cena, esta fala mostra-nos a obediência que Telmo possuía e que faz o que lhe mandam fazer. Caracteriza-se como protetor e carinhoso como comprova a fala “ Madalena- (…) Telmo, em vós só, achei o carinho e proteção, o amparo que precisava.”, no I ato na II cena, esta fala mostra-nos que Telmo é carinhos e protetor e é nele que D. Madalena acha isso. Caracteriza-se como esperançosocomo comprova a fala “ Telmo- Meu honrado amo, o filho de meu nobre senhor está vivo.” No III ato na IV cena e “Romeiro- Tu, bem sei que duvidaste sempre da minha morte, que não quiseste ceder a nenhuma evidência: não me admirou de ti, meu Telmo.”, no III ato V cena, esta fala mostra-nos que Telmo nunca deixou de ter esperanças do retorno de D. João de Portugal Caracteriza-se como confidente como comprova a fala “ Romeiro- É ela que me chama. Santo Deus! Madalena que chama por mim…Telmo- Por vós? Romeiro- Pois por quem?... Não lhe ouves gritar: «Esposo, esposo»?”, no III ato na VI cena, esta fala mostra-nos que o Telmo oculta que D. Madalena é casada com D. Manuel.
  6. 6. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 6 E por fim caracteriza-se como amável como comprova a fala “ Telmo- E do meu. Pois não se lembra, minha senhora, que ao princípio era uma criança que eu não podia…-é a verdade, não a podia ver: já sabeis porquê; mas vê-la, era ver… Deus me perdoe!... Nem eu sei… E daí começou-me a crescer, a olhar para mim com aqueles olhos… a fazer-me tais meiguices, e a fazer-se-me um anjo tal de formosura e de bondade que – vedes-me aqui agora, que lhe quero mais do que seu pai.”, no I ato na II cena e “Telmo- (…) É que o amor desta outra filha, desta última filha, é maior, e venceu… venceu, apagou o outro.”, no III ato na IV cena estas falas mostram-nos o amor que Telmo sentia por D. Maria e D. João de Portugal.
  7. 7. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 7 Anexos
  8. 8. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 8 Síntese final Com este trabalho aprendi que o personagem Telmo era uma pessoa que colocava o amor, lealdade e fidelidade acima de tudo. Telmo era escudeiro e aio na casa de D. Madalena, tendo sido anteriormente aio na casa de D. João de Portugal, foi na casa de D. João de Portugal que D. Madalena o conheceu. Ele nunca deixou de acreditar que o seu amo estivesse vivo e que voltaria para a sua família ao contrário da sociedade da sua própria família que lhe realizaram o “funeral” e que consentiram o casamento de D. Madalena com D. Manuel de Sousa Coutinho do qual nasceu D. Maria, a filha que seria ilegítima caso D. João de Portugal voltasse. Ele acreditava que a lenda de D. Sebastião tinha o seu fundo de verdade e sempre usou o Sebastianismo para fundamentar o retorno de D. João de Portugal. Ele representa na peça o papel de coro, visto que está sempre a agoirar sobre o futuro e principalmente para atormentar D. Madalena. Telmo é a primeira personagem a saber a verdadeira identidade do Romeiro, pois D. João de Portugal revela-lhe que o Romeiro é ele e Telmo afirma isso ao descreve-lo fisicamente devido aos seus traços físicos e à sua voz. Telmo morre moralmente por desejar a morte de D. João de Portugal porque o amor que sentia por D. Maria fez com que o amor que ele sentia por D. João de Portugal morresse e que ele sempre quis que D. João de Portugal voltasse e no decorrer da ação Telmo deseja que D. João de Portugal não tivesse voltado.
  9. 9. Escola Secundária Mouzinho da Silveira Página 9 Webgrafia/Bibliografia http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Frei-Luis-De-Sousa-Telmo/202971.html https://prezi.com/xdcisnhekz1-/caracterizacao-da-personagem-telmo-pais-da-obra-frei-luis-de/ COSTA , Pinto Elisa; FONSECA, Paula; BUESCU, Helena, Plural 11, 1ª edição, Lisboa editora, 2011.

×