Álvaro de Campos- Dobrada a moda do porto

945 visualizações

Publicada em

Análise do poema

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
945
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Álvaro de Campos- Dobrada a moda do porto

  1. 1. Dobrada à moda do Porto Álvaro de Campos
  2. 2. Tema O O poema é um texto narrativo (v.1) “Um dia num restaurante” onde o sujeito poético pede “amor” mas recebe a dobrada á moda do Porto fria (v2) “serviram-me o amor como dobrada fria”, indignado sai do restaurante e vai passear (v.8/9) “Não comi, não pedi outra coisa, paguei a conta e vim passear.
  3. 3. OEnquanto passeia o sujeito poético aborda o passado com nostalgia e felicidade (v.12-15) “Sei muito bem que na infância de toda a gente houve um jardim/ particular, privado ou publico/ Sei muito bem que brincarmos eramos dono dele/ E que a tristeza é de hoje.”
  4. 4. ONa ultima estrofe o sujeito poético fala que necessitava de amor, mas não recebeu (v.17-22) “ Mas se eu pedi amor porque me trouxeram/ dobrada á moda do Porto fria?/ Não é prato que se possa comer frio/ mas trouxeram-no frio/ Não me queixei, mas estava frio/ Nunca se pode comer frio, mas veio frio. OO amor referido é aquele que as pessoas não tem e que deveriam possuir e a dobrada significa a atitude das pessoas .
  5. 5. Linguagem de Álvaro de Campos OIrregularidade estrófica e poética ao longo do poema OEstrofes e versos longos OVersos soltos OAusência de linguagem expressiva OSem repetições OPontuação simples e pouco expressiva OAusência de neologismos, topónimos ou empréstimos OAusência de substantivos de fonemas
  6. 6. Figuras de Estilo OComparação- “Serviram-me o amor como dobrada fria”-V.3 OAnáfora- “Que/Que”-V-$/5 OInterrogação retórica- “Quem sabe o que isto quer dizer?”-V.10 e “Porque é que me trouxeram dobrada à moda do Porto fria?”- V.18
  7. 7. OMetáforas- “Sei muito bem que na infância de toda a gente houve um jardim/particular ou publico ou do vizinho/ Sei muito bem que brincarmos/era dono dele”-V.12-14, “Mas se eu pedi amor”- V17 OHipérbole- “E vim passear para toda a rua”-V.9
  8. 8. Características OEm geral o poema não sei insere em nenhuma das fazes de Álvaro de campos, sendo um texto narrativo o que não é habitual a escrita de F.Pessoa ortónimo e Álvaro de campos, OPodemos associar o aparte (V.12-15) á fase intimista, pois nela o Sujeito Poético aborda tempos de infância, o que revela que está no momento a atravessar uma má fase, despertando assim a necessidade de recordar os tempos melhores, neste caso a infância. ONeste poema temos presente o tédio
  9. 9. Conteúdo do poema O1ª estrofe- O sujeito poético encontra-se num restaurante fora do tempo e espaço onde pede um prato para compensar o desgosto e o amor que necessita, no entanto não encontra na dobrada o amor que procurava. O2ª estrofe- O sujeito poético abandona o restaurante e evidencia o facto que não ter recebido o amor que procurava.
  10. 10. O3ª estrofe- O sujeito porto encontra-se confuso e através da pontuação estabelece a ideia de continuidade. O4ª estrofe- é o aparte onde o sujeito poético relembra os tempos do passado propiamente a infância, está presente a nostalgia de infância, o jardim simboliza a felicidade de infância, enquanto os dias de hoje são tristes. O5ª estrofe- É a conclusão onde o sujeito poético resume a sua indignação e é mais uma vez evidenciado que ele não recebeu o amor.

×